Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Se liga, Floripa!

16 de julho de 2012 12

De nada adianta ter belíssimos cartões-postais como a Ponte Hercílio Luz e a Praia Mole se o atendimento ao visitante ainda deixa a desejar. Fotos: Julio Cavalheiro, abril de 2012 (ponte) e Daniel Conzi, dezembro de 2011 (praia)

Semana passada estive em Florianópolis para pegar um voo e, ao tomar um táxi no Centro da cidade para ir ao aeroporto, fiquei chocado com tamanha estupidez por parte do motorista.

O cidadão não foi capaz de me cumprimentar, de interagir comigo durante a corrida de aproximadamente 20 minutos (sabe aquelas conversas tipo “muito trabalho, amigo?” ou “caramba, como esse trânsito é complicado” ou ainda “sou de Lages e estava tão frio hoje por lá”).

O indivíduo simplesmente me ignorou, cara feia e fechada, e sequer me agradeceu ao fim da corrida.

Tudo bem que ele é motorista e precisa prestar atenção à estrada. Mas poxa, pelo menos um “boa noite”, uma cordialidade e um “obrigado” não fazem mal a absolutamente ninguém.

Pelo contrário, até ajuda a melhorar o senso de humor e a relação entre as pessoas.

Não é a primeira vez que isso acontece comigo em Florianópolis, e vejo muita gente fazer a mesma reclamação.

Falando de maneira generalizada, os taxistas da capital catarinense (tomara que seja a minoria, e acredito que sim) não são nada simpáticos e parecem estar prestando um favor aos passageiros ou, pior, parecem considerar que os passageiros estão cumprindo uma obrigação ao procurar os seus serviços.

É essa a Floripa que quer ser vista pelo mundo inteiro como uma cidade agradável e de turismo requintado? Que tenta a todo custo fazer parte da Copa do Mundo?

É? Então precisa começar a se profissionalizar pela raiz, ou seja, pelo taxista que, de fato, é a primeira pessoa com quem muitos turistas têm contato ao chegar à Ilha da Magia.

Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share

Comentários (12)

  • Lara diz: 16 de julho de 2012

    Pablo, são assim mesmo. A manezada odeia gente de fora. Mané de cara feia tudo bem, eles são muito feios mesmo, o problema é a roubalheira que eles cobram, é o taxi mais caro do Brasil.

  • Pedro diz: 16 de julho de 2012

    Na boa, os manezinhos sao mal-educados e exibidos de uma maneira geral. Pensam que sao a ” ultima bolacha do pacote” de tao presunçosos. No final do ano passado estive almoçando num dos restaurantes da regiao das dunas em floripa, no restaurante chamado ONDA DE SABOR, nunca na minha vida fui tao mal atendido e fiquei tao indignado em nenhum outro lugar da minha vida, e olha que viajo para cada lugar ermo….. Esperamos 1 hora para um simples risoto e apos eu e minha mulher estarmos indignados diante desta situacao, iamos embora e o ignorante do garcom trouxe o prato, frio ja e num preparo bem mal feito pelo preco cobrado (R$40,00) por um punhado de arroz.
    Apos dizer que nao queriamos mais o prato, os donos ficaram questionando o porque nao queriamos o prato e mencionamos que como estavamos em excursao, nao tinhamos mais tempo de comer o prato. E o dono do restaurante comecou a denegrir-me moralmente e fazer amecas ( com um sotaque portugues bem nojento, chegava a babar na hora de falar, imagine como deveria estar o prato preparado por ele). Resumindo, paguei a porcaria do prato, mandei embalar numa marmita e entreguei para um dos vendedores de rede que estao andando pelas praias no verao. O mesmo me falou que estava a 8 horas sem comer e me agradeceu muito. Espero que o cozinheiro nao teve aprontado nada no prato da marmita, pois eu nao queria comer uma comida sabendo que ela foi feita com desprezo, odio, raiva e ignorancia deste ” manezinho da ilha”. So repetindo o nome do restaurante de fundo de quintal na minha opiniao: ” ONDA DE SABORES”.
    pS:Espero que meu comentario seja publicado pois é de utilidade publica e mostra que Florianopolis nao é tao ” ilha da magia” assim como a maioria pensa.

  • Márcio diz: 16 de julho de 2012

    PORQUE SERÁ ? É O TRANSITO QUE NÃO AJUDA? OU O QUÊ?

  • Névio S. Filho diz: 16 de julho de 2012

    Meu amigo Pablo, também sofro com a má educação de nossos taxistas daqui, o que interessa para eles é o lucro das corridas, e nem com gorjetas eles nos tratam bem, á típica visão capitalista de pessoas que não queriam estarem neste trabalho e não adianta dar lição de moral ou reclamar que entra em um ouvido e sai no outro.Em lages já é diferente, até quando se quer dar gorjeta o lageano não aceita, acha muito, em síntese não fomos ainda maculados por esta sociedade descompromissada, sem estímulos e mal educada, onde o pensamentento e só no capital, depois dizem que não gostamos do manezinho, mas que bom , que há manés educados e salvam um pouco esta situação, mas é a pior categoria de serviços na capital.

