Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de julho 2006

Vício de origem

31 de julho de 2006 0

Wilson Dias / ABr
Salve-se quem puder. Contrariando todos os prognósticos, a CPI das Sanguessugas está sendo, sim, um importante fórum para investigar a mais nova sucessão de falcatruas descobertas no Congresso. Mas ninguém acreditava nela. Depois de tanta sujeira espalhada pelos mensaleiros e quase nenhuma punição, era consenso que outra CPI nada poderia fazer em um ano eleitoral. Pelo contrário. Hoje é quase uma unanimidade nacional que os parlamentares sanguessugas precisam ser extirpados da vida pública, por meio do voto do eleitor no dia 1º de outubro ou tendo o mandato cassado na próxima legislatura.
O único risco é a paralisia do Congresso em 2007 diante do grande número de sanguessugas que deverão – apesar de tudo – ser reeleitos. Não haverá clima para discussão de propostas, e o ritmo será ditado pela preocupação dos parlamentares em livrarem a própria pele, como ocorreu durante o escândalo do mensalão. A solução, porém, está mais uma vez nas mãos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que deverá analisar esta semana uma consulta do deputado Miro Teixeira sobre a possibilidade de evitar a diplomação dos corruptos. Se for aprovada a medida, espera-se que os suplentes não venham com vício de origem.

Íntegra da coluna de terça-feira de Klécio Santos em Zero Hora

Postado por Klécio Santos

Redecker pode investigar governo

31 de julho de 2006 0

Deputado gaúcho Julio Redecker/Banco de Dados/ZH
O deputado gaúcho Julio Redecker (PSDB) chega amanhã aqui em Brasília para um reunião com a cúpula da CPI das Sanguessugas. A comissão quer que o tucano integre a sub-comissão que vai investigar o braço do esquema no Ministério da Saúde.

Suplente da CPI, Redecker teme apenas que o trabalho na investigação atrapalhe a campanha eleitoral. Ele é o único deputado federal do PSDB, que é candidato à reeleição. Mesmo assim, o parlamentar disse ao blog que está pronto para a tarefa:

- Essa investigação deve ir em todas as direções. Partindo de evidências, deve ser uma investigação apolítica, que doa a quem doer.

O deputado, no entanto, já defende o ex-ministro da Saúde, José Serra. Avalia que não há qualquer indício que incrimine o tucano. O mesmo não aconteceria com o petista Humberto Costa.

A sub-relatoria deve ser composta por três pessoas, representantes da oposição e do governo.

Postado por Roberto Maltchik

Previsões pessimistas

31 de julho de 2006 0

José Botafogo Gonçalves /Banco de Dados/ZH
Ulysses Guimarães, a cada eleição, costumava repetir uma sentença nada alvissareira. Dizia que a única certeza na política é que %22a próxima legislatura será pior que a atual%22. Depois de tudo que foi investigado em sucessivos escândalos envolvendo parlamentares de quase todos os partidos (Senado e Câmara), o eleitor gostaria que as previsões sobre a qualidade da próxima legislatura não fossem marcadas pelo fatalismo identificado pela sabedoria do grande líder do PMDB. Está nas mãos do eleitor a mudança desse paradigma.


Mercosul
O embaixador José Botafogo Gonçalves (foto) aconselha uma intensificação das relações comerciais entre o RS e o Uruguai. O presidente do Instituto Brasileiro de Relações Internacionais (Ibre) fala quinta-feira sobre os 15 anos do Mercosul na reunião da Câmara Brasil-Uruguai do RS. O diplomata é um dos maiores especialistas na matéria.

