Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Não consigo esquecer

29 de janeiro de 2013 49

Vi uma menina em meio aos cadáveres, no ginásio de Santa Maria.

Não consigo esquecer aquela menina.

Eu estava caminhando pelos corredores de corpos das vítimas do incêndio na boate, estava angustiado com o cenário de horror. Na verdade, não sabia exatamente o que pensar nem o que sentir, e ainda estou pensando, ainda estou sentindo.

Então, avancei pelo corredor central, até onde haviam sido dispostas as mulheres, todas elas cobertas até a cintura por uma lona.

E a vi.

Ela estava deitada à direita do corredor principal, numa das fileiras frontais. Era uma moreninha de cabelos pretos e lisos que lhe escorriam até um palmo abaixo dos ombros. O que primeiro me chamou a atenção foram, exatamente, os cabelos. Pareciam estar penteados. Tinham brilho. Em seguida, olhei bem para seu rosto. Era bonita, de feições delicadas, boca e nariz pequenos. Os olhos escuros estavam semiabertos, como se ainda enxergassem ou estivessem se abrindo de um sono reparador. Era muito jovem. Quantos anos teria? Dezoito? Dezenove no máximo.

Eu ia para um lado e para outro, mas acabava voltando e olhando-a. Por algum motivo, precisava olhá-la. Pensei que parecia uma menina bem cuidada. Sim, uma menina tratada com doçura, como têm de ser tratadas as meninas. Devia ser o orgulho dos pais, a paixão dos avós. Provavelmente estudava nos semestres iniciais de alguma das faculdades de Santa Maria. Talvez Veterinária. Sim, aposto que era Veterinária, a menina devia adorar bichos.

Devia ser uma menina alegre, que iluminava os locais em que chegava. Devia estar no primeiro namorado, nos primeiros beijos, nas primeiras dores de amor. Espantoso como dela emanava serenidade. A impressão era de que logo se ergueria dali, sorridente e estremunhada do adormecer, e olharia para mim, e me cumprimentaria com leveza, e sairia daquele lugar macabro com passos de quem já foi bailarina.

Lembrei de uma história contada no Evangelho de São Marcos. Jesus chega ao velório de uma menina. Todos choram, e ele diz:

– Por que estão chorando? Ela não está morta, está apenas dormindo.

As pessoas caçoam de Jesus, mas ele se aproxima do corpo e ordena:

– Talita, cumi!

Ou seja:

– Menina, levanta!

E a menina se levantou para a vida.

Pensei que aquela menina de Santa Maria poderia se levantar para a vida naquele momento. Porque ela parecia, mesmo, viva. Tão bela, tão criança, tanto para fazer neste mundo. E aí olhei para ela e pensei: menina, levanta! E, por um momento, acreditei que ela pudesse, de fato, se levantar. Olhei, olhei, mas ela não se mexia. Como podia, aquela menina ali? Não podia. Não devia. E de novo pedi: menina, levanta! E a fitei, fixamente. Levanta, menina, pedi outra vez. Levanta. Levanta. Levanta. Levanta.

Comentários (49)

  • Rolim diz: 29 de janeiro de 2013

    É cruel sentir esse vazio, não tive familiares e nem amigos atingidos mas, mesmo assim o vazio é enorme e constante, vidas ceifadas brutalmente, tenho duas filhas e não imagino a dor desses familiares mas sinto um vazio.

  • Marcia Slatka Magarca diz: 29 de janeiro de 2013

    Que pena que vc ñ é Jesus! Estranho… mas, para quem desde pequeno lê os evangelhos, vc parece duvidar da santidade de Jesus. Talvez vc ainda esteja fora de seu juízo normal, dilacerado de tanta dor. Tomara!

  • Marta Regina da Silva Caldela diz: 29 de janeiro de 2013

    Obrigada, David, Coimbra, por dizer o que sinto. Sabe, não me saía da cabeça a lembrança das noites em que eu não dormia enquanto não ouvia o barulho da chave na porta, quando meu filho, adolescente,chegava em casa, pensava em todas as mães que não ouviram aquele barulho tranquilizador.
    Um abraço!
    Marta Caldela.

  • Matheus diz: 29 de janeiro de 2013

    É duro David!! Esta sendo duro demais!!! Confesso, assim como vc, que acusei o golpe. É estranha esta dor, é como se tivesse perdido gente muito proxima.

  • Rod diz: 29 de janeiro de 2013

    Sou de Minas, mas morei em Cruz Alta por cinco anos, e direto ia a Sta Maria, cidade jovem, bonita, alegre, viva.
    Voltei prá MG, mas mesmo daqui de longe, estou de luto, junto às centenas de famílias, e creio que somos todos vítimas dessa insana tragédia.
    As orações de todo o Brasil estão com vocês, amigos do Sul.
    Força e fé, vizinhos.

  • Rita diz: 29 de janeiro de 2013

    Tristeza e sensação de impotência… Em um mundo onde queremos mover montanhas, nos deparar com situações como essas, onde ficamos sem ação e só nos resta aceitar as conseqüências, me ponho a repensar no que vale realmente a pena… Só peço conforto as famílias dos envolvidos.

  • Thiago Mendes Oliveira diz: 29 de janeiro de 2013

    Meu Deus! Não há nem o que dizer. Apenas lamentar.

