Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Inquérito aponta suicídio de ex-assessor do Piratini

17 de julho de 2010 3

Um ano e cinco meses após a morte de Marcelo Cavalcante, a Polícia Civil do Distrito Federal concluiu o inquérito apontando que o ex-assessor do governo Yeda Crusius cometeu suicídio. Apesar de concordar com a tese, o Ministério Público preferiu reabrir as investigações. A intenção é esgotar as possibilidades de homicídio antes de arquivar o caso. Na tentativa de eliminar suspeitas de assassinato levantadas pela família de Cavalcante, o promotor Marcelo Leite Borges requisitou à polícia, no início de junho, novas diligências e perícias. Entre as tarefas que os policiais terão de cumprir até setembro, está a busca por supostas testemunhas relatadas no depoimento de Marcos, irmão do ex-assessor. Cavalcante foi encontrado morto no Lago Paranoá em fevereiro de 2009.
Somente depois de analisar os novos resultados é que o promotor irá decidir o rumo do inquérito. Se surgirem indícios que corroborem a tese do homicídio, Borges não descarta mudar a linha de investigação. Para a delegada Naíce Landim, as provas e os depoimentos são suficientes para concluir que Cavalcante se suicidou. A polícia está convicta de que o ex-assessor morreu por afogamento, ainda que os laudos do Instituto de Medicina Legal não sejam conclusivos sobre a causa da morte.

Comentários (3)

  • Pedro diz: 19 de julho de 2010

    Complicada a redação da mensagem. Fica-se sem saber de que polícia civil estão falando: de Brasília, do Rio Grande do Sul? A dúvida é proposital?

  • Janete diz: 2 de agosto de 2010

    Será que tem resposta.

    Presidente Lula é aposentado por incapacidade física, deve uma lesão mão esquerda, e recebe
    mensalmente da previdência.

    No entanto, legislação da PREVIDÊNCIA, diz se contribuinte voltar ao trabalho, perde o beneficio.

    Presidente nao perdeu beneficio e recebe salario como Presidente.

    Que lei é injusta!

  • Angela de Abreu Rodrigues diz: 7 de agosto de 2010

    Concordo contigo, pois viram a situação de pessoas doentes que aguardam por perícia para receber o seu direito no INSS? Pessoas gastam o que não tem para recer algo que lhes pertence, sendo recebidas por um ESTAMOS EM GREVE. Acho que o Instituto deveria ter uma espécie de Plano B para esse caso, com contratação temporária de pertios par agilizar esses processo, não deixando assim desemparados milhares de trabalhadores doentes. É vergonhoso…

Envie seu Comentário