Leia a íntegra da coluna de Ana Amélia Lemos de hoje no jornal Zero Hora

Postado por Sucursal de Brasília

Bom negócio

30 de julho de 2006 1

Reprodução / clicRBS
Antes tarde do que nunca. Embora tenha abusado da liberação de emendas para aliados, o Planalto agora quer discutir mudanças na execução orçamentária. A intenção é dar uma resposta ao escândalo dos sanguessugas.
Ao apressar o debate, governo e PT querem minimizar o impacto das denúncias que reascenderam no debate eleitoral o tema da corrupção. Lula é quem mais tem a perder com a repercussão do esquema de fraude com ambulâncias. Tanto que oposição tenta atrair o Executivo para o banco dos réus da CPI.
Propor o fim das emendas individuais pode ser uma saída, mas não resolve o problema de corrupção no Congresso. Só os sanguessugas teriam embolsado R$ 12 milhões por meio de propinas, o que contribuiu para o aumento de renda e patrimônio dos parlamentares nos últimos anos. Eles fizeram valer a máxima de que ser político no Brasil é um excelente negócio.

Íntegra da coluna de segunda-feira de Klécio Santos em Zero Hora

Postado por Klécio Santos

Agenda da Semana

30 de julho de 2006 0

Ninguém pense que Brasília será sacudida pelo final do recesso parlamentar. Muitos deputados não devem sequer retornar à Brasília. Na Câmara, são mínimas as possibilidades de votações em plenário (leia nota abaixo). Na CPI das Sanguessugas, expectativas sobre novas revelações.

Segunda-feira

- Os integrantes da CPI das Sanguessugas devem apresentar novos detalhes sobre a investigação. Parte da cúpula da CPI, passou o final de semana debruçada sobre os depoimentos e documentos que farão parte do relatório final.

Terça-feira

- Fim do recesso. Há sessões deliberativas marcadas tanto na Câmara como no Senado. Não há previsão de acordo para que a pauta da Câmara seja destrancada;

- Reunião administrativa da CPI das Sanguessugas. Os parlamentares devem decidir o dia da apresentação do relatório, apontando a responsabilidade de parlamentares com a quadrilha;

- Expectativa pela votação da LDO no Congresso. Também falta acordo para a votação da proposta.

Quarta-feira

- O governo edita a MP que muda o regime cambial. A principal mudança é a permissão para que os exportadores deixem no exterior 30% dos recursos decorrentes de vendas para fora do país;

- Haverá sessão deliberativa no Congresso. Mais uma chance para o avanço da pauta.

Quinta-feira

- Nova tentativa de votação na Câmara, caso a pauta continue trancada.

Sexta-feira

- À espera dos desdobramentos da semana.

Postado por Roberto Maltchik

Esforço fracassado 1

30 de julho de 2006 0

A semana de esforço concentrado no Congresso, que inicia na terça e termina na quinta, está fadada ao fracasso.

O presidente da Câmara, Aldo Rebelo, passou o final de semana em contato com os líderes partidários mas, no apanhado, ficou claro que não há disposição para que a pauta do plenário seja destravada. Principalmente, por conta do primeiro item pendente. Enquanto a MP 291, que trata do reajuste dos aposentados que recebem mais do que um salário mínimo, não for votada, nada acontece. E o governo já tomou a decisão de esvaziar o plenário, enquanto a oposição insistir em votar uma proposta de reajuste de 16, 6%, acima do que o governo considera possível./ A proposta do palácio do planalto é de reajuste de 5%.

Interlocutores do governo admitem até a possibilidade de deixar a MP perder validade, no próximo dia dez, para que depois, o presidente Lula edite uma nova MP, com um abono de R$ 30, 00, sobre o aumento acertado pelo Ministério da Fazenda. Mas o abono teria um custo adicional de R$ um bilhão, apenas neste ano, o que deve inviabilizar a proposta.

O impasse deve contaminar a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias. A oposição não aceita um artigo da LDO que cria mecanismos para que o governo faça gastos, caso o Congresso não vote o orçamento. E depois de quinta-feira, os parlamentares só retornam para Brasília no dia quatro de setembro, para apenas mais três dias de trabalho.