  • GILBERTH diz: 30 de janeiro de 2013

    David, ela não levantará. Nenhum deles …

    Não será por falta de preces ou de acreditar que algum, uns ou todos poderiam nos dar a inesperada felicidade de vê-los vivos novamente. Nenhum dos duzentos e tantos jovens que resolveram comemorar o que achavam que deveriam comemorar, com o julgamento que só a sábia decisão que um jovem teria para participar de uma festa destinada a jovens, e que em conseqüência de uma estúpida tragédia, deixaram o nosso convívio, nenhum deles jamais levantará novamente. Eles, que um dia festejaram a dádiva de terem seus nomes em uma lista de aprovados pela universidade que os reuniu, não propositadamente, nesse triste desfecho, nenhum deles terá o direito que o seu nome seja desta vez omitido de uma lista da qual nenhum deles desejaria constar. A lista de quem gostariam de ter seus nomess apresentados seria a de sua formatura. Seria justo, mas quem disse que o justo existe …

    Eu lembro que era pequeno ainda, e certa vez questionei meu pai do porquê de as coisas serem assim, bem diferentes do que seriam, se, por exemplo, eu fosse decidir como elas deveriam ser. Ele me respondeu, sem muitos detalhes, que eu acostumasse, porque a vida não era fácil mesmo, que eu tinha que ir aceitando, porque funcionava dessa forma e o sujeito ou se adaptava ou … Não acho que eu tenha ouvido a conclusão, porque os três pontinhos ali soavam, ou pareciam soar, ameaçadores. Por via das dúvidas, procurei adotar como um dos meus princípios: “a vida não é fácil”.

    Eu aceitei aquela lição, mas não esperava que às vezes a vida, além de não ser fácil, se mostra muito difícil. Pior que isso, tudo parece ser muito injusto. A gente se depara com situações que nos levam a todas as perguntas possíveis, e a pouquíssimas respostas. Nessa situação específica, por que uma menina perde a vida assim tão cedo? Por que o destino de todos eles foi esse? Por que dessa forma? Por que as demais pessoas que nós perdemos nessa tragédia se foram, assim tiradas de nosso convívio? Por que outras pessoas nos são levadas em outras ocasiões? Por que não somos ouvidos a respeito? Tenho uma lista de pessoas que gostaria que fossem antes. Mas, afinal …

    Por isso eu não acredito em religiões que pregam um deus injusto, antropomórfico, vingativo (só poderia ser vingativo, afinal, o deus em que a maioria acredita é um ser semelhante ao homem, só que com grife) e sabe-se lá mais quantas outras “desqualidades” tenha. Eu acredito em um deus verdadeiro, que tem razões que a nossa própria razão desconhece e que te como sua maior qualidade a eternidade e que é, em útliam análise, como os nossos espírito, que a tudo sobrevivem, pois que é energia, e como até a ciência admite, não se extingue, senão se transforma. Daí a nossa inconformidade: com a ida desses jovens, muito da nossa essência junto com eles se foi.

    Tudo isso pra concluir que o que fica difícil é aceitar que, em um mundo que se vê perfeito, existam imperfeições em algum aspecto. A “morte” desses jovens, bem como a morte de qualquer outra pessoa, não pode ser vista como um ato perfeito, o “grand finale” de um filme que parecia ter começado tão bem, irretocável, com as maiores expectativas. Quem presenciou o nascimento de uma criança sabe do que estou falando. Se admitirmos um final assim tão mal pensado, nossa vida seria um “pastelão” da mais deplorável qualidade. Não é dado acreditar que o diretor de um filme da mais clara qulaidade, que retrata a vida de cada ser vivente, seja alguém que desconhece tão grosseiramente o seu ofício, afinal tão simples. Prefiro acreditar que ele tem guardado na manga o final alternativo, aquele que todos imaginávamos que seria reservado a todos nós: o esperado final feliz.

  • Machiavellirs diz: 30 de janeiro de 2013

    RAFAEL, O HOMEM PROCURADO POR DIÓGENES

    Escrever um livro, plantar uma árvore e ter um filho até os políticos corruptos fazem isso para dizer que são homens com “H” maiúsculo, no dizer do Ney Matogrosso.

    No Brasil pululam exemplos desse tipo e Diógenes, certamente, não encontraria um único homem entre eles, nem para fazer um chazinho.

    Um homem de verdade precisa ter caráter. Aliás, já disse aqui que caráter é aquilo que o homem tem na sua intimidade, ou seja, quando ninguém o está vendo. Quero retificar esse conceito para a seguinte forma: caráter é aquilo que o homem tem na sua intimidade e fora dela.

    E esse homem, se existisse, seria o homem procurado por Diógenes.

    E Diógenes — se vivo fosse e viesse visitar o RS com a sua lanterna acesa — certamente encontraria esse homem em Santa Maria. Ele estava no criminoso incêndio do Kiss, com seu caráter íntegro, tratando de salvar as vidas que as nossas autoridades constituídas não estão preocupadas em salvar já que estão ocupadas unicamente em salvar seus interesses escusos e corruptos.

    E esse homem que Diógenes encontraria no RS era um jovem, um jovem que Pâmela Vedovotto Machado, de 19 anos, salva por ele, resolveu chamá-lo de anjo, ANJO RAFAEL.

    RAFAEL DE OLIVEIRA DORNELES, o anjo que salvou Pâmela!

    RAFAEL DE OLIVEIRA DORNELES, o homem procurado por Diógenes!

