Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de outubro 2009

O belo exemplo de Ana Rute

29 de outubro de 2009 4

Ana Rute:

Dizem que, o que é achado, não é roubado. Mas para a auxiliar de serviços gerais Ana Rute Bento, de 24 anos, o que é achado tem dono.

Moradora de Lages, ela cumpriu o seu dever e mostrou que a honestidade é algo valioso.

Com o marido desempregado há dois meses, mãe de duas crianças, de seis e oito anos, e moradora do Bairro Bom Jesus, um dos mais carentes da cidade, Ana conquistou seu primeiro emprego com carteira assinada apenas na semana passada, apesar de trabalhar desde pequena como faxineira em casas de famílias.

Contratada para atuar na limpeza da Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac), ela percorre os corredores por onde passam centenas de pessoas todos os dias.

Por mês, receberá um salário mínimo (R$ 465), mas como está no novo emprego só há uma semana, ainda nem recebeu.

Até que, na manhã da última terça-feira, Ana encontrou um envelope em um dos blocos da Uniplac.

Ao abri-lo, deparou-se com duas tentadoras notas, de R$ 50 e R$ 100, além de outras de menor valor. Ela não sabia a quem pertencia, e poderia ter ficado com tudo.

Mas fez o que a sua consciência mandou, nem contou quanto havia no envelope e foi atrás de quem o procurava.

Alexandre Silva Poroski, de 35 anos, professor de Direito da universidade, era quem havia perdido o dinheiro, num total de R$ 315, arrecadados entre os demais docentes do curso para comprar uma cafeteira e um bebedouro.

Quando ele sentiu falta, perguntou às faxineiras se algumas delas tinha visto o envelope, e Ana imediatamente disse que havia encontrado.

_ Ela precisa muito e ainda nem recebeu seu primeiro salário, e se ficasse com o dinheiro, não seria crime, pois o envelope não estava identificado. Mas teve essa nobre atitude, e fiz questão de contar o exemplo à minha filha _, disse Alexandre, que também é policial civil.

Órfã de pai e mãe desde a adolescência e sem ter concluído sequer a oitava série do ensino fundamental, Ana diz que aprendeu a ser honesta na escola da vida.

Os R$ 315 do envelope fariam uma grande diferença, mas ela nem quis saber o valor.

_ Certa vez, fui pagar uma conta numa loja e deixei R$ 50 no balcão. Quando voltei para pegar, não quiseram me devolver. Então, o mal que não quero para mim, não quero para ninguém. É assim que fui educada na escola da vida e é isso que ensino aos meus filhos.

Abaixo, confira o vídeo feito com Ana Rute a Alexandre.

Postado por Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share

A honestidade lageana

29 de outubro de 2009 0

Antonio Carlos e Edgar não se conheciam e ficaram amigos/Alvarélio Kurossu

Não é a primeira vez que um lageano encontra dinheiro e devolve ao dono, e provavelmente isso aconteça com frequência, mas sem chegar ao conhecimento do público.

Em novembro do ano passado, o Diário Catarinense publicou uma história semelhante.

Corretor de imóveis, pai de três filhos e morador do Bairro Bom Jesus, o mesmo de Ana Rute, Antonio Carlos Muniz dos Santos, de 54 anos, deu um belo exemplo de como é possível construir um mundo mais justo e melhor para todos, sem obter o menor lucro com isso.

Numa certa manhã, ele passava pela Rua Coronel Córdova, bem no Centro da cidade, quando se deparou com um envelope no chão.

Ao abrir o papel, encontrou uma fatura de uma loja de eletrodomésticos, que venceria dois dias depois, e R$ 170 em dinheiro que, em tempos de crise, podem até ser tentadores.

Mesmo sem um único centavo no bolso até para almoçar, e como não encontrou o telefone de contato do titular da fatura, não pensou duas vezes, e foi até o estabelecimento comercial pagar a conta, no valor de R$ 167,07, de alguém que nem conhecia.

Deixou o número do seu telefone no caixa, e foi trabalhar com o troco de R$ 2,93 no bolso.

