Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Bom Jardim da Serra"

Mulheres na Montanha com inscrições até esta sexta

27 de fevereiro de 2014 0
Passeio reúne mulheres em busca de aventura, contato com a natureza e troca de experiências em meio às belezas da Serra Catarinense. Foto: Vani Boza, março de 2013

Passeio reúne mulheres em busca de aventura, contato com a natureza e troca de experiências em meio às belezas da Serra Catarinense. Foto: Vani Boza, março de 2013

Atenção, mulherada que gosta de aventura e contato com a natureza!

Terminam nesta sexta-feira, dia 28, as inscrições para a terceira edição do Mulheres na Montanha, evento surgido em 2005, no Rio de Janeiro, com nove mulheres que se reuniram em busca de belas paisagens e troca de experiências. No ano passado, foram 225.

Em Santa Catarina, o Mulheres na Montanha começou em 2012, em Urubici, com 42 participantes. Em 2013, 57 aventureiras caminharam pelo Parque Nacional de São Joaquim.

E agora, na edição de 2014, que ocorrerá no próximo dia 9 de março, um domingo, o passeio será nas montanhas de Bom Jardim da Serra.

A caminhada sairá às 9h do mirante da Serra do Rio do Rastro, terá extensão de sete quilômetros, duração de aproximadamente quatro horas e nível de dificuldade considerado leve.

Já as paisagens, essas sim, serão de tirar o fôlego. Durante o passeio é possível tomar banho nas águas limpas que correm pelas montanhas.

As inscrições custam R$ 30, incluindo camiseta, acompanhamento de guia de turismo e seguro. A alimentação fica por conta das participantes.

Mais informações e inscrições pelos telefones (49) 3278-5617 e (49) 9151-4011 ou pelos e-mails maryella@graxaim.com ou sergio@graxai.com

Pablo Gomes, Bom Jardim da Serra

Bookmark and Share

Maçã registra prejuízos de R$ 100 milhões

17 de fevereiro de 2014 0
Pomares foram bastante prejudicados pela falta de chuva e pelo forte calor. Foto: Pablo Gomes

Pomares foram bastante prejudicados pela falta de chuva e pelo forte calor. Foto: Pablo Gomes

O forte calor que superou recordes históricos nas últimas semanas deixou marcas negativas nas plantações de Santa Catarina.

Maior produtor de maçã do Brasil, o Estado perderá cerca de 20% da atual safra, cuja colheita está apenas no início.

A associação que representa os 2,7 mil produtores catarinenses espera um prejuízo de nada menos que R$ 100 milhões, numa média de R$ 37 mil por produtor.

E por conta dessa realidade preocupante, as prefeituras de quatro cidades cujas economias dependem da maçã decretaram situação de emergência.

Bom Retiro, Rufino, Urubici e Urupema, na Serra, somam 25 mil moradores, e a maioria deles trabalha na cadeia produtiva da maçã, responsável por aproximadamente 80% da economia da região.

Os decretos de emergência ajudarão os produtores a negociar suas dívidas junto aos bancos, uma vez que não terão o lucro esperado na atual safra.

Os municípios de Bom Jardim da Serra, Painel e São Joaquim, que completam a maior região produtora do país, não chegaram a decretar emergência, mas também sentirão os efeitos negativos do problema.

Continua…

Bookmark and Share

Inverno bom, verão ruim

17 de fevereiro de 2014 0
Expectativa do setor era colher 625 mil toneladas, mas o total não deve passar das 500 mil. Foto: Pablo Gomes

Expectativa do setor era colher 625 mil toneladas, mas o total não deve passar das 500 mil, uma queda de 20%. Foto: Pablo Gomes

A Associação dos Produtores de Maçã e Pêra de Santa Catarina (Amap), com sede em São Joaquim, tinha a expectativa de que nestes sete municípios da região mais fria do Brasil a colheita chegasse a 400 mil toneladas na atual safra, sendo 285 mil só no município de São Joaquim, o maior produtor do país.

Incluindo as demais cidades, especialmente Fraiburgo, no Meio-Oeste, o total colhido em todo o Estado chegaria a 625 mil toneladas, o equivalente a 625 milhões de quilos. Só que com a queda de 20%, a safra não deve passar das 500 mil toneladas.

Mas o que o inverno garantiu de bom, com quase mil horas de frio (são necessárias 700 horas com temperatura igual ou abaixo de 7,2ºC para uma boa maçã), o verão trouxe de ruim.

A estiagem interrompeu o crescimento da fruta por falta d’água justo na fase da maturação, quando a fruta retira os nutrientes do solo, quase já na hora de colher.

