Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 10 março 2009

Covatti absolvido no TSE

10 de março de 2009 14

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu agora há pouco, por unanimidade, negar o pedido de cassação do deputado federal Vilson Covatti (PP-RS). Para os ministros, no processo não existiam provas suficientes de que houve compra de votos pelo parlamentar.
O deputado foi acusado de manter casas de hospedagem, conhecidas como albergues, para receber pessoas do interior que foram fazer tratamento de saúde na capital gaúcha durante o período eleitoral. De acordo o MPE, o deputado fez, também, o transporte dos pacientes da rodoviária às pousadas, aos hospitais e às clínicas. Covatti foi absolvido por 7 votos a 0, assim como a mulher dele, a deputada estadual Silvana Covatti (PP).

Ouça como foi a sessão aqui

Postado por Sucursal Brasília

Começa julgamento de Covatti

10 de março de 2009 6

  Acaba de iniciar o julgamento dos processos que podem levar a cassação do mandato do deputado federal Vilson Covatti (PP). Ele responde por captação irregular de votos e abuso do poder econômico devido à manutenção de albergue no Estado. O relator é o ministro Marcelo Ribeiro.

Postado por Rodrigo Orengo

Covatti chora no TSE

10 de março de 2009 25

BD

Prestes a ser julgado pelo TSE, o deputado Vilson Covatti (PP) chegou agora há pouco ao plenário do tribunal. Veio acompanhado de uma claque de prefeitos. Falando a jornalistas, Covatti e a mulher, a deputada estadual Silvana Covatti (PP), foram às lágrimas ao justificar a suposta legalidade da manutenção de albergues para acomodar eleitores que precisam de atendimento médico.

Postado por Robson Bonin

Marcelo Cavalcante devia R$ 300 mil

10 de março de 2009 9

Cercada de mistério há quase um mês, a morte do ex-chefe da representação do Rio Grande do Sul Marcelo Cavalcante não para de produzir surpresas. A última, revelada por fontes da Polícia Civil do Distrito Federal, mostra que Cavalcante, encontrado morto no dia 17 de fevereiro, tinha uma dívida de R$ 300 mil com bancos e outros credores.
Segundo apuração preliminar, somente em um empréstimo junto ao Banco do Brasil, descontado em folha de pagamento, o ex-assessor do governo Yeda devia R$ 100 mil. Para a Caixa Econômica Federal eram mais R$ 30 mil. O restante do débito não teve a origem divulgada. A polícia acredita que a briga de Cavalcante com a mulher, Magda Koenigkan, na sexta-feira, antevéspera da morte, teria ocorrido por conta dessas dívidas.

Postado por Fábio Schaffner

"Esse processo é inveja de quem não pratica o bem"

10 de março de 2009 7

Divulgação

Há pouco, o blog desenvolveu o seguinte bate-papo com Vilson Covatti (PP), o deputado albergueiro que será julgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na sessão desta terça-feira.

O senhor está ansioso com o julgamento?
Vilson Covatti —
Estou eufórico. Confio muito na justiça. Se o TSE condenar alguém por ajudar o povo, aí não vai ter mais cabimento. Vai ser muito injusto. Então, chegou a hora da verdade. Sem esse julgamento, não posso me candidatar a líder do partido ou a membro de comissão porque alguém responde: o Covatti tem processo. Tudo isso acaba hoje.

O senhor vai ao julgamento?
Covatti — Vou. E vou levar a minha família. Os meus três filhos e minha mulher, além dos meus amigos que também estão sendo processados.

Como o senhor classifica esse processo do Ministério Público Eleitoral?
Covatti — Na minha opinião (silêncio), esse processo é inveja de quem não pratica o bem, contra aqueles que praticam o bem. Ajudar o povo é a missão da política. É a obrigação de todo político. Nesse caso, não tem um centavo de dinheiro público.

O senhor diz que não tem dinheiro público envolvido. Essa é a base da sua defesa?
Covatti — É o argumento principal. Se os ministros analisarem as provas, não vão me condenar. Queremos mostrar que não praticamos corrupção. Só fazemos o bem para quem precisa. Nunca pedimos nada em troca. Nunca vinculamos esse serviço eleitoralmente.

Dá para manter albergues só com o salário de deputado?
Covatti — Consigo manter essa estrutura porque somos em dois – Covatti e a mulher são parlamentares. Antes, estava me desfazendo do meu próprio patrimônio. Porque manter água, luz, cama, enfim, manter uma casa para 200 pessoas custa caro. O Estado não dá abrigo em nenhum lugar do mundo. Então, essas pousadas são para ajudar os doentes, os excluídos. Tudo é mantido com o nosso salário.

