Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Federação Gaúcha de Laço"

Justiça anula punição de narrador dada pelo MTG

01 de novembro de 2014 3

A coluna segue atualizando os leitores sobre as divergências que envolvem MTG e Federação Gaúcha de Laço.
Pois, bueno: O narrador  Éder Azeredo teve anulada pela Justiça a punição aplicada contra ele pelo MTG por ter participado de torneio de entidades não filiadas. Ele era um dos 12 penalizados com até 180 dias de suspensã o por ter atuado em eventos da Federação Gaúcha de Laço.

O advogado dele é Flávio Belmonte, ex-presidente do movimento. A juiza Carla Della Giustila, da sétima vara cível do foro central de Porto Alegre, determinou a suspensão da penalidade “por nulidade do procedimento administrativo”, já que Belmonte afirmou que teve o direito de falar negado durante o julgamento do MTG.

Ainda sobre o mesmo assunto: gaúchos que forem renovar o cartão tradicionalista em entidades da 5ª RT, em Santa Cruz do Sul, devem assinar um termo de compromisso em que afirmam conhecer as regras do MTG e se compremeterem a não participar de qualquer evento promovido por entidade não filiada ao movimento e àquela região.

Em editorial, o presidente do MTG, Manoelito Savaris, escreveu sobre o espírito de “amor à camiseta”,  citando a troca de entidade e a formação de grupos com o fim específico de ganhar mais provas e acumular mais prêmios em dinheiro.
Ele alerta para a falta de preocupação com o fortalecimento das tradições e questiona, por fim:  “Devemos decidir se aceitamos os ‘cambiadores’ que desejam ter morada em duas casas diferentes e que ficam especulando, a cada dia, qual casa oferece melhor prato à mesa”.

E o leitor, o que pensa de tudo isso? Participe!

daniela xu

Foto: Daniela Xu

MTG X Federação: Narradores são punidos

02 de outubro de 2014 0

Mais um episódio da peleia entre MTG e Federação Gaúcha de Laço:  quatro narradores de rodeio filiados ao MTG foram punidos durante julgamento da Assembléia Geral do Departamento de Narradores na semana passada.

Éder Azeredo, Gustavo Curtinaz, Gilberto Guazzelli (Papapa) e Edson Santos chegaram a apresentar recurso, mas tiveram suspenso por 90 dias o direito de narrar rodeios de entidades do MTG, sob a justificativa de que trabalharam para rodeios de entidade não filiada (a Federação, no caso). Outros oito narradores já haviam sido punidos. Curtinaz ganhou prazo de um ano até a execução da suspensão por razões pessoais (a morte da esposa).

Em nota oficial, Flávio Marcolin, diretor do departamento de narradores,  reitera que o regimento dos narradores prevê que os filiados têm exclusividade na narração de eventos de entidades filiadas ao MTG e que, em contrapartida, abdicam de narrar eventos de não filiados.

Também em nota, Antônio Macedo, o presidente da Associação Brasileira de Locutores e Avaliadores de Rodeios diz que “respeita os critérios do MTG e do departamento (de narradores)” e que ainda que o resultado não era o que estavam buscando, “não foi totalmente ruim, pois se obteve redução das penas de 180 para 90 dias em três de quatro recursos julgados”. Sete  envolvidos e suspensos por terem narrado para entidades não filiadas ao MTG são filiados à associação.

 daniela xu

Foto: Daniela Xu

MTG x Federação: Três entidades recebem suspensão por envolvimento com circuito de laço

30 de junho de 2014 0

Se alguém achava que as diferenças seguiriam apenas no rumo dos acalorados debates, se enganou.  Três CTGs foram punidos pelo MTG por envolvimento em atividades da Federação Gaúcha de Laço.

Um deles é o CTG Baio Ruano, de Cambará do Sul, que sediou etapas do circuito de laço organizado pela Federação durante o 26º Rodeio Crioulo Interestadual, em fevereiro. No sábado passado,  a entidade recebeu uma suspensão de 90 dias durante reunião do Conselho Diretor do movimento. Ou seja: por três meses, a entidade não pode participar ou promover eventos tradicionalistas.