E o calor intenso foi o grande vilão. Com as altas temperaturas não registradas há décadas, a maçã perdeu a cor que a deixa atraente e, não bastasse isso, o sol forte a queimou, levando-a a ser descartada.

_ Como não havia água, as plantas se estressaram e precisaram se livrar de muitas frutas para sobreviver. E as que sobraram estão pequenas e queimadas. Até a cor foi prejudicada, pois nem amplitude térmica (diferença de temperatura entre o dia e a noite) teve nesse começo de ano, de tão grande que foi o calor _, diz o presidente da Amap, Salvio Rodrigues Proença.

Continua…

Bookmark and Share

Chuva, frio e preço alto trazem esperança

17 de fevereiro de 2014 0
Renato de Souza Andrade, de Urupema, pretende investir em um sistema de irrigação para evitar mais prejuízos. Foto: Pablo Gomes

Renato de Souza Andrade, de Urupema, pretende investir em um sistema de irrigação para evitar mais prejuízos. Foto: Pablo Gomes

Diante da perspectiva de um quadro negativo, os produtores de maçã se amparam em alguns fatores que lhes dão esperança de uma safra nem tão desastrosa.

Com o retorno da chuva e a consequente queda das temperaturas, principalmente durante as noites na Serra, a expectativa é de que pelo menos a coloração da maçã melhore, o que pode garantir mais qualidade à fruta.

Outro ponto que pode contribuir é que, com menos maçã disponível no mercado, voltará a entrar em vigor a famosa lei da oferta e da procura e, assim, os preços devem subir.

No ano passado, o fruticultor recebeu em torno de R$ 0,60 pelo quilo da maçã e, na atual safra, o valor deve chegar a pelo menos R$ 0,80.

_ O preço mínimo ideal seria R$ 1, mas com R$ 0,80 já dá para cobrir o custo de produção, de R$ 0,50 por quilo, e minimizar o prejuízo _, diz o presidente da Amap.

E é realmente isso que os produtores esperam. Afinal, têm compromissos a honrar e planos a executar.

Renato de Souza Andrade, de 43 anos, cultiva maçã em 11,5 hectares na localidade de Fundo Doce, no interior de Urupema.

A previsão inicial dele era colher 650 toneladas, mas este número não deve passar de 400. Assim, já sabendo logo na primeira semana de colheita que terá um faturamento bem menor que o esperado, Renato será obrigado a adiar o sonho de comprar um apartamento e precisará investir em um sistema de irrigação no seu pomar, caso contrário, não vê outra alternativa.

_ Ou eu faço isso, ou eu paro de produzir maçã, porque é triste olhar para o pomar e ver que o custo foi alto para ter uma fruta com pouca qualidade.

Continua…

Bookmark and Share

Dados da produção de maçã em Santa Catarina

17 de fevereiro de 2014 0

* Produtores: 2.718

* Área plantada: 18.209 hectares

* Previsão inicial da safra: 625 mil toneladas (625 milhões de quilos)

* Quebra de safra estimada: 20%

* Expectativa após a estiagem e o calor histórico: 500 mil toneladas

* Prejuízo estimado: R$ 100 milhões, média de R$ 37 mil por produtor

* Preço mínimo ideal para o produtor: R$ 1 o quilo

* Preço esperado pelo produtor em 2014: R$ 0,80 o quilo

* Preço pago ao produtor em 2013: R$ 0,60 o quilo

* Municípios que decretaram emergência: Bom Retiro, Rio Rufino, Urubici e Urupema

* Maior município produtor: São Joaquim, com 228 mil toneladas (já com a quebra de 20%)

* Período da colheita: 10 de fevereiro a 15 de maio

Fonte: Associação dos Produtores de Maçã e Pêra de Santa Catarina (Amap)

Bookmark and Share

Polícia admite ação do tráfico nas pequenas cidades

22 de novembro de 2013 0
Operação policial com 50 agentes resultou na prisão de 12 pessoas na manhã desta sexta-feira em Bom Retiro e São José. Foto: Pablo Gomes

Operação policial com 50 agentes resultou na prisão de 12 pessoas na manhã desta sexta-feira em Bom Retiro e São José. Foto: Pablo Gomes

Foram quatro meses de investigação até uma preocupante constatação: o tráfico chegou a lugares onde até pouco tempo atrás não se falava nisso.

A Polícia Civil de Santa Catarina admite a presença de fornecedores de drogas nas pequenas cidades turísticas da região mais fria do Brasil e procura agir com firmeza para evitar que a situação fuja do controle.