Postado por Roberto Maltchik

Esforço fracassado 2

30 de julho de 2006 0

A semana também promete ser conturbada na CPI das Sanguessugas. A reunião administrativa de terça-feira pode decidir a data da apresentação do relatório sobre o envolvimento de parlamentares com a fraude na compra de ambulâncias. O relatório pode sair no dia 18 ou no dia nove.

As denúncias contra os suspeitos estão praticamente concluídas. São 87 deputados e três senadores, que teriam recebido vantagens para a liberação de emendas para a compra das ambulâncias. Três gaúchos, Edir Oliveira, do PTB, Paulo Gouvea, do PL, e Érico Ribeiro, do PP, foram notificados pela CPI para apresentar defesa e estão na lista de suspeitos. Há controvérsias dentro da própria comissão sobre o número de parlamentares contra os quais existem provas claras de envolvimento com o esquema.

Postado por Roberto Maltchik

MP sai na quarta-feira

30 de julho de 2006 0

Aguardada pelos exportadores, a medida provisória que modifica as regras para a entrada e a saída de dólares do Brasil será editada na quarta-feira.

A informação é de um importante interlocutor do governo no Congresso.

A MP garante aos exportadores o direito de manterem no exterior 30% dos dólares, resultado das vendas externas. O pacote cambial tem como objetivo frear a desvalorização da moeda norte-americana. Com menos dólares no mercado, a expectativa dos empresários é de que os preços melhorem. Manter parte do dinheiro no exterior serve também para reduzir os custos com as operações para traze-lo de volta ao Brasil, principalmente com a CPMF.

A MP ainda permite que as compras no free-shop sejam feitas em real. Atualmente, elas só podem ser efetuadas em moeda estrangeira.

Postado por Roberto Maltchik

Comunicação e eleição

29 de julho de 2006 0

Divulgação / clicRBS
O governo federal decidiu %22melhorar sua comunicação com a sociedade%22, resumiu o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, que em Florianópolis, ontem, anunciou novas linhas de crédito para os setores industriais afetados pela crise cambial, como calçadista, moveleiro, automobilístico e máquinas agrícolas. Ontem, coube à ministra Dilma Rousseff anunciar essas medidas na Fiergs. E, no mesmo dia, o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, liberou recursos para o sistema previdenciário do RS. O governo federal decidiu investir pesadamente na Região Sul. Quer melhorar a posição do presidente Lula na área, onde o eleitorado resiste à reeleição.

Comunicação 2
Ministros como o próprio Paulo Bernardo (foto) nem sempre atenderam à imprensa quando solicitados. Agora, na busca de visibilidade para as ações do governo e de olho na reeleição, estão superacessíveis.

Fome Zero
Selvino Heck, gaúcho que é assessor especial do presidente Lula na mobilização social, recebeu diplomatas mexicanos interessados na experiência brasileira do Fome Zero, economia solidária e desenvolvimento sustentável.

Diplomacia
O médico gaúcho José Citrin, do Conselho Federal de Medicina, estranhou a sugestão levada ao Itamaraty pelo deputado Estilac Xavier (PT) contrária ao acordo Mercosul-Israel, divulgada pela coluna. A importância das trocas comerciais seria suficiente para justificar um acordo dessa natureza, considerando não só as possibilidades de comércio, mas também os acordos tecnológicos, sublinhou Cetrin.

Diplomacia 2
Fazer essa proposta e apoiar a retirada do embaixador brasileiro em Israel é ignorar tudo o que foi feito na transferência de tecnologia, gratuitamente, por Israel na área da irrigação para o Nordeste e o Semi-árido brasileiro, lembrou o médico gaúcho.

Diplomacia 3
Um grupo de brasileiros viaja para Israel para pesquisas arqueológicas importantes. A cooperação é entre universidades federais e instituições acadêmicas e universitárias israelenses. Será que alguém vai se opor?