— A Federação nos prometeu ajuda financeira. Do MTG só recebemos normas —  justifica o patrão Rubens Trindade.

As outras entidades punidas são o CTG João Dornelles, de Fazenda Vila Nova, e a Associação Tradicionalista Estância do Minuano, de Santa Maria. Elas não foram notificadas oficialmente e ainda cabe recurso.

O MTG vê o laço como uma manifestação cultural, enquanto a federação como um esporte. No regulamento do movimento, entidades filiadas não podem participar ou sediar eventos de não filiados, caso da federação.

vacaria - roni rigon

Foto: Roni Rigon

MTG X Federação: Em Santana do Livramento, Campereada acontece com prova de laço esportivo

02 de maio de 2014 0

Se a polêmica na Serra é por conta do afastamento do diretor campeiro da 25ª RT, Juarez Menegussi, após participar de torneio promovido pela Federação Gaúcha de Laço, na fronteira, ela fica por conta da 32ª Campereada Internacional, em Santana do Livramento.

Lá,  o Ministério Público chegou a promover uma reunião entre 18ª RT e organizadores da festa.  A festa sedia um torneio da Federação e o regulamento do MTG impede a participação de entidades filiadas em eventos promovidos por não filiados. Mas não houve acordo. O presidente da Coordenadoria Municipal de Tradicionalismo, Sérgio Munhoz, defende que o evento é promovido pelo município.

_ O evento é feito por uma comissão mista, é do município. Esperamos que não haja boicote. O MP sugeriu que entrássemos na justiça, mas não vamos chegar neste ponto. Contamos com o bom senso para não prejudicar a cidade _ disse.

Jefferson Botega

Foto: Jefferson Botega

O coordenador da 18ª RT, Gilberto Bittencourt Silveira, diz que o MTG “não proíbe ninguém”, mas admite que as entidades que participarem e que forem denunciadas estarão sujeitas às penalidades do regulamento, mesmo aquelas de cunho apenas artístico.

_ O MTG não tem nada contra a Federação. Eles têm a visão do laço como esporte, nós como cultura. Como esporte, há a tendência de que o laço termine. Mas ninguém vai ser expulso, como se comenta.  Em breve há a convenção do MTG ( em julho, em Caxias) e todos são liberados para colocarem propostas. Particularmente, reconheço a grandiosidade da Campereada e lamento este impasse.

Segundo o blog do Repórter Farroupilha, Giovani Grizotti, CTGs filiados ao MTG decidiram participar do evento e os organizadores da festa estimam que ele será um dos maiores já promovidos.

Caxias do Sul sedia a última etapa do circuito de laço da Federação, de 8 a 11 de maio, em Vila Oliva. Resta saber: como será?

MTG X Federação: Diretor campeiro da 25ª RT é afastado depois de participar de torneio

01 de maio de 2014 0

Juarez Menegussi, 54 anos, não é mais o diretor campeiro da 25ª RT. A decisão foi tomada no início desta semana, entre ele e a 25ª RT, após uma sucessão de ações. Menegussi participou do Rodeio de Porto Alegre, organizado pela Federação Gaúcha de Laço. Questionado por Jó Arse, coordenador licenciado, assumiu a participação.

Menegussi sentiu-se desprestigiado por não ter sido convidado a integrar as equipes que estão na Festa Campeira do Rio Grande do Sul (Fecars) neste final de semana, em Viamão. Arse afirma que o convidou a acompanhar os treinos, mas que ele teria entendido que o convite era para treinar. Para Arse, houve uma falha na comunicação.  O fato gerou mais um desconforto.