  • Antonio Olivé diz: 30 de janeiro de 2013

    Parabéns pelo texto. Me levou a uma reflexão muito mais profunda que as notícias e imagens da tragédia.

  • Ronaldo diz: 30 de janeiro de 2013

    Tocante! Realmente conseguiu expressar o sentimento de todo o povo gaúcho… Bem que poderíamos dormir e acordar no dia seguinte sabendo que tudo não havia passado de um terrível pesadelo!

  • Luis Vieira diz: 30 de janeiro de 2013

    E ela levantou… e depois que realizou a transição intuiu a ti pensamentos de paz.

  • kae diz: 30 de janeiro de 2013

    David, vc já eu a bíblia e é um cara inteligente. Será que não percebeu que existe um só nome sobre a morte e esse nome é Jesus? Ele deixou seu nome que é sobre todo nome. Como alguém que sabe um pouco dos evangelhos imagina que iria levantar um morto com poder próprio? Só um fez isso e Ele se chama Jesus, do contrário a única possibilidade disso seria invocar seu santo nome. O homem é tão cheio de orgulho que nem consegue invocar o nome de Deus, que acha que tem poder suficiente sobre tudo, o mesmo aquelas pessoas, talvez nunca acreditariam que iriam morrer daquela forma. Se vc disse isso vc blasfemou, mas se vc disse o nome de Jesus, poderia aquela menina não levantar mas vc teria siso mais sábio.

  • Mauricio S diz: 30 de janeiro de 2013

    E ninguém se pergunta por que, numa cidadezinha universtiária com menos de 300 mil habitantes – portanto muito fácil de ser administrada – um incêndio, numa boate mequetrefe, 235 jovens são assassinados e todo o povo de um estado – fora os infelizes atingidos pelo morticínio – reagem com tamanha hipocrisia? O gaúcho é, antes de tudo, um gabola ridículo! Mesmo ante o sofrimento de tantos, só pensa em mostrar o qto é pseudamente culto, bom, solidário – só da boca para fora! Vcs só são solidários nos despojos, bando de pavões desprezíveis! A indignação gaúcha só seria grande se um avião da TAM tivesse caído sobre a boate superlotada, sobre a câmara de gás nazista de Sta Maria. Como um estado, diante de tamanha vergonha e dor, se vangloria em ser manchete no mundo inteiro? Como a população, ante esta tragédia, reage achando lindinho que o Inter vá jogar de luto pelos mortos, achando que o Gêmio faça uma HOMENAGEM às vítimas (235 jovens mortos, 235 mães, 235 pais, 235 avós, não sei quantos irmãos, não sei quantos amigos fraternos… ) convocando a torcida a vestir luto num jogo de futebol. Homenagem seria se o Grêmio, ante a obrigatoriedade da disputa, jogasse DE PORTÕES FECHADOS EM SINAL DE LUTO! Mas, recusar dinheiro entrando, nem morto, né gauchada vil? O que aconteceu poderia e acontece no mundo inteiro – é verdade! Mas, por que aqui e com tal magnitude? Vcs não se perguntam? É por isto que eu considero, como a única coisa nefasta havida na minha vida, o fato de ter nascido em terra tão abominável. É por isto que eu considero impossível viver nestas plagas odientas!

  • marcelo vieira diz: 30 de janeiro de 2013

    Engano teu David.Ela se levantou e um anjo a levou….

  • Vânia Francisca Dietrich diz: 30 de janeiro de 2013

    Como mãe, acredito que todas as mães, deveriam ter o poder de ordenar a seus filhos mortos que se levantassem…como mãe também digo que todas elas já se perguntaram, por que deixei que meu (minha) filho(a) fosse neste festa????

  • Gisele diz: 30 de janeiro de 2013

    Maurício S, que tal recusares o teu salário esse mês em sinal de luto? Sinceramente, não creio no que li… para de misturar as coisas. Os clubes de futebol existem das rendas dos jogos, vendas de produtos, mensalidades e etc, assim como tu vives do teu salário, do teu trabalho. Concordo plenamente que é absurdo ter orgulho em ser notícia mundial por conta de uma tragédia, porém todo o resto que colocaste pende para a hipérbole, olha o disparate, querer que caia um avião para que se considere lícito ter ou não indignação com a morte! Por favor, né.

  • Diego/SM diz: 30 de janeiro de 2013

    Excelente texto, David, que retrata bem algumas das sensações que sentimos nessa hora (entre tantas que se confundem e são difíceis de organizar, dada a dimensão do evento)…

    Lendo tua descrição da cena, eu parecia estar vendo uma vizinha minha de prédio (e quem sabe se não era mesmo ela?) ali no chão do ginásio…

    Não perdi parentes ou amigos próximos na tragédia, mas alguns conhecidos, parentes de amigos e amigos de amigos… e essa vizinha, que apesar de nem saber seu nome até então e só trocarmos algum “oi, tudo bom?” ao nos cruzarmos pelo prédio ou em frente a ele de vez em quando (ela morava há pouco tempo aqui), foi, daquelas pessoas que eu conhecia e que se foram (mesmo mais do que alguns ex-colegas dos tempos de faculdade, um outro vizinho que dizem ter tirado heroicamente um monte de gente lá de dentro antes de não voltar mais, entre outros) a que mais me marcou, por algum motivo… talvez pela sua estatura pequena e aparência frágil, olhões azuis,meio tímida, quase infantil – tinha 18 anos, mas representava ter uns 15…

