Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Como acabar com o tráfico

26 de novembro de 2010 21

Traficantes esgueirando-se às centenas, quiçá milhares, feito baratas pelos matos dos morros cariocas. Homens de bermudas, sem camisa, mas com fuzil AK nos ombros. Bandidos com capacidade de fogo suficiente para arremessar granadas em blindados.

Como é possível que sejam tantos e reúnam tamanho poder?

Simples: o poder vem da maior fonte de poder do mundo: do dinheiro.

E de onde vem esse dinheiro?

Óbvio: do comércio de drogas.

E uma última pergunta: por que o comércio de drogas é tão frutuoso?

Essa pergunta é decisiva. Afinal, não existem tantas pessoas que consomem drogas. A maioria, a IMENSA maioria, não consome drogas. No entanto, existem consumidores de drogas, é claro que existem, e eles são, quase todos, jovens que passam pela droga algumas vezes e a abandonam logo ali.

O que torna o tráfico lucrativo, portanto, não é o consumo massivo da droga: é a proibição da droga. A droga, tornada clandestina, não paga imposto, não assina carteira, nem tem controle de qualidade.

Se, de um dia para outro, o Estado proibir a venda de sabão, as pessoas ainda assim continuarão usando sabão, levando alguns a produzir sabão e outros tantos a vender sabão. O comércio do sabão continuará farto, embora proibido. Mas, proibido, não pagará nenhuma taxa, nenhum imposto, nada. Não terá nenhuma obrigação social. Os trabalhadores envolvidos na produção e na venda do sabão não terão direito a férias, décimo-terceiro, horas extras etc. E o dono da fábrica clandestina de sabão ficará rico, poderá comprar armas para enfrentar a polícia que tenta reprimir o tráfico de sabão. Terá tantos recursos que corromperá a própria polícia e a justiça para continuar vendendo o seu sabão.

Aí chega um legislador convincente e demove o Estado da proibição do sabão. A venda do sabão foi liberada! Agora, os produtores de sabão terão de montar uma sede legalizada, com recepcionista e pagamento de IPTU; terão de registrar seus trabalhadores e pagar-lhes os direitos exigidos pela lei; terão de pagar os impostos sobre a produção e a venda do sabão, o imposto de renda, os impostos sobre propriedade. Agora, os produtores de sabão não usam mais bermudas e nem ficam sem camisa: eles usam terno e gravata. Eles ganham muito menos. E pagam muito mais.

Pegue aquele traficante que se rasteja pelo morro de bermuda, sem camisa, mas com um AK nos ombros, troque seu fuzil por uma pasta de executivo, meta-lhe dentro de uma gravata, legalize-o e faça com que o sistema o absorva.

Pronto. Acabou a criminalidade.

Transformar a droga de um problema de segurança em um problema de saúde, esse é o caminho para acabar com a guerra urbana do tráfico.


Comentários (21)

  • Valair Ferreira diz: 26 de novembro de 2010

    Sim. Isso mesmo. Essa é a logica. Sua linha de pensamento é da mais pura verdade.

    Isso já foi visto na década de 20 em Chicago, com a Lei Seca. Liberou a bebida, resolveu o problema.

    A sociedade sempre vai ter alguém que vai dar a ela o que ela quer. Pode ser com o estado regulando ou não. Mas sempre vai haver oferta pra qualquer demanda.

    O jogo e a droga. Sempre que houver pessoas querendo jogar, vai haver um cassino clandestino, ou um caça níquel ilegal em plena luz do dia. A questão é definir quem vai ter o controle de tal comércio. Do jogo ou das drogas. Pq eles sempre vão existir, enquanto parte da sociedade quiser jogar ou drogar-se.

    A proibição nada mais é do que abrir mão desse controle, e deixá-lo na mão de um controle clandestino, sem fim social, sem impostos, sem fiscalização competente, como vc falou.

    Mas sobre as drogas tem algumas ressalvas. Tem algumas drogas, ditas leves, que um usuário pode experimentar, dificilmente irá se viciar, ou causar uma grande degradação social ou familiar (ex. Maconha, LSD, Ecstasy, etc.) Porém há drogas que causam dependência química muito rápido. Não se pode sequer provar, etc (Ex. Crack, Cocaína injatável, Heroína).

