Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

O que mais sei fazer

29 de maio de 2012 6

Outro dia alguém me acusou de não saber perder.
Aí está uma injustiça atroz e revoltante.
Se existe alguém que sabe perder nessa ponta do Brasil, este alguém sou eu.
A toda hora estou perdendo, perco todos os dias, para todo mundo, nas mais variadas circunstâncias.
Logo, posso me gabar de ser um ótimo perdedor.
Raríssimas são as pessoas que me vencem numa disputa para decidir quem perde mais.
Sei disso porque estou cercado de vitoriosos, de campeões, de sabichões.
Eu aqui, nessa minha platitude, tenho de me contentar com escassas vitórias e façanhas que outros tantos já cometeram.
Por esse motivo, as valorizo.
Vibro com elas.
Ganhei uma! Ganhei uma! Mas não me exibo muito, por saber que, logo ali adiante, vou perder outra vez.
Aliás, já aprendi que só venço eventualmente porque perdi frequentemente.
Às vezes alguém me vê sorrindo e pensa que a alegria é fruto de petulância.“ É um convencido!”, conclui.
Lembro de uma vez, quando de minha primeira passagem por Zero Hora, que uma diagramadora olhou para mim e resmungou: – Tu deves ganhar muito bem, não é? Porque estás sempre rindo.
Mas é o contrário! Estou sempre sorrindo porque sei que poderia ser pior.
Contento- me com as alegrias baratas da vida.
Alguém que sabe que derrotas são sempre iminentes fica feliz com pequenas vitórias.
Isso em todos os campos, mesmo nos que me despertam o mais rútilo interesse.
As mulheres, por exemplo, são muito boas para ensinar a lidar bem com a rejeição.
Para efeito de ilustração, tomemos um tempo em que eu sorvia total descompromisso emocional.
Digamos que me interessasse por uma mulher diferente por dia.
Não é um número exagerado.
Há muitas mulheres interessantes por aí.
Isso não significa que você esteja apaixonado, nem que anseie por ter um romance explosivo com ela.
Não.
Trata- se apenas de uma consideração.
Você olha para ela e cogita das possibilidades, Será que posso me dar bem? Essa mulher poderia se repoltrear e se refocilar comigo? Então, se ela emite um mínimo sinal, qualquer coisa, pode ser um olhar veloz em que cintile uma réstia de contentamento, bem, aí você faz uma minúscula tentativa, qualquer coisa também, diz uma gracinha, só para ver se ela sorri de volta, se existe uma única chance.
E, neste caso, isso, apenas isso, o sorriso que volta, esse sinal ínfimo já pode ser considerado uma vitória.
Não que você ache que vai dar certo, nada disso.
A vitória se dá tão- somente porque não foi uma derrota.
Quer dizer: você não foi rechaçado de pronto, ela não despreza você, EXISTE UMA CHANCE! Mas, voltando aos meus tempos de descompromisso total, tenho de admitir que esse sinal de retorno não acontecia amiúde.
Dava- se, digamos, uma vez por semana.
Isto é: de 30 tentativas mensais, eu obtinha sucesso em quatro e, dessas quatro, talvez uma prosperasse ( se tivesse sorte).
Em um ano, portanto, eram 353 derrotas e 12 vitórias, em média.
Um homem que passa por isso se ceva na rejeição.
Ele sabe que a cidade está cheia de mulheres que o desprezam ou que o consideram insignificante.
Talvez até o ridicularizem à socapa.
Assim, se você conquista uma vitória, uma só, ela tem de ser comemorada.
Urge convidar os amigos para um chope cremoso.
O que quero dizer é que a rejeição e o fracasso não me roubam o bom humor.
Estou acostumado com eles.
Mas vejo que a maioria das pessoas não está.
A maioria das pessoas é vencedora.
Elas têm excelente opinião sobre si mesmas e, se sofrem um revés, se abalam, se entristecem.
Ou ficam revoltadas, como o Felipão.
O Felipão, quando perde, se queixa do juiz.
Vê conspirações em cada canto do vestiário.
Acontecia antes, quando ele estava no Grêmio, acontece agora, quando ele está contra o Grêmio.
A derrota nunca está nele, está sempre fora dele.
É a inconformidade dos vitoriosos.
Que inveja deles.

* Texto publicado na Zero Hora desta terça-feira, 29/05/2012

Comentários (6)

  • Paulo Fernando diz: 29 de maio de 2012

    Boa noite David, concordo plenamente com seus comentários, existem pessoas que se incomodam muito com aqueles que sabem lidar com situações de fracassos, vitórias e até quando você sorri. Também procuro valorizar cada coisinha boa ou ruim que acontece na minha vida.

    abraço

  • Marisa Oliveira diz: 29 de maio de 2012

    Muito bom, li e reli. É interessante como nossas derrotas e vitórias são analisadas. Pequenas vitórias são consideradas especiais para nós e os outros muitas vezes não valorizam. É aquela alegria que dá, que se eu desenhasse, nem assim alguém entenderia. Então a guardamos pra nós e a valorizamos. E um belo dia, vamos precisar dela e usufruir de sua lembrança.

  • Diovani Pretto diz: 30 de maio de 2012

    Muito bom texto. Alias, aproveitanto o espaço gostaria de reclamar. Sim, um reclamação contra tua pessoa. Tu, David Coimbra, devia participar de TODOS os pretinhos basicos. Manda esse recado pra turma do P.B.

    E digo mais, devia também escrever mais aqui.

  • Demian diz: 30 de maio de 2012

    Mais uma vez, MUITO BOM, David!!!

  • gabriele diz: 30 de maio de 2012

    Perfeito!!

  • Piero diz: 31 de maio de 2012

    Perfeito.

Envie seu Comentário