Mas a ação do Ministério Público é por corrupção, certo?
Covatti — Esse processo é por fazer o bem. Onde é que a lei proíbe o político de ter albergue? Praticar o bem é crime? Um pastor pratica o bem. Os presidentes do Inter ou do Grêmio também não praticam o bem? Então, também faço bem para o povo, só que de uma maneira diferente, na área da saúde.

O senhor tem alguma superstição, vai ao julgamento com gravata da sorte ou coisa parecida?
Covatti — Não. Apenas confio em Deus, na Justiça e nos ministros do TSE.

Postado por Robson Bonin

Covatti vai levar a família ao plenário do TSE

10 de março de 2009 1

Vilson Covatti (PP) está eufórico com o julgamento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Segundo ele, a sessão de logo mais, às 19h, vai colocar um ponto final em um período de angústia e de estagnação política.
— Não dava para me candidatar a nada no Congresso. Sempre chegava alguém lembrando desse processo — reclama o deputado.
Covatti está em seu apartamento funcional na Asa Norte. Almoçam com ele neste momento os deputados estaduais Aloísio Classmann (PTB) e Giovani Cherini (PDT). Além dos dois colegas, outros seis parlamentares que respondem a processos por suposta utilização ilegal de albergues assistirão ao julgamento de Covatti. Confiante, o gaúcho admite ter apenas o temor de que o TSE mantenha o rigor adotado nos processo contra os governadores.
— O nosso maior temor é que o TSE coloque todo mundo na vala comum. Não posso ser cassado por fazer o bem às pessoas — argumenta Covatti.
O gaúcho vai levar os três filhos e a mulher, Silvana, que é deputada estadual pelo PP e também será julgada, para acompanhar a sessão no TSE.

Postado por Robson Bonin

TSE julga Covatti nesta terça-feira

10 de março de 2009 0

Ameaçado de cassação por suposta utilização de albergues para compra irregular de votos, o deputado Vilson Covatti (PP) será julgado na sessão desta terça-feira pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Incluído há pouco na pauta, o caso de Covatti é o primeiro, dos dez que envolvem deputados albergueiros no Rio Grande do Sul, a ser levado ao plenário do TSE pelo relator, ministro Marcelo Ribeiro.
Além do processo individual, Covatti responde ao lado da mulher, Silvana, que é deputada estadual pelo PP, a uma ação de investigação eleitoral por suposto abuso de poder econômico e captação ilícita de votos. A acusação do Ministério Público Eleitoral gaúcho sustenta que o casal teria utilizado albergues para obter vantagem nas eleições de 2006. Junto com o processo de cassação, o TSE vai analisar um recurso de Covatti que pede o arquivamento do caso. O julgamento está marcado para começar às 19h. Mais informações a qualquer momento.

Postado por Robson Bonin

Jogo de iguais

10 de março de 2009 4

Leia a coluna de Klecio Santos, publicada em Zero Hora e Diário Catarinense

No festival de arapongagens e vazamentos que se transformou o espólio da Operação Satiagraha, o difícil é encontrar inocentes. Protógenes Queiroz foi alvo do próprio veneno: teve a vida vasculhada pela Polícia Federal e a credibilidade colocada sob suspeita por conta de informações vazadas de um inquérito sigiloso. O delegado diz que as denúncias contra ele são mentirosas, mas o diretor-geral da PF, Luiz Fernando Corrêa, não desmentiu o teor da investigação. Mais: disse que irá divulgar um relatório nos próximos dias.
Corrêa também deu uma pista de quem vazou o baú de espionagens de Protógenes, ao afirmar que uma cópia do material está na CPI dos Grampos. Presidida por Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), a CPI caminhava para um final melancólico, cujo relatório seria votado hoje. E pior: sem pedir o indiciamento de ninguém. Com a reviravolta no caso, o estado policialesco do qual a oposição se diz vítima torna-se mais nítido. Não que ele tenha patrocínio do governo. Mas é na omissão e no descontrole que o Planalto peca.
Para evitar novos abusos, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) já defende um mecanismo que garanta controle externo à PF. Na CPI, contudo, ninguém controla nada. A sede por holofotes de alguns deputados é tanta que não será estranho se amanhã ou depois surgir alguma foto da ministra Dilma Rousseff namorando. No fundo, os métodos de Protógenes pouco diferem dos usados por seus alvos.

Postado por Sucursal Brasília