Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Dilma observa passos de José Dirceu

31 de agosto de 2011 1

Por Fábio Schaffner

Ex-homem forte do governo Lula transformado em consultor de empresas e em articulador político que se move nos bastidores, o ex-ministro José Dirceu tem seus passos acompanhados pelo Planalto. Dilma Rousseff, contudo, mantêm uma prudente distância do antigo colega de Esplanada acusado de chefiar o mensalão.
Afastado do poder há seis anos, Dirceu voltou a ser foco a partir de uma reportagem da revista Veja. A publicação revelou uma procissão de parlamentares, ministros e dirigentes de estatais ao quarto de hotel onde Dirceu se hospeda em Brasília e gerou desconfianças de que o petista é o mentor de um governo paralelo. Ontem, em entrevista à Rádio Gaúcha, o ex-ministro se defendeu das acusações.
Embora nunca tenha escondido que nutre simpatia pelo ex-ministro, Dilma evita até mesmo conversar com ele. A interlocução entre os dois é feita pelo ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral), ex-chefe de gabinete de Lula e canal de diálogo entre a presidente e o PT.
– Dilma sabe que o Zé Dirceu tem o comando do partido e que ele nunca foi muito discreto. Ela o respeita, mas eles não se falam – assegura um assessor palaciano.
As suspeitas de governo paralelo são reforçadas ao se cruzar as datas das reuniões flagradas por Veja com o ápice da crise envolvendo o então ministro Antonio Palocci (Casa Civil). Após quase um mês sangrando por conta de denúncias de enriquecimento ilícito, Palocci entregou, no dia 7 junho, uma carta a Dilma solicitando o seu afastamento do governo. Os encontros de Dirceu com ministros, senadores e deputados ocorreram exatamente na mesma época, nos dias 6, 7 e 8 de junho.
Segundo Veja, a conspiração de Dirceu visava a derrubada de Palocci e a ocupação dos espaços que se abririam com a demissão. Na tarde do dia 7, o ex-ministro teria influenciado três senadores petistas a não assinar um manifesto em defesa de Palocci que estava sendo articulado pela bancada da legenda. À noite, Palocci pediu demissão.
Líder do PSDB na Câmara, Duarte Nogueira (SP) acusa Dirceu de conspirar:
– Há um governo paralelo rondando o Planalto às escondidas. Se Dirceu se acha injustiçado, tem de fazer uma avaliação sobre os atos que cometeu. Ele é ligado ao maior esquema de corrupção que o Brasil já presenciou.
Aliado da faxina ética de Dilma, o senador Pedro Simon (PMDB-RS) afirmou que Dirceu e Lula estariam atuando de forma paralela ao Planalto:
– O que o senhor José Dirceu está fazendo num quarto de hotel com o presidente da Petrobras aqui em Brasília? Estariam fazendo o quê? Discutindo política? Se isso não é um governo paralelo, não sei o que é. Lula diariamente também tem encontros com ministros em São Paulo.
Dirceu jamais perdeu a influência sobre a Esplanada. Ele despacha regularmente com Lula, negocia alianças políticas e opina sobre nomeações. Suas indicações, porém, nem sempre são acatadas. Na formação da equipe de Dilma, ele não queria Palocci na Casa Civil. Apesar de ter perdido a queda de braço, conseguiu a nomeação de Luiz Sérgio para as Relações Institucionais. Com a saída de Luiz Sérgio do cargo, na esteira do Caso Palocci, tentou promover à função o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), mas Dilma optou pela senadora Ideli Salvatti (PT-SC).
– Ele não tem com Dilma a proximidade que teve com Lula. É respeitado pelos ministros e demais integrantes do governo – diz um ministro.
De acordo com auxiliares de Dilma, ela sabe que “ninguém deixa de atender a um chamado do Zé Dirceu”. Ela também considera o ex-ministro um político precavido.
– Ela sabe que ele jamais irá agir como um aloprado – afirma um petista com trânsito no Planalto.
A distância que Dilma faz questão de manter tem motivos práticos, sobretudo eleitorais. Com problemas de harmonia na base governista no Congresso, Dilma não quer se envolver nas disputas internas do PT, principalmente com relação às eleições municipais de 2012.
Na sexta-feira, Dilma e Dirceu estarão juntos no congresso do PT, em Brasília. Na ocasião, Dirceu deve ser reverenciado pela militância. A previsão é de que receba mais aplausos do que a própria Dilma, como já ocorreu em eventos internos do partido.

Comentários (1)

  • Eduardo Guimarães diz: 31 de agosto de 2011

    Faltaram alguns detalhes no texto, como, por exemplo, as tentativas de invasão do quarto de José Dirceu no hotel em que o repórter que tentou invadir instalou câmeras e escutas ilegais, e o fato de que o mesmo hotel fez um boletim de ocorrência e, por fim, que o caso está sendo analisado pela Justiça. Agora eu me pergunto como a Veja pode afirmar o que se discutiu naquele hotel. Houve escuta (ilegal)? Qual o teor? Só o encontro de correligionários políticos permite dizer que se reuniram para conspirar? De onde veio a informação de que Dilma”está de olho” em Dirceu? Bem, a polícia civil e a federal responderão.

Envie seu Comentário