    O que fazer: Descriminalizar as drogas leves. Muitos irão plantar a sua Canabis no quintal e não precisará ir ao morro comprar. Não terá o apelo da proibição, a curiosidade se dispersa. É possível com isso, uma educação mais efetiva, e presente, com melhores estratégias pra população jovem. É preciso entender que o jovem é naturalmente mais subversivo. A educação sobre drogas em jovens tem que ter uma estratégia especial, de preferência dentro de casa, pelos pais.

    Sobre as drogas pesadas: Essas eu creio que não devam ser vendidas ou legalizadas. Mas como o número de usuários é mais restrita, acho que aí cabe uma repressão pesadíssima. Com internações obrigatórias de usuários, e penas pesadas, até penas capitais pra quem traficar Crack por exemplo. Libera e legaliza por um lado as drogas leves, e aperta na repressão de outro. E se investe pesado em educação.

    Sobre o jogo, tem que legalizar, cobrar impostos, definir os locais, e fiscalizar a banca, pra que o jogo seja o mais honesto possível.

    Mas liberar drogas e jogos, vc vai desmantelar um sistema muito grande que financia talvez muito político, ou muito interesse financeiro. Pouca gente quer liberação de negócio clandestino. E o jogo do Bicho, Cassinos e caça níqueis, como ficam?? E alguns vários deputatos financiados por isso como que votam??

  • ubiratan diz: 26 de novembro de 2010

    Bah David, comparar drogas com sabão…
    Aonde…em que lugar do mundo…existe esse tratamento cordial às drogas??
    Não vale dizer que na Holanda tudo é liberado. O nível cultural e socio-econômico deles não dá nem prá comparar ao nosso.
    Isso aí não existe, David.
    O que resolve é a repressão.
    Repressão pesada e ininterrupta. Sufocar o mercado até eles entenderem que não é mais negócio traficar.
    Isso começa pelas fronteiras, já que o Brasil não produz as drogas que circulam aqui.
    O problema David, é o governo, de uma maneira em geral, é INCOMPETENTE em tudo que faz.
    Desde o governo Municipal, do Estadual até o Federal.
    Olha só… na cidade que a gente vive, as calçadas são mal cuidadas, as ruas esburacadas, parques mal cuidados, monumentos e prédios pichados, trânsito sem solução por lerdeza e falta de verba prá agir.
    No Estado, a saúde é um caos. As estradas em péssimo estado. A educação falida. Rs estagnado economicamente há anos.
    Na União, onde existe dinheiro, é uma gastança e os problemas persistem. Não solucionam o problema da saúde e nos arrancam tudo o que podem em forma de impostos.
    Porque tu acha que em meio a tanta INCOMPETÊNCIA, o problema das drogas teria uma solução tão simples??
    Duvido!!

  • Beatriz diz: 26 de novembro de 2010

    Olha David, legalizar o comércio da droga e transferir um problema de segurança para á saúde seria com certeza o colapso da saúde no Brasil. Hoje a saúde é precaria é ineficaz sofre com o abandono dos nossos adminitradores com falta de investimentos…..; com a droga legalizada com certeza aumentaria o número de usuarios o que aumentaria a demanda nos serviços de saúde, a saúde iria falir tenho certeza disto. Eu acredito na prevenção pode até ser utopia mas se não houver consumidor não há comércio.

  • Ernesto Bellotto diz: 26 de novembro de 2010

    Prezado David,
    Creio que atacar o problema da lavagem de dinheiro proveniente do tráfico seria muito mais eficiente. Mas aí se esbarraria na lavagem de dinheiro do dinheiro proveniente da corrupção, do caixa dois, do financiamento das campanhas políticas, etc. Ou vamos fingir que traficantes de bermudas e sandálias havaianas são os responsáveis por todos os contatos internacionais, logística e outras atividades ligadas ao tráfico? sigam o dinheiro e chegarão à muita gente “boa” e/ou “empresários de sucesso” cujas empresas ninguém conhece.

