Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "thomaz bellucci"

Larri reclama de Bellucci

16 de agosto de 2011 0


Mesmo em má fase, Verdasco bate Bellucci em dois sets



Outra vez Bellucci foi irregular. Outra vez teve chances apesar do mau desempenho e não aproveitou. Depois da partida, o jogador chega na entrevista e fala que não teve consistência e mesmo assim desperdiçou as oportunidades que apareceram.

Resultado final. Fernando Verdasco 6/3 7/6 (7/4). Poderíamos dizer que ele já identificou o problema e agora vai trabalhar para melhorar. Acontece que já ouvimos esta conversa antes e os erros se repetem. Complicado.

A novidade foi Larri Passos bufando do lado de fora da quadra. Não foi a primeira. Já houve reclamação em outra partida que não me lembro. Na ocasião, ele bateu com o dedo na cabeça numa clara menção que faltou pensar.

Na segunda-feira a reclamação ocorreu no seguinte cenário. O brasileiro já tinha desperdiçado dois set points no serviço de Verdasco. Ele nem chegara a devolver o saque. Bellucci foi para o tié-break e abriu 4 a 1 e no ponto seguinte eles começaram a trocar bola do fundo de quadra.

O adversário estava sob pressão e todo mundo sabe que Verdasco comete erros quando acuado. Mas Bellucci resolveu tentar mudar a direção da bola num backhand e mandou longe.

O técnico atirou o boné no chão bastante irritado. O único mini break foi embora e a derrota chegou.

Agora começam a surgir rumores que a parceria será desfeita. Espero que não. Seria péssimo para Bellucci. E não acredito que Larri sairia sem terminar uma temporada de trabalho.

Bookmark and Share

Bellucci saca mal e perde

10 de agosto de 2011 0

Daí o Olavo, subeditor de esportes pede desculpa pelo trocadilho e diz que o Bellucci tá engasgado com o Gasquet. Pois então, o brasileiro perdeu de novo. Na minha avaliação três fatores foram cruciais. O mais fácil de identificar foi o saque, fundamento que faltou.

Numa quadra rápida trabalhar com o primeiro serviço é essencial. O baixo índice de aproveitamento (59%) prejudica muito a estratégia e permite que o adversário coloque pressão. Começar mal também atrapalhou, mas pior que ainda é começar cambaleante e seguir abaixo do nível.

Para finalizar, ainda acho que Bellucci perde muitas chances nas partidas. Na estreia contra Golubev ele teve vários break points e nada de aproveitar. Chegou a não devolver segundo serviço. Conseguiu contornar a situação porque o adversário era inconstante e inconsequente. Mas para ganhar de caras top 20 como o Gasquet é preciso ser cirúrgico nas oportunidades. Nesta quarta, ele teve dois breaks no primeiro game e depois mais nada.

Wozniacki fora

E a número um do ranking feminino sucumbiu na estreia contra a italiana Roberta Vinci, 22 do mundo, por 6/4 e 7/5. Mais incomum que a líder do circuito cair na primeira partida foi o número de erros não forçados da dinamarquesa que fechou em 35. Conhecida pela regularidade, ela cometeu ainda sete duplas-faltas.

Para completar o dia atípico, Wozniacki abriu 5/1 no segundo set e perdeu absurdos seis games seguidos e permitiu a virada. A derrota no segundo set foi construída pela italiana graças a erros d adversária.

Bookmark and Share

Feijão passa de fase

05 de agosto de 2011 0

Primeiro João Feijão Souza derrubou o argentino Diego Junqueira por duplo 6×2 e finalmente chegou ao top 100. Ele já havia batido na trave ano passado ao ficar na posição 101 e a três míseros pontinhos do tão sonhado posto.

Com um considerável peso tirado das costas ele voltou a quadra e bateu o 46º do ranking, Pablo Andujar, por 6×3/6×4. Agora o rapaz está na faixa do número 88 e tem chance de fazer a primeira final em nível ATP da carreira. Joga hoje pelas semi-finais do ATP 250 de Kitzbuhel diante do holandês Robin Haase.

