Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de outubro 2011

População formaliza os pedidos de menos vereadores

31 de outubro de 2011 0
Empresária Isabel Baggio entre o abaixo-assinado com 12 mil assinaturas - o dobro do necessário - ao presidente da Câmara de Lages, Adilson Appolinário (PSD). Foto: Câmara de Vereadores de Lages, Divulgação

Empresária Isabel Baggio entrega o abaixo-assinado com 12 mil assinaturas - o dobro do necessário - ao presidente da Câmara de Lages, Adilson Appolinário (PSD). Foto: Câmara de Vereadores de Lages, Divulgação

A vontade dos moradores de Lages e São Joaquim, na Serra Catarinense, já está devidamente registrada nas Câmaras de Vereadores dos dois municípios.

Na tarde desta segunda-feira foram protocolados os projetos de lei de iniciativa popular que pedem a revogação das decisões dos legisladores em aumentar o número de vagas a partir da próxima legislatura.

Em Lages, a votação que aumentou de 12 para 19 o número de vereadores a partir de 1 de janeiro de 2013 ocorreu no dia 21 de março e terminou em 10 a 1 pelo sim. O processo ocorreu de forma bem discreta e pegou a população de surpresa.

No início de outubro, após constatar por meio de uma enquete em seu site que 98% de três mil internautas se posicionaram contra o aumento de vereadores, o jornal Correio Lageano lançou um movimento para fazer a vontade do povo ter validade.

Em parceria com outras 15 entidades de classe foi organizado um abaixo-assinado que pedia a revogação do decreto legislativo.

Conforme a Lei Orgânica do município, eram necessárias as assinaturas de pelo menos 5% dos eleitores de Lages (5,9 mil de 117 mil), mas a adesão popular foi bem maior e foram coletadas quase 12 mil assinaturas, o dobro do necessário.

_ Pessoas de todos os bairros, faixas etárias e classes sociais se manifestaram. Todas pedem que os vereadores voltem atrás, pois os recursos deste acréscimo podem ser revertidos para as necessidades do município _, diz a empresária Isabel Baggio, idealizadora da campanha.

O salário bruto mensal de cada vereador lageano é de R$ 7.019,46, e os nove a mais custariam cerca de R$ 750 mil a mais por ano aos cofres públicos.

O presidente da Câmara de Lages, Adilson Appolinário (PSD), recebeu o projeto de lei de iniciativa popular e o considerou “legítimo e democrático”.

Adilson encaminhou o documento à assessoria jurídica do Legislativo, que tem até seis meses antes da próxima eleição municipal (abril de 2012) para realizar a votação.

Continua…

Bookmark and Share

Aumento de vagas ao apagar e acender das luzes

31 de outubro de 2011 0
Em São Joaquim o projeto de lei de iniciativa popular foi protocolado pela ONG Observatório Social. Foto: Vani Boza

Em São Joaquim o projeto de lei de iniciativa popular foi protocolado pela ONG Observatório Social. Foto: Vani Boza

Na cidade de São Joaquim o aumento de nove para 11 vereadores ocorreu em duas votações, na última sessão de 2010, em 15 de dezembro, e na primeira de 2011, em 14 de fevereiro. O projeto foi aprovado por unanimidade.

A própria Câmara admite que os dois novos vereadores custariam entre R$ 90 mil e R$ 100 mil a mais por ano aos cofres públicos.

Um abaixo-assinado contra a decisão foi organizado pela Organização Não Governamental (ONG) Observatório Social, que coletou 1.265 assinaturas, quando o mínimo necessário era 913, ou 5% dos 18.259 eleitores do município.

O projeto de lei de iniciativa popular também foi protocolado ontem à tarde. A assessoria jurídica vai analisar o documento e tem 40 dias para emitir um parecer.

Depois, o projeto passará por duas votações, sendo necessários dois terços dos votos em cada uma para que a vontade do povo vire lei e seja cumprida.