- Temos uma amizade de muitos anos e isso me levou a convidá-lo como diretor campeiro. Ele confirmou que laçou Duplas pelo Sindicato Patronal de Caxias e Patrão pelo Clube de Laço de Vila Oliva. Não somos contra a Federação. Porém,  ser diretor campeiro da 25ª RT e ao mesmo tempo patrão de um clube de laço que promove uma festa em Caxias, filiada à Federação, no mesmo final de semana que a região tem programação é complicado.

Segundo Arse, a decisão foi tomada sem a influência direta ou qualquer pressão por parte do MTG.

À coluna, Menegussi não quis dar mais detalhes, mas disse não ser patrão do clube de laço e que ele (o clube) “ainda está em formação”. O novo diretor campeiro é Eraldo Mendes, do CTG Os Carreteiros, o mesmo que Menegussi integra.

 daniela xu

Foto: Daniela Xu

MTG X Federação: Futuro de diretor campeiro será decidido neste final de semana

26 de abril de 2014 2

Segue a peleia entre MTG e Federação Gaúcha de Laço, ainda que cada entidade afirme veemente que uma não é contra a outra e que as divergências são no ramo ideológico. Depois da polêmica da 32ª Campereada Internacional de Santana do Livramento, onde o caso foi parar no Ministério Público, foi a vez de Caxias do Sul, sede da 25ª RT, tornar-se palco de um dos acontecimentos.

Neste final de semana, será decidido o futuro  do tradicionalista Juarez Menegussi, 54 anos, como diretor campeiro da  25ª RT. Ao blog, Menegussi contou que não foi convidado para os treinos de laço dos participantes que vão à FECARS, nem para integrar a seleção, nem na categoria  diretor campeiro.

Menegussi acredita que o motivo foi sua participação no Rodeio de Porto Alegre, organizado pela Federação Gaúcha de Laço.

- O Jó Arse perguntou se eu tinha ido. Disse que sim, como sempre vou todos os anos. Não  representei a 25ª RT. Fui pelo Sindicato Patronal de Caxias do Sul. Arse disse que estava complicado, que não podia deixar o dele na reta e depois disso não nos falamos – conta.

Menegussi enfatiza que nunca foi chamado a atenção ou recebeu uma advertência do MTG durante sua vida tradicionalista.

-  A gente fica chateado. Sempre segui as normas, sempre estive trajado como o regulamento manda. Já “nasci a cavalo” e laço desde os 15 anos – diz ele, que integra o Departamento Campeiro do CTG Os Carreteiros.

Ao blog, Arse, licenciado do cargo de coordenador da 25ª RT, afirma que houve um mal entendido, mas admite que o caso está sendo tratado.

- O Juarez entendeu mal. A verdade é que se fez uma renovação dos 10 homens da  seleção. Ele foi convidado a prestigiar os treinos, mas chegou lá e achou que iria laçar. Com relação ao Rodeio de Porto Alegre, ele laçou como patrão do Clube de Laço de Vila Oliva, filiado à Federação. Não somos contra a Federação, não podemos proibir ninguém de participar dos torneios que eles promovem. Porém,  ser diretor campeiro da 25ª RT e ao mesmo tempo patrão de um clube de laço é complicado, não podemos concordar. Vamos conversar com ele sobre isso – contou.

Jefferson Botega

Foto: Jefferson Botega

 

Participe: Enquete sobre a polêmica envolvendo MTG e Federação Gaúcha de Laço

08 de abril de 2014 8

Responda a enquete abaixo sobre o assunto mais comentado atualmente no tradicionalismo. Basta clicar sobre a pergunta para abrir o link do mural de respostas.

Dê sua opinião, vamos debater os rumos do gauchismo!

 <<Você concorda com o MTG em proibir a participação de entidades filiadas e de narradores e juízes credenciados em eventos das Federação Gaúcha de Laço?>>

 daniela xu

Foto: Daniela Xu

"É uma regra clara e que se impõe a todos", diz presidente do MTG em editorial

08 de abril de 2014 2

Confira a íntegra do editorial assinado pelo presidente do MTG, Manoelito Carlos Savaris, sobre a participação de entidades filiadas em eventos de entidades não filiadas. Alguma dúvida de que se refere à Federação Gaúcha de Laço?