Na manhã desta sexta-feira, uma grande operação com 50 agentes de várias delegacias, inclusive da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), resultou na prisão de 12 pessoas suspeitas de distribuir entorpecentes nas cidades de Bom Retiro, Bom Jardim da Serra, Bocaina do Sul, Rio Rufino, São Joaquim, Urubici e Urupema, na Serra.

Dez prisões ocorreram em Bom Retiro e duas em São José, na Grande Florianópolis, provável origem da droga.

Foram apreendidos também dois quilos de crack e maconha, uma balança de precisão, munições de armas de fogo, dez celulares e uma moto furtada.

— As investigações apontam para uma quadrilha com várias ramificações. Queremos saber agora quem recrutava adolescentes para atuar no tráfico de drogas nas cidades da região —, diz a delegada Raquel de Souza Freire, de Bom Retiro.

Conhecidas nacionalmente por suas belezas naturais, pelas menores temperaturas do país e pela constante ocorrência de neve durante o inverno, as cidades envolvidas nas investigações policiais somam juntas apenas 60 mil moradores.

E são essas pessoas que vivem basicamente da agricultura familiar, da pecuária, do cultivo de maçã e do turismo os novos alvos dos traficantes.

— O tráfico está uma crescente na região e conta com braços locais nas cidades. As drogas estão começando a entrar agora —, comenta o delegado Gustavo Gigliotti Murijo, de Urubici.

Todos os 12 detidos na operação desta sexta-feira, denominada Leão Baio 1 em referência ao felino silvestre típico da região e conhecido por sua agilidade ao caçar suas presas, cumprirão mandados de prisão temporária de 30 dias no Presídio Regional de Lages.

Pablo Gomes, Bom Retiro

Bookmark and Share

Programação do Viva Serra Festival 2013

10 de outubro de 2013 1

 

Evento ocorre de 12 de outubro a 10 de novembro em seis cidades da região mais fria do Brasil. Foto: Divulgação

Evento ocorre de 12 de outubro a 10 de novembro em seis cidades da região mais fria do Brasil. Foto: Divulgação

 

Programação Viva Serra 2013

 

12 de outubro

* Urubici – Grupo Tertúlia – 19h – Praça da Igreja Matriz

* Urubici – Banda Rédea Solta – 20h – Praça da Igreja Matriz

* Urubici – Show nacional com Renato Teixeira – 21h – Praça da Igreja Matriz

 

19 de outubro

* Rio Rufino – Downhill de Skate – 8h às 18h – SC 112 (Kms 40 a 45)

* Rio Rufino – Feira do Vime e do Chá – 8h às 18h – Portal do Turista

 

20 de outubro

* Rio Rufino – Downhill de Skate – 8h às 18h – SC 112 (Kms 40 a 45)

* Rio Rufino – Feira do Vime e do Chá – 8h às 18h – Portal do Turista

 

* São Joaquim – Banda Felipe Silveira – 19h – Praça Cezário Amarante (Centro)

* São Joaquim – Show com Ricardo Berga – 20h – Praça Cezário Amarante (Centro)

* São Joaquim - Show Circoloko – 21h – Praça Cezário Amarante (Centro)

 

26 de outubro

* Urubici – Show com Alexandre Ramos – 17h – Estalagem Santo Antônio

* Urubici – Degustação de Vinhos – 19h – Estalagem Santo Antônio (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

 

* São Joaquim – Saída quadriciclo – 9h – SC 114, Km 10 (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

 

* Urupema – Chegada quadriciclo – 12h – Centro da cidade

* Urupema – Festival de Talentos (Shows de Jones Andrei Vieira, Eder Goulart e Regis Milan) – 15h às 23h – Centro de Eventos Rubens Pagani

 

27 de outubro

* Bom Jardim da Serra – Encontro de motos Harley Davidson – 11h (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

 

* Bom Retiro – Observação de pássaros – 8h – Hotel Curucaca – SC 110, Km, sentido Urubici (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

 

* São Joaquim – Sarau Serrano – 14h – Praça João Ribeiro (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

* São Joaquim – Show de Rafael Vieira – 16h – Praça João Ribeiro (Catedral)

* São Joaquim – Show de Arthur Mattos e os Batarás – 17h – Praça João Ribeiro (Catedral)

* São Joaquim – Show orquestrado/Concerto musical “Villa Lobos popular encontra Tom Jobim clássico” – 20h – Praça João Ribeiro (Catedral)

 