Mal sabia Antonio que, pouco antes de encontrar o envelope, o relojoeiro Edgar Goebel, de 50 anos, residente no Bairro Popular e também numa “pendenga” financeira, era quem havia perdido aqueles valorosos R$ 170.

A prestação da loja, a sexta de um total de 12, referentes a uma geladeira que Edgar comprou para sua casa, havia caído junto com o dinheiro do bolso da calça do relojoeiro, quando ele foi pegar o celular.

Edgar ficou desesperado, procurou no carro e até mesmo na rua, mas como não encontrou, emprestou R$ 170 de um amigo e foi até a loja no dia seguinte. Ao chegar no caixa, uma surpresa: a conta estava paga.

_ Que louco paga uma conta que não é dele? _, pensou Edgar.

Até ser informado da atitude exemplar de Antonio, pegar o telefone e ligar para o desconhecido.

_ Fiz questão de agradecê-lo, parabenizá-lo e conhecê-lo pessoalmente, pois eu acreditava que pessoas honestas assim não existiam, a não ser em contos de fada. Agora sei que existem de verdade, e se existissem mais, não viveríamos em um mundo com tanto sofrimento.

A honestidade de Antonio é tão grande que ele ainda quis devolver os R$ 2,93 de troco da fatura da loja.

Edgar recusou, mas não teve condições de dar uma recompensa em dinheiro a Antonio, que mesmo voltando para casa sem nenhuma moeda, obteve o seu grande lucro.

_ Receber o telefonema do Edgar me agradecendo emocionado, saber que ele também é um pai de família batalhador e que agora seremos grandes amigos é a minha recompensa.

Abaixo, seja um vídeo gravado na ocasião com Antonio e Edgar.

Postado por Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share

Bem-vindos!

28 de outubro de 2009 1

Filhotinhos na companhia dos pais bem no meio da Uniplac/Alvarélio Kurossu

Exatamente um mês atrás, publicamos aqui no Diário da Serra as fotos de um casal – acho que era um casal – de pássaros Quero-Quero protegendo quatro ovinhos bem no meio de um dos pátios da Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac), em Lages.

Pois na manhã desta quarta-feira encontramos os Quero-Quero maiores por lá, mas agora, acompanhados pelos já nascidos e ainda pequeninos passarinhos.

E como ninguém estragou o ninho durante a “gestação”, espera-se que ninguém mexa com os bichinhos logo agora, que estão cheios de vida pela frente.

Postado por Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share

Tristeza no hospital...

27 de outubro de 2009 11

Assim mesmo, em primeira pessoa, vou contar uma história ocorrida há cerca de seis meses, aqui em Lages.

Nunca havia me passado a ideia de torná-la pública, mas, do nada, acordei hoje disposto a contá-la aqui no Diário da Serra, até mesmo para saber o que os amigos leitores pensam sobre isso.

No fim de abril, tive o desgosto de sofrer um pequeno acidente durante uma partida de futebol e precisei ficar quase dois meses com o braço engessado, sem trabalhar, sem dirigir.

Comecei a ficar maluco sem fazer nada, pois mesmo tendo um tempão para assistir e ler um monte de coisas boas e ruins, queria mesmo era fazer algo produtivo.

NO HOSPITAL

Até ir numa certa noite ao Hospital Nossa Senhora dos Prazeres (HNSP) visitar um amigo que estava internado.

Chegando lá, o encontro em um quarto do SUS com outros dois pacientes, cada um se queixando de uma dor diferente.

Melancolia total, remédio atrás de remédio, olhos pesados, silêncio, desânimo. Puxei conversa com o meu amigo e, logo em seguida, os seus dois colegas de quarto reagiram e interagiram.

Até que um deles me perguntou algo que me comoveu:

_ Amigo, sabe quanto deu o jogo do Flamengo, no domingo passado?

Isso já era quinta-feira, se não me engano. Puxa vida, o cidadão é apaixonado pelo seu time de futebol, certamente não perde uma notícia, mas lá no hospital, sem TV, sem rádio, sem revista ou jornal, ele não sabia de nada quatro longos dias depois.

E se eu, que só estava com o braço engessado, já me sentia péssimo, o que dizer daqueles cidadãos, praticamente imóveis na cama?