  • fabio santos diz: 16 de julho de 2012

    taxista mal educado existe em qualquer parte, não é só aqui, mal educada é vc dona lara que chama as pessoas de feia, vc deve ser muito linda. um pouco mais de educação por parte de quem reclama a falta. eu conheço muitas pessoas mal educadas e nen por isso elas são daqui, pelo contrario , ocomercio ta cheio de gente de fora trabalhando de cara feia. tudo o que acontece vcs falam mal das pessoas daqui,é simples é só voltar para os lugares maravilhosos de onde vcs viram viu feiosa

  • fabio santos diz: 16 de julho de 2012

    senhorita Lara,vc deveria ser processada pelo sindicato dos taxistas, pois vc chama todos taxistas de ladrão, sendo que existe o taximetro, o taxista não cobra o que ele quer. alem de vc ser preconceituosa quando chama os manezinhos de feios, que bela educação seus pais te deram hein? o mundo precisa de pessoas como vc que dissemina o preconceito o ódio, alem de falsas acusasoes. pessoas como vc não são bem vindas nen na sua propria terra

  • Carina diz: 17 de julho de 2012

    Sra. Lara seja um pouco mais educada! Sou Florianopolitana, vulgo mané e sou de extrema educação, não generalize, há pessoas mal educadas e feias em qualquer lugar do mundo.
    Leia mais, informe se, conheça as pessoas.

  • Névio S. Filho diz: 17 de julho de 2012

    Meu caro Pablo, você comprou um briga feia, um dia critiquei Figueirense e Avaí e quase me trucidaram, Conheço Florianópolis e os manezinhos dede 1981, e não se mudou muito desde aquela época, na Capital graça um provincianismo ainda peculiar, um comodismo, os maus políticos pintam e bordam e uma xenofobia do manezinho com os que vem de fora e que prestam melhores serviços que os manés, ocupando um nicho que era mal utilizado e prestado. Existem na capital corporações acobertadas por políticos, como taxistas e pescadores, aonde os políticos se justificam para continuarem em seu cargos públicos permanentemente. Já relatei várias vezes aqui que sou favorável a mudança da capital para o interior, Florianópolis já tem condições para viver sem a asa do Estado e este mantém benefícios eleitorais espúrios e uúnico motivo para manter esta migração para a Capital. pergunto aos nobres manés que se revoltaram com as críticas, vocês votam conscientemente? conhecem quem vocês votaram? suas metas?Frequentam Jurerê Internacional, sabem o custo de vida da cidade, que hoje a mesma já é reduto de milionários que nos fazem ir atrás de rendas extras.cotidianamente, ficar observando agentes públicos desviarem recursos e o manés achar que é justo, ou eles são mais poderosoa. Enfim este comodismo secular do mané é degradante e causa raiva, lembrem que vocês são descendentes de degredados que vieram de Portugal para aqui cumprir penas,por isso a alcunha de Desterro. Ao passo que os lageanos descenderam dos grande heróis da conquistas farroupilhas e das lides do Contestado. Tento cada vez mais entender porque esta impacência do manézinho em querer ganhar sempre algo lucrativo do que cultivar admiradores e o bom atendimento, talvez esta sanha capitalista da sociedade atual possa ter maculado o bom manezinho de antanho, como também jogou o lageano hospitaleiro, em um necessitado de direitos fundamentais para continuar sobrevivendo. Podemo ficar nestes desvaneios permanentemente buscando defeitos nos dois povos, saí nos anos 80 da serra para buscar renda que aqui (Lages)nunca teria, mas me penitencio e me castigo diariamente como um seguidor da Opus day tentando apagar tal lembrança. Mas quero ainda terminar meu dias em Lages, com as cinzas jogadas nos rincões e altiplanos da Coxilha Rica e que a gralha Azul a use para cultivar as araucárias precoces. Por isso manés desnaturados, achando que a Ilha cara é um paraíso, lavem as suas bocas e se resignem com a condição de nossa Lages ser realmente o paraíso na terra, celeiro de poetas, escritores, guascas campeiros, tradicionalistas de boa estirpe e sem a perpicácia dos políticos litorâneos. Mas que são feinhos, são os manezinhos, Deus me perdoe!!!

