Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Declarações polêmicas, brigas e baixaria

29 de setembro de 2010 2

Zagueiro boca suja, lances perigosos, entra e sai de ambulâncias, policiamento reforçado e confusão nos vestiários. Fotos: Pablo Gomes

Intervalo de jogo e um zagueiro do Caçador dá uma infeliz declaração ao vivo para os radialistas, dizendo que o Inter é um time de “m….”.

Foi o que bastou para despertar a ira dos jogadores colorados e, principalmente, da torcida lageana.

O presidente do Inter, José Carlos Medeiros, o Brequinho, revidou e criticou os caçadorenses também ao vivo. E a confusão estava formada.

O início do segundo tempo atrasou pelo menos uns 20 minutos, já que no intervalo a ambulância do Corpo de Bombeiros deixou o estádio e o árbitro não reiniciaria a partida sem uma viatura presente.

E quando o jogo corria o risco de ser interrompido, eis que volta a ambulância dos bombeiros, para alegria da torcida, e logo em seguida chega uma ambulância da prefeitura.

Total falta de organização. Mas vejamos: os bombeiros não têm obrigação nenhuma de ceder ambulância para dar plantão em uma partida de futebol.

Não seria dever da prefeitura, já que o estádio pertence ao município? Ou então da Federação Catarinense de Futebol? Ou até mesmo do Inter?

Durante o segundo tempo, muitas faltas perigosas. O goleiro do Inter foi expulso por dar um soco no zagueiro “boca suja”, e o colorado sofreu dois gols.

Fim de jogo: 3 a 2 para o Inter. Nos vestiários, um jogador do Caçador quebrou um vidro com um tapa. Já os torcedores do Inter queriam invadir o local para agredir os adversários.

Policiamento reforçado, clima tenso e até uma certa dose de baixaria por parte de lageanos e caçadorenses.

Mas tudo acabou bem. Ninguém matou, ninguém morreu, ninguém se feriu, ninguém foi preso e o Inter é o líder geral da competição, com 12 pontos.

O próximo desafio do colorado é no sábado, dia 9 de outubro, às 15h, em Balneário Camboriú, contra o perigoso NEC, que venceu o Inter no primeiro turno, em Lages, e está somente um ponto atrás do time lageano.

Que o futebol seja jogado na paz, sem brigas e declarações polêmicas.

Deixa isso para o Neymar…

Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share

Comentários (2)

  • josé ernani freitas diz: 29 de setembro de 2010

    Os jogadores do Inter e do Caçador, invés ter o comportamento que tiveram, deveriam
    mirar-se no exemplo do pessoal da Capital Nacional da Cebola(Ituporanga), cujo lema,
    de acordo com o post anterior, é: Ô Ô Ô…….A VIDA É BOA!
    O fair play, além de ser uma prática politicamente correta, é inteligente porque nesse
    tipo de disputa, sempre há o jogo de ida e o de volta, e na volta os ânimos poderão
    levar os contendores a reações de represálias não condizentes, com os princípios
    basilares do esporte.
    Que prevaleçam a máxima do Barão de Cupertain: “o importante é competir”.

  • Névio Fernandes Filho diz: 30 de setembro de 2010

    Parece que nos tempos idos, o nosso futebol catarinense era mais apaixonante e organizado, porque as coisas eram feitas com amor. Hoje, o seu Delfim se perpetua no poder, seu filho, um delinquente, fica agredindo jornalistas em seus locais de trabalho, enfim uma bagunça geral e isso reflete de certa forma nos jogos.
    O futebol catarinense deveria ser levado mais a sério, para o bem de todos e todos aqueles que ainda prezam um bom espetáculo no final de semana.

Envie seu Comentário