Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

O futebol do futuro chegou

30 de junho de 2016 0

Na última semana participei de um workshop organizado pela Comissão Nacional de Arbitragem da CBF. Voltei do Rio de Janeiro com duas convicções. A primeira é de que há forte preocupação com a melhora da qualidade do apito. A segunda, diretamente ligada à primeira, é que vem aí uma revolução no futebol. O uso da tecnologia em favor da arbitragem muito perto de ser colocado em prática.

Encontro na sede da CBF foi conduzido por integrantes da Comissão Nacional de Arbitragem.

Encontro na CBF foi conduzido pela Comissão Nacional de Arbitragem. FOTO: Divulgação

A CBF já deu início aos testes para utilização do árbitro de vídeo. A novidade ainda não será colocada em prática no futebol profissional neste ano, mas estará em pleno funcionamento em 2017. O árbitro de vídeo será responsável por analisar imagens e auxiliar a equipe de arbitragem dentro de campo. Com isso, o objetivo será o de corrigir erros em lances claros e indiscutíveis, que não exijam interpretação, e que alterem ou possam alterar diretamente os resultados das partidas, como gols, pênaltis, impedimentos e medidas disciplinares que envolvam aplicação do cartão vermelho.

Ressalto que lances duvidosos ou interpretativos não se enquadram na nova regra. Quem é contra a tecnologia por achar que isso vai zerar a possibilidade de equívocos e tirar a graça do futebol, pode ficar tranquilo. Erros continuarão acontecendo. A grande notícia é que os problemas serão minimizados sensivelmente.

Faço voz a um argumento da CBF em defesa do árbitro de vídeo. Uma mudança cultural será incentivada. Os “malandros” que gostam de simular faltas, agredir adversários ou tentar de alguma forma enganar a arbitragem, estarão sendo vigiados. A presença de um árbitro que tem acesso às imagens vai ao menos inibir condutas ilegais. A postura do atleta precisará mudar.

Ao contrário do que muita gente pensa, a tecnologia pode dinamizar o jogo. Um exemplo está na eliminação do Brasil da Copa América. Após o gol de mão do jogador do Peru, a arbitragem teve dúvida. Levou quase cinco minutos para reiniciar o jogo. E errou! Se a imagem tivesse sido verificada, o problema estaria resolvido em 30 segundos. E a decisão correta seria tomada. Sem falar que o jogador pensaria duas vezes antes de tocar a bola com o braço, afinal a desonestidade teria contra si uma arma quase infalível.

Há algum tempo digo que não é justo que o mundo todo saiba que um gol foi irregular e somente o árbitro não tenha esse recurso. Não podemos mais aceitar jogos decididos em erros claros. Parecia que esse dia nunca chegaria. Finalmente, o futebol do futuro chegou.

* Texto publicado na coluna De Fora da Área do jornal Zero Hora nesta quinta-feira (30).

languirulogo

Envie seu Comentário