  • Gabriel Reinhardt Martins diz: 26 de novembro de 2010

    Mas, David, tem uma falha na tua teoria.
    Se legalizassem as drogas, o governo cobraria pesados impostos. Os atuais traficantes deixariam de o ser e se tornariam grandes sonegadores, pois continuariam na ilegalidade, ou seja, se recusariam a pagar impostos. Aí a polícia invadiria os morros, faria grandes apreensões de drogas. Para se defender comprariam AK’s. Todos comprariam dos sonegadores, porque seus produtos seriam mais baratos. Tudo continuaria como está.

  • gabriela diz: 26 de novembro de 2010

    Caro David preciso aproveitar que tocou no assunto e desabafar, porque esse sentimento me incomodou durante toda manhã, após ver imagens de muita chinelagem…

    Ao ver os tráficantes em cima do morro correndo feito baratas tontas, (nunca acredite nesse termo: crime organizado”) foi constrangedor os “monstros” acuados, eu esperava grandes negões marrentos, com muita artilharia… Me peguei por segundos, torcendo pra ver aqueles traficantes fuzilados no alto do morro.

    Depois ponderei, passou a euforia me lembrei de que quem goza de verdade e lucra pra valer com todo esse circo de horrores não são eles. Eles são servidores do sistema! Assim como todos nós estamos a serviço de algo que nos motiva ou acreditamos no mundo. Matá-los traz alivio instantâneo para muitos, porém outros servidores virão ainda mais sagazes e fortes… Continuarão fazendo o trabalho sujo para que nós sociedade, possamos fumar nossos baseadinhos na maior inocência, cheira nosso pó ou pedras e depois dormimos em “paz”. Todo mundo patrocina, consumidores, poder público, políticos, seja por omissão, covardia, uso “socialmente” ou indiscriminado.

    A sociedade não pode viver sem o ópio que a alimenta, cada um sabe o c… Que tem, usa quem quer! Ninguém é totalmente culpado nem tão pouco inocente nessa guerra. A policia e os traficantes estão desempenhado o trabalho que lhes foram confiado, ninguém pode negar que eles dão o sangue por isso!

  • Nilton diz: 26 de novembro de 2010

    Olá David, concordo plenamente contigo. Se o governo regulamentar este consumo, como o cigarro e a bebida, além de arrecadar mais impostos, diminuirá consideravelmente a violência no País. Não devemos ser hipócritas e negar que o consumo existe e a imaginar que a repressão aos traficantes vai acabar com os consumidores. Eles irão ao exterior buscar as drogas, pois tem muita gente endinheirada que vive com este vício. Vai dar problema de saúde? Não mais do que o Governo já arca hoje, onde os hospiais psiquíátricos estão se tornando meros centros de reabilitação de drogados, caríssimos para a sociedade. A aids, as DST, o consumo excessivo de doces, sal, cigarro e bebida já dão problemas também, e ninguém acha errado o governo arcar com estes custos. Vai ser mais barato que combater a violência. Faço uma proposta para combater o poder dos traficantes: UM DIA SEM DROGAS. Aí vai doer no bolso dos comerciantes de drogas. Se esta sementinha fôr plantada e a população se conscientizar, será primeiro um dia, depois mais um, assim como o combate ao vício da bebida. Alguém tem que começar a campanha.

  • CLAUDIOPOA diz: 26 de novembro de 2010

    Claro e vamos descriminalizar também os roubos de carros, já que a polícia não consegue combater esse tipo de crime, assim evitaremos as mortes e os traumas.

  • Allan diz: 26 de novembro de 2010

    Coisa boa que é, quando vc não escreve sobre futebol e sobre seu amor incondicional ao greminho.