    Junto com ela, para piorar o drama da família, se foi uma irmã sua e o marido desta, os quais eu não conhecia por não morarem junto aqui… mas enfim, o que sei é que é quase impossível imaginar, é realmente bastante difícil conceber, como disse antes mais até do que alguns conhecidos mais conhecidos, que aquela menina (a qual nome, Greici, soube que figurou em uma outra lista bem diferente, o listão da Ufsm, há cerca de um mês), com aquele aspecto quase angelical, estava lá dentro daquele inferno naquela noite (ela é uma daquelas pessoas que não conseguimos visualizar lá dentro, que parecia “não pertencer” àquele local – e, no fim das contas, nessa hora quem parece, não é mesmo?), e desde domingo “mudou-se” abruptamente daqui, não nos cruzaremos nunca mais e não trocaremos de passada, com ela, cabeça baixa, sorrindo com aqueles olhões azuis, mais nenhum tímido “oi, tudo bom”, enquanto seguiríamos tranquilamente para nossos afazeres diários…

  • Matheus diz: 30 de janeiro de 2013

    Texto que rolou nas redes sociais em resposta ao asqueroso deboche feito por alguns, texto de autoria desconhecida, por isso não darei o credito. Não sou bairrista chiita, mas tambem não compartilho da repugnancia covarde, nem do ódio gratuito.

    “Eu entendo as piadas de algumas pessoas, em alguns outros Estados, sobre a tragédia de Santa Maria, juro que entendo.
    A inveja não é pouca meus amigos, a inveja de tamanha solidariedade quando temos estoque de sangue suficiente para os nossos irmãos, inveja porque aqui no Sul é assim, gaúcho que perde gaúcho sofre e chora até o fim.
    Aqui não é preciso ter amigos, familiares, ou conhecidos envolvidos para sentir, perder mais um irmão nessa terra tão querida já nos é suficiente.
    Aqui o povo é unido, é forte, aguerrido e bravo. Sentimos na pele a perda, choramos, nos emocionamos e confortamos a quem precisa de nossa mão amiga, de nossas palavras confortantes, de nosso ombro, de nosso abraço.
    Tenho pena, juro que tenho, de ‘seres humanos’ que debocham da perda alheia, ainda mais desta forma, da forma mais bruta e imoral. Tenho pena de pessoas que não possuem o mesmo amor e sentimento que nós gaúchos. Tenho pena de pessoas que cantam seu hino e não se arrepiam do corpo à alma. Tenho pena, só pena. Não lhes desejo o mal, juro que não, o Velho Patrão lá em cima está de olho, e agora junto a mais 245 anjos queridos ao lado dele. Queridos como eu, queridos como tu, irmão gaúcho. Temos honra e tradição, temos coragem, e o mais importante de tudo, temos COMPAIXÃO!

    Tenho orgulho do meu Estado, tenho orgulho da minha terra, tenho orgulho de onde vim. Estarei aqui, sempre contigo meu Rio Grande, sempre com vocês meus irmãos!
    É por estes e outros motivos, que eu entendo, juro que entendo, povo que não tem virtude…

    …o resto, vocês já sabem!”

  • Mauricio S diz: 30 de janeiro de 2013

    Gisele, eu não vou gastar muito tempo com vc, apenas vou colocá-la em seu devido lugar, para que vc tente se posicionar nesta vida… Eu não recebo salário – pago-os. Vc consegue entender isto? Vc não consegue captar o verdadeiro conteúdo do que eu escrevo, portanto, respeite a liberdade que tenho – como todos os seres humanos, aliás – de ser como sou! Ou vc supõe que poderá restringir meus direitos inalienáveis ao meu próprio pensamento? Adorável criatura – lé com lé, cré com cré – tá bem?

  • Gustavo T. diz: 30 de janeiro de 2013

    Belo texto, comentário muito infeliz do Mauricio S. Fica claro a hostilidade com o povo gaúcho, e sinceramente, não é disso que precisamos agora.

  • Filipe diz: 31 de janeiro de 2013

    Comentário imbecil do beócio do Maurício S. Se aproveita do anonimato da internet para publicar esse tipo de idiotice sem fundamento.

  • Bruno L diz: 31 de janeiro de 2013

    Mauricio S é um babaca arrogante que quer chamar atenção. Fique tranquilo pois não é difícil captar o verdadeiro conteúdo que escreves, infelizmente é muita merda, ainda mais para esse momento delicado! E vou parando por aqui, pois você não merece muitas linhas de repúdio!

  • Lilian Dàvila diz: 31 de janeiro de 2013

    Maurício S. Então vc paga salários? Deve vir de algum lugar este dinheiro…sim alguem deve pagar pra vc, seja de onde for ele vem e ai sim vc tem para pagar seus funcionários ou seja la que nome vc dá a estas pessoas, pois bem, no meio de tanta tristeza nenhum de nós veio aqui julgar, condenar ou fazer qualquer crítica com o que aconteceu, pq no nosso coração ja não existe mais lugar para isso…estamos tomados pela dor, eu que vivi a dor de pais e irmãos de uma das vítimas no meio a tanta tristeza ainda vi o pai escrever sobre o filho e entregar ele de volta aos braços de quem nos criou, sem revolta…pq a tristeza é tão grande a dor é tão imensa que no coração dele não havia lugar para outro sentimento…vc deve rezar e agradecer a Deus por não ter alguem no meio desta tristeza toda, não deve vir aqui dizer o que o povo é ou não, pq vc está generalizando…seria a mesma coisa que a gente generalizar as pessoas comparando a vc…que triste seria se aqui na nossa terra só tivessémos gente como vc, não podemos evitar a mídia, os jornais, a TV…pq até o mais distante ser humano chorou com tamanha tristeza, onde estão suas lágrimas? vc chora? tem algum sentimento neste coração? tem coração? Como disse outra pessoa em outro comentário…Estamos de luto unidos e só acho lamentavel existirem pessoas como vc…