_ Isso mostra que a comunidade quer debater os grandes temas, principalmente se envolvem o dinheiro público _, diz o diretor da ONG, o agrônomo Velocino Salvador Bolzani Neto.

Pablo Gomes, Lages e São Joaquim

Bookmark and Share

Relatório final da CPI da Folha aponta 16 envolvidos

31 de outubro de 2011 0

Foi apresentado nesta segunda-feira, na Câmara de Vereadores de Lages, na Serra Catarinense, o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a suposta fraude em folhas de pagamento de servidores da prefeitura, com um montante de aproximadamente R$ 1 milhão. O documento tem mais de 1,4 mil páginas e levou quase um ano para ser produzido.

Tudo começou em 27 de outubro do ano passado, quando a prefeitura descobriu que dois funcionários do departamento de Recursos Humanos, ambos comissionados, estariam desviando recursos públicos por meio das suas próprias folhas de pagamento. Os dois foram exonerados e denunciados à Polícia Civil e ao Ministério Público.

Mesmo assim, a Câmara de Vereadores resolveu investigar o caso e instaurou a CPI da Folha. Os trabalhos iniciaram no dia 17 de novembro, e vários depoimentos e documentos foram analisados.

Após ser aprovado por unanimidade pelos cinco membros da comissão – Anilton Freitas (PTB), Antonio Leandro Môro (PP), Gean Ricardo Vargas (PPS), Luiz Amorim (PP) e Rodrigo Silva (DEM) -, o relatório final foi lido e entregue ao presidente da casa, Adilson Appolinário (PSD), na sessão desta segunda-feira.

As investigações apontaram que 16 pessoas estavam envolvidas no suposto esquema, realizado desde março de 2009.

Em um caso, segundo o relator Rodrigo Silva, o servidor, que recebia R$ 2,3 mil por mês, chegou a aumentar o próprio salário para até R$ 50 mil.

E poderia ser ainda mais, já que a fraude teria sido descoberta um dia antes de ele receber R$ 80 mil, justamente quando o banco Itaú, que mantém as contas dos servidores municipais, alertou a prefeitura sobre o fato. Em outros casos os desvios ocorriam por meio de irregularidades nas férias e horas-extras.

_ Teve gente que trabalhou 24 horas consecutivas, todos os dias, durante 12 meses _, diz o relator da CPI, questionando que isso é impossível.

Continua…

Bookmark and Share

Desvios somam aproximadamente R$ 1 milhão

31 de outubro de 2011 0

O relator da CPI diz que o montante desviado chega perto de R$ 1 milhão, dos quais, cerca de R$ 400 mil eram dos cofres públicos.

O restante seria do banco Itaú, com o qual os supostos fraudadores são suspeitos de terem usado o nome da prefeitura para conseguirem o dinheiro.

Na lista das 16 pessoas envolvidas no suposto esquema, a CPI incluiu o prefeito Renato Nunes de Oliveira (PP) e os secretários municipais de Administração, Antonio Arruda, e de Finanças, Walter Manfroi.

Eles são considerados os responsáveis diretos pelos servidores, e por isso são apontados no relatório.

O relatório da CPI deve ser entregue ainda esta semana ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas do Estado (TCE).

A comissão enquadrou os suspeitos em crimes previstos no Código Penal Brasileiro, como estelionato, peculato, inserção de dados falsos e modificação de dados em sistemas de informações, e por infração à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

_ A Justiça tem que ser feita para obrigar a devolução dos valores desviados aos cofres públicos. Se os fraudadores não tiverem como ressarcir, o prefeito deve ser responsabilizado _, conclui o relator da CPI, vereador Rodrigo Silva.

Por meio da assessoria de imprensa da prefeitura, o prefeito Renato Nunes de Oliveira e os secretários Antonio Arruda e Walter Manfroi disseram que só vão se manifestar após tomarem conhecimento oficial do relatório da CPI, mas defendem que se trata de uma questão política.

Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share

Acidente resulta em morte de lageano no RS

31 de outubro de 2011 0
Foto: Divulgação Polícia Rodoviária

Foto: Divulgação Polícia Rodoviária

Uma colisão frontal entre um caminhão e uma caminhonete deixou uma pessoa morta na noite de domingo na estrada Vacaria-Lages (BR-116). O acidente ocorreu às 22h30min no km 0,7 da rodovia, quase na divisa com Santa Catarina. A Blazer seguia no sentido Vacaria-Lages e o caminhão no sentido contrário.

Conforme a Polícia Rodoviária Federal (PRF), Jorge Luís dos Santos, de 36 anos, passageiro da Blazer com placas de Lages (SC), morreu no local. Santos estava no banco de trás da Blazer, conduzida por João Paulo da Silva, 31. Mais dois homens estavam na camionete.

O motorista e os outros dois ocupantes da Blazer foram conduzidos ao Hospital Nossa Senhora da Oliveira. Os dois caroneiros tiveram apenas ferimentos leves e já foram liberados. O motorista segue internado na UTI em estado grave.

O motorista do caminhão, com placas de Nova Bassano, Luís Cláudio Schmitz, 34, não ficou ferido.

Informações da Polícia Rodoviária.

Bookmark and Share

Divididos e nervosos, professores aprovam proposta

26 de outubro de 2011 0
Assembleia estadual, realizada nesta quarta-feira, em Lages, foi marcada por vaias, gritos, xingamentos e trocas de acusações. Foto: Vani Boza

Assembleia estadual, realizada nesta quarta-feira, em Lages, foi marcada por vaias, gritos, xingamentos e trocas de acusações. Foto: Vani Boza

Entre vaias e gritos, xingamentos e trocas de acusações, aproximadamente 300 professores da rede estadual de ensino reuniram-se em assembleia extraordinária na tarde desta quarta-feira, em Lages, na Serra Catarinense, para debater os rumos da campanha salarial da categoria.

A divisão de opiniões ficou evidente e em muitos momentos os educadores se exaltaram e estiveram perto de brigar uns com os outros, mas no fim, entraram em acordo.

O evento, no Centro Serra, durou cerca de quatro horas e foi marcado por um intenso bate-boca entre os professores.

Apitos, cornetas, bandeiras e camisas de partidos políticos e movimentos sociais e declarações como “isso é golpe, é traição” compuseram o cenário da tensa reunião.

Tudo isso porque todos tinham os mesmos objetivos: pedir a revisão da Lei dos Admitidos em Caráter Temporário (ACTs), lutar contra a municipalização do ensino fundamental e definir uma proposta a ser apresentada ao governo do Estado.

As duas primeiras pautas não enfrentaram discussões acirradas. A maioria concordou que a Lei dos ACTs precisaria ser corrigida por conter artigos que não favorecem aos professores e que a municipalização do ensino fundamental seria maléfica de uma forma geral, pois as prefeituras não teriam condições financeiras de manter algo que é obrigação do Estado e, assim, os cofres públicos seriam afetados e a educação ficaria comprometida.

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte) vai intensificar uma campanha contra a municipalização do ensino fundamental em Santa Catarina.

Os prefeitos e os secretários municipais de Educação serão contatados, audiências públicas serão realizadas nas instituições de ensino e Câmaras de Vereadores e um levantamento da quantidade de crianças de zero a seis anos fora da escola será protocolado no Ministério Público.

_ Se muitas cidades sequer conseguem atender estas crianças, pior ainda se ficarem também com o ensino fundamental. Vamos nos mobilizar para garantir a matrícula das séries iniciais na rede estadual já no início do próximo ano letivo _, diz a secretária geral do Sinte, Ana Júlia Rodrigues.

Continua…

Bookmark and Share

Professores já ameaçam fazer nova greve...