Eleitoreira
José Otávio Germano (PP), ex-secretário de Segurança, não entendeu a crítica do colega Beto Albuquerque (PSB) sobre o programa de novos presídios no RS, considerado iniciativa eleitoreira. %22Foi um esforço de toda a bancada e vai ajudar a melhorar as condições das prisões gaúchas%22, reagiu Germano.

Prudência
A senadora Heloísa Helena do P-Sol (foto) demitiu o assessor de imprensa que usou o site do Senado para distribuir informações sobre a campanha eleitoral. O mesmo problema ocorreu no gabinete do senador Cristovam Buarque (PDT). Thatiana Souza, assessora de Eliseu Padilha (PMDB), usou site privado para enviar informações do programa do candidato Geraldo Alckmin (PSDB) no RS, ontem.

Íntegra da coluna de Ana Amélia Lemos de sábado do jornal Zero Hora

Postado por Sucursal de Brasília

Ministério eleitoral

28 de julho de 2006 1

Roosewelt Pinheiro/Agência Brasil
Nada como dispor de um governo inteiro atuando em favor da campanha. Só nos últimos dias, dois dos principais inquilinos da Esplanada, Márcio Thomaz Bastos e Dilma Rousseff, desembarcaram no Sul levando bondades. Como se fossem dois batedores, anunciaram desde linha de financiamento para capital de giro de empresários em crise até verba para construção de presídios.
Lula argumenta que precisa governar. Curiosos são os anúncios de ocasião, precedendo visitas do presidente-candidato. Os anúncios são estratégicos e feitos em regiões que o presidente visita. Bastos toca num assunto incômodo para o adversário Geraldo Alckmin no mesmo dia em que o tucano chegou ao Sul: a questão da segurança. E Dilma divulga medidas para ganhar a simpatia de um eleitorado que no Sul e no Sudeste está migrando para Alckmin: o empresariado penalizado pelo câmbio.
É a formula que Lula encontrou para driblar as restrições eleitorais. Como terá bem menos tempo que os adversários para fazer campanha e não pretende participar de debates, Lula aproveita ao máximo as brechas na legislação para transformar atos de governo em dividendos eleitorais. Diante de uma rejeição no Sul, qualquer argumento se torna válido.

 

Íntegra da coluna de sábado de Klécio Santos em Zero Hora

Postado por Klécio Santos

Aplainando o terreno

28 de julho de 2006 1

Antonio Cruz/ABr
Agora há pouco, antes de embarcar para o Rio Grande do Sul, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, anunciou uma linha de financiamento sob medida para agradar aos gaúchos. O governo vai colocar à disposição dinheiro para capital de giro de empresas moveleiras, calçadistas e de máquinas agrícolas. A gauchada vinha pedindo essas medidas desde o início do ano. Mas o anúncio veio hoje, bem um dia antes do presidente-candidato Lula estrear a sua campanha no Estado. Amanhã, ele realiza o primeiro discurso em solo gaúcho.

Postado por Carolina Bahia

Gaúchos enrolados (1)

28 de julho de 2006 2

Érico Ribeiro (PP)/Banco de Dados/ZH
Surgiu mais um complicador para dois deputados gaúchos envolvido com os sanguessugas. No depoimento de nove dias que prestou a Justiça federal, Luiz Antonio Trevisan Vedoin detalheu o suposto pagamento de propina a Érico Ribeiro (PP) e Edir Oliveira (PTB). Érico teria recebido um adiantamento de R$ 10 mil por conta de emendas no valor de R$ 1,26 milhão, apresentadas em 2004. O acerto seria uma comissão de 10%, mas as emendas de Érico não foram liberadas e o Vedoin reclamou que o deputado gaúcho não devolveu o dinheiro. Os R$ 10 mil destinados a Érico teriam sido pagos a um assessor dele, Flávio Santos Silva. Em Pelotas, Flávio é marido de uma conhecida empresária da noite cujo último empreendimento foi financiado por Érico e sua mulher, Maria de Fátima Freitas. Em Pelotas, por sinal, já se comenta à boca pequena entre pessoas ligadas ao deputado que ele estaria prestes a desistir da reeleição.