  • Mariana diz: 31 de janeiro de 2013

    Caro Maurício S.,

    Liberdade de expressão é totalmente diferente de ser uma pessoa sem compaixão pela dor dos outros…
    Como tu mesmo disse, são 235 mães, 235 pais e milhares de amigos. Seria inteligente da tua parte tentar saber o que estão sentindo, ninguém está satisfeito com a repercussão que isso gerou, mas demonstrou uma sensibilidade de países que não esperavamos. Rídiculo pensar assim, mas gente que nem tu o mundo está cheio! E está como está!
    Gaúcho de verdade é unido, é cumplice.

    A dor que estou sentindo não tem tamanho, quantos anos tu tem Mauricio S.?

    Tu não sai, não vai em casas noturnas, não vai a restaurantes…?

    O risco é em qualquer lugar, a explosão do restaurante no Rio não repercutiu no mundo tbm? Ahh, mas é Rio tudo bem…

    Ninguem precisa da crueldade e INFELICIDADE dos teus comentários.
    Queria ver tu acordar de um coma e olhar pro teu corpo e ver 40% do teu corpo queimado, não sabendo quantos dias se passaram e não sabendo quais amigos teus sobreviveram.

    Lamentável ler, especialmente no meio dessa dor, o que pessoas pobres de espírito escrevem sobre essa tragédia.

    David queriamos todos ter o dom de Jesus, e fazer esses 235 jovens lindos e com um futuro brilhante, aocrdar e sair caminhando e abraçar seus entes queridos. Confortando-os de dor e angústia que lhe tomavam o coração!

  • Luis Mário diz: 31 de janeiro de 2013

    Mariana, alguns exemplos não devem ser dados. No Rio, com mais de 7 milhões de habitantes, apenas 4 pessoas morreram. Em Sta Maria, com menos de 280 mil, 235 jovens morreram e mais de 100 ficaram gravemente feridos! Eu quero que este esnobe Maurício se dane, mas ele tem razão! E vcs não entendem mesmo nada do que leem! Ninguém se pergunta como uma tragédia deste tamanho teve de acontecer logo aqui! Fatalidade ou omissão vergonhosa ?

  • Helena Deville diz: 31 de janeiro de 2013

    Mariana, tu precisa ler sobre a revolução farroupilha, saga gaudéria que nos alenta por séculos! O dia que o gaúcho for unido e cúmplice, tu me avisa, guria! Os piores adversários gaúchos neste luta contra o império brasileiro eram os próprios gaúchos, entre si, traidores e mercenários. Hoje temos os gaymistas e os chorolados, um querendo ver a ruina do outro! Unidos, cúmplices ? As 194 familias pobres que perderam seus lares em outro incêndio,este em PAlegre, tiveram que solidariedade de tu, muquirana? Compraste um prato de comida para algum deles?

  • Jonceli M Duarte Zapparoli diz: 31 de janeiro de 2013

    David,todos estavam lindos,todos estavam bem cuidados afinal era festa e é assim que se vai pra balada e é assim que vão estar quando a Luz o conduzirem junto ao Pai…

  • aline diz: 31 de janeiro de 2013

    Cada linha escrita fiquei a imaginar a cena descrita ai… tocou profundamente.

  • Ismail Ahmad Ismail diz: 31 de janeiro de 2013

    Você é um gênio, David. Pena que, seja numa situação tão triste. A cena é tão bem descrita que não há como não se transportar e se sentir no local. Consigo ver a cena perfeitamente. E não tem como não se emocionar.

  • Helena Deville diz: 31 de janeiro de 2013

    QUANDO A LUZ O CONDUZIREM (sic) JUNTO AO PAI… Como o gaúcho é bonzinho…Deve ser a dor, o sentimento de solidariede, de cumplicidade, de estar junto! Puxa, mas até quando se lê isto, soa estranho!

  • marina diz: 31 de janeiro de 2013

    é realmente doloroso,até pela dimensão,o que aconteceu em Santa Maria.É uma tragédia tocante e que leva todos às lágrimas.Mas preciso concordar com a Helena.Queria ver essa mesma solidariedade,essa mesma união de todos,não só gauchos,para nos indignarmos com tantas outras tragédias que vemos todos os dias.Porque esse incendio em Porto Alegre não mereceu destaque sequer na mídia gaucha e foi totalmente ignorado no país?Estamos tão habituados com essas tragédias,principalmente quando envolvem os mais carentes,que parece que essas vidas perderam o valor.Nem ao menos se cobra das autoridades,não há abaixo-assinado,não há cronicas nos jornais,não há clamor por justiça,não há nada…então,não é um fato isolado que vai demonstrar que o povo gaucho é solidário.