Tudo isso é muito bom, Feijão comemorou, mas o que vem pela frente também precisa ser observado. O técnico do tenista, Ricardo Acioly disse que o jogador deve continuar evoluindo e o objetivo é figurar entre os 60 ou 70 melhores do mundo. Para conseguir isto tem que mudar de nível.

Como diz o título numa comparação com jogos de videogame, ele passou de fase. Tem ranking para se inscrever em torneios de nível ATP e largar os de nível challenger. Legal, mas a oportunidade precisa ser aproveitada para Feijão não precisar remar tudo de novo.

Feijão tem um saque pesado e uma direita boa. Combinadas as armas podem incomodar muita gente. É preciso, e nem acho que vai acontecer, afastar a ideia de objetivo alcançado

Bellucci ganha uma e perde outra

O dia começou bom para o número um do Brasil. Vitória pode 2×1 sets contra Tommy Hass (7/6 (3), 3/6 e 6/3). Um cara bem habilidoso que não joga há muito tempo. O alemão já foi o segundo do mundo e teria um arsenal para incomodar Bellucci.

A coisa mudou na segunda na partida seguinte. O brasileiro perdeu de 2×1 sets para o cipriota Marcos Baghdatis. O brasileiro reclamou de jogar duas vezes no mesmo dia. Deve ser duro, mas um jogador que pretende ser top 20 ou 10 precisa ter fôlego para tanto.

Bookmark and Share

O mais tradicional

19 de junho de 2011 0


Bem minha gente começa nesta segunda o torneio mais tradicional e famoso do mundo do tênis. Acredito que os brasileiros deram sorte na primeira rodada.

Bellucci estreia contra Rainer Schuettler. O primeiro jogo de tênis que assisti em Wimbledon foi justamente do alemão no ano de ouro dele. Ele jogava contra o Santoro e ganhou fácil. Mas bastante coisa passou desde aquele tempo e hoje o adversário do brasileiro não mete medo.

Acredito numa vitória tranquila do brasileiro. Daí a moleza acaba. A segunda rodada tem Feliciano López ou Michael Berrer. Os caras são bem mais jogadores que Schuettler. E caso Bellucci passe por este teste bem difícil pega Roddick. Tudo bem que por ser cabeça 30 ele certamente pegaria um dos top 8 e o americano não é a pior opção. Mas isso não facilita as coisas.

Ricardo Mello pegou Frank Dancevic, um cara que não ganha em nível ATP desde janeiro e o melhor resultado em nível challenger foi uma semi. Parece que o brasileiro se deu bem. Vi o jogo deles pela Davis aqui em Floripa e o brasileiro ganhou no cansaço. Voltando para Londres, na sequência coisa complica. Michael Llodra e James Ward. O primeiro tem um jogo bem adaptável a grama e o outro fez bonito em Queen’s.

Aproveitando que estou falando de Ricardo Mello lá vai o que acho sobre a Davis. Não vejo problema nenhum em ver ele jogar um campeonato nos Estados Unidos ou seja lá onde for. Claro que a experiência num confronto difícil diante de uma torcida que joga junto. Mas acho que não vale este discurso de amor a bandeira, viva a amarelinha e blá blá blá.

Jogadores que gravitam nas posições intermediárias têm que se preocupar com o futuro. Amanhã eles estão lesionados, sentidos dores que os acompanharão pelo resto da vida e não acredito que a CBT vá estender a mão. É preciso sim se preocupar em garantir conforto para o resto da vida.

Não acredito que nada pode atrapalhar Nadal, Federer, Djokovic e Murray nas rodadas iniciais.


Bookmark and Share

É isso que o povo gosta

25 de maio de 2011 0

Thomaz Bellucci teve uma atuação de tenista top. Venceu rápido e com larga vantagem. Como foi bom ver o brasileiro jogando com bastante agressividade e consistência dominando completamente a partida. Melhor ainda por se tratar de uma partida de Grand Slam.

Só o status do campeonato já confere um brilho maior, mas há outros fatores que valorizam o desempenho. O brasileiro precisou manter a concentração por três sets, o que exige maior força mental. Não basta uns minutos de inspiração. O aproveitamento de 100% dos breaks points indica que soube aproveitar as chances.



