Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Celso Ramos"

Prefeita eleita em Celso Ramos nem assumiu a já corre o risco de ser cassada

07 de junho de 2010 1

Inês Schons (PSDB), prefeita eleita de Celso Ramos, ficou três horas na delegacia após ser abordada pela polícia com R$ 1 mil em sua bolsa. Foto: Alvarélio Kurossu

A eleição suplementar em Celso Ramos teve como vitoriosa a coligação Vamos fazer valer a vontade e a voz do povo, com Inês Teresinha Pegoraro Schons (PSDB) como prefeita e Vanderlei Schons (PSDB) de vice.

O resultado oficial foi divulgado por volta das 18h deste domingo. Inês e Vanderlei obtiveram 1.232 votos, contra 1.094 de André Guarda (PMDB) e Gilson de Lorenzi (PP), da coligação Por amor a Celso Ramos.

Inês venceu a eleição por 138 votos a mais, com 52,97% dos válidos, e será a quarta pessoa a administrar o município em menos de um ano e meio.

A diferença é ainda maior que no pleito passado, quando seu antecessor, José Alciomar de Matia (PSDB), derrotou Gilson de Lorenzi por 93 votos.

Mas antes mesmo de sequer votar, Inês precisou explicar à polícia sobre os R$ 1 mil em dinheiro, divididos em notas de R$ 50, encontrados na tarde de sábado em sua bolsa numa blitz da Polícia Militar, e iniciará o cargo de prefeita, no próximo dia 18, já correndo o risco de ser cassada caso seja indiciada pela Polícia Civil, denunciada pelo Ministério Público e condenada pela Justiça.

O inquérito policial foi instaurado ainda no sábado e tem o prazo de 30 dias para ser concluído.

Se houver indícios de que compraria votos com o dinheiro, que foi apreendido, Inês pode ainda ser alvo de uma ação de investigação judicial eleitoral para apurar o que se chama de captação ilícita de sufrágio.

Este procedimento, lembra o promotor de Justiça Jean Pierre Campos, é mais rápido e é o mesmo que resultou na cassação do ex-prefeito José Alciomar de Matia (PSDB) e do ex-vice Ildo Pelozato (DEM), inclusive sob a mesma acusação de compra de votos.

_ Eu estava com o dinheiro na minha bolsa e iria gastá-lo no que precisasse, como qualquer cidadão que anda com dinheiro na carteira. Fui eleita vereadora três vezes consecutivas e agora vamos fazer valer a vontade e a voz do povo _, disse Inês ao Diário Catarinense.

Inês diz estar com a consciência tranquila quanto ao dinheiro encontrado com ela e garante estar preparada para fazer o melhor por Celso Ramos durante os próximos 30 meses em que atuará como prefeita.

Pablo Gomes, Celso Ramos

Crack, nem pensar

Bookmark and Share

O que gerou as novas eleições

07 de junho de 2010 1

Tudo começou em maio do ano passado, quando o então prefeito José Alciomar de Matia (PSDB) e o vice Ildo Pelozato (DEM), eleitos em 2008 com 1.210 votos, contra 1.117 de Gilson de Lorenzi (PP) e Afonso de Matia (PMDB), foram cassados por compra de votos.

A coligação derrotada moveu uma ação de investigação judicial contra a vencedora, alegando possuir uma gravação de áudio na qual o prefeito oferecia, durante a campanha, R$ 500 por voto a uma família de nove eleitores, num total de R$ 4,5 mil.

A gravação teria sido feita por uma das pessoas a quem o prefeito teria oferecido dinheiro em troca do voto.

Dez dias após a cassação, José Alciomar e Ildo conseguiram uma liminar para permanecer no cargo, mas cinco meses depois, a perda do mandato foi confirmada pela Justiça e José e Ildo perderam suas funções em definitivo.

