Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Faltou espaço para tanta dor

27 de janeiro de 2013 27

Todas as formas de dores da alma humana estavam reunidas no Ginásio Farrezão, no final da tarde deste domingo, em Santa Maria. Num lado do ginásio, logo depois da porta de entrada, pouco antes da linha lateral da quadra, havia um velório coletivo. Caixões de madeira foram postos sobre cavaletes, com os nomes dos mortos escritos em etiquetas coladas nos tampos. Os amigos e familiares ficavam em volta, de pé, ou sentados em cadeiras de plástico. Não se passavam 10 minutos sem que alguma mãe ou avó desmaiasse de emoção. Elas caíam no chão de pedra e logo eram atendidas por médicos, psicólogos ou até freiras que lá estavam para prestar auxílio espiritual.

Do outro lado da quadra, passando a linha lateral oposta, pais e irmãos de vítimas aguardavam sentados em cadeiras ou nas arquibancadas. O sistema de som anunciava:

— Atenção, familiares de…

E citava um nome. Os parentes, então, se apresentavam e eram conduzidos ao salão ao lado, a outra quadra, em que estavam dispostos os corpos sobre lonas pretas. Nesse momento existia um fio delgado de esperança de que o nome chamado não correspondesse ao corpo, de que o filho ou filha estivesse vivo em algum hospital ou perdido pela cidade, sabe-se lá. É evidente que essa esperança, em geral, se esvaía em poucos minutos, e os pais e mães saíam do ginásio transidos de dor, prontos para passar à outra parte do lugar, para o setor que observavam do seu lado da quadra: o velório coletivo.

No salão em que estavam os corpos, o calor fazia efeito. O cheiro de carne em decomposição começava a pesar, e nem as máscaras cirúrgicas distribuídas na entrada evitavam a náusea. Não há frigoríficos para acomodar os corpos, nem há espaço no IML de Santa Maria, lá só existe capacidade para 10 corpos. Não havia caixões suficientes, funerárias de cidades vizinhas foram acionadas para suprir a demanda. E, nos corações do povo que se reunia de olhos vermelhos em volta do ginásio, não havia espaço para tanta dor.

Comentários (27)

  • Luciano Fagundes diz: 27 de janeiro de 2013

    Sou gaúcho morando no DF e estou muito triste, indignado e consternado com esta tragédia. Tenho acompanhado desde cedo as notícias por mídias diversas e a conclusão que chego é que esta casa chamada Kiss, não tinha condições de abrigar esta quantidade de pessoas, que nao tinha que estar funcionando. Não havia um plano de evacuação, não havia saídas de emergência, não havia profissionais na segurança habilitados, pelo que li até o alvará estava vencido. Amadorismo somado a situação de anormalidade, no caso fogo e fumaça, a resultante é tragédia, perda de vidas. Resta que os responsáveis sejam punidos, que todos os responsáveis sejam punidos. Que Deus ampare as famílias e amigos das vitimas.

  • Paulo Chaim diz: 27 de janeiro de 2013

    Sim, estamos muito tristes! Eu estou triste e envergonhado! Acontecer algo como este que aconteceu, numa cidade universitária de porte médio, portanto fácil de ser administrada, sabidamente ocupada por muitos jovens estudantes. Estes estudantes são explorados, asquerosamente, pela prefeitura de Sta Maria de todas as formas possíveis. Para a cidade eles são fonte de renda e nada mais. Por isto, arapucas como a boate Kiss existem. E, se nada fizermos, continuarão existindo. Quando tomaremos vergonha na cara? Os Schirmers se julgam donos da cidade e logo tratarão de impor sua influência tradicional…Pobres cidadãos servis. Terão que ficar satisfeitos e agradecidos com os trinta dias de luto decretados pelo burgomestre canalha! E não me espantarei se ficarem MESMO! Não aceito, em nome das recentes mortes de 233 jovens, que se esqueçam os culpados por tal tragédia em nome de uma dor tamanha!

  • Leda Maria diz: 27 de janeiro de 2013

    Sem comentários… é muita dor…
    Que a fé em algo ampare essas famílias.
    Eu tenho um filho, e me coloco no lugar dessas mães e pais…

  • Rodrigo Santos diz: 27 de janeiro de 2013

    É incrível como nesses momentos, após o ocorrido, chovem especialistas em todos os meios de comunicações. Todos, sem exceções, dão uma aula do que deve, ou deveria ter sido feito para que tudo funcionasse em perfeita segurança. Julgando o dono do estabelecimento (não estou eximindo a culpa dele), mas agora não adianta crucificar o cidadão. Tem que se fiscalizar realmente, de forma séria. Quem não lembra de todos as catastrofes que já houveram no Brasil? bateau mouche no Rio, o acidente do avião da TAM em Congonhas? será que ainda estão fiscalizando? ou será que depois que a mídia desligou as cameras, tudo voltou como era antes?

