Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de julho 2010

Uma caminhada ao paraíso

30 de julho de 2010 2


No começo de julho, o Diário da Serra viveu um momento mágico ao fazer uma trilha até o interior da misteriosa Pedra Furada, localizada no Morro da Igreja, em Urubici, ponto habitado mais alto do Sul do Brasil, cujo topo está a 1.822 metros acima do nível do mar.

Fomos acompanhados do guia de turismo Iran Croda, que nos conduziu nesta emocionante caminhada.

O material está publicado na Revista de Inverno encartada no Diário Catarinense desta sexta-feira, dia 30.

Se não tiver acesso ao jornal impresso, clique aqui e confira a versão on line.

Também produzimos um pequeno vídeo – bem amador, com celular – da nossa aventura.

Esperamos que gostem e, mais que isso, que visitem Urubici e, se possível, façam a trilha até a Pedra Furada.

O guia Iran Croda pode acompanhá-los. Contato pelos telefones (49) 3278-4245 e/ou 9966-8006; ou pelo e-mail iranguiaturismo@gmail.com.

Bom passeio!

Pablo Gomes, Urubici

Crack, nem pensar

Bookmark and Share

Enterraram o orelhão...

30 de julho de 2010 2

Telefone público não foi poupado nas obras de pavimentação da rodovia. Foto: Alvarélio Kurossu

Todo mundo gosta de ver o poder público trabalhando em prol da sua cidade, do seu estado, do seu país.

E as grandes obras são as preferidas, principalmente as pavimentações de estradas.

Quem é que não gosta de viajar sobre um asfalto novinho em vez de uma estrada de terra toda esburacada, cheia de pedra e poeira?

Só que, para cada ação, existe uma reação. Enquanto são executadas, as grandes obras causam um transtorno danado. Necessário, é claro, mas desconfortável, é fato.

Obras de saneamento básico, por exemplo. Todo mundo quer, mas todo mundo reclama das crateras abertas no meio das ruas, vias interditadas, barro, etc, etc, etc…

Mas existem alguns transtornos que podem ser evitados com um mínimo de bom senso. Vejamos este caso ocorrido lá na belíssima Urubici.

Faz alguns meses que a rodovia estadual SC-439, que liga Urubici a Grão-Pará, já no Sul do Estado, e passa por importantes pontos turísticos como a Caverna Rio dos Bugres, a Gruta Nossa Senhora de Lourdes, o Morro da Igreja e a Serra do Corvo Branco, está sendo asfaltada.

Ótimo, perfeito, mais que necessário. Só esqueceram de preservar um telefone público instalado em frente a uma pousada a dois quilômetros da sede de Urubici.

Faz pelo menos uns dois meses que as obras enterraram o orelhão. Quando estivemos lá, no começo de julho, o telefone não estava funcionando.

Mas também, nem precisava. Quem é que consegue fazer uma ligação e conversar tranquilamente assim?

Pablo Gomes, Urubici

Crack, nem pensar

Bookmark and Share

Modernidade urbana e simplicidade rural

29 de julho de 2010 1

Galinhas - ou galos - descansam debaixo de um arbusto numa das ruas mais movimentadas de Lages. Foto: Pablo Gomes

Lages é a oitava cidade mais populosa de Santa Catarina, com cerca de 170 mil habitantes.

Indústrias, universidades, grandes prédios e avenidas movimentadas. Lages é importante e se destaca cada vez mais.

Mas não deixa de ser uma cidade do interior. Tanto que é comum ver cenas típicas do meio rural em plena área urbana.

Como cidadãos que andam a cavalo trajados com botas, bombacha e chapéu no centro da cidade.

Como duas vacas que pastavam no canteiro central da Avenida Dom Pedro, conforme o Diário da Serra publicou em abril.

E como na cena flagrada esta semana na Rua Brasília, nas proximidades da Avenida Brasil, uma das principais da cidade.

Duas galinhas – ou dois galos, ou um casal, nos perdoem a ignorância neste sentido – curtiam tranquilamente a sombra debaixo de um arbusto no canteiro central da via.

A foto foi feita na tarde de quarta-feira e, na manhã desta quinta, os bichinhos estavam lá novamente, sem incomodar e sem ser incomodados por ninguém.

Assim é Lages: a perfeita harmonia entre a modernidade urbana e a simplicidade rural.

Pablo Gomes, Lages

Crack, nem pensar

Bookmark and Share

Urubici: beleza e história que rende livro

29 de julho de 2010 2

Julieta Buratto, ex-secretária da Educação de Urubici, é uma das autoras do livro. Foto: Alvarélio Kurossu

Acaba de ser lançada na Serra Catarinense uma obra para ser vista, revista e guardada com carinho.

É o livro “Urubici e suas belezas naturais: uma história na Serra Catarinense”.