  • Cristiano Pereira diz: 31 de janeiro de 2013

    Mauricio S, quem sabe perca uns minutos conversando comigo. Você é Pai? Já perdeu um ente querido? Pois tuas palavras parecem um tanto quanto recheadas de falsidade. Sim Mauricio S, eu acho você um falso, que pede para que a vida “pare”, que faça sacrifícios, mas, está aqui, manifestando seu “direito” a liberdade de expressão, atacando um povo que chora e sente seus mortos.

    Quanta hipocrisia a sua não? Pelo seu raciocínio doente, o mundo deveria ter parado no ataque do 11 de setembro, ou talvez, na terrível 2ª guerra… sim, porque de lá para cá o mundo evoluiu muito (ou não) as pessoas nasceram e morreram e ele continuou a girar.

    Eu sinto muito pelo o que ocorreu em Santa Maria, sinto pelos pais que perderam seus filhos, pelas mães..avós.. tios e amigos, é doloroso e triste, mas a vida vai continuar, marcado com os traços da tragédia, mas vai continuar, ou você parou de viver?

    Antes que eu esqueça ó grande empreendedor que paga salários, seja humilde, pagar salários não te torna alguém superior a quem os recebe, nem te dá o “direito” a julgar os outros.

    Forte abraço amigo Mauricio S,

    Cristiano

  • Rute Lobo diz: 31 de janeiro de 2013

    Sinceramente!! Eu sou cristã e amo muito a Deus. Mas estou bastante cansada de ver comentários de homens e mulheres que se dizem cristão. Comentários do triste e lamentável episódio da boate Kiss da Cidade se santa Maria. Comentários prepotentes, cheios de orgulho e evidentemente sem nenhum amor! Jesus disse: Chorai com os que choram! Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram; Romanos 12:15. Jesus não disse para ficarmos jungando, ou que devemos dar lição de moral, ou escarnecermos do sofrimento dos outros como se este tipo de sofrimento não pudesse acometer aos filhos de Deus ou melhor dizendo os cristões.Todos nos estamos propicio a passar por uma situação como está, sendo cristão ou não. Não é hora de ficar estigando as pessoas só porque elas não são crentes e sim lamentar, chorar e se intristecer com tudo isso. Em outar épocas rasgaríamos as nossas roupas jogaríamos pó da terra sobre nos como sinal de tristeza. E, levantando de longe os seus olhos, não o conheceram; e levantaram a sua voz e choraram, e rasgaram cada um o seu manto, e sobre as suas cabeças lançaram pó ao ar. Jó 2:1 . Eu no momento só consigo chorar por ter visto tantos jovens serem mortos de uma forma tão absurda!!! Confortar… Qual palavra eu poderia dar para cada mãe e pai que estão sofrendo está dor insuportável?? Que Deus as Ama?? Mesmo sabendo que Sim este não é o melhor momento para falar isso. Porque elas não conseguem sentir este amor, não agora, não neste momento… Porque a dor da perda de um filho não se compara a dor nenhuma!! E é por esse motivo que Deus entregou o Seu Único filho por amor de todos nós! Era a única forma de entendermos o quanto Ele nos ama! Alguem entregaria o seu único filho para salvar uma outra pessoa , seja ela próxima ou desconhecida?? Eu não… Nunca!!! Jamais entregaria o meu filho ou filha para salvar qualquer pessoa que seja. Mas daria a minha vida por eles , assim como sei que muitos pais e mães em sua tristeza de ver o filho morto pensou… Porque eu não fui em seu lugar? Você tinha tantas coisas ainda para Viver para realizar!!! Eu perdi dois irmãos para o câncer, aquela dor passou mas ainda quando vejo uma foto me lembro e choro! Mas está dor também não se compara a dor que estes pais e mães estão passando, porque eu tive tempo de me despedir ,e eles nem isso conseguiram. Perdi um sobrinho de 19 anos para as drogas e até hoje lamento tal perda e ainda gostaria de poder voltar ao passado e tentar salvá-lo. Entendi perfeitamente o que o escritor em questão relatou. Eu também gostaria de ter este poder de dizer não só a está moça mais a todos que ali estavam… Levantem, por favor levantem! Simplismente pelo fato de não ser a hora de irem embora… Simplismento por serem jovens de mais para morrerem e por terem tantas a conquistar nesta vida! Mas quem somos nós, não é mesmo? Nada, não somos nada !! Assim como está escrito do pó da terra vieste e ao pó voltará!! Com o suor do seu rosto você comerá o seu pão, até que volte à terra, visto que dela foi tirado; porque você é pó e ao pó voltará”. Gênesis 3:19 . Fica aqui registrado a minha dor por cada jovem que ao meu ver foi arrancado de todos nos,não só da família mas de cada Brasileiro, seja ele cristão ou não!!! Deixo aqui registrado os meus sinceros sintementos a cada Pai e mãe que estão chorando a morte de seus filhos. Se possível fosse, e tivesse uma forma de dividir a dor eu gostaria de poder estender o meu ombro amigo, mesmo sabendo que sem conhecimento de causa acredito que não suportária nem mesmo metade desta dor!! Fica aqui registrada minha tristeza,minha pequenes,minha dor e revolta por não poder fazer nada para aliviar tantos sofrimentos!E para terminar fica registrado minha indignação pelo dono da boate Kiss , pelo vócalista da banda,prefeito da cidade e por cada fiscal que permitiu que uma boate com tantos problemas vísiveis permanecesse aberta!! Hoje oro insessantemente para que não morra mais nenhun deste jovens que estão internados nos hôspitais e sei que isso é o minimo que posso fazer e também que não venhamos a esquecer deste fato tão rapidamente assim como a fumaça escura levou tantos a falecer!!
    Rute Lobo

  • Tanise S diz: 31 de janeiro de 2013

    Então, Cristiano, quem é vc para julgar o tal Maurício? Vc prega uma coisa e faz outra? Como vc é idiota! Caiu na própria esparrela…Estou gozando com a sua cara, véio! Tá gostando?

