Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Morte de Itamar repercute entre políticos

02 de julho de 2011 0

A confirmação da morte do ex-presidente e senador Itamar Franco na manhã deste sábado mobilizou o mundo político. Parlamentares da base governista e da oposição recorreram às redes sociais para demonstrar seu luto pelo falecimento do mineiro.

Para o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), “o país perdeu um político de grande calibre, que contribuiu muito para o desenvolvimento do Brasil”. Já o senador gaúcho Paulo Paim (PT) enfatizou que Itamar “era a principal liderança da oposição no Congresso”.

– Um homem generoso e competente. Vai fazer muita falta – escreveu.
Eleito ao lado de Itamar em 1989, o ex-presidente e senador Fernando Collor (PTB-AL) escreveu em seu microblog que sente “muitíssimo a perda de um amigo e grande presidente do nosso país”. Collor foi sucedido por Itamar na Presidência, em 1992, após renunciar pressionado por um pedido de impeachment.
– Itamar foi um companheiro inexcedível durante o período em que militamos juntos na política. Perde o Senado e a vida pública brasileira. Um homem digno, coerente, ético e defensor intransigente dos seus ideais – afirmou Collor.
Ex-governador do Distrito Federal e colega de Itamar no Senado, Cristovam Buarque (PDT-DF) destacou que o político mineiro deixa três marcas fortes como presidente: não tolerou corrupção, recuperou auto-estima do Brasil depois do impeachment e fez o Plano Real.
Em nota oficial,  o líder do PPS na Câmara, deputado Rubens Bueno (PR), ressaltou que o país perde um grande republicano. Também em nota, o presidente da Câmara, Marco Maia (PT), lamentou a morte de Itamar, a quem descreveu como “um nacionalista e empreendedor”.
– Era um nacionalista nato que sabia ser polêmico, mas, ao mesmo tempo, um construtor de alternativas para enfrentar os principais problemas do país. Amava o Brasil como amava o seu povo – opinou Maia.
Conterrâneo e colega de Senado de Itamar, o ex-governador Aécio Neves (PSDB) afirmou que ele era “um homem público completo, intransigente nos valores, nos princípios e objetivos durante toda sua vida”.
– Se pudéssemos ter um sinônimo para coerência, seria Itamar – resumiu Aécio.


Envie seu Comentário