O fato da bola dele andar mais que a de Andreas Seppi ajudou um bocado, mas igualmente importante foi não abrir nenhuma porta para o italiano gostar do jogo. O único game em que o adversário teve chance de quebrar ocorreu no terceiro set e não se materializou. Escrevi que esperava uma vitória, mas ela veio de maneira mais fácil que imaginava. Melhor assim.



Agora o brasileiro enfrenta Richard Gasquet, jogador que vem bem na temporada. Todos lembram que bateu Federer não tem 15 dias. Mas o francês tem suas fraquezas. O emocional deixa o rapaz na mão, principalmente em Rolang Garros. Acredito que se Bellucci começar bem o cara se enrola sozinho. Mesmo que isto não aconteça o canhoto tem bola para vencer.



A esquerda de Gasquet é ótima, mas vai bater de frente com o poderoso e pesado forehand de Bellucci. Saque, sou mais o do brasileiro. Vai ser um duelo da habilidade do francês contra a  força do brasileiro.


Susto de Nadal

Mudando de assunto. Tenho certeza que Nadal não gostou de disputar cinco sets na estreia, o público achou bem divertido. Eu aproveitei o momento, mas confesso que vi um texto que planejo colocar no blog no domingo sobre a disputa do espanhol com Djokovic perdendo completamente o sentido.



Bookmark and Share

Tudo ao normal em Paris

23 de maio de 2011 0


Claro que torcíamos para Ricardo Mello, mas podemos dizer que o primeiro dia dos brasileiros em Paris foi como esperado. Bellucci venceu e o número 2 do país caiu diante de um top 10. Mello começou mal o jogo. Muitos erros e pouco primeiro saque em quadra. Acontecia tudo ao contrário do que deveria para ele ter uma chance.

Ao invés de longas trocas de bola balançando Fish, o ponto se definia rápido. Depois ele reagiu, mas o americano se impôs. Diria que o prêmio de participação da primeira rodada de 15 mil euros é um belo consolo.

Bellucci teve um jogo equilibrado contra um adversário que gosta de bater na bola. Venceu e agora pega o italiano Andreas Seppi. Sei que o cara é do saibro, mas acredito que se o brasileiro mantiver o foco deverá levar. Gasquet venceu e continua em rota de colisão com o Bellucci. Se ocorrer, será interessante ver como o canhoto se vira diante de um jogador tão habilidoso.

Falando de outros jogos, Federer conseguiu não se enrolar e Djokovic atropelou. Tô curioso para ver como o Soderling jogará. Se a bolinha tá andando mais vai ajudar o cara que tem um saque tão bom. E a velocidade do jogo permite aquele swing bem amplo que ele tem.


Bookmark and Share

E agora José...

09 de maio de 2011 0

Por um momento pareceu que ia dar. Acredito que todos pensaram que Bellucci venceria Djokovic no sábado, acabaria com a série invicta do melhor tenista em atividade e assombraria o mundo. A coisa mudou quando o sérvio encontrou um buraco na esquerda do adversário.

De qualquer maneira foi uma semana incrível. Resta saber o que será daqui para frente. Há dois caminhos a percorrer. O primeiro é o seguido por Robin Soderling. O sueco ganhou de Nadal em 2009 e desde então fincou o pé entre os melhores. Levou torneios, incluindo Master 1000, e fez boas campanhas em Grand Slam.

Soderling usou aquele jogo como trampolim e manteve o nível apresentado naquela semana em Paris. Soube colocar na cabeça que era capaz de enfrentar os melhores. Se transformou em outro jogador.

A outra possibilidade para Bellucci é percorrer o caminho de Xavier Malisse. O belga chegou as semi-finais de Wimbledon em 2002 e despontava como jogador de grande potencial. Mas não conseguiu manter o ritmo. Cometeu uma série de bobagens e por diversas razões caiu no ostracismo.

Aquelas duas semanas em Londres não serviram como divisor de águas. Ficaram como uma boa lembrança, nada mais. Malisse não conseguiu aproveitar da maneira que poderia. Este é o caminho que Bellucci não deve seguir.