  • Simone diz: 17 de dezembro de 2012

    Nossa, gente recalcada estes lageanos (não todos, espero que sejam poucos os que pensem como estes que escreveram aqui). Interessante chamarem o povo daqui de feio e frio quando o Brasil inteiro diz o contrário!!! Não sei se vocês que escreveram vêem noticiários que não são da sua terra. Bem, só um desabafo, pois a generalização é algo muito injusto, irracional e só traz discórdia como infelizmente presenciei aqui. Mau atendimento: apesar de mané concordo que há, mas também tem muuuuita gente boa e bem educada. É realmente triste saber que nossos irmãos catarinas tenham tanto rancor no coração. Alguém conhece o Guga, nosso mais famoso mané, criado e crescido aqui e apesar da fama e riqueza, mantém a humildade e orgulho do seu povo, certamente tem algum motivo, como eu: amor por esta terra, orgulho de minhas raízes de meu povo!!! Desejo a todos muita paz, harmonia e respeito ao próximo.

  • Névio S. Filho diz: 19 de dezembro de 2012

    Oi Simone, obrigada pelo seu comentário, continue contribuindo e incentivando a blog a crescer. As vezes comento coisas sérias e em outras vezes tocamos em nuances de comédia ou gozação e tanto o lageano e o manezinho sofrem com as comparações e particularidades de cada tipo de povo e a sua cultura tradicional, a convido a olhar no Facebook o lageanês, site que faz brincadeiras com o modo de vida do lageano. Por morar na Ilha é claro que observamos os comportamentos do ilhéu e com certeza o crescimento acelerado da cidade, a indústria imobiliária e as migrações de gaúchos, paulista e nordestinos está deixando o manezinho aturdido, pois o que ele fazia antes com tempo e ranquilidade já não consegue fazer. As vezes o mau atendimento, constato, se dá pela pressão do patrão em uma cidade cara, com custos altíssimos que para se manter morando nela há o exercício da calculadora na ponta do lápis, A mesma quantia que se gasta numa loja de Lages, onde você é tido como óyimo cliente, a mesma quantia na Capital, você é mais um cliente normal, diferenças gritantes de poder aquisitivo. Enquanto na Capital as crianças, pedem um tablet ou uma viagem a Disney, em Lages as crianças pedem não um brinquedo, mas uma cesta básica. Enquanto na Capital um Dario Berguer desvia quantias enormes e ninguém acha errado, aqui em Lages isso prejudica inúmeras famílias necessitadas. Não sou contra Guga, ser simplório, mas tentar criar clínicas de tênnis em morros, aonde só o preço da bolinha já inviabiliza estes programas e cheira a exposição gratuita e ele não precisa disso. Por isso minha cara Simone, convido-a a refletir na questão de, se Florianópolis já possui naturalmente uma visão governamental mais privilegiada no item de investimentos em todas as áreas e estes investimentos em grande parte vem do trabalho árduo dos habitantes produtivos do interior, nada mais lógico que pressionarmos o governo na repartição deste bolo de oportunidades, que traria ao interior uma qualidade de vida que hoje somente Joinville, Florianópolis e poucas cidades possuem. Imagina só o litoral com níveis de vida aceitáveis, ouço manezinhos confidenciarem que antigamente não havia crimes e roubos na Capital, acham eles que a culpa é do pessoal que veio de fora, e tirou-lhes a tranquilidade. Por isso que para ter tranquilidade na Ilha, há de ter condições ao homem do campo para se manter nele, pois todas as consequencias deste abandono se refletem na Capital, roubos, falta de segurança, crimes e demais pesadelos que o manezinho perde o sono.Abraços minha cara e na verdade não há rancores com o manezinho, mas a cobrança de algo que, originariamente é de direito do interior, a volta de sua produção em benefício do próprio interior, defendo pois a mudança da Capital para o lugar de onde sempre se prospectou, os campos de Lages e deixar Florianópolis para o paulista endinheirado, o gaúcho aventureiro e ao nordestino retirante da seca,mas não quero que você reclame que esta turma não quer ir para a Nova Capital e ficar na Ilha da Magia azucrinando o manezinho. Tas tola, tas!!!öi,ói,ói!!

  • Pedro diz: 19 de dezembro de 2012

    Simone, nada a ver teu comentqario. Muito infantil e sem embasmento. Falar de Guga e tal? o que isso tem a ver com o mal atendimento e a falta de respeito dos manezinhos com o pessoal do ” interior” , mesmo que a cidade do ” interior” é maior que a capital???…90% dos manezinhos sao presuncosos e malandros, ou vais querer dizer que nao?…

  • Yolanda Costa diz: 14 de janeiro de 2013

    Gente, não há progresso nessa discussão. A maioria agiu de forma pessoal. Há que se ter cuidado e racionalidades nas críticas. Todo mundo quer progresso com responsabilidade e sustentabilidade. Vamos ser frios e reais pra falar o que deve mudar culturalmente na cidade para ter desenvolvimento.

Envie seu Comentário