VOU AJUDAR

Saí do hospital decidido a ajudar aquelas pessoas, até porque eu teria dois meses pela frente sem nenhum compromisso, a não ser ir ao ortopedista, e estaria fazendo algo bom para mim mesmo. No dia seguinte, fui ao HNSP oferecer um serviço voluntário.

Apresentei-me à direção e fiz a seguinte proposta: todas as manhãs eu iria até lá com alguns jornais do dia e faria a leitura de algumas notícias aos pacientes. Obviamente, a quem quisesse, sem incomodar ninguém.

Comentaria com a Dona Maria sobre a novela preferida dela, o horóscopo, as tendências de moda. Com o Seu João, falaria sobre futebol, o lançamento de um carro zero, as polêmicas na política.

Era isso. Durante alguns minutos, minha intenção era proporcionar aos pacientes momentos felizes, produtivos, que talvez até pudessem ajudá-los na reabilitação.

Em vez de dores, remédios e morte, eles conversariam sobre a notícia que souberam, discutiriam quem foi o craque da rodada ou falariam mal da vilã da novela das oito.

E surgiriam comentários, piadas, sorrisos, mais conversa e conversa e conversa. E assim o tempo passaria sem que ficassem apenas pensando no pior, e aumentaria a vontade de sair do hospital, e sairiam talvez até antes e melhores do que o esperado.

Acredito que, além do tratamento médico, com remédios e cirurgias, a autoestima, o bom humor e a alegria sejam fundamentais para tratar qualquer doença.

BALDE DE ÁGUA FRIA

Não percebi muita empolgação na direção, e recebi como resposta que, em seguida, uma assistente social do hospital me telefonaria.

Enquanto isso, fui me preparando e planejando já para o dia seguinte minha primeira ida ao hospital. Mas o dito telefonema não veio até hoje, e o aguardo há quase seis meses.

Talvez minha proposta, mesmo que com a melhor das intenções, tenha sido a mais absurda. Ou talvez o HNSP não possa, por lei ou sei lá o que, aceitar trabalhos voluntários como ler jornais para os pacientes.

Ou talvez ainda, e tomara que seja esta a opção verdadeira, o número de voluntários seja tão grande que estejam sobrando pessoas a fim de ajudar, e um a mais, um a menos, não faria a menor diferença. Se for isso mesmo, rende uma baita reportagem!

Mas independente de tudo, um retorno seria interessante. “Não queremos, não podemos”, enfim, uma resposta. Lá se vão seis meses, e até agora nada…

Se não dá para ler jornal, posso tentar fazer o bem de outras maneiras. Meu tempo é curtíssimo, mas estou à inteira disposição.

Postado por Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share

O sol volta a brilhar para Vinícius

25 de outubro de 2009 2

Vinícius Leandro da Silva, de nove anos, cujo sonho de conhecer o cinema precisou ser adiado devido aos estragos./Alvarélio Kurossu

A placa foi retirada do portão de entrada, mas eles sabem certinho o caminho da escola.

Uma semana após a chuva de granizo que castigou Curitibanos, na Serra Catarinense, os 750 alunos do Núcleo Municipal Getúlio Vargas voltaram às aulas na última quarta-feira, dia 21.

Entre eles, Vinícius Leandro da Silva, de nove anos, cujo sonho de conhecer o cinema precisou ser adiado devido aos estragos.

A previsão da prefeitura era de que a escola voltasse a funcionar somente em 2010, já que praticamente toda a sua estrutura foi afetada, incluindo salas de aulas, laboratório de informática e área coberta de recreação.

Mas um mutirão entre pais, alunos, professores e servidores municipais possibilitou o retorno das atividades bem antes do esperado, e Vinícius pôde voltar a sorrir.

Na última quarta-feira, ele chegou à escola às 7h40min. Sem nenhum material, pois tudo foi perdido no temporal.

Emocionado, entrou no prédio, conferiu cada canto para ver se tudo estava em ordem e ficou o mais feliz ao reencontrar seus colegas e professores.

_ Que sensação gostosa voltar para a escola. Eu não ia aguentar até o ano que vem sem vir aqui.