Os autores Luciano Grüdtner Buratto, Julieta Alice Buratto, Noeli Menezes e Orquiso Rei de Oliveira descrevem de forma didática a importância da região nos contextos nacional e estadual, explicitando as motivações políticas, econômicas e sociais que nortearam a ocupação humana da região.

Ricamente ilustrada (550 fotos e gráficos, coloridas e preto e branco, em 460 páginas), a obra busca suprir a demanda por informações locais de qualidade.

O projeto foi patrocinado em parte por pessoas físicas e empresas de Urubici. Foram quase sete anos de pesquisa, incluindo entrevistas com antigos moradores da região.

Mais de 35 deles morreram nos últimos três anos de execução do projeto, o que transformou a escrita do livro em uma corrida contra o tempo a fim de evitar a perda da tradição oral do município.

Além do resgate da tradição oral, a obra busca fornecer aos alunos das redes pública e particular de ensino dados atualizados e interpretações críticas sobre diferentes aspectos de Santa Catarina, incluindo temas pouco abordados na escola, como produção orgânica e geologia.

Por fim, o livro é um convite a pesquisadores e turistas para conhecerem esse belo município catarinense.

Onde comprar

Nos postos de venda na BR-282; na Livraria São Miguel, em Urubici; nas livrarias de Lages e São Joaquim e nas livrarias Catarinense e Saraiva (Beiramar Shopping), em Florianópolis.

Também pelos telefones (49) 3278-4218 e/ou 8403-5730, com Julieta; (48) 3348-6948 e/ou 9973-8611; e pelo site www.livrariafloripa.estantevirtual.com.br.

Bookmark and Share

Prorrogadas inscrições do concurso fotográfico

29 de julho de 2010 0

Foram prorrogadas até o dia 31 de agosto as inscrições para o 1º Concurso Fotográfico Biodiversidade da Serra Catarinense, suas belezas e principais ameaças.

O prazo terminaria nesta sexta-feira, dia 30. O Instituto de Pesquisas e Aplicação Ambiental e Cultural (Ipac), sediado no município de Urupema e organizador do concurso, abriu também a possibilidade de inscrições via e-mail pelo endereço contato@institutoipac.org.br.

As fotos impressas (reveladas) são recebidas via Correios pelo endereço do Ipac, rodovia SC-439, Km 20, localidade de Rio dos Touros, Urupema/SC, Cep 88.625-000.

* Com informações da Assessoria de Comunicação do Ipac

Bookmark and Share

Mulher joga dois fetos em terreno baldio

28 de julho de 2010 0

Policiais militares apontam o local onde foram encontrados os fetos. Foto: Alvarélio Kurossu

A polícia de Curitibanos, na Serra Catarinense, está à procura da mulher que jogou dois fetos em um terreno baldio no Centro da cidade.

O episódio ocorreu no início da tarde desta quarta-feira e chamou a atenção por se tratar provavelmente de gêmeos, que já estavam mortos quando foram encontrados.

Por volta das 14h15min, um catador de lixo viu uma mulher morena, alta, com calça branca e camisa preta, deixando algo em um terreno baldio na Rua Santa Catarina, perto da agência central da Caixa Econômica Federal. A mulher seguiu caminhando e o homem foi até o local ver o que ela havia jogado.

Quando viu que eram dois fetos enrolados em uma toalha, o homem não avistou mais a mulher e chamou outra que passava pela rua para ajudá-lo.

Os dois colocaram os corpos dentro de um saco plástico para evitar que fossem comidos por um cachorro que os lambia.

A Polícia Militar foi acionada e, ao chegar ao terreno, constatou que os fetos, um masculino e um feminino, já estavam sem vida. A placenta da mãe dos bebês foi encontrada ao lado dos corpos.

Os policiais estimam que os fetos tinham entre cinco e seis meses de vida, pois já estavam bem formados, inclusive com unhas nos dedos.

Os corpos foram levados ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitibanos e em seguida ao IML de Lages, onde serão periciados para que sejam apuradas as causas do aborto, se foi espontâneo ou provocado.

Na calçada que passa ao lado do terreno podiam ser vistas manchas de sangue que se estendiam por pelo menos 30 metros, o que leva a crer que a mãe dos fetos havia dado à luz pouco antes, estava debilitada e precisava de atendimento médico com urgência.

Assim, a Polícia Militar informou a todos os hospitais e equipes de resgate da região que, se atendessem alguém com as características da mulher vista pelo catador de lixo, avisassem os policiais imediatamente. Até o início da noite, a mulher não havia sido localizada.

Na Polícia Civil, o caso será conduzido pela Delegacia da Mulher e do Menor de Curitibanos.

A delegada Roxane Fávero não estava na delegacia ontem e não tinha muitas informações, mas pelo celular adiantou à reportagem do Diário Catarinense que vai esperar o laudo cadavérico do IML para analisar o caso.