Postado por Fábio Schaffner

Gaúchos enrolados (2)

28 de julho de 2006 1

Edir Oliveira (PTB)/Fabrício Barreto / Agência RBS
Quanto a Edir Oliveira, Vedoin diz que ele também recebia 10% sobre o valor de cada emenda. Como laranja, o deputado teria indiciado Rafael Zancaro Oliveira. Dos quatro gaúchos citados, Oliveira é o que se encontra em situação mais complicada. Ele já está sendo investigado pelo Supremo Tribunal Federal, junto com outros 14 parlamentares. Paulo Gouvêa (PL), também citado por Vedoin, faria parte de um grupo de deputados ligado à Igreja Universal e que seriam comandados pelo Bispo Rodrigues, preso pela Operação sanguessuga junto com os Vedoin no início de maio. O situação mais tranqüila é a de Caio Riela (PTB) , ex-deputado e ex-prefeito de Uruguaiana. Ele não foi citado por Vedoin tampouco está na lista da CPI. Seu nome apareceu somente numa listagem da Controladoria geral da União.

Postado por Fábio Schaffner

Justiça e ética

28 de julho de 2006 1

Antonio Carlos Biscaia/Antônio Cruz, ABr
Muitos deputados envolvidos no esquema do mensalão tiveram seus mandatos preservados. Serão candidatos à reeleição e podem continuar no parlamento. A sociedade ficou perplexa com a impunidade. Em muitos casos, as provas materiais foram irrefutáveis. Ao investigar a máfia das ambulâncias, o presidente da CPI das sanguessugas, Antonio Carlos Biscaia (PT), e o relator, senador Amir Lando (PMDB), prometem rigor na apuração e punição dos responsáveis. O precedente não dá confiabilidade à promessa.

Justiça 2
O presidente da CPI, Antonio Carlos Biscaia, escreveu que é %22atentatória à ética e à probidade moral a conduta daqueles deputados que exercem cargos e funções, mesmo que sem remuneração, nessas instituições e lhes destinem emendas ao Orçamento da União%22, ao responder consulta sobre o tema feita pelo deputado Orlando Desconsi (PT).

Leia a íntegra da coluna de Ana Amélia Lemos de hoje no jornal Zero Hora

Postado por Sucursal de Brasília

Cristovam Buarque fala ao Canal Rural

27 de julho de 2006 0

Divulgação /  clicRBS
Estréia hoje a série de entrevistas que o telejornal Notícias 19h, do Canal Rural, realiza com os candidatos à Presidência da República. O primeiro entrevistado é Cristovam Buarque (PDT). Ele respondeu a perguntas da jornalista Ana Rita Assumpção sobre agronegócio, agricultura familiar e economia. A entrevista vai ao ar às 19h. Confira pelo canal 35 da Net, pelo canal 26 da Sky ou pela parabólica, freqüência 4171 Mhz Banda L 0980 Mhz, polarização horizontal, Brasil Sat B1.

Clique aqui e veja o vídeo da entrevista com Cristovam Buarque

Postado por Klécio Santos

Diplomacia em jogo

27 de julho de 2006 0

Beto Albuquerque/Banco de Dados/ZH
A operação de resgate dos brasileiros que estavam no Líbano, coordenada pelo Ministério de Relações Exteriores, está sendo bem-sucedida. Mesmo que a embaixada e o consulado-geral em Beirute tenham falhado muito em matéria de comunicação, ao contrário da representação brasileira em Israel, mais atenta e ágil, o fato é que o Itamaraty demonstrou preparo no enfrentamento dessa grave emergência. A viagem do chanceler Celso Amorim ao Oriente Médio evidencia o ganho político da operação, mesmo que a diplomacia tenha falhado em matéria comercial, na recente reunião da OMC.
 