26 de outubro de 2011 0

Isso se as aulas iniciarem normalmente, pois os professores prometem entrar 2012 já em greve se o governo não apresentar uma proposta salarial que os agrade até o dia 2 de dezembro, quando completam os quatro meses do fim da greve que durou 62 dias e vence o prazo do grupo de estudos entre Sinte e secretaria estadual da Educação para buscar um consenso entre as partes.

A proposta dos professores foi definida nesta quarta-feira. A executiva do Sinte propôs as Diretrizes de Reconstrução do Plano de Carreira, mas vários professores questionaram.

Assim, após muita gritaria, todos concordaram em uma proposta que prevê a descompactação da tabela salarial e mais três itens das Diretrizes considerados essenciais: carreira (dividida em níveis de formação), progressão (sempre que o profissional adquirir nova habilitação) e gratificação (triênios, insalubridade e outros benefícios previstos para o magistério).

Continua…

Bookmark and Share

O que o governo do Estado tem a dizer...

26 de outubro de 2011 1

Em Florianópolis, o secretário-adjunto de Educação do Estado, Eduardo Deschamps, soube por telefone dos bastidores da assembleia dos professores, em Lages.

Sobre a Lei dos ACTs, o secretário disse que o Sinte apresentou uma proposta ao governo que, por concordar com alguns itens e discordar de outros, está fazendo uma análise jurídica para dar um retorno em breve.

A respeito da municipalização do ensino fundamental, Eduardo disse não entender por que o Sinte é contra, já que não é um processo impositivo, mas de adesão, em regime de colaboração.

Segundo o secretário, a municipalização vai otimizar e fortalecer as escolas, e mais de 80 dos 293 municípios catarinenses já teriam manifestado interesse em aderir, pois terão suporte do Estado e receberão recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) relativos aos novos alunos.

Já quanto à carreira do magistério, Eduardo lembrou que desde o início das negociações com o Sinte a secretaria tem se baseado nas Diretrizes Nacionais de Carreira.

Eduardo disse ainda que o governo ficará no aguardo da proposta formalizada pelo Sinte nesta quarta-feira para também apresentar a sua proposta na próxima reunião do grupo de estudos, dia 7 de novembro.

O secretário concluiu que o grupo está fazendo todo o esforço para encerrar os trabalhos até o dia 2 de dezembro, mas lembrou que, conforme acordo firmado com o próprio Sinte, há a possibilidade de este prazo ser estendido por mais 60 dias, com o vencimento em 2 de fevereiro de 2012.

Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share

Em parceria com o Núcleo Catarinense de Decoração, arquitetos montam ambiente luxuoso para receber e cozinhar

26 de outubro de 2011 0

Quem não gosta de receber bebericando um bom vinho e sentindo o cheirinho do jantar? Essa é a proposta dos arquitetos Rosani Girardi e Alcides Theiss no Studio do Sommelier, e com muito aconchego. Além de prestar uma linda homenagem aos vinhos de altitude do Estado, eles mostram sua versão para bem receber os amigos, que é uma tradição da cultura catarinense, num dos ambientes dos Espaços Premium do Núcleo Catarinense de Decoração – By Luxaflex na Mostra Casa Nova, que vai até dia 6 de novembro no Beiramar Shopping, na Capital.

Na cozinha projetada com materiais de última geração e totalmente funcional, o visitante vai se deparar com gavetas abastecidas com molhos e temperos prontos para serem consumidos. Até mesmo legumes frescos fazem parte da composição do espaço de Rosane e Alcides, no qual o sommelier pode promover recepções numa ampla sala e ainda cozinhar em um lugar sofisticado e luxuoso.

A bancada e pia da cozinha são produzidas com o versátil corian, composto de resina acrílica e minerais naturais. Além do material inovador, os arquitetos deram mais um toque de praticidade ao projeto ao permitir que a cuba da pia seja fechada por uma cobertura retrátil, aumentando o espaço da bancada e integrando ainda mais a cozinha à mesa de jantar e sala.