Assim, o presidente da Câmara de Vereadores, Vanderlei Schons (PSDB), que foi o legislador mais votado do município, com 202 votos, assumiu como prefeito interino.

Nas convenções partidárias de abril, a coligação que havia sido cassada inscreveu Alvadir Roberto Schons (DEM) como candidato a prefeito e Inês Teresinha Pegoraro Schons (PSDB) para vice, enquanto a que havia sido derrotada apresentou André Guarda (PMDB) para prefeito e Gilson de Lorenzi (PP) para vice.

Mas em 18 de maio, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) indeferiu a candidatura de Alvadir por ele ser irmão de Vanderlei, que na ocasião exercia o cargo de prefeito interino.

Assim, Inês passou a ser a candidata a prefeita e Vanderlei foi para vice, enquanto o vice-presidente da Câmara, Arnildo Grassi (PSDB), assumiu como prefeito interino.

Pablo Gomes, Celso Ramos

Crack, nem pensar

Bookmark and Share

Eleição em clima de guerra

04 de junho de 2010 1

O pequeno município de Celso Ramos, no Meio-Oeste de Santa Catarina, vai viver um fim de semana atípico desde a sua fundação, há 21 anos.

Neste domingo, ocorre a eleição suplementar para escolha dos novos administradores da cidade, depois que José Alciomar de Matia (PSDB) e Ildo Pelozato (DEM), eleitos em 2008, foram cassados no ano passado por compra de votos.

Mas o fator histórico não está nem tanto no pleito em si, mas no clima de tensão.

Devido ao histórico de violência, sabotagens e crimes eleitorais em outras eleições em Celso Ramos, especialmente municipais, o juiz eleitoral da Comarca de Anita Garibaldi, Juliano Serpa, e representantes do Ministério Público Eleitoral e das polícias Militar e Civil decidiram que haverá toque de recolher das 22h deste sábado às 6h de domingo.

Neste período, apenas policiais, promotores, juízes e servidores da Justiça Eleitoral poderão circular pelas ruas.

Qualquer outra pessoa que for flagrada fora de casa será presa e conduzida à delegacia.

Acompanharemos pelo Diário Catarinense a situação in loco e, para isso, obtivemos autorização especial da Justiça e da Polícia Militar para ter livre trânsito enquanto o toque de recolher estiver em vigor.

Carro, motorista e repórteres precisarão estar identificados visualmente e usarão coletes à prova de balas oferecidos pela PM.

Apesar de o toque de recolher valer apenas entre 22h de sábado e 6h de domingo, as restrições começaram já na última terça-feira, quando passaram a ser proibidas a venda, o trânsito e o consumo de bebidas alcoólicas no município.

A proibição vale até a próxima terça, e manifestações públicas como carreata, festa e foguetório em virtude do resultado da eleição só serão permitidas a partir das 17h de segunda.

A segurança em Celso Ramos será feita por 50 policiais militares, civis e federais.

O único hotel da cidade será ocupado pela Polícia Federal. Rondas serão realizadas durante toda a noite de sábado e madrugada de domingo para garantir a tranquilidade.

_ O clima é realmente tenso, algumas pessoas andam armadas e o histórico de violência nos obriga a tomar estas medidas extremas _, comenta o juiz Juliano Serpa.

ELEIÇÕES EM CELSO RAMOS

* Coligação: Por amor a Celso Ramos

Prefeito: André Guarda (PMDB)

Vice: Gilson de Lorenzi (PP)

* Coligação: Vamos fazer valer a vontade e a voz do povo

Prefeito: Inês Teresinha Pegoraro Schons (PSDB)

Vice: Vanderlei Schons (PSDB)

* Eleitores aptos a votar: 2.473

* Total de urnas: 8

* Horário de votação: 8h às 17h

* Apuração será em Celso Ramos e o resultado deve sair até as 18h

Pablo Gomes, Celso Ramos

Crack, nem pensar

22ª Festa Nacional do Pinhão

Bookmark and Share