Vinícius conta que a última semana foi muito triste. Ele queria ter ajudado a reconstruir a escola, mas não pôde, pois precisou fazer isso na sua própria casa, que ainda está sem vidros nas janelas e metade do teto descoberta.

Móveis, eletrodomésticos, roupas e alimentos ficaram imprestáveis.

_ Se eu já tivesse conseguido realizar o meu outro sonho, de ser apresentador de TV, o meu pai não conseguiria me ver, pois a nossa televisão queimou na chuva.

O que Vinícius veste e come hoje é fruto de doações. Na manhã de retorno às aulas, dedicada a atividades especiais para comemorar a conquista, o garoto fez questão de sentar na primeira fila da sala de aula para retomar a sua rotina.

E quando achava que o sonho de ir ao cinema não seria mais realizado, pois já havia sido adiado em duas ocasiões só neste ano – a primeira em agosto, devido à Gripe A -, Vinícius recebeu a grande notícia: na próxima semana, em dia ainda a ser definido, ele sentará pela primeira vez em frente à telona para ver o filme A Era do Gelo 3.

_ Não dá para desistir do sonho. Eu não desisti do meu eu vou realizá-lo junto com os meus amigos. Vai ser um momento inesquecível e tão feliz quanto voltar para a escola.

Postado por Pablo Gomes, Curitibanos

Bookmark and Share

Sombra no lugar errado

24 de outubro de 2009 9

O infrator e o sonho de ser taxista.../Pablo Gomes

O motorista deste Fiat Uno com placas de Lages deve ter sonhado que era taxista ou, então, ignorou as leis de trânsito e aproveitou a almejada sombra para proteger o carro do forte sol do meio-dia desta sexta-feira, em um ponto de táxi na Avenida Brasil.

E para não restar dúvidas da infração, consultamos os dados do veículo no sistema do Detran, comprovando tratar-se de um veículo particular.

Se realmente fosse táxi, o carro deveria constar como categoria aluguel, ser inteiro branco e ter placas vermelhas.

Postado por Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share

Sétima morte por Gripe A na Serra

23 de outubro de 2009 1

Foram confirmadas mais duas mortes em decorrência da Gripe A na Serra Catarinense. Assim, o número de óbitos na região chega a sete.

As outras cinco foram em Correia Pinto (dois homens, de 29 e 34 anos, e uma mulher de 20), em Lages (um homem de 42) e em São Cristóvão do Sul (uma mulher de 46 anos).

As novas vítimas são uma adolescente de 17 anos, de Lages, que começou a apresentar os sintomas em 30 de julho, foi internada em 2 de agosto e morreu 19 dias depois. Ela estava grávida e era fumante.

A outra vítima é um homem de 25 anos, de Santa Cecília, que apresentou os primeiros sintomas em 20 de setembro, foi internado dois dias depois e morreu em 3 de outubro. Ele tinha síndrome de down como referência de comorbidade.

Com as novas confirmações, o número de mortes pela doença chega a 100 em toda Santa Catarina.

Postado por Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share

Concorra a um Deurei (?!?!)

20 de outubro de 2009 6

Saudoso Del Rey 1984 (ou Deurei) é o primeiro prêmio do bingão/Pablo Gomes

Bingoooooooooooo!

Quem nunca comprou uma cartelinha, foi marcando os pontos com ansiedade e ficou o mais feliz quando bateu ou, então, frustrou-se por alguém gritar a palavrinha mágica antes?

Bingo é um barato, principalmente se for beneficente. Os prêmios são os mais diversos, e vão de dinheiro a animais e automóveis.

Pois em Lages surgiu um bingão com uma premiação até atraente. Se não são tão altos, os valores servem pelo menos para pagar algumas contas ou então comprar aquele churrasco.

O primeiro prêmio é nada menos que um saudoso Ford Del Rey 1984, cujo atual valor de mercado gira em torno de R$ 3,5 mil.

Destaque para a forma como foi divulgado o “sonho de consumo” dos participantes do bingão.

Boa sorte!

Postado por Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share

Não desista de sonhar, Vinícius!