Pablo Gomes, Curitibanos

Crack, nem pensar

Bookmark and Share

A polícia que todo mundo quer!

27 de julho de 2010 5

Inúmeros são os casos de violência e corrupção praticados por policiais em todo o Brasil.

As notícias são praticamente diárias e, infelizmente, já não chamam mais tanta atenção.

Mas como é bom presenciar e noticiar os bons exemplos.

Como a história de dois policiais militares que agiram como pais de família ao resgatar e conduzir com segurança ao Conselho Tutelar duas crianças que estavam em um grupo de jovens que consumiam bebidas alcoólicas durante a 22ª Festa Nacional do Pinhão, em Lages.

Pois vejamos esse outro ótimo exemplo, que parte também da Polícia Militar e vem ali da pequena cidade de Urupema.

Os seis policiais que atuam no município não são apenas policiais. Eles são amigos dos 2,5 mil moradores.

Não são aqueles trogloditas mal encarados, que vivem com armas em punho, se recusam a cumprimentar as pessoas e, muito menos, a esboçar um sorriso.

Ali em Urupema os seis policiais militares são simpáticos e atenciosos.

Eles são tão queridos por lá que, no último fim de semana, na festa da padroeira do município, as pessoas faziam questão de cumprimentá-los com apertos de mão, abraços e até os respeitosos e cordiais três beijinhos no rosto. E eram correspondidas.

Que maravilha! A polícia amiga do povo, e vice-versa.

É difícil? Os seis policiais militares de Urupema provam que não.

Parabéns! Os senhores são a polícia que todo mundo quer!

Pablo Gomes, Urupema

Crack, nem pensar

Bookmark and Share

Concurso fotográfico da Serra Catarinense

27 de julho de 2010 1

Entre os prêmios do concurso está uma hospedagem na Eco Pousada Rio dos Touros, em Urupema. Foto: Alvarélio Kurossu

Estão abertas até a próxima sexta-feira, dia 30, as inscrições para o 1º Concurso Fotográfico do Instituto de Pesquisas e Aplicação Ambiental e Cultural (Ipac).

Com o tema “Biodiversidade da Serra Catarinense, suas belezas e principais ameaças”, o concurso foi idealizado com o objetivo de registrar e preservar as espécies da fauna e flora da região serrana.

As fotos não podem ter sido publicadas e precisam estar devidamente identificadas.

A comissão julgadora será formada por um fotógrafo e dois profissionais da área ambiental e avaliará os trabalhos logo após o término do prazo de inscrições. A premiação ocorrerá durante o mês de agosto.

Entre os prêmios estão estadas na Eco Pousada Rio dos Touros, em Urupema, e a realização de um dos roteiros oferecidos pela operadora de turismo Ecos da Serra.

O regulamento e as inscrições para o concurso fotográfico estão no site www.institutoipac.org.br.

Mais informações pelo e-mail contato@institutoipac.org.br ou pelo telefone (49) 9144-8140.

Sobre o Ipac

Há pouco mais de um ano, quando foi constituído, o Ipac vem implementado pequenos projetos na área ambiental.

Sediado no município de Urupema, tem a missão de promover a conservação do meio ambiente e dos recursos naturais, culturais e históricos, bem como o desenvolvimento sustentável através de pesquisas, estudos e aplicações de projetos socioeconômicos, ambientais, culturais e educacionais.

* Com informações da Assessoria de Comunicação do Ipac

Bookmark and Share

A visão de um serrano em Brasília

26 de julho de 2010 4

O jornalista João Paulo Borges, joaquinense que vive em Brasília, envia mais um texto abordando a representatividade política da Serra Catarinense.

O texto segue na íntegra. Grande abraço e muito obrigado, João Paulo.

===================================

Enquanto não houver união, municípios menores da Serra continuarão sub-representados.

Enquanto o frio aumenta na Serra Catarinense, as eleições pelo país começam a esquentar.

Aproveitando-se deste contexto climático-eleitoral volto a escrever sobre o pleito que se aproxima e a baixa representatividade serrana, principalmente dos municípios menores, na Assembleia Legislativa e na Câmara dos Deputados.

Para quem não lembra, em agosto do ano passado escrevi o artigo “A região serrana e seus representantes: um tema que merece reflexão”.

Ao pesquisar o número de candidatos a deputado estadual da região no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e me deparar com um cenário nada animador, no que diz respeito às perspectivas de mudanças sobre a nossa representação, resolvi escrever novamente sobre o tema.

Posso parecer insistente ou até mesmo um jovem sonhador, como alguns me chamaram quando escrevi o primeiro texto, mas sinto-me incomodado com o fato de que, dos 14 candidatos serranos que registraram as candidaturas junto ao TSE, os poucos que têm chances de conquistar o mandato representarão a maior e mais desenvolvida cidade do Planalto Serrano, Lages.