UM “CLUBE” CHAMADO MTG

Por Manoelito Carlos Savaris, presidente do MTG

De vez em quando o Movimento Tradicionalista Gaúcho se vê envolvido em polêmicas que brotam, invariavelmente, de interesses de ordem econômica por algumas pessoas que ao invés de servirem à tradição, se servem dela.

A bronca do momento está na área do tiro de laço. Primeiro surge um grupo de “rebeldes”, descontentes com as regras que foram adotadas por vontade da maioria – claro que esses descontentes não são a maioria. Depois surgem os que têm o objetivo primordial de ter vantagem financeira. Com eles outro grupo se junta: aqueles que têm interesse político. Todos juntos formam um pequeno contingente que tem clareza nos seus objetivos, são bons de conversa, sabem usar os argumentos que lhes convém para ganhar a companhia de outros que acreditam até que Papai Noel existe.

Não são muitos, mas são barulhentos e bem articulados. Eles transitam pelos gabinetes e “vendem” a ideia de que representam a maioria. Há quem lhes dê crédito, por boa fé ou por ver nisso a possibilidade de ter alguma vantagem.

A pregação é clara e se traduz por algumas frases, como: “o tiro de laço deve ser considerado um esporte”; “como esporte o tiro de laço deve ser organizado por uma federação”; “na área do esporte há dinheiro sobrando no Brasil”; “nós, do novo sistema, somos os verdadeiros defensores dos laçadores”. Essas e outras pérolas estão sendo ouvidas nos rodeios e lidas nas redes sociais.

Quando o MTG, pelas suas instâncias constituídas, se levanta e aplica o regulamento, eles empunham a Constituição e gritam forte: “temos o direito de ir e vir”; “não podem nos tirar o direito de fazer o que quisermos”; “vivemos numa democracia e exigimos nossos direitos”. Pois eles têm toda a razão, pois vejamos:

1.    O MTG é um clube, uma associação privada, que conta somente com associados voluntários, ou seja, não obriga ninguém e, assim, respeita o direito de ir e vir;
2.    O MTG defende vigorosamente o direito de escolha das pessoas. Somente participam dos seus quadros as entidades que desejarem e orienta a que cada entidade filiada somente mantenha nos seus registros as pessoas que livremente escolherem ser associados;
3.    O MTG decide tudo no voto. Tudo é discutido, a maioria vence e daí, surgem os regulamentos que, democraticamente, são elaborados e, da mesma forma, aplicados. Quem não concorda com os regulamentos podem procurar outras associações e se quiserem impor seus próprios regulamentos, criam suas próprias entidades.

Desta forma, me parece que ficamos bem entendidos. O MTG é uma associação composta de entidades livres que, por sua vez, conta com associados voluntários, com isso estabelece as suas próprias regras. É bom lembrar que, no momento que nos associamos a um clube qualquer, assumimos o compromisso de cumprir e fazer cumprir as normas do estatuto e dos seus regulamentos. No MTG até juramento se faz sobre isso.

Será que um clube de futebol, não filiado à FGF, pode participar do campeonato gaúcho? Será que um atleta não registrado na CBF pode jogar no Esporte Clube Passo Fundo? Será que um juiz registrado na FGF pode apitar o campeonato catarinense sem autorização da Federação Gaúcha?

Uma das regras definidas e consolidadas no artigo 29, inciso IX, do Regulamento Geral e reafirmada no artigo 100 do Regulamento Campeiro é a de que os filiados ao MTG não participam de eventos de entidades não filiadas e não permitem que não filiados participem dos seus eventos. É uma regra clara e que se impõe a todos.

Quem não concorda com a regra tem dois caminhos: cumpre e tenta mudá-la pelos caminhos legais, ou garante o seu “direito de ir e vir” e vai!

roni rigon

Foto: Roni Rigon