Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de maio 2014

Troca-troca de chefes na SDR de Lages

08 de maio de 2014 0
João Alberto Duarte (D) é o novo indicado pelo governador Raimundo Colombo para assumir a SDR de Lages. Foto: Divulgação

João Alberto Duarte (D) é o novo indicado pelo governador Raimundo Colombo para assumir a SDR de Lages. Foto: Divulgação

Então teremos um novo chefe na Secretaria do Desenvolvimento Regional de Lages?

Certo… Eu estava pensando… Desde que cheguei aqui, há oito anos, já comandaram a SDR de Lages pelo menos nove políticos diferentes, numa média de apenas um por ano.

Lembro que já passaram pelo velho prédio da BR-282: Elizeu Mattos (atual prefeito de Lages), Francisco Küster, Osvaldo Uncini, Cristóvam Cardoso, João Cardoso, Jurandi Agustini, Gabriel Ribeiro, Juarez Mattos (diretor que sempre pega o abacaxi quando muda o secretário) e, agora, João Alberto Duarte, que assume o cargo nesta sexta-feira.

Mas voltando ao meu pensamento… Pra que tanta mudança? Na vizinha São Joaquim, por exemplo, apenas duas pessoas exerceram a função nestes oito anos: Humberto Brighentti (atual prefeito) e Solange Pagani, que ocupa o cargo desde a era LHS.

Não seria um tiro no pé mudar tantas vezes de secretário em Lages? Nada contra nenhum deles, mas não vejo o troca-troca como algo saudável.

Afinal, quando os servidores da SDR, os prefeitos das cidades atendidas e, principalmente, as comunidades, começam a se acostumar com o camarada, ele simplesmente sai e entra outro no lugar, implantando um novo método de trabalho, um novo jeito de tratar as pessoas, de enfrentar os problemas, de encarar o cotidiano, de entender o sistema e lidar com as coisas da vida.

E as afinidades, a parceria e a confiança, extremamente necessárias nesse mundo cheio de cobras venenosas que é a política? Não dá tempo de conquistar…

Tudo bem que o cargo de secretário regional não é eletivo ou efetivo, sendo indicado diretamente pelo governador. Mas a estabilidade é fundamental. Ninguém arruma uma casa tão grande em tão pouco tempo.

É importante garantir a continuidade dos acordos, das negociações, das promessas e, especialmente, do que está em andamento. Ninguém merece ficar à mercê do pensamento e da boa vontade deste ou daquele.

Enfim… um novo secretário vem aí. Que ele consiga o apoio que quer e precisa, que faça um bom trabalho, honre o compromisso assumido, cuide do patrimônio e do dinheiro público, respeite o povo e mereça estar ali. Até o próximo da fila chegar…

Pablo Gomes, Lages

Bookmark and Share

Observadores de aves voltam a invadir Urupema

02 de maio de 2014 0
Praticantes do birdwatching (turismo de observação de aves), como Lesther Lins (E) e o pai Dario (D) estarão neste fim de semana na cidade mais fria do Brasil. Foto: Alvarélio Kurossu, Agência RBS

Praticantes do birdwatching (turismo de observação de aves), como Lesther Lins (E) e o pai Dario (D) estarão neste fim de semana na cidade mais fria do Brasil. Foto: Alvarélio Kurossu, Agência RBS

Considerada a cidade mais fria do Brasil, a pequena Urupema, de 2,5 mil habitantes e localizada a 50 quilômetros de Lages, na Serra Catarinense, sedia neste fim de semana mais uma edição de um evento que não para de crescer e atrai cada vez mais adeptos do birdwatching, o turismo de observação de aves.

O Festival do Papagaio-Charão chega à sua terceira edição com palestras, aulas de educação ambiental para crianças e as tão esperadas saídas a campo para avistar e fotografar o simpático bichinho. Paralelamente ocorrerá também o 1º Festival do Papagaio-de-peito-roxo.

As atividades começam às 9h30min deste sábado, no Centro de Eventos de Urupema, e se estenderão até as 17h de domingo. Vinhos, produtos coloniais e artesanatos da região estarão à venda no local.

As inscrições são gratuitas, e qualquer pessoa pode participar. A expectativa da organização é de que todos os cerca de 160 leitos da rede hoteleira de Urupema estejam ocupados por turistas de várias partes do país.

Continua…

Bookmark and Share

Papagaio-charão busca pinhão na Serra de SC

02 de maio de 2014 0
Simpático bichinho sai da Serra Gaúcha para comer pinhão na Serra Catarinense. Foto: Dario Lins, Divulgação

Simpático bichinho voa em bandos de até três mil exemplares. Foto: Dario Lins, Divulgação

Nativo dos campos da Serra Gaúcha, o Papagaio-Charão vive em casais no Rio Grande do Sul. A partir de meados de março, quando o pinhão começa a ficar maduro, ele migra para a Serra Catarinense para comer.

Quando estão reunidos, chegam a voar em bandos de até três mil exemplares. Todos os dias, ao amanhecer, as aves vão para a região de Urupema e Urubici para comer pinhão nas araucárias e, ao entardecer, voltam para a região de Painel e Bocaina do Sul para dormir.

O biólogo Ari Fernando Raddatz, um dos organizadores do evento deste fim de semana e proprietário de uma pousada em Urupema que já se tornou referência nacional em observação de aves, explica que atualmente existem cerca de 25 mil exemplares do Charão vivendo entre as serras de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Continua…

Bookmark and Share

Papagaio-de-peito-roxo corre risco de extinção

02 de maio de 2014 0
Espécie vive na faixa de mata atlântica entre o Rio Grande do Sul e a Bahia. Foto: Dario Lins, Divulgação

Espécie vive na faixa de mata atlântica entre o Rio Grande do Sul e a Bahia. Foto: Dario Lins, Divulgação

O Papagaio-de-peito-roxo vive na faixa de mata atlântica entre o Rio Grande do Sul e a Bahia. Porém, existe em quantidade bem menor que o Charão e está seriamente ameaçado de extinção.

Atualmente, estima-se em apenas três mil exemplares, motivo pelo qual a espécie é alvo de estudos de especialistas e palestras de conscientização nas comunidades onde está presente, uma vez que é comum ser capturado por moradores para ficar trancado em gaiolas.

Em Santa Catarina, o peito-roxo está mais presente nos municípios de Bom Retiro, Painel, Rio Rufino e Urubici, onde faz seus ninhos nas encostas de morros.

E assim como o “primo” charão, nessa época do ano o peito-roxo migra para Urupema a fim de comer pinhão.

Pablo Gomes, Urupema

Bookmark and Share