2 de novembro

* Urupema – Mountain Bike nas trilhas – 9h – Estrada Velha do Morro das Antenas (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

 

* Urubici – Encontro de carros antigos – 8h às 18h – Pátio do Mercado do Produtor Ceasa (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

 

3 de novembro

* Urubici – Encontro de carros antigos – 8h às 18h – Pátio do Mercado do Produtor Ceasa (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

 

* Urupema – Caminhada ecológica – 9h – Estrada Velha do Morro das Antenas (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

 

* Bom Retiro – Saída cavalgada turística – 7h – Recanto do Riacho (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

* Bom Retiro – Chegada cavalgada turística – 13h – Fazenda Santa Luzia (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

* Bom Retiro – Festival de aviões – 10h às 17h – Fazenda Pouso da Serra – SC 110, km 6 (acesso a  Urubici)

* Bom Retiro – Gravação do programa Galpão Crioulo – 16h

 

9 de novembro

* Urubici – Festival de Paramotor – 9h – Avenida Adolfo Konder (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

 

* São Joaquim - Oficina de Pipas – 9h às 18h – Praça do Turista (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

* São Joaquim - Festival de vinhos e espumantes – 14h às 18h – São Joaquim Park Hotel

 

10 de novembro

* Urubici – Festival de Paramotor – 9h Avenida Adolfo Konder (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

 

* São Joaquim - Corrida dos Vinhedos – 8h às 18h – Início na Villa Francioni (inscrição em www.festivalvivaserra.com.br)

* São Joaquim – Festival de vinhos e espumantes – 14h às 18h – São Joaquim Park Hotel

 

* Bom Jardim da Serra – Show com Rafael Capistrano – 19h – Praça da Igreja Matriz

* Bom Jardim da Serra – Banda Bomdeshow – 20h – Praça da Igreja Matriz.

* Bom Jardim da Serra – Show nacional com o grupo Tchê Barbaridade – 21h – Praça da Igreja Matriz

Bookmark and Share

RBS TV mais íntima da Serra Catarinense

02 de outubro de 2013 2
Os 46 mil moradores dos municípios de Bom Jardim da Serra, Rio Rufino, São Joaquim, Urubici e Urupema passam a acompanhar a programação da RBS TV Centro-Oeste, cujo conteúdo jornalístico é produzido em Lages e Joaçaba. Foto: Divulgação

Os 46 mil moradores dos municípios de Bom Jardim da Serra, Rio Rufino, São Joaquim, Urubici e Urupema passam a acompanhar a programação da RBS TV Centro-Oeste, cujo conteúdo jornalístico é produzido em Lages e Joaçaba. Foto: Divulgação

A partir deste mês de outubro, mais cinco municípios de Santa Catarina passam a fazer parte da área de cobertura da RBS TV Centro-Oeste: Bom Jardim da Serra, Rio Rufino, São Joaquim, Urubici e Urupema. Os telespectadores destas cidades vão ser contemplados com a programação local da emissora.

A mudança reforça a valorização dos conteúdos regionais e abre mais espaços de interação com estas comunidades.

Além da localização geográfica, os traços culturais foram fatores determinantes que impulsionaram a iniciativa.

Neste sentido, o intuito da emissora é levar ao telespectador informações que reflitam o cotidiano e a identidade local.

O jornalismo estará ainda mais perto do público por meio dos blocos locais do Jornal do Almoço e do RBS Notícias, que passam a ser exibidos nestes municípios.

Com o alcance das novas cidades crescem também as oportunidades de investimento para o mercado local.

Micro e pequenos empresários passam a contar com uma ferramenta eficaz para se comunicar diretamente com o seu público alvo.

A partir de então, a RBS TV Centro-Oeste está disponível para telespectadores de Bom Jardim da Serra no canal 5, Rio Rufino 6, São Joaquim 3, Urubici 4 e Urupema 6.

Para se comunicar com a equipe de jornalismo da emissora na região, basta escrever para tvcentrooeste@rbstv.com.br ou ligar (49) 3289-5404.

* Com informações do Núcleo RBS de Divulgação

Bookmark and Share

Frio não foi o último do ano, mas deve diminuir

18 de setembro de 2013 0
Amanhecer desta quarta-feira registrou -2,2ºC em Urupema, na Serra. Foto: Pablo Gomes

Amanhecer desta quarta-feira registrou -2,2ºC em Urupema, na Serra. Foto: Pablo Gomes

O frio que os catarinenses sentiram durante a madrugada e o amanhecer desta quarta-feira e que fez os termômetros registrarem valores negativos em pelo menos seis cidades, sendo -2,2ºC, em Urupema, o menor de todos, foi o último do inverno, mas não o último do ano.

