Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Sala de Redação

29 de maio de 2012 7

Ouça o Sala de Redação desta terça-feira.

Comentários (7)

  • Tiago de São Leopoldo diz: 29 de maio de 2012

    Sobre o caso Felipão, no ano passado o Inter virou motivo de piada porque todos os jogadores que vinham aqui e eram homenageados no Beira-Rio faziam gol no Inter. Mas sabe aquela frase, “quem ri por último ri melhor”? Os ídolos do Inter cumpriram seu ofício em campo, mostrando os grandes profissionais que são, mas após a partida nunca deixaram de demonstrar o respeito e o amor que sentem pelo Internacional, e também nenhum deles mostrou nenhuma satisfação em fazer gol no Inter. E NUNCA o Colorado levou um golpe baixo de um ídolo seu, como fez o Scolari agora, ou como fez o Paulo Nunes quando jogava pelo Palmeiras, ao marcar um gol no grêmio no olímpico, foi para a frente da torcida gremista provocar. Cuidado quando forem tirar sarro, gremistas, porque isso pode voltar em dobro.

  • LUIZ FELIPE diz: 29 de maio de 2012

    É impossível que se continue aceitando a detestável, omissa e incompetente representação do clube no programa sala de redação da rádio gaúcha. Não existe colorado que se sinta bem representado no programa, porquanto contamos com apenas um defensor folclórico, ético e desinformado lutando contra três representantes astutos, maliciosos e muito ativos do Grêmio.
    O tom da corneta e das ofensas não está padronizado para os dois lados. A rivalidade é tratada de maneira ofensiva pelo lado dos gremistas (incluindo o Davi Coimbra) e extremamente amistosa do lado colorado. A flauta e a corneta são válidas. O excesso e a mentira não. Alterar fatos e interpretar maliciosamente as coisas não contribui em nada para o programa. Nocaute malicioso no clube rival sem qualquer reação dos debatedores do Internacional não acrescenta. Pelo contrário, é tiro no pé. É fuga de ouvintes. É criar asco em quem acompanha.
    Já seria difícil debater sozinho contra três representantes do rival (sendo um enrustido, Davi Coimbra, que é extremamente ativo e malicioso). Mais difícil ainda é realizar tal debate lutando de maneira ingênua, ética e totalmente desinformada.
    A entrada do jornalista David Coimbra representou uma migração de colorados ouvintes. Causou asco, nojo e revolta em todos os colorados com o mínimo de inteligência. O referido cidadão faz tabelas diárias com o ex-dirigente gremista. As coisas do Internacional são tratadas e referidas sob um viés negativo. “O Inter quase perdeu para um time do Egito no Japão”. Não é a vitória contra o Barcelona que serve de referência. A referência é sempre o lado negativo. É a quase derrota. O ilustre jornalista tem a capacidade de dizer sem qualquer contestação que o recém-chegado Fernando é melhor que o multicampeão Guinazu. Jonas é melhor que Damião. Carlos Miguel é jogador completo. Os jogos do Grêmio e os ex-jogadores do clube são tratados como épicos e inigualáveis. O cara equipara os times por causa de resultado em grenal. Até informações erradas são ditas sem qualquer contestação ou retratação. “O Grêmio fez cinco no Palmeiras do Luxemburgo, Edmundo, Evair, etc”. Não aparece ninguém para dizer que o técnico era o Carlos Alberto Silva e os referidos jogadores não jogavam no Palmeiras. Todos os argumentos e participações do referido cidadão são contrárias ao Internacional. São balões inacreditáveis e chutes estratosféricos visando defender o Grêmio. O caso do estádio é exemplo gritante. Falou que o Inter entregaia mais para a construtora do que o Grêmio (qualquer pessoa sabe que não). Falou em placas de publicidade da Arena (Koff detonou ao vivo dizendo que tudo era da Globo). Falou que no caso do Grêmio não tem dinheiro público envolvido (e o terreno doado?). Detonou a Dilma com uma revolta inexplicável por conta da ajuda que deu ao Inter.
    Não precisa maliciar tudo e tentar mudar fatos para ganhar um debate. Vários assuntos do Internacional são tratados de maneira maliciosa e ofensiva. O clube é chamado de sequestrador, pirata. O estádio é chamado de remendo. Jogador que chama outro de macaco não sabe o que é macaco. Vale tudo para o meu lado e tudo do outro é banditismo. Até as ações trabalhistas do Inter foram escancaradas no programa. Se o nível deve ser baixo ao menos que se padronizem as ofensas. Ao menos que se padronizem os debates asquerosos propostos pelos debatedores gremistas. Em cada assunto do Internacional os ouvintes são brindados com interpretações maliciosas, adjetivos excessivos e ofensas gratuitas.
    Os ídolos gremistas são tratados com honras de herói. Ninguém faz referência a pipocada em GRENAL de 5×2. Ninguém fala em soco nas costas de jogador do Palmeiras. Já os ídolos colorados até de vigaristas são chamados. D’Alessandro foi acusado de inventar proposta da China. Foi acusado de mentiroso, de esperto, de malandro. O Mazembe é lembrança constante e os dois rebaixamentos gremistas ninguém fala.
    Não me venham falar que o Guerrinha representa o Internacional. Não existe ninguém mais isento no programa do que ele. O cara já falou que o time dele é a RBS. Brigou com o Falcão. Não contesta nada que é falado pelos gremistas. Participa omissamente do programa sem qualquer defesa, malícia ou enfrentamento. Se ele quer virar comentarista de jornada que largue a função de debatedor. Vai comentar jogos do Grêmio nas jornadas. Não quero ser representado por colorado que é adorado pelos gremistas. O simples fato de agradar a torcida do Grêmio já é sinal de que não debate nada a favor do Inter.
    Minha reclamação não é nem contra os participantes. Minha revolta é com quem escolhe os referidos representantes. Minha mágoa é com quem faz uma composição em que um clube é representado por uma pessoa e o outro é por três. A representação colorada é pífia e só aceita isso quem é colorado masoquista. É preciso melhorar a representação colorada no programa. É preciso um colorado mais informado, ativo e malicioso para padronizar a coisa. O programa está extremamente imparcial e isso é culpa de produtores e diretores.
    É inaceitável a rádio colocar ao vivo flauta de rival no meio da jornada esportiva do jogo contra o Fluminense. É inaceitável jornal colocar corneta em manchete após a derrota “Caiu de pé, mas caiu. ACABOU, ACABOU.”