Pai da criança
Entrou em vigor ontem a lei que restringe as multas de trânsito em relação à velocidade. Foi criada a figura da multa média (80 a 120 Ufirs) e a máxima (540 Ufirs) para quem ultrapassar em 50% a velocidade permitida na via. O autor dessa lei é Beto Albuquerque (PSB, foto), que também fez a lei que permite a prisão em flagrante de motoristas bêbados.

Leia a íntegra da coluna de Ana Amélia Lemos de hoje no jornal Zero Hora

Postado por Sucursal Brasília

Haja sangue

26 de julho de 2006 3

Antonio Cruz / ABr
Há fortes contornos políticos na divulgação dos novos dados sobre a máfia das sanguessugas. Ficou claro na entrevista coletiva de Márcio Thomaz Bastos e Jorge Hage que o governo não aceita arcar sozinho com o ônus do maior escândalo de corrupção dos últimos tempos. O exemplo mais nítido foi a lista de prefeituras que mais celebraram convênios com a Planan. Lideram o rol PSDB e PFL, enquanto o PT só aparece na nona posição.
A resposta do governo foi rápida, justamente quando a oposição já começava a jogar luz sobre a atuação do Ministério da Saúde e dos ex-ministros de Lula: Humberto Costa e Saraiva Felipe. Os ataques da oposição têm lógica. Afinal, as sanguessugas se alimentam de propina paga por emenda destinada e empenhada. Mas há um contraponto. Foi no último ano do governo de Fernando Henrique Cardoso que a Planan mais abocanhou dinheiro do Orçamento. Como o esquema é antigo, a lista das sanguessugas é bem maior do que a divulgada, até porque inclui ex-parlamentares. Só entre as sanguessugas top apareceram ex-deputados como Caio Riela e Vicente Caropreso. Se por um lado o escândalo virou artilharia eleitoral, por outro pelo menos ajuda a fazer uma faxina na sujeira que nos últimos anos vinha sendo varrida para baixo do tapete.

Íntegra da coluna de quinta-feira de Klécio Santos em Zero Hora
 

Postado por Klécio Santos

Ambulâncias gaúchas

26 de julho de 2006 0

O raio-x da da CGU em 3.048 prestações de contas apresentadas pelos municípios que adquiriram ambulâncias revela que só no Rio Grande do Sul foram firmados 286 convênios. Destes, 23 foram com empresas do grupo Planam, a operadora do escândalo dos sanguessugas.

Postado por Fábio Schaffner

Riela na lista dos top

26 de julho de 2006 2

Robinson Estrásulas / Agência RBS
O ex-parlamentar gaúcho Caio Riela está envolvido com o escândalo da máfia das sanguessugas. Em um levantamento da Controladoria-Geral da União (CGU), Riela aparece como um dos 33 políticos que mais destinaram emendas favorecendo o grupo Planam, empresa operadora do esquema. Dos 12 convênios para a compra de ambulâncias celebrados com recursos de emendas de Riela à época em que era deputado, sete beneficiaram a Planam. Entre os sanguessugas top, Riela ocupa a 28ª posição.

Postado por Fábio Schaffner

Sandálias da humildade

26 de julho de 2006 0

Cercado por jornalistas à saída da RBS, Alckmin comentou seu desempenho ascendente nas pesquisas de intenção de voto. E deixou claro mais uma vez os dois eixos sobre o qual pretende alicerçar sua campanha. Em menos de cinco minutos de entrevista, repetiu três vezes a palavra humildade e outras três a palavra trabalho.