É difícil dizer isso, mas em se tratando de representantes e atenção aos representados, por mais que muitos queiram, é impossível atender aos anseios de todos.

Ainda mais se considerarmos o contingente populacional dos 18 municípios que integram a Amures (são mais de 300 mil cidadãos carentes de representação).

Nesta época todos os candidatos irão dizer que vão honrar cada voto que receberem aqui e ali, mas após eleitos, poucos farão por merecer os sufrágios recebidos nas localidades menores.

Coloco isso, apenas para bater novamente na tecla de que além de parlamentares lageanos, está mais do que na hora das principais lideranças políticas, empresariais, comunitárias e de classes dos municípios menores, como São Joaquim, Urubici, Urupema, Bom Jardim, Rio Rufino, Bom Retiro e outros, se unirem em torno de um ou dois nomes eleitoralmente viáveis para mostrar a força da região.

Para que isso seja possível não adianta pensar em partido, por mais que isso seja inconcebível para alguns.

Penso que temos que olhar para frente, esquecer as rusgas do passado ou as diferenças do pleito municipal recente, e trabalhar para termos a quem recorrer no Legislativo no momento de encaminhar uma reivindicação regional junto aos governos, seja estadual ou federal.

Alguém que conheça a realidade local de perto, que possa falar por nós com conhecimento de causa.

No período de cogitações de candidaturas cheguei a pensar que teríamos um bom nome joaquinense para depositar nossos votos e repetir o feito do final da década de 90, quando elegemos um deputado estadual natural de São Joaquim.

Para quem não lembra, Sandro Tarzan foi eleito com pouco mais de 12 mil votos, pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), em 1998.

A pesquisa realizada pela agência de notícias São Joaquim OnLine sobre possíveis candidatos renovou o otimismo. O registro da candidatura do ex-secretário da SDR, Humberto Brighenti, junto ao TSE animou ainda mais.

Mas, infelizmente, o compromisso de alguns, com políticos que só aparecem na cidade em épocas de festas e bailes, fez com que o sonho de ver um representante da terra na Assembleia fosse adiado por mais quatro anos. Mesmo distante, só posso lamentar e continuar sonhando.

Para não alongar o assunto que interessa a todos os serranos, lanço essa nova reflexão: como melhorar os Índices de Desenvolvimento Humano da nossa região, o famoso IDH, sem que tenhamos bons parlamentares na Assembleia e na Câmara Federal para batalhar pelas causas dos municípios e munícipes serranos?

* Por João Paulo Borges, jornalista, especialista em Ciência Política pela Universidade de Brasília (UnB).

Bookmark and Share

Quatro mil cavaleiros contra o crack

22 de julho de 2010 1

Cavalgada do ano passado já havia defendido a campanha contra o crack. Foto: Alvarélio Kurossu

Quatro mil cavaleiros de toda a Serra Catarinense e até do Rio Grande do Sul unidos em uma cavalgada que, além da confraternização e contato com a natureza, proporciona também um grito de guerra contra o crack.

A 3ª Cavalgada Nevasca FM ocorre no próximo sábado, em São Joaquim, e conta com a parceria da campanha Crack, Nem Pensar, do Grupo RBS.

Uma bandeira com a logomarca será carregada pelo pelotão de frente do grupo, e pulseirinhas da campanha serão distribuídas entre os participantes.

No ano passado, quando 3,5 mil cavaleiros participaram da segunda edição do evento, a marca Crack, Nem Pensar, já esteve presente, desfilando por todo o trajeto que, neste ano, terá um total de 22 quilômetros, passando pelo Vale das Araucárias, uma das maiores reservas de pinheiros do Brasil.

O início da cavalgada está marcado para as 7h30min, com um café da manhã no Parque Nacional da Maçã, e a saída para o passeio ocorre uma hora depois.

Ao meio-dia tem uma parada para almoço com shows regionais no aeroporto municipal e, a partir das 14h, a cavalgada segue até as 18h, com término no Parque da Maçã.

Todos os participantes da cavalgada concorrerão a sete prêmios que serão sorteados durante o evento: uma caminhonete, duas motos, um touro e três cavalos.

Também será possível adquirir antecipadamente o DVD da cavalgada, a ser lançado alguns dias após o evento, e a jaqueta.

Serviço

* Inscrições para a cavalgada: R$ 20, com direito à participação no evento, café da manhã e sorteio dos prêmios;

* Inscrições pelos telefones (49) 3233-2218 e 3233-4235, ou pelo site www.nevascafm.com.br;

* O almoço no aeroporto custará R$ 25 – churrasco de 1,5 quilo. Encomendas pelo telefone (49) 3233-0425, com a Frigozan.

Pablo Gomes, São Joaquim

Crack, nem pensar

Bookmark and Share