  • Ilton Freitas diz: 27 de janeiro de 2013

    Penso que deveria haver uma campanha para adiar o jogo Gremio X LDU. O Estado decretou 7 dias de luto oficial, há uma comoção regional/nacional. Basta de espetáculo por alguns dias. Respeito e compaixão são maiores do que isso tudo!

  • Cesar Roos diz: 28 de janeiro de 2013

    Essa tragédia apenas retrata o que ocorre em nosso pais a começar pelo congresso! As leis existem mas nada se cumpre! A impunidade esta em toda parte onde congressistas são condenados e não vão para cadeia! Ex presidentes são suspeitos de corrupção e nada acontece! Aposto que os donos dessa boate devem estar pensando que basta contratar advogados bons para se livrarem da cadeia e tudo terminara bem!! Espero profundamente que a punição seja pesada para servir de exemplo para muitos que brincam com vidas alheias!! Cadeia já!!

  • Machiavellirs diz: 28 de janeiro de 2013

    A MAIOR DOR

    Infelizmente ficaremos marcados pela geração que presenciou a maior dor do Rio Grande. Rio Grande da Dor. Passarão anos, séculos, milênios para que uma dor como essa seja superada. Acho que nem será. Triste, muito triste! Alguns sobrenomes lembravam amigos de um passado bem distante, um passado onde a esperança de coisas boas, de alegria de viver e de gente jovem e bonita habitavam meu dia-a-dia.

    Não consegui evitar o choro!

  • Guilherme diz: 28 de janeiro de 2013

    Cada coisa é uma coisa. A primeira reação é de querer achar culpados e isso é perigoso. Não houve intensão, então vamos esperar para que os orgãos responsáveis apurem o caso, julgem e punam, se for caso, pelas coisas que realmente tiverem responsabilidade. Analisar pela mídia, que muitas vezes, se não na maioria, é muito sensacionalista, é perigoso. A questão dos seguranças, é muito fácil falar que não eram treinados, se você estivesse trabalhando no momento teria feito a mesma coisa. Quando eles viram que se tratava de um acidente, ajudaram as pessoas a sair do local. Este tempo perdido poderia ter salvado vidas, sim, obviamente, mas eles não fizeram nada fora do normal, não sabiam o que estava ocorrendo, a primeira reação foi a que a maiora das pessoas fariam naquele momento de estivessem trabalhando naquele momento. Enfim, não estou tirando a responsabilidade de ninguém, mas para sair julgando aparece meio mundo. Muita calma nessa hora. Agora é o momento do conforto e apoio aos familiares, não será vendo TV que alguém será capaz de julgar o que aconteceu. O músico normalmente usava os fogos, fez com intenção? Com certeza que não. Foi imprudente? Obvio, mas ele tinha a informação dos riscos? Não sei… tudo muito subjetivo… Houve erro da prefeitura? Do corpo de bombeiros? Não sei… muito fácil chegar aqui e apontar… vamos esperar e ser racionais… que mania que o brasileiro tem de querer achar culpado sem ter informações para isso… e com a mesma facilidade que consegue se indignar e sair culpando e colocando foto de pessoas no facebook, acusando, acaba esquecendo de tudo em poucos dias e não faz nada ou não briga para que aquele problema não volte a se repetir.

  • Longinus diz: 28 de janeiro de 2013

    “Deus ampare as famílias e amigos das vítimas”? Por que ele não amparou as vítimas? Por que, se ele tudo vê, limitou-se a assistir ao horror, sem detê-lo? Por que, se ele tudo pode, não estendeu a mão, como qualquer pessoa normal faria, para salvar esses jovens do inferno em que eles estavam?
    E não venham me dizer que a culpa é das pessoas que não tomam as providências necessárias para evitar as tragédias! Tu, que estás lendo e pensando isso, se passasses na frente da boate, visses o fogo e tivesses a oportunidade de salvar essas pessoas, dirias isso? “Deixa que morram porque a culpa é do dono do estabelecimento”? Claro que não! Tu, assim como qualquer pessoa normal, deixarias de lado o pesar das culpas e irias agir! Quem tem o mínimo de senso moral estende a mão sem questionar as responsabilidades; isso fica para um segundo momento. Deus, que tudo vê e tudo pode, apenas assistiu.
    A omissão, aqui, é terrível.
    O silêncio, aqui, é devastador…

  • airton diz: 28 de janeiro de 2013

    caro david

    uma cas naoturna de shows,dancas,espetaculos diversos ,aonde se aglomeram muitas centenas de pessoas deve ter uma arquitetura mais pratica e eficiente.Como por exemplo varias saidas largas e corredores amplos.Todos que estejam concentrados em frente a palco ou pistas de dancas possam facilemte sair do local.Instruçoes muito claras de como proceder e tambem sinalizadores de direçao.
    Neste e em 98 % dos locais liberados sao frageis e possiveis de tragedias.E preciso ir adiante…..batam nesta tecla de modificaçao arquitetonica urgente .