16 de outubro de 2009 3

O sonho de Vinícius de conhecer o cinema foi adiado pelo granizo/Pablo Gomes

Se ver os estragos causados pela força da natureza já é triste, pior ainda é saber que frustraram o sorriso de uma criança.

Vinícius Leandro da Silva, de nove anos, vive um drama neste momento. Além de ver a casa onde vive e a escola onde estuda destruídas em decorrência de um fenômeno climático, amarga ainda o adiamento de um sonho que sempre o encantou.

Morador do Bairro Getúlio Vargas, em Curitibanos, na Serra Catarinense, Vinícius estava em casa com o pai, Jorge Luiz da Silva, de 31 anos, e o irmão, William Leandro da Silva, 10, quando a cidade foi atingida por uma forte chuva de granizo no início da noite da última quarta-feira.

Com a residência sendo invadida por centenas de pedras de gelo e sem ter como se proteger, Vinícius e o irmão foram praticamente arremessados pelo pai para baixo de uma estante, onde estariam um pouco mais seguros.

Passados terríveis 10 minutos, o granizo parou, e quando Vinícius finalmente pôde sair do esconderijo, viu sua humilde casa toda quebrada.

O desespero foi inevitável, e os três precisaram passar o resto da noite e a madrugada dentro do carro.

Na manhã seguinte, Vinícius pulou bem cedo da cama para correr até a sua segunda casa e ver o que havia acontecido por lá.

E a cena foi a pior possível. O Núcleo Municipal Getúlio Vargas, onde ele estuda na quarta série do ensino fundamental, também havia sido destruída.

As 20 salas de aula, os 30 computadores do laboratório de informática, a área coberta de recreação. Tudo estava perdido.

_ Meu Deus do céu, o que é isso? Não é possível que tenha acontecido logo aqui!

A última esperança foi logo abafada pelo diretor. A escola, que atende a 750 alunos dos ensinos médio e fundamental, não tem a menor condição de receber ninguém e só voltará a funcionar no próximo ano.

E se a casa e a escola destruídas já bastariam para cortar o coração de Vinícius, o que dizer de um sonho que ele realizaria ontem, justamente ontem, e que precisou ser adiado?

_ Tenho muita vontade de conhecer o cinema. E hoje (quinta-feira) eu iria pela primeira vez na vida com a minha turma da escola. Mas com essa desgraça, meu sonho foi por água abaixo.

Mas Vinícius prometeu não desanimar. Inteligente, simpático, dinâmico, esforçado e cheio de vida, levou as mãos à obra e ontem mesmo começou a ajudar a reconstruir a escola.

À sua maneira, com a força física de uma criança de nove anos e meio perdido em meio a tanto estrago, mas com um coração gigante e, por incrível que pareça, e para a alegria de todos, ainda cheio de sonhos.

_ Vou ajudar a reconstruir a minha escola para voltar a estudar logo e poder realizar outro sonho, o de ser apresentador de TV.

Logo abaixo, confira um pequeno vídeo com o emocionante depoimento do garoto.

Postado por Pablo Gomes, Curitibanos

Bookmark and Share

Seja rainha ou princesa da 22ª Festa do Pinhão

15 de outubro de 2009 0

Quem vai substituir a bela corte de 2009?/Alvarélio Kurossu

Foi prorrogado até a próxima sexta-feira, dia 23, o prazo para as inscrições do concurso da rainha e princesas da 22ª Festa Nacional do Pinhão.

As interessadas devem comparecer na sede da Fundação Cultural de Lages (FCL), na rua Benjamin Constant, no piso superior do prédio do Museu Thiago de Castro, com carteira de identidade e duas fotos – uma de corpo de inteiro e outra de rosto (15 x 21).

O concurso que escolherá as novas representantes oficiais da Festa do Pinhão será realizado em duas etapas.

A primeira, programada para o dia 16 de novembro, reunirá as candidatas em uma pousada rural para um dia de campo.

A segunda será três dias depois, no Teatro Marajoara, em evento que integrará as comemorações da Semana de Lages.

A 22ª edição da Festa Nacional do Pinhão ocorrerá de 27 de maio a 6 de junho de 2010, no Parque de Exposições Conta Dinheiro.

* Com informações da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Lages

Postado por Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share