Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Entrevista com o presidente da Eletrosul

11 de novembro de 2013 0
Eurides Mescolotto falou ao DC sobre os investimentos da companhia. Foto: Hermínio Nunes, Eletrosul, Divulgação

Eurides Mescolotto falou ao Diário Catarinense sobre os investimentos da companhia no Estado. Foto: Hermínio Nunes, Eletrosul, Divulgação

* DC: Os investimentos em geração de energia são uma estratégia de crescimento da Eletrosul ou uma necessidade do Brasil?

MESCOLOTTO: Uma está diretamente ligada à outra. A energia precisa acompanhar o crescimento econômico do Brasil. Hoje não existe nenhuma perspectiva de colapso de energia no país. Para até 2030 existe um planejamento sério e bem aprofundado.

* DC: As hidrelétricas são seguras o suficiente para garantir energia ao país?

MESCOLOTTO: O sistema hidrelétrico é muito seguro no mundo inteiro. Porém, é finito, pois não conseguimos inventar rios. No Sul do Brasil, principalmente, os empreendimentos estão terminando porque não há mais onde colocar, assim como na Europa, que está apostando na energia nuclear, o que não é o caso do Brasil.

* DC: A saída seria investir em fontes alternativas?

MESCOLOTTO: Outras energias são muito importantes, pois se não tiver, teria que usar diesel. O Brasil tem muita água, muito vento e muito sol, mas a energia eólica, a solar e o biogás não podem ser as primárias e fundamentais do país, pois não há reserva. O sol só aparece por oito ou nove horas por dia e a eólica só funciona quando tem vento. O carvão é importante, e com o avanço tecnológico podemos utilizá-lo de maneira mais sustentável para o mundo e suprir as nossas necessidades.

* DC: A energia solar, que a Eletrosul está implantando em seu edifício-sede, em Florianópolis, pode virar uma realidade?

MESCOLOTTO: A energia solar não é competitiva e é muito cara, pois todo o material precisa ser importado. Com experimentos e tecnologia é possível fazer os preços caírem e construir grandes parques, pois o Brasil tem potencial para isso.

* DC: O verão está chegando, e quais os riscos para o setor?

MESCOLOTTO: A Eletrosul supre a energia mesmo com a estiagem, mas os distribuidores sofrem pelo alto consumo, pois a carga de determinadas cidades fica muito elevada. Em Florianópolis faltava capacidade de distribuição nos finais de ano. E quando falta chuva é necessário acionar as usinas térmicas, e isso é muito caro.

Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share

Envie seu Comentário