  • Joel diz: 28 de janeiro de 2013

    Interessante observar que em Porto Alegre a SMIC fechou todas as casas noturnas, bares e restaurantes na Lima e Silva que estavam com alvará irregular, e na época a reclamação foi ensurdecedora, fizeram comunidades no Facebook acusando a Prefeitura de estar matando a noite na cidade, fizeram passeatas, acusações… hoje se vê que pelo menos a maioria daqueles locais fechados provavelmente seriam verdadeiras arapucas em casos semelhantes a esses que aconteceram recentemente.

  • Paulo diz: 28 de janeiro de 2013

    Algumas constatações de ordem prática:
    - o HPS não tem heliponto
    - os bombeiros não fiscalizam adequadamente os prédios de acesso público (danceteria sem saídas de emergência)
    - 2 pesos e 2 medidas: alguns prédios são obrigados a instalar todos os detalhes da legislação, outros não precisam sequer ter saídas de emergência e recebem alvará (corrupção) ?
    - bombeiros não possuem máscaras de oxigênio
    - bombeiros não possuem equipamentos de demolição para abrir caminho nos prédios (britadeira, guincho, etc)
    - a RBSTV demorou 8 hrs para iniciar transmissão ao vivo do local, mesmo tendo uma sucursal na cidade

  • Angelo diz: 28 de janeiro de 2013

    Nossos sentimentos e conforto aos familiares das vítimas, e nossa indignação e desejo que as autoridades federais(policia federal), puna com rigor os administradores desta cidades, os incompetentes, os verdadeiros responsáveis por isso mas tem que punir o prefeito o chefe dos bombeiros e não a prefeitura pois esta é o próprio, povo então ele mesmo pagara a conta, tem de se responsabilizar civil e criminalmente a pessoa dos responsáveis para que exemplarmente seja punidos pois eles deixaram funcionar um estabelecimento sem condições, e repito DEVEM SER PUNIDOS, sem jeitinho brasileiro, JOAQUIM BARBOSA neles urgente.

  • Jarbas Motta diz: 28 de janeiro de 2013

    Davi, gostaria que o prefeito de Santa Maria viesse a público e explicasse como essa casa estava liberada para tal tipo de evento. Quem liberou.
    A um tempo atrás, um conhecido meu, teve seu nome e o nome da sua empresa, que ele teve que fechar, jogado na lama em uma reportagem da RBS, pelo fato dele pagar propina pra funcionários da prefeitura de POA, para poder prestar serviços pra mesma. Ele foi obrigado a acabar com sua empresa, mas o funcionário, ou funcionários, continuam trabalhando no mesmo local. Com certeza “achacando” outras empresas.
    Nesse caso em Sta Maria, uma casa que comporta mais de mil pessoas e, possui, apenas uma porta de entrada e de saída, e está legalizada para esses eventos, nos obriga a perguntar aos mandatários da cidade. Quem liberou?
    Que tipo de imputação será dada aos responsáveis por essa mortes? Ou vai ficar tudo na mesma demagogia de sempre.
    Eu sou pai e imagino o que os pais desses jovens estão passando nessa hora mas, tomara que eles, após chorarem seus queridos filhos, exijam que os responsáveis seja duramente punidos por esse crime.
    Um abraço a todos.

  • Peixe diz: 28 de janeiro de 2013

    Joel: disseste tudo! Aqui mesmo, nesta coluna, muitos gritaram contra a fiscalização, contra a “fúria legiferante” – termo usado pelo próprio colunista – e coisas do gênero.
    Longinus: se um pai vê um filho em risco e não faz nada para ajudá-lo, nós o prendemos por crime de omissão de socorro e o chamamos de péssimo pai. Se deus vê uma tragédia e não faz nada para detê-la, nós o louvamos e agradecemos por não termos morrido junto.
    Morei em Santa Maria e me solidarizo com as famílias nesse momento de desespero.