Pelo menos em Rolando Garros o brasileiro deve chegar com a moral em alta. Na estreia de Roma pega um quali. Depois ninguém menos que Rafael Nadal. Somente uma lambança na primeira rodada partida ou uma derrota achapante diante do número um do mundo podem derrubar o ânimo.

Mas isto serve para o curtíssimo prazo. Avaliando mais para frente a interrogação permanece. Ela só será desfeita a medida que a temporada se desenrolar. O comportamento da torcida também será interessante de acompanhar. Se os resultados não virem logo vai voltar aquela chuva de críticas. E recomeçara o Fla Flu nas caixas de comentários dos blogs da vida.

Bookmark and Share

Que vitória

06 de maio de 2011 0

Sensacional. Bellucci ganhou do quarto melhor tenista do mundo. Como escrevi ontem, eu previa outro resultado. Fiquei bem feliz em ter me enganado. Fui dar uma olhada nos comentários das notícias. Como tinha gente elogiando o brasileiro.

Golpes poderosos, saque em dia, força mental são pontos ressaltados. Houve muita gente que falou para os secadores engolirem o resultado. Outros diziam que foi zebra e Bellucci é um tenista de meia tigela. Eu não gosto dessa postura Fla Flu. Perde-se o equilíbrio da análise.

É óbvio que nesta quinta o brasileiro jogou muito bem.  Usou todas as armas que dispõe e manteve a cabeça no jogo. Um exemplo foi o terceiro game, quando enfrentou dois breaks. Salvou ambos com excelentes serviços.

Murray começou testando a consistência o brasileiro. Passando a bola pro outro lado da rede e esperando erros. Eles não ocorreram. Na hora da decisão do primeiro set confirmou o saque e derrubou o adversário.

O set seguinte foi mais tranqüilo. Na coletiva Murray disse que não jogou tão bem e vinha de lesão no cotovelo. Os jogadores são engraçados. Ao vencer o Simon na estréia nenhum problema físico foi mencionado.

Bookmark and Share

Bellucci versus Murray

05 de maio de 2011 0

Complicado e bastante dificil. Assim eu vejo o jogo de Bellucci contra o Murray, que tá com um cabelo ridículo. Parece eu quando tava na faculdade.

O melhor do Brasil não tem muita variação e vive de pancadas no funde quadra. O escocês é um baita contra atacador. Consegue usar como poucos a força do rival. Isso não é bom.

Outro ponto preocupante é a movimentação. Murray é muito bom nisso enquanto o brasileiro deixa a desejar. Por último, O número cinco do mundo abusou das deixadinhas (que nome bonito) ontem. Todos sabem que quando chamado a rede Bellucci fica em apuros.

Não estou sendo pessimista, apenas realista. Mas vamos torcer. Tomara que o saque entre e os pontos sejam definidos rapidamente. O brasileiro não gosta de longas trocas de bola, diferente do rival. Murray é bem de lua. Quem sabe ele tenha tido uma noite ruim de sono.

Bookmark and Share

Não vi e não gostei

27 de março de 2011 0

Estava trabalhando e de uma hora para outra o placar ao vivo do site da ATP mostrava que uma possível virada no horizonte. James Blake disputava ponto a ponto com Bellucci. A partida foi para o tie break do terceiro set e o brasileiro foi para casa.

No twitter Bellucci escreveu que não conseguiu repetir em quadra o desempenho dos treinamentos. Fico aliviado e torcendo para ser verdade. Perder para um cara como o Blake não pode. Lesões e perda de qualidade são as palavras mais associadas ao americano.

Tem também quem o chame de ex-jogador em atividade. Pra complicar ainda mais a quadra está bem lenta em Miami, o que deveria facilitar a vida do brasileiro. Foi péssimo e tomara que Bellucci consiga se perdoar logo e não tenha a confiança abalada.

Veremos o que a temporada de saibro nos reserva. Como os pontos não vieram nos Estados Unidos Bellucci vai pressionado a obter bons resultados na superfície que é seu ganha pão.

Bookmark and Share