Os meteorologistas preveem mais temperaturas baixas pela frente, só que com menos intensidade e duração. Já a neve, que deu o ar da graça com sobra em 2013, não pode ser descartada, mas as chances são cada vez menores daqui para frente.

Leandro Puchalski, da Central RBS de Meteorologia; e Gilsânia Cruz, do Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia (Ciram), órgão vinculado à Epagri e responsável pela previsão oficial do tempo no Estado, destacam que algumas massas de ar polar devem entrar em SC ao longo da primavera que começa no próximo domingo, às 17h44min. Porém, terão atuação mais discreta. Formação de geada e até temperaturas negativas podem ocorrer nos pontos mais altos da Serra, o que é comum.

_ Não se pode descartar uma ou outra massa, mas rápida e passageira, pois o predomínio ao longo da primavera é muito mais quente do que frio _, diz Leandro Puchalski.

Os meteorologistas preveem temperaturas baixas nos primeiros dias da primavera devido à atuação de uma massa de ar polar que entrará no Estado logo após a frente fria que deverá trazer muita chuva a todas as regiões entre esta sexta-feira e domingo.

São previstos volumes de 100 a 200 milímetros, em média, em todo o Estado. No Oeste, Sul e Norte podem ocorrer registros pontuais de até 300 milímetros, quase o dobro do esperado para o mês inteiro em um único fim de semana. Os meteorologistas alertam para os riscos de alagamentos, enchentes e deslizamentos de encostas.

Continua…

Bookmark and Share

Neve não é descartada, mas é difícil

18 de setembro de 2013 0

O frio que os catarinenses sentiram durante a madrugada e o amanhecer desta quarta-feira e que fez os termômetros registrarem valores negativos em pelo menos seis cidades, sendo -2,2ºC, em Urupema, o menor de todos, foi o último do inverno, mas não o último do ano.

Os meteorologistas preveem mais temperaturas baixas pela frente, só que com menos intensidade e duração. Já a neve, que deu o ar da graça com sobra em 2013, não pode ser descartada, mas as chances são cada vez menores daqui para frente.

Leandro Puchalski, da Central RBS de Meteorologia; e Gilsânia Cruz, do Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia (Ciram), órgão vinculado à Epagri e responsável pela previsão oficial do tempo no Estado, destacam que algumas massas de ar polar devem entrar em SC ao longo da primavera que começa no próximo domingo, às 17h44min. Porém, terão atuação mais discreta. Formação de geada e até temperaturas negativas podem ocorrer nos pontos mais altos da Serra, o que é comum.

— Não se pode descartar uma ou outra massa, mas rápida e passageira, pois o predomínio ao longo da primavera é muito mais quente do que frio —, diz Leandro Puchalski.

Os meteorologistas preveem temperaturas baixas nos primeiros dias da primavera devido à atuação de uma massa de ar polar que entrará no Estado logo após a frente fria que deverá trazer muita chuva a todas as regiões entre esta sexta-feira e domingo.

São previstos volumes de 100 a 200 milímetros, em média, em todo o Estado. No Oeste, Sul e Norte podem ocorrer registros pontuais de até 300 milímetros, quase o dobro do esperado para o mês inteiro em um único fim de semana. Os meteorologistas alertam para os riscos de alagamentos, enchentes e deslizamentos de encostas.

Com relação à neve, que aconteceu durante 11 dias neste ano, Leandro Puchalski lembra que a previsão é feita para o curto prazo, não para uma estação inteira, mas havendo massas de ar frio, a hipótese de novas ocorrências do fenômeno não pode ser descartada. Gilsânia Cruz, por sua vez, acredita que a possibilidade de neve daqui para frente é mais difícil, pois será necessário haver a combinação de umidade e frio em camadas mais altas da atmosfera.

Sobre o inverno prestes a acabar, os dois meteorologistas concordam que foi histórico do ponto de vista da quantidade de neve, especialmente os episódios ocorridos no fim de julho, quando o fenômeno foi confirmado em pelo menos 115 dos 295 municípios catarinenses.

Leandro e Gilsânia comentam que a segunda metade da estação, principalmente o mês de agosto, foi mais frio que o padrão, com temperaturas entre 2ºC e 3ºC abaixo do esperado.

— A nevasca do fim de julho foi histórica, e o mês de agosto foi totalmente anômalo e extraordinário, com muita chuva e frio —, conclui Gilsânia Cruz.

Pablo Gomes, Urupema

Bookmark and Share