    É isso aí, David.
    Gostei da tua analogia.
    Penso que a maconha deve ser legalizada, pois é pouco nociva e não sobrecarregaria o sistema de saúde, como defendem alguns. Além disso, diminuiria consideravelmente a procura de drogas em “bocas de tráfico”, já que a maconha é a droga ilegal mais consumida.
    Em alguns países, o plantio de maconha é liberado para consumo próprio (dois pés por pessoa). O usuário planta seu fuminho, não alimenta o crime e não prejudica ninguém.
    É verdade que muitos usuários de maconha passam para outras drogas, mas isso se dá, tb, pelas idas a “boca”, onde o traficante oferece outra “parada”. Sem ir a boca, o usuário de maconha não terá o fácil acesso a outras “paradas”. Pelo menos não tão facilmente.
    Mas essa discussão é uma dialética complexa e que não agrada os poderosos, pode ter certeza.
    Gostei do escreveste, mas se queres a legalização da droga, tens que parar de defender o imperialismo norte-americano, como fez em outra oportunidade.

    Sugiro essa leitura sobre a legalização da maconha:

    http://super.abril.com.br/superarquivo/2002/conteudo_120586.shtml

    Muito boa matéria da revista Super Interessante.

    Abraço a todos.

    Saudações Coloradas – Faltam 22 dias para o Bi Mundial

  • everton diz: 26 de novembro de 2010

    David, que absurdo este “racioassimio”, quando estamos trilhando o caminho inverso qual seja: coibir o consumo de drogas legais, vc quer legalizar as proibidas.

    Depois a gente faz campanhas contra as drogas assim como fazemos com alcool e fumo?

    O consumo de alcool e cigarros é altíssimo exatamente pq são livres.

    Pensa rapaz pensa!

    Abraços.

  • Felipe Augusro diz: 26 de novembro de 2010

    Parabens David! Caminhas contra a tua empresa! A RBS se esforça para combater as drogas, principalmente o Crack, fazendo campanhas e tu sugere a liberação delas… Como ficará a RBS???

  • Márcio diz: 26 de novembro de 2010

    É só colocar a maconheirada e os cheiradorzinhos na cadeia junto com os traficantes.

    Consumidor de drogas é receptador do tráfico.

    Chega de hipocrisia e coitadismo.

    CADEIA!!!!!

  • Thiago diz: 26 de novembro de 2010

    Disse tudo !!! Eu como jornalista e colega de profissão admiro sua posição.

    Gostaria apenas de comentar alguns comentários:

    Beatriz: Realmente jogar todo o problema na saúde ia ser complicado, visto que este setor já esta precário. Mas pelo menos assim, talvez nosso governantes não resolvam desperdiçar todo o dinheiro do estado na segurança dos ricos, deixando a saúde e a educação em segundo plano( refiro-me ao governo Yeda). Transformar a droga de um problema de segurança em um problema de saúde, investindo o máximo nesta área. Concordo com o David, este é o caminho.

    Luciano: Muitas coisas na vida viciam e matam, só que sua cabeça limitada acha que a droga é o único grande mal do mundo. Conheço muitos pais dignos e bem sucedidos que já consumiram drogas com os filhos, isto faz parte de um processo de criação e educação eficiente. Conheço muitos pais repressores como você que estão com filhos internados em clinicas de reabilitação, como você mesmo citou, com vidas “corrompidas”. Para mim a culpa desta violência não é do estudante que fuma seu “cigarrinho”; não é do traficante que ta trabalhando( como todos nós); a culpa é de pessoas que mantem esta ideologia conservadora, que nunca deu certo, criando um sistema totalmente falhado. Tem que olhar por todos lados da história, e buscar a alternativa contrária a que nós vivenciamos hoje. Se reprimir não da certo, tenta liberar. Posso estar errado, mas tenho certeza que a tua visão de solução tem resultados piores que a minha.