  • Noia diz: 31 de janeiro de 2013

    Quando eles acordaram do pesadelo, estavam abraçados como irmãos… havia uma névoa suave e sobre seus corpos havia pó de lua. Os gritos do pesadelo haviam cessado e agora só escutavam as boas vindas de pessoas queridas há muito tempo não vistas. A sensação de alívio e bem estar era contagiante, todos levantaram e estavam sadios, eles se abraçaram, e com ajuda de amigos foram em direção a uma luz linda que acolheu seus filhos no amor mais forte do mundo.

  • Gisele diz: 31 de janeiro de 2013

    Tsc, tsc.

  • Helena Deville diz: 31 de janeiro de 2013

    Sem argumentos, não Gisele? Teria sido mais inteligente de sua parte nem aparecer por aqui! O Maurício pode ser pedante, mas colocou vc mais rente que uma alpargata! Que mico, mulher! E, cá para nós, vc só escreveu asneiras, mesmo! Vc não consegue processar o que lê. Cuide-se!

  • Matheus diz: 31 de janeiro de 2013

    O texto remete ao trágico, mas os comentários são de fato hilariantes, é mais ou menos como aquele desbotado ditado “seria cômico se não fosse trágico” , obviamente que o Mauricio S, que deve ser um fake de A, que por sua vez é fake de B, que provavelmente seja fake de C e assim por diante, é ou parece, ou deseja, ser um sujeito pedante, e neste particular nós temos que admitir, ele sabe ser como ninguém. Mas ocorre que ele não esta de todo errado, ele apenas diz obviedades de maneira ofensiva, pedante mesmo, mas que nem por isso deixam de ser verdades. É verdade que nossa política, a gaucha lógico, é de botequim, de quinta qualidade, de fazer o Bem Amado revirar na tumba, e isso esta provado na entrevistas ridículas dos agentes públicos, um tentando enfiar a merda do sputinik (acho que é assim que chama) na bunda do outro. Vamos concordar neste ponto? Sim, também é vergonhoso entrar para o noticiário internacional como destaque numa tragédia ( vc acha isso de menos?) mas não é, na verdade se isso fosse motivo de vergonha aos nossos sempre corruptos políticos, talvez esta tragédia nem tivesse ocorrido, concordamos também? Ocorre que eles não tem vergonha na cara, choram debruçados nas câmeras de TV, são da velha guarda de políticos rasteiros, que choram de dia para sorver um bom vinho italiano ou uma bela champagne francesa a noite, e são capazes de coisas inacreditáveis por conta disso, coisas que fariam o General Bento Gonçalves deixar de ser mártir para virar santo. Ele, o Mauricio S, ou o A, ou B, ou C ou seja lá quem escreveu aquele monte de bosta inapropriada no momento, não deixa de ter sua razão. Mas poderia ao menos respeitar nós gaúchos de bom coração, aqueles gaúchos farrapos, que feito cachorros magros, nesta hora de tanto sofrimento, não podem fazer mais do que lamber suas próprias feridas.

  • Cristiano Pereira diz: 31 de janeiro de 2013

    Tanise S, infelizmente você não leu o que eu postei, não vejo problemas em analisar o caráter alheio, é da condição humana ter opinião, o que não podemos é julgar um ser humano por sua condição financeira, escrúpulos não estão no dinheiro.

    É repugnante o que o Sr. Mauricio S escreveu, e é mais repugnante ainda ele vir aqui e ainda se passar por outra pessoa para defender-se, minha nossa, você é mais doente do que pensei.

    Fique com Deus.

    Cristiano Pereira

  • GILBERTH diz: 1 de fevereiro de 2013

    Cristiano Pereira:

    Vc já ouviu falar em Edmund Burke? Cara, (permita-me referir a vc dessa forma, afinal os tempos são outros), esse sujeito era foda (desculpe, mas eu fico entusiasmado quando falo dele e tenho certeza que o David deixará passar). Ele era um crítico feroz e contumaz dos políticos da época em que viveu, lá pelo ano de 1750. Faz pouco tempo, né? A propósito, os políticos da época eram muito parecidos aos políticos da atualidade. Ah, existiam também os que eram os “originais” (gente que se fazia de intelectual e desviava os incautos do “bom conhecimento” ou o caminho do bem, tanto faz). Parece que essa turma não desiste nunca. Mas isso nem é tão importante, que faça ele ser referido. O que importa é que a frase que o consagrou era, mais ou menos, a seguinte: “cada vez que um bom homem se omite, os maus triunfam”. Só estou escrevendo isso para que saibas que o mote que faz vc escrever, declarando o que acha correto (e que eu entendo ser), faz de vc um sujeito que seria defendido, sem dúvida, pelo nosso saudoso e velho Burke. Não tenho procuração dele para dizer que vc poderia ser classificado como um, mas acho que se fosse assim considerado, seria um puta (desculpe) elogio. Um fraternal abraço e continue assim. Os bons homens não podem jamais deixarem os maus triunfarem.

