Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Amadorismo e estudos escassos na atividade

01 de abril de 2014 0

Como a atividade ligada ao pinhão ainda beira o amadorismo, os estudos e os dados relacionados ao cultivo ainda são escassos e imprecisos. Instituições como a Epagri e o Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV) da Udesc, localizado em Lages, investem em pesquisas e já têm informações relevantes.

Porém, muito ainda precisa ser descoberto, principalmente sobre os motivos que levam a produção da araucária a variar tanto de uma safra para a outra.

Alguns agrônomos acreditam que por ser a araucária uma planta nativa, que não recebe manejo e nem a interferência do homem, está sujeita à flutuação de produção.

Observações empíricas no campo indicam que a árvore passa por ciclos de aproximadamente três anos, alternando volumes altos e baixos de pinhão.

Uma das hipóteses para essa alternância é que a planta retira nutrientes do solo e a sua fisiologia regula a produção. Depois, é necessário um período estimado em três anos para a situação voltar ao normal.

— Tem também a polinização e as questões ligadas ao clima, como geadas tardias e estiagem. Nos pinheiros próximos a galpões, onde há esterco dos animais, a produção é maior porque as árvores recebem mais nutrientes. Mas são poucos os estudos que dizem exatamente o que acontece com o pinhão —, diz o agrônomo Raul Cerqueira, responsável pelo escritório da Epagri em Painel, pequeno município de 2,4 mil habitantes, distante 25 quilômetros de Lages e considerado o maior produtor do Estado, com previsão de colher 1,3 mil toneladas neste ano.

Pablo Gomes, Painel

Bookmark and Share

Envie seu Comentário