  • Jonas Martins diz: 26 de novembro de 2010

    Meu caro amigo David Coimbra, li seu post e todos os comentários a grande maioria concorda plenamente com você, uma outra pequena parcela acha sua idéia uma m…
    eu sinceramente tenho um ponto de vista um tanto como posso dizer antiquado, aprendi desde cedo que drogas são ruins, aprendi na escola, aprendi em casa, aprendi na televisão, aprendi nos livros, drogas é ruim, e então nunca usei droga nehuma, para ser sincero algumas drogas eu nunca vi, a não ser as mais conhecidas.
    Bom minha opinião é totalmente adversa a sua, eu vejo que se descriminalizar o uso de entorpecentes teremos um problema maior ainda, onde acompanhará o problema do alcool por exemplo, onde as pessoas morrem quietas, as familias são destruídas em silêncio, e grande maioria da midia não mostra o problema mais a fundo. Hoje vimos motoristas bebados matando gente todos os dias, amanhã veremos drogados dirigindo e fazendo mais vitimas do que nunca, gente que se perderá no mundo.
    A droga é praga da humanidade, elas matam muito todos os dias, seja diretamente ou indiretamente. Mas um dado interessante é que a nas favelas existe um numero muito pequenos de pessoas que usam, quem usa são os filhos de papaizinhos, que quando pegam pagam uma fiancinha e saiem por ai de novo, sem levar em conta que para cada baseado que eles usam para se chapar, um menino perde a vida pro tráfico, uma mãe perde um filho, uma familia perde um pai.
    Na minha opinião o que tem que se fazer é parti para cima, é meter chumbo nessa cambada de traficantezinhos, e mostrar que quem manda ainda são as pessoas de bem, e mais do que isso tem que criminalizar usuarios, que fazer do usuario um fora da lei tabm, e todos os pegos com drogas deveiam parar nos bancos dos réus…ai quem não usa pensaria duas vezes antes de usar. Perdi meu melhor amigo pro tráfico, e sei que foi s´´o para um play boy filho da pu… impresionar uma gatinha ou se fazer de revoltado, então acho esse babacas que depois de viciados vão para a clinicazinha e pro colinho do papai devem ser punidos como traficantes.
    mas sei que minha ideia é esdruxula afinal os póbrizinhos dos usuarios são apenas vitimas…na verdade eles são os principais elos do sistema, se eles naum compra naum tem para quem vender. Policia tem que entrar nos morros e mete chumbo nos vagabundos, e playboy usuario tem que parar no banco dos réu…assim eles teriam mais conciencia antes de subir o morro atrás de um baseado…

  • EMERSSON diz: 27 de novembro de 2010

    DECEPÇÃO!!!!!!!!!
    Caro amigo David. Sempre acompanhei o teu blog. Tenho todos os livros que vc já escreveu. Sempre admirei o teu trabalho, citando-o sempre como o escritor preferido… digo isso pq moro em Natal/RN e acesso o zh.com todos os dias para ver o que vc escreveu. Nunca imaginei ver uma besteira tão grande escrita por ti. Não me refiro a sua preferência pela legalização das drogas, opinião que sou absolutamente contrário, mas a sua analogia entre as drogas e o sabão. O sabão não atua diretamente no sistema nervoso central, prejudicando imensamente os seus usuários… sinceramente, eu poderia escrever páginas mostrando a nocividade das drogas ilegais, bem como sobre as drogas legalizadas, sobretudo alcool e cigarro, mas acho desnecessário após ver os brilhantes comentários do JONAS MARTINS e do LUCIANO. Desta vez, meu amigo, você, como formador de opinião que és, pisou na bola feio. Duvido que tu, como um pai que ama o seu filho, queira que ele se torne um consumidor e usuário das drogas que você entende que devam ser legalizadas. Outra coisa, como você vai na televisão cantar “CRACK NEM PENSAR” e escreve uma asneira destas, meu irmão? Você não acha que isto é hipocrisia? Na boa, a tua opinião eu já li e ouvi vária vezes… sempre da boca de usuários de droga, a maioria “loosers”, que me esforço para ainda achar que não é o teu caso. Cara, sinceramente, me decepcionei contigo e fiquei triste para caramba ao ler esta sua crônica.

  • fernando diz: 27 de novembro de 2010

    David. O problema do mundo é que hoje tido é resumido ao aspecto econômico. Que tal o teu filho comprando crack na esquina? Legalizar as drogas seria uma comprovação da falência do Estado, pois não teve competência para combater e desincentivar a população. Seria o mesmo que dizer – já que não podemos vence-los, vamos nos juntar a eles.
    Este foi o primeiro comentário teu que eu discordei frontalmente. Um dia tinha que acontecer. Acho que escreveste sem analisar toda a implicação do que a droga faz na sociedade. O eventual ganho tributário não compensaria o gasto em saude pública e principalmente com o comprometimento do futuro do país.Reflita.