  • SANDRO RIBAS diz: 30 de maio de 2012

    CONCORDO PLENAMENTE COM O COMENTÁRIO DO LUIZ FELIPE.
    EU MESMO SEMPRE ESCUTAVA O PROGRAMA À NOITE PELA INTERNET, MAS JÁ FAZ UM BOM TEMPO QUE NAO FACO ISSO.
    CONHECO VÁRIOS COLORADOS (NAO SEI PRECISAR QUANTOS) QUE TAMBÉM DEIXARAM DE ESCUTAR O SALA.
    O MOTIVO É EXATAMENTE O QUE O LUIZ FELIPE MENCIONOU NO BLOG, SEM MAIS NEM MENOS.
    É UMA PENA PORQUE CONHECO DUAS EMPRESAS QUE GOSTARIAM DE PATROCINAR O PROGRAMA, MAS INFELIZMENTE NAO O FARAO PORQUE O PROGRAMA ESTA TOTALMENTE PARCIAL.
    MAIS UMA COISA. O QUE ESSE TAL DE CACALO ESTA FAZENDO COMO PARTICIPANTE DO SALA? O CARA NEM JORNALISTA É.
    ACREDITO QUE COMO ADVOGADO ESSE CARA DEVE SER UM FRACASSO E POR QUESTOES FINANCEIRAS (NECESSIDADE) DERAM UMA OPORTUNIDADE PARAQUE RECEBA ALGUNS TROCADOS EM TROCA.
    ESPERO QUE A MINHA MENSAGEM SEJA DIVULGADA NO BLOG.

  • luiz diz: 30 de maio de 2012

    Luiz Felipe, pior é o Cacalo, sujeito pernicioso e baixo nível, sempre pronto a desqualificar o Inter.
    Falou e gritou no microfone que o Inter pirateou o Oscar como se fosse o arauto da honestidade.
    Tem dois fatos do Cacalo que deveriam fazer-lhe calar a boca.
    1) Quando Cacalo era presidente do Grêmio atravessou a contratação, pelo Inter, de um jogador chamado Jacaré. Mediante a reclamação do Inter Cacalo disse que o Grêmio não respeitaria mais o acordo que havia entre os clubes (de não atravessarem os negócios um do outro) porque o Grêmio estava se achando muito grande. Foi pirataria pura.
    2) Wianey Carlet falou no sala de um grenal em que os clubes combinaram de jogar com os reservas. Lá pelo meio da partida, vendo a coisa encruada, Cacalo mandou entrar em campo Paulo Nunes e Jardel, e o Grêmio venceu a partida.
    Wianey contou o caso chamando Cacalo de falcatrua (amigavelmente) e ele, Cacalo, ria orgulhosamente do feito.
    Agora vejam: quem pode rir de ter passado a perna em alguém, de ter descumprido um acordo? Só os desonestos, os picaretas, é isso que esse sujeito é, picareta, e tem voz no sala de redação.
    O Guerrinha chega a ser irritante com sua omissão, e concordo quando o Luiz Felipe diz que eles distorcem os fatos, É uma vergonha, esse programa já foi bom.

  • Yuri diz: 30 de maio de 2012

    Bah, mas quanta choradeira e mimimimi. Vocês tem inveja do David Coimbra, o melhor jornalista do grupo RBS. Vão dar piti em outra freguesia, parem de ofender o David, se não gostam do programa, a solução é simples não ouçam mais. O sala de redação melhorou muito desde a chegada do David Coimbra. E antes que venham me atacar dizendo que sou gremista, primeiro que nem gaúcho sou e em segundo lugar sou são paulino. Mas o sala de redação é um dos melhores programas do rádio brasileiro. Quem deveria sair do sala é o mala do Kenny Braga. Abração David.

  • Felipe diz: 30 de maio de 2012

    Isso tudo não é nada perto dos comentários do LAURO QUADROS no sala de redação.
    Acham o Cacalo gremista doente?
    Mas é -fichinha- perto do Lauro Quadros…
    Conseguiu dizer ano passado que o Grêmio em 2012 teria mais chances que o Inter de participar da Libertadores de 2013!!!
    Convenhamos que isso é muita força para achar alguma coisa boa ou à frente do rival…
    Se explicam as constantes brigas com o Professor.

  • luiz diz: 1 de junho de 2012

    Yuri, nada contra o David Coimbra, apenas contra o Cacalo, mas garanto que vc são paulino não escuta programa em que tenha alguém detonando teu time.

Envie seu Comentário