  • Rolim diz: 28 de janeiro de 2013

    Tenho duas filhas e não consigo imaginar a dor desses pais, estou profundamente consternado e triste, presto minha solidariedade as famílias. Omisso foi o poder público em não fiscalizar as reais condições do local para um evento dessa magnitude, irresponsável os donos da boate, permitindo o uso desse material em um local fechado com lotação acima de sua capacidade , com todas probabilidades estampadas para uma tragédia, inconsequente o integrante da banda ao não perceber os riscos de uma fagulha em um ambiente fechado. Resta esperar que o poder público faça a sua parte e não só hoje. Olhem as condições do pub no shopping total, perceberam que tem tudo para dar errado, também.

  • Rodrigo Santos diz: 28 de janeiro de 2013

    Isso mesmo Joel, perfeito teu comentário. E te garando, que se antes do acidente, tivessem fechado a boate por irregularidade, esses mesmos que hoje estão esbravejando de raiva, querendo justiça, seriam os primeiros a torcer o nariz ao fechamento e criticar as autoridades por tanta rigorosidade.

  • Nore diz: 28 de janeiro de 2013

    Oi David,
    Em relação a este caso da Kiss, considero que seja oportuno uma coluna sobre o tema PERVASIVIDADE. São aquelas coisas que de tão presentes se tornaram invisíveis e não são mais revisadas. Um item importante na vida de um legislador e de um fiscal.

    É o caso daquela parede na entrada que bloqueia a saída (que é a mesma da entrada). Também é o caso de se rever este conceito em que um estabelecimento é aprovado sem uma saída extra, sendo esta a de emergência. Pervasividade também deve incluir “alvarás” ou o nome que for para terceirizados. Também deve incluir que somente o corpo de bombeiros pode permitir quem manuseia fogos de qualquer natureza. Uma banda não pode colocar no site que faz isto desde sempre impune. Fogos em local fechado ou cercado também é uma inovação inútil.

    Enfim, a imprensa está muito preocupada com o que diz a legislação, enquanto a sociedade está preocupada com o que deveria dizer a legislação. A cobertura de boa parte dos veículos ontem não teve nenhum sentido.

  • Hugo Boll diz: 28 de janeiro de 2013

    Como a tragédia motivada pela ganância, pela incúria, pela ignorância, pela podridão do poder público aconteceu numa cidade gaúcha, apenas uma cidade universitária de 300 mil habitantes, sempre comandanda pela mesma cambada que se alterna no poder, pelo voto de seus habitantes tão orgulhosos do solo natal e tão bitolados intelectualmente, os causadores serão vários – Deus, inoperante como sempre, a fatalidade inexorável, o Tarso que é do PT ( para quem ñ é petista ), a Dilma que veio chorar em busca de votos, os jovens mortos que deveriam estar em casa dormindo, os pais dos mortos que deixam seus filhos frequentarem lugares perigosos…Nunca a própria CIDADE de Santa Maria, onde a carnificina aconteceu! Se a cidade que mantivesse a Kiss funcionando fosse em outro lugar fora do RS – em Campinas (SP), por exemplo, todos aqui estariam culpando a cidade, o estado , o Brasil pelo fato. E vcs sabem que isto é a pura verdade! Como aconteceu em solo gaúcho, a tal fatalidade serviu para colocar o glorioso estado do sul brasileiro nas manchetes mundiais, ajudando, no futuro, ao incremento do turismo por aqui. Há males que se tornam úteis, pensam as bestas!

  • Alberto/NH diz: 28 de janeiro de 2013

    Gostaria de pedir que Políticos não queiram “aparecer” neste momento triste, mas sim, trabalhem por melhores leis no país da IMPUNIDADE!

  • filomena carranta diz: 28 de janeiro de 2013

    por favor leiam o que o guilherme escreveu , e encerrando com alberto nh, sem mais….ou entao vejam o datena falando pelos cotovelos, chega a provocar nauseas….

  • Alexis diz: 29 de janeiro de 2013

    Realmente, é difícil até saber oq dizer.

    Desde o 11/09 eu não via algo igual…aqui no RS, nunca tinha visto. Imagino como está hj o clima na cidade de SM.

    Só espero q agora, baixando a poeira e esgontando-se as notícias (de verdade) sobre o fato, não sobre espaço pra sensacionalismo barato, q alguns gostam de fazer nos veículos de comunicação.

    E q todos aqueles q perderam a vida lá, fiquem em paz.