  • Sandro Santos diz: 28 de novembro de 2010

    Muito boa idéia, caro David. Poderíamos, também, descriminalizar o estupro, o roubo, o assassinato, o sequestro, a mentira, a pichação, os flanelinhas, os corruptos e corruptores, e todo e qualquer tipo de ação que, hoje, o Estado nâo tem capacidade de combater.
    Desta forma, estaríamos, de verdade, livres de crimes , criminosos, poderíamos investir em outras áreas, como saúde, transportes, comunicações, etc…. e nem precisaríamos construir presídios e febens.
    Grande idéia, David! Simples e inteligente.
    As vítimas disso tudo que se conformem! Ou entrem na regra do jogo…
    Simplesmente fantástico.

  • José Alvaro diz: 29 de novembro de 2010

    Pô Davi! Tu estás querendo acabar com a propina do delegado, a caixinha da guarnição, a comissão do importador de armas, os honorários dos advogados porta de cadeia e toda a cadeia que sobrevive do negócio proibido? Queres ver cidadãos do Bem passando fome? Assim não dá! Assim não pode!

  • Luciano diz: 29 de novembro de 2010

    Caro Thiago,

    Se na tua concepção a droga deveria ser liberada, e pelo que eu endendi tua tb deve ser usuário da mesmas, é claro que tu vais puxar o saco do teu coleguinha de profissão…

    Não sou drogado e não tenho filhos que usam drogas, tenho uma filha de 6 anos, e fico extremamente preocupado, com a influência de terceiros que podem fazer com que uma criança, adolescente (não com esta ideda é claro!) experimente drogas. Pessoas como tu, maconheiros!

    É óbvio que a droga não é o maior mal do mundo, mas é algo palpável e muito próximo de nós, ainda mais num pais com cultura pífia, com baixissimos investimentos em edução, entre outros….

    O mais hilário de tudo (ou tristemente estúpido…) é imaginar eu chamando minha filha daqui alguns anos e dizer para, vem aqui que vou experimentar o crack contigo para amadurecermos mais….hehehehe

    Deprimente !!!!!!!!!!!!!

  • Elvis diz: 3 de junho de 2012

    Decepcionante é a argumentação de quem é contra a descriminalização. Falam se achando os sábios, mas não conseguem nem reciocinar além da educação que receberam da tv globo…

    A história (se é que vocês um dia estudaram de verdade) mostra que a repressão não resolve nada (Holocausto, ditadura e etc). O tráfico é um mundo que nunca vai parar por que a força está justamente na proibição.

    Mas não adiante explicar, vocês nem se desenharem vocês entenderiam.

    O que resta é conviver com a “proibição”

  • Mario Max diz: 23 de agosto de 2015

    Eu aqui tentando dizer algo. Só tenho que agradecer a todos vocês, pois, vi o que é necessário e vossos comentarios. E percebi que a chave para acabar com qualquer sistema, existente ou não, está no “comportamento” de “ser”!. esteja esse individuo sendo oprimido ou não. Basta haver uma atitude. E se essa atitude for um grupo! somente a morte podera vencelos. Mas se a morte for o grupo populacional? vai ter hitória ou grande feitos?
    não quero deixar todos confusos. mais só estou tentando passar o que se diz “disciplina consciente”. Só que isso só vem com grande sabedoria. E hoje as gerações não tem muita a que faça gerar em seus piscicologico feridas que faça se auto doutrinarem. Agora já estamos entrando em “educação”. Se hover alguém que já está entendendo tudo. não preciso “tc” mais nada, pois, perceberão que a resposta para o problema do trafico… está em nosso dia dia e a tendencia é piorar, pois está vindo evoluindo gradativamente de geração em geração e não está havendo algo que não neutralise a evolução, pois, este é como um virus. Pode também está em você ou na sua familia. E agora? vamos nos agrupar? Este programa vai ter um inicio um meio e um fim?
    somos mesmo um programa? o que somos nós podemos decidir ou não!
    Inclusive na política.

Envie seu Comentário