Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

De muletas

22 de outubro de 2009 1

Klécio Santos

Quando decidiu legar seu espólio a Dilma Rousseff, Lula sabia que só o apoio do PMDB faria dela uma candidata capaz de ameaçar o favoritismo de José Serra. Seus herdeiros naturais, Antonio Palocci e José Dirceu, haviam sido necrosados pela crise do mensalão e a tese do terceiro mandato sofria forte repúdio popular. Lula então surpreendeu a todos, inclusive ao PT, ao apostar em uma burocrata de carreira. Dilma ganhou o rótulo de mãe do PAC, passou por uma cirurgia plástica e aprendeu a discursar em comício.
Mas Lula tem consciência de que nem mesmo sua popularidade recorde seria suficiente para levá-la ao Planalto. Bastou Ciro Gomes anunciar suas intenções presidenciais e a ministra logo caiu para o terceiro lugar nas pesquisas. Com o jantar oferecido à cúpula do PMDB, Lula virou esse jogo.
Antes, já havia cooptado PDT, PR e PC do B, quebrando as muletas partidárias de Ciro. Agora, selado o compromisso com o PMDB, Dilma terá na campanha pela TV o dobro de tempo do candidato tucano. Isso sem contar a exposição que já desfruta inaugurando obras pelo país.
Tamanha visibilidade também incomoda a oposição, que se queixou à Justiça Eleitoral. Até mesmo Gilmar Mendes voltou aos microfones para reclamar desse “vale-tudo” estrelado por Lula e sua candidata. O choro de demos e tucanos, contudo, não esconde a acefalia da oposição, perdida diante das jogadas de Lula e ainda sem um candidato para apresentar ao eleitorado. De qualquer forma, se Dilma não crescer nas pesquisas, tudo vai por água abaixo, inclusive o apoio do PMDB.

Postado por Sucursal Brasília

Comentários (1)

  • Paulo Roberto Pires diz: 24 de outubro de 2009

    Tá faltando um pouquinho de inteligência para alguns pseudoscomentaristas. Com PMDB (banda podre), PC do B, PDT, PQP o Dilmão vai continuar que nem rabo de cavalo. Crescendo para baixo, ou alguém tem dúvida. Em 2010 é Serra e estamos conversados.

Envie seu Comentário