  • Mauricio S diz: 1 de fevereiro de 2013

    Matheus, eu já havia percebido o qto eu impressiono vc…De fato, sou muitos. Meu nome poderia ser…legião! Para mim, escrever é como respirar. Flui. E, vc deve convir, estilo é algo que ñ se consegue esconder sempre! Vc deve lembrar que muitas vezes, aqui, eu afiancei que não generalizo a condição do gaúcho ser um bilontra ignorante. Sei que há, e muitos, gaúchos como eu. Vc, sem bajulação – que sou muito esnobe para isto – apesar de não ser nenhuma sumidade, é um homem cartesiano, isto é, pensa – logo existe! Eu admiro vc, tenho fé que vc ainda pode melhorar muito. Os antolhos da boçalidade não fazem parte da sua indumentária, Matheus. Só lamento vc estar misturando a minha franqueza ( talvez o único traço do caráter do gaúcho que trago comigo, graças aos céus…) com pedantismo, com agressividade, com desacato, com soberba. Eu falo o que eu acho que devo falar, da maneira que me dá na telha e pronto! Direito meu! Os que se sentem atingidos por isto, que coloquem a carapuça na cabeçorra inútil e…rasguem-se! Então, gaúcho de bom coração, não seja tendencioso, não se deprecie nivelando-se por baixo, não use de nossas façanhas – que deveriam servir de orgulho a todo o planeta ( eu sou muito cínico, Matheus!, mas, quem há de me proibir?) na tentativa de me criticar, pois que assim vc fica parecendo um parvo. Minha sábia avozinha sempre diz – Não é com melado que se educa garoto traquinas! E mais, para findar, leia mais sobre o Bento Gonçalves ( mas, leia livros de historiadores de fato, não de bajuladores gaúchos ensebados) e vc irá descobrir que o degas nunca foi mártir de nada, o que dizer de ser santo! Bento não pregava prego sem estopa, meu caro! E era capaz das maiores desídias. Era um político acima de tudo, portanto um biltre. Parabéns por seu amor à terra que o viu nascer, mas que este amor não o torne um escapista que tenta negar a verdade dos fatos!

  • GILBERTH diz: 1 de fevereiro de 2013

    Meu nome é Gilberth, mas todo mundo me chama David. Sou um homem muito ciumento e detesto que usufruam do que é meu…Pena que, como sempre acontece, eu sou o último a saber. Puxa vida, meu faro investigativo é tão fraquinho!…

  • Matheus diz: 1 de fevereiro de 2013

    Mauricio S, ou A, B ou C, tanto faz, obrigado pela referencia, nem mesmo estava disposto a escrever novamente, chega momentos que é melhor trocar o disco, mas… (sempre tem um mas) preciso te retificar numa conclusão, algo que para uma pessoa tão esclarecida como vc achei que não fosse necessário, provavelmente por um lapso de precipitação, minha comparação e referencia a Bento Gonçalves foi um claro deboche, me pareceu tão evidente isso, que nem imaginei ter que desenhar. Sucesso pra vc também!!!

  • Paulo Colorado diz: 6 de fevereiro de 2013

    O matheus está chorando na rampa até agora!!!Coitado!!!

  • vanderlei diz: 7 de fevereiro de 2013

    Nota-se uma certa zombaão de Deus, como se nao fosse possivel uma pessoa levantar da morte, nao mesmo querendo ver se vc tinah esse poder, so que isso ninguem tem, pq a força e o poder vem de Deus, e so usando o nome santo de JESUS seria possivel. Triste por essas maes, irmaos, amigos parentes que perderam alguem so pedir pra que Deus os conforte, pq pelos mortos nada mais pode ser feito.

  • kellen diz: 8 de fevereiro de 2013

    pois é minha historia é muito longa e o final dela totalmente triste minha irma que nunca tinha visto em minha vida tocado abraçado falado estava la morta e eu estava atraz dela o tempo todo depois que ocorreu toda esta tragedia infelizmente fui conhecer assim minha irma tao linda tao parecida comigo com minha filha no caso sua sobrinha tao delicada e la naquele lugar eu tocava nela as maos eram tao delicadas ela é simplesmente uma princesa ali e nao podia fazer mais nada apenas me culpar chorar e tocala com todo o meu amor que senti naquele momento de tanta dor . passar jamais vai passar é muita dor e a minha historia é longa muito longa mas que poderia ter sido muito diferente pois sempre quiz ter uma irma ela era por parte de pai mas meu sangue e a 15 anos atraz perdi meu irmao agora ela nao sei quando vai ser a minha hora mas um dia vamos nos encontrar e nos abraçar muito te amo minha querida irma flavia torres lemos.

  • Marília Torres Ribeiro diz: 9 de fevereiro de 2013

    Me lembrou minha prima…ela era assim, tinha esse rosto, esse jeito meigo, era linda, ela era linda por dentro e por fora.
    Tinha um coração de ouro.
    belas palavras…

  • Eduardo Ferreira diz: 13 de junho de 2013

    Andressa Inajá de Moura Ferreira é o nome desse Anjo que agora está ao lado direito do Pai, realmente é uma dor imensa que se sente quando se perde um ente querido, gostaria de mandar todas minhas forças para as famílias das vítimas e dizer que Deus estará sempre com todos vocês!

Envie seu Comentário