Postado por Fábio Schaffner

Levado pelo minuano

26 de julho de 2006 0

Em conversa com o blog, Alckmin comemorou a perfomance nas pesquisas no Rio Grande do Sul. E vaticinou: %22O minuano vai subir. Espero que o vento bom do Rio Grande do Sul se espalhe para todo o país%22. No próximo final de semana, Alckmin volta ao Estado. Na ocasião, pretende se reunir com todos os apoiadores de sua candidatura, num exercício de ecumenismo político. Na agenda de Alckmin, estão encontros com três postulantes ao Piratini: Yeda Crusius (PSDB), Francisco Turra (PP) e o governador Germano Rigotto (PMDB. Rigotto, porém, se mantém neutro da disputa presidencial.

Postado por Klécio Santos

Ponto em comum

26 de julho de 2006 0

Assim como Lula tem feito em seus pronunciamentos, Geraldo Alckmin defende uma reforma política. Em entrevista ao Canal Rural, o tucano acaba de prometer que, se eleito, já no primeiro mês de governo envia ao Congresso uma proposta de assegurar a fidelidade partidária.

Postado por Fábio Schaffner

Tudo é voto

26 de julho de 2006 0

Vida de candidato é um exercício de simpatia. Geraldo Alckmin (PSDB) acaba de chegar à redação da RBS, em Brasília, onde irá conceder entrevistas ao Canal Rural. Ao subir as escadas, parou para cumprimentar eleitores. Não se fez de rogado e apertou a mão até mesmo de um membro de sua equipe de propaganda, que o acompanha em todos os deslocamentos. Paulista típico, logo ao entrar Alckmin pediu um cafezinho.

Postado por Fábio Schaffner

Debates

26 de julho de 2006 0

Pedro Ruas/Banco de Dados/ZH
O P-Sol entrou ontem com mandado de segurança para anular a resolução do TSE que só permite participação nos debates, nos Estados, dos candidatos cujos partidos elegeram seus representantes em 2002. Pedro Ruas (foto), autor da iniciativa, disse à coluna que, se não for concedida a liminar, recorrerá ao Supremo Tribunal Federal.

Debates 2
O mandado de segurança do P-Sol teve a chancela de Roberto Robaina, que disputa o Palácio Piratini, de Luciana Genro, que trabalha pela reeleição, e do próprio advogado Pedro Ruas, que faz campanha por uma cadeira na Assembléia.

Leia a íntegra da coluna de Ana Amélia Lemos de hoje no jornal Zero Hora

Postado por Sucursal de Brasília

No rastro das sanguessugas

25 de julho de 2006 1

José Cruz / ABr
Foi preciso os nomes vazarem na imprensa para a CPI das Sanguessugas confirmar que mais 33 parlamentares estão sob investigação. O que atrapalha os trabalhos é a disputa por holofotes. Dividida, a CPI bate cabeça. Uns adotam o discurso da cautela, como é o caso do relator Amir Lando e do presidente Antonio Carlos Biscaia. Já outros dois integrantes de peso, o vice Raul Jungmann e Fernando Gabeira, optaram pelo estilo arrasa-quarteirão. Querem todos os suspeitos com o nome estampado nos jornais.
Dos 90 apenas 57 respondem a inquérito no Supremo Tribunal Federal. Portanto, seria salutar que a CPI divulgasse o teor das acusações que pesam sobre o grupo restante. Afinal, a maioria apenas foi citada por Luiz Antônio Vedoin, o operador do esquema. A promessa é divulgar o rastro detalhado de cada um dos envolvidos até o dia 18 de agosto.
A novidade de ontem foi a inclusão de Saraiva Felipe, ex-ministro da Saúde do governo Lula. Seu antecessor, Humberto Costa, só não será notificado agora porque não é deputado. A presença dos dois leva o escândalo para dentro do governo e deixa ouriçada a oposição. Ontem, Heloísa Helena largou a campanha para bater ponto na CPI e o comando tucano já mira em Humberto Costa para tentar enfraquecer Lula no Nordeste.
 
Íntegra da coluna de quarta-feira de Klécio Santos em Zero Hora

Postado por Klécio Santos