  • Raquel diz: 29 de janeiro de 2013

    Longinus,
    Deus que tudo vê e tudo pode, nos criou livres e com o poder do livre arbítrio, onde podemos escolher como viver, onde viver e também como morrer.
    Deus que tudo vê e tudo pode, nos deu muitas vidas, para que assim possamos ir e voltar, pagando por feitos passados e tendo a chance de fazer o bem a quem precisa hoje e agora.
    Deus que tudo vê e tudo pode, não fez nada para as vítimas, pois era a vontade delas ter o fim em conjunto e de forma trágica, foi fim de uma etapa, de uma missão, de um resgate.
    Deus que tudo vê e tudo pode, com certeza está ao lado das famílias que sofrem, amparando e fazendo com que este sofrimento seja aliviado, sofrimento que também é necessário.
    Deus que tudo vê e tudo pode, é um Deus de amor, ele ama sem precisar ser amado, e ama com todo o seu amor pessoas como você, tão revoltado e tão ignorante.
    Que este mesmo Deus te ame cada vez mais e consiga fazer que a sua vida e seu coração sejam sempre melhor!!!

    Estamos sim, todos abalados, revoltados, tristes com esta tragédia. A vida continua para quem fica, que possamos levar nosso apoio as famílias das vítimas com orações e pensamento positivo, enviado a eles nossas melhores energias e assim, aliviando um pouco do sofrimento. Eles com certeza não esquecerão esta data, ficarão com esta dor para sempre em seus corações, porém todas essas pessoas que hoje estão revoltadas com o caso, (e até mesmo culpando a Deus) logo esquecerão, porque terão uma nova tragédia para se revoltar. É triste, mas é sempre assim, e é assim que vai ser, enquanto não tivermos entendimento suficiente para estas questões. É realmente, muito triste, não só a tragédia, mas descrença do ser humano.

  • Mauricio S diz: 29 de janeiro de 2013

    Eu entendo o seu silêncio ante tanta dor…Falar para quê? Ainda mais vc, que só consegue expressar o que aconteceu séculos, tempos passados…, só depois de ter lido sobre o assunto a ser tratado exaustivamente – isto se o fato é histórico, verídico, bíblico. Este assunto presente, trágico, infame, vergonhoso para a terra gaúcha não pode ser tratado como uma historieta em capítulos, como um folhetim à la Nelson Rodrigues. Assim, vc não poderá fazer como o Carpinejar, aquele que morreu em Santa Maria, metaforicamente, claro!!! Morrendo de mentirinha, o apolo gaúcho conseguiu ser citado no Globo, conseguiu ver sua elegia ser publicada alhures, o que era, exatamente, o que ele queria. Pena que, evidentemente, logo será esquecida, ignorada. Só quem perdeu um parente querido, morto naquela madrugada ignominiosa, jamais esquecerá o fato e sofrerá sempre…

  • TÁRIK STRAUSS diz: 29 de janeiro de 2013

    Davi. Sou de Santa Maria/RS, a cidade está de LUTO. Assim como teus colegas cronistas do Diário de Santa Maria e da ZH, conseguiste passar para todo o RS a dor que estamos sentindo.
    Mas me deparo hoje (29.01) com a charge estampada em ZH do Marco Aurélio. Tamanha insensibilidade diante de uma tragédia, cuja ferida ainda pulsa dentro de nossos corações.
    Lhe pergunto: Tu, que presenciaste esta tragédia aqui em SM, o que diria a teu colega Marco Aurélio. Por favor, me responda Davi, pelo respeito que tenho por ti e pelo respeito que tu tem pelos teus leitores.

  • renan diz: 30 de janeiro de 2013

    É muita dor. Não consigo parar de chorar todas as noites desde então. Sem mais palavras.

  • Longinus diz: 30 de janeiro de 2013

    Raquel
    “Deus que tudo vê e tudo pode, não fez nada para as vítimas, pois era a vontade delas ter o fim em conjunto e de forma trágica, foi fim de uma etapa, de uma missão, de um resgate.”
    Era a vontade das vítimas morrer assim? Então, por que procurar culpados? Por que tomar providências? Por que adotar medidas de segurança? Já temos os culpados: as vítimas! Elas “quiseram” isso!
    Cada corpo queimado, cada vida ceifada de forma terrível, cada pai e mãe que sofrem e que talvez não resistam à dor, cada filho pequeno que não terá a chance de abraçar a mãe ou o pai pela última vez, tudo isso é prova do “amor” de deus, e quem não vê essa “obviedade” é ignorante e revoltado…
    Qualquer pai que permitisse a morte de um filho nessas circunstâncias seria visto como um monstro, independente das razões para isso. Deus, não: ele tem um “Plano”.
    Diante de tamanha tragédia, é de arrepiar alguém dizer o que disseste, Raquel.

Envie seu Comentário