Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Indicação de vice atrita PSDB e DEM

28 de junho de 2010 2

A definição do senador tucano Alvaro Dias como vice da chapa presidencial de José Serra (PSDB) estabeleceu um clima de confronto entre tucanos e DEM. Por um lado, Rodrigo Maia, presidente do DEM, dá indicativos de sair da aliança caso o nome de Alvaro Dias seja mantido. Por outro, o senador Dias diz já se sentir em campanha.
O deputado Rodrigo Maia acirrou ainda mais o clima de conflito com os tucanos e deixou claro, sábado, no Rio, que não pretende voltar atrás na exigência de que o partido indique o candidato a vice na chapa presidencial de José Serra (PSDB). E anunciou que, se necessário, levará o confronto até a convenção nacional do DEM, na quarta-feira.
Segundo ele, o partido vai esperar até lá que Serra indique um nome do DEM. Caso contrário, a própria legenda fará a indicação.
– Vamos esperar que ele indique. Se ele não indicar, vamos aprovar nosso nome na convenção do dia 30 – afirmou Maia.
Questionado sobre como se resolveria o impasse, já que o PSDB se definiu pelo senador tucano Alvaro Dias, Rodrigo Maia respondeu:
– Pergunte ao advogado do PSDB. Na convenção nacional, vamos aprovar apoio ao Serra com candidato a vice do DEM.
Mesmo diante das ameaças, o comando nacional da campanha do PSDB permanecia irredutível na indicação do nome de Alvaro Dias como vice na chapa. Em Cuiabá, o próprio senador paranaense se incumbiu de afirmar que é vice de Serra, apesar da resistência do DEM.
– Já me sinto em campanha.

Comentários (2)

  • Luiz Augusto diz: 28 de junho de 2010

    Tudo somado é bom reparar que o erro central de esperar que Serra na TV melhorasse índices de intenção de voto está no erro mais geral de avaliação sobre as eleições deste ano. Muitos acham que Dilma ganha votos por causa da benção pessoal de Lula, um toque de midas do presidente. Como se o eleitorado fosse grande massa parva que segue cegamente a indicação do seu messias populista da vez. Bobagem, preconceito, desinformação. O eleitorado não está propenso a votar em Dilma porque a figura pessoal do Lula indicou, mas porque ela representa um projeto político, um conjunto de resultados concretos, que o povo aprovou. Não se trata da figura pessoal de Lula, mas da idéia de continuidado, do “aprovo, voto”. Afinal, não é só Lula que tem excelente aprovação (cerca de 85%), mas seu governo também (75%). E o PSDB insiste em não perceber, achando que basta poupar a figura pessoal de Lula, porque o povo ligaria é para ela e não para o projeto político. Eleitorado seria massa de manobra personalista, não aprovaria o governo em si, a continuar assim, pagarão caro.

  • Tatiana Soucy diz: 28 de junho de 2010

    Inacreditável o que fizeram com o PSDB do governador Pavan. Ele foi fiel do começo ao fim do governo da tríplice; Não confie mais nessas pessoas.

Envie seu Comentário