Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Gente que cultiva suas raízes até o fim da vida

30 de abril de 2012 1
São Joaquim é a segunda cidade de Santa Catarina com o maior percentual de moradores nativos. Foto: Pablo Gomes

São Joaquim é a segunda cidade de Santa Catarina com o maior percentual de moradores nativos. Foto: Pablo Gomes

Bela Vista do Toldo, no Planalto Norte; São Joaquim e Cerro Negro, na Serra; e Atalanta e Agronômica, no Alto Vale do Itajaí, são cidades de Santa Catarina que cultivam as suas raízes.

As cinco são apontadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) como as que mais têm moradores nativos, seja dos próprios municípios ou do Estado.

Dos seis mil moradores de Bela Vista do Toldo, 88,94% são naturais do município. Se considerados todos os nascidos em Santa Catarina, independente do lugar, o percentual sobe para 99,23%.

Em São Joaquim, dos 25 mil habitantes, 87,9% são joaquinenses natos. E dos quase quatro mil moradores de Cerro Negro, 86,85% nasceram por ali mesmo.

Atalanta é a primeira do Estado com o maior percentual de moradores nascidos em Santa Catarina, independente da cidade.

Dos pouco mais de três mil habitantes, 99,43% são catarinenses. Em seguida vem Agronômica, com 99,26% dos cinco mil moradores.

Continua…

Bookmark and Share

Comentários (1)

  • Schell diz: 30 de abril de 2012

    Não consegui “alcançar” o sentido da manchete. Afinal, nascer e morar a vida toda no mesmo município, em si, não faz ninguém cultivar suas raízes. Ao contrário, após a implantação das redes nacionais de televisão, principalmente com suas novelas, o que mais vimos foi a extinção das raízes locais e regionais: vestuário, linguajar, sotaque, por aí. Hoje, com certeza – apenas um de tantos exemplos -, São Joaquim também cultua o “halloween”, importado através da televisão. Portanto, permanecer no mesmo local, não faz ninguém cultivar o que quer que seja. Ir para longe, talvez, seja a forma mais eficaz de se manter em contato com suas raízes (aí estão os CTG). Sinto muito.

Envie seu Comentário