Os Espaços Premium do Núcleo Catarinense de Decoração – By Luxaflex têm sete projetos de arquitetos, designers e decoradores com destaque no Prêmio Profissional da entidade. A Mostra Casa Nova abre suas portas de terça-feira a domingo, das 14h às 21h.

Serviço:

Onde: Piso G3 do Beiramar Shopping
Quando: até 6 de novembro
Dias: De terça a domingo
Horário: 14h às 21h

Ingressos:

Terça a sexta:
Inteira: R$14
Estudante/idoso: R$7
Clube do Assinante DC: R$7
Sábado, domingo e feriado:
Inteira: R$20
Estudante/idoso: R$10
Clube do Assinante DC: R$10

Janaína Miranda
Assessoria de Imprensa Núcleo Catarinense de Decoração

Bookmark and Share

Polícia de Lages prende quadrilha suspeita de tráfico de drogas em Santa Catarina e no Paraná

25 de outubro de 2011 0
Mais quatro suspeitos foram presos e apresentados nesta terça-feira pela Polícia Civil. Foto: Vani Boza

Mais quatro suspeitos foram presos e apresentados nesta terça-feira pela Polícia Civil. Foto: Vani Boza

A Polícia Civil de Lages apresentou na manhã desta terça-feira quatro pessoas supostamente envolvidas em uma quadrilha suspeita de comandar o tráfico de drogas em algumas regiões de Santa Catarina e do Paraná.

O bando tem pelo menos 18 integrantes e seria responsável por distribuir entorpecentes em Lages, Tijucas, Itapema, Balneário Camboriú e Foz do Iguaçu (PR).

Os quatro presos são Francielle da Rosa, de 25 anos, e Jair Erikson de Oliveira, 29, capturados nesta terça em Lages, onde nasceram; e Vânia Maia, de idade não informada e natural de Foz do Iguaçu, e João Fernando Batista, 30 e nascido em Florianópolis, presos na segunda-feira em Foz.

A quadrilha estava na mira da Polícia Civil de Lages desde o começo de agosto, quando foram presos em flagrante Odair de Souza Leite, 32, nascido em Campo Alegre; Marlene da Silva, 44 e natural de Matelândia (PR); e dois adolescentes com um quilo de cocaína conhecida, segundo o delegado Marcio Schütz, como nine nine (99, em inglês), com alto teor de pureza e com rendimento de até sete vezes o peso original quando misturada a outros produtos.

As investigações continuaram e levaram à prisão, no dia 17 de setembro, de mais cinco pessoas, entre elas, Jaime Medeiros, 34, e sua irmã, Tânia Medeiros Varela, 38, ambos naturais de Realeza (PR) e considerados pelo delegado Marcio Schütz como os principais integrantes da quadrilha. Com eles foram apreendidos cinco quilos de maconha e um de crack.

Com as quatro prisões de agosto e as cinco de setembro, somando nove pessoas, a Divisão de Investigação Criminal (DIC) descobriu que pelo menos outras nove faziam parte da organização criminosa.

Assim, na segunda-feira, iniciou a Operação Caminho Invertido, nome sugerido em virtude do avanço dos policiais pela rota do tráfico.

Com 11 mandados de prisão os policiais foram à caça dos suspeitos em Lages, no litoral e em Foz do Iguaçu. Quatro mandados resultaram nas prisões de Francielle, Jair, Vânia e João.

Outros cinco foram cumpridos contra pessoas que já estão presas por outros crimes nos presídios de Caçador, Capinzal, Rio do Sul e Lages, mas duas delas – Odair e Marlene – já eram conhecidas da DIC.

Assim, dos 18 suspeitos, 16 já foram presos. A polícia procura outros dois que estão foragidos. Todos responderão por tráfico de drogas, associação para o tráfico e formação de quadrilha.

As apreensões de drogas somam cinco quilos de maconha, um de cocaína e um de crack.

Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share