Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

PM e perícia descartam atentado em Lages

20 de fevereiro de 2013 0

Fogo destruiu parte da cozinha da base da PM na madrugada desta quarta-feira, no Bairro Santa Catarina. Caso é tratado como acidente. Foto: Vani Boza

O incêndio ocorrido em uma base da Polícia Militar na madrugada desta quarta-feira em Lages, na Serra Catarinense, deixou de ser tratado como um atentado e passou a ser considerado um acidente. A informação é do próprio comando da instituição e da perícia, que não encontraram indícios de crime.

A correção se fez necessária porque, inicialmente, o governo entende como atentado criminoso todo e qualquer episódio envolvendo danos aos patrimônios policiais até que sejam constatadas as reais circunstâncias.

O caso ocorreu à 1h55min, na base da PM localizada no Bairro Santa Catarina, em uma das regiões com maior índice de criminalidade em Lages.

O local funciona apenas durante o dia e fica fechado à noite, sendo protegido pela própria PM durante rondas das viaturas. O fogo destruiu uma mesa, um fogão, o forro e parte da cozinha até ser controlado pelos bombeiros.

No início da manhã, o Centro de Comunicação Social da PM, em Florianópolis, enviou nota à imprensa informando que o incêndio havia sido provocado por criminosos que teriam quebrado o vidro de uma janela e usado combustível. Assim, o caso foi tratado como o 112º ataque no Estado, o primeiro em Lages, elevando para 37 o número de cidades com registros.

Porém, ainda pela manhã, o comandante da PM em Lages, tenente-coronel Adilson Moreira, esclareceu a questão e disse que o fato não se tratava de um atentado, mas acidente. Segundo ele, o incêndio iniciou no botijão de gás da cozinha, mas as causas ainda são apuradas.

O comandante diz não ter sido localizado nenhum sinal de arrombamento ou objetos no interior da base que tenham sido atirados de fora com combustível.

_ Estamos fazendo monitoramentos, e não há informações de nenhum grupo criminoso agindo em Lages _, garante Adilson Moreira.

O perito criminal Marcelo da Silva, do Instituto Geral de Perícias (IGP), esteve no local e confirma as informações do tenente-coronel. Ele explica que, como o fogo iniciou pelo botijão de gás que estava na cozinha, os vidros foram quebrados de dentro para fora devido ao calor. Marcelo também não encontrou sinais de combustível e nenhum objeto que possa ter levado as chamas de dentro para fora.

_ Não encontramos nada, nenhuma evidência concreta de crime. O incêndio iniciou pelo botijão de gás, e todos os indícios apontam para um acidente.

No fim da manhã, o a Comunicação Social da PM emitiu outra nota à imprensa corrigindo a informação anterior e excluindo o incêndio de Lages e a própria cidade da lista dos atentados.

Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share

Envie seu Comentário