Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

O troco de Quércia

24 de abril de 2008 0

Leia abaixo a coluna de Klécio Santos, hoje em Zero Hora e no Diário Catarinense

O troco de Quércia Direto de Brasília Orestes Quércia joga a longo prazo, mas sempre olhando pelo retrovisor. Sua provável aliança com o prefeito paulistano Gilberto Kassab, do DEM, é um troco ao PT. Em 2002, Quércia foi traído pelos petistas, que fizeram campanha para um anônimo do PC do B, ignorando a dobradinha para o Senado com Aloizio Mercadante. Em 2004, nova rasteira. Marta Suplicy insistiu numa chapa puro-sangue e não entregou o cargo de vice para um aliado de Quércia. Agora, enquanto Marta e a cúpula do PT correm atrás de seu apoio para a disputa pela prefeitura de São Paulo, ele se joga nos braços do DEM. O peemedebista quer se eleger senador em 2010.

Por trás da aliança entre PMDB e Kassab está o governador José Serra. O tucano deseja implodir a candidatura do colega Geraldo Alckmin, pensando numa aliança com o DEM que envolve a disputa pelo Planalto. Serra é líder nas pesquisas presidenciais, e Quércia, pelo que se vê, o julga mais confiável do que os petistas. O distanciamento entre os dois partidos não é uma exclusividade de São Paulo. PT e PMDB só conseguiram encaminhar alianças em cinco das 26 capitais, a mais expressiva no Rio.

A movimentação de Quércia também é um duro golpe nas pretensões do presidente Lula. A aproximação com o PMDB nessas eleições era a grande aposta do Planalto para unir na mesma chapa os dois partidos na sucessão de Lula. Seria uma prévia, mas hoje o PMDB emite sinais de que deseja ter outras alternativas, entre elas até a candidatura do curinga Aécio Neves, hoje no PSDB. Tudo, porém, pode não passar de um jogo de cena. Como os petistas não inspiram confiança, o PMDB tenta se cacifar para vender o passe o mais caro possível. E isso vale para São Paulo, como bem lembrou um interlocutor do presidente do PMDB, Michel Temer:

- Esses namoros são indicativos fortes, mas tudo passa por 2010. Até as convenções de junho muita coisa pode mudar.

Postado por Sucursal Brasília

Envie seu Comentário