Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Três gaúchas são cotadas para cadeira no Supremo

13 de setembro de 2011 0

Por Fabiano Costa

Com a presidente Dilma Rousseff disposta a indicar uma mulher para a vaga da ex-ministra Ellen Gracie no Supremo Tribunal Federal (STF), três magistradas gaúchas despontam na galeria de favoritas para integrar a mais alta Corte do país. 
São elas: Rosa Maria Weber da Rosa e Maria Cristina Peduzzi, ambas ministras do Tribunal Superior do Trabalho (TST), e Nancy Andrighi, ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ).
Natural de Porto Alegre, Rosa Maria aglutinou em torno de seu nome o governador Tarso Genro e a cúpula do PT gaúcho. Nos corredores dos tribunais de Brasília, ela é considerada uma das mais cotadas para a vaga. 
Já Nancy, nascida em Soledade, aposta no apoio de expressivos colegas de Corte. Há 12 anos no pleno do STJ, Nancy é identificada como defensora dos direitos sociais por conta de recorrentes decisões a favor de consumidores e cidadãos.

Quem são as candidatas gaúchas a uma vaga no STF

Maria Cristina Peduzzi

Nascida na cidade de Melo, no Uruguai, veio com dois anos para o Brasil. Aos 18 anos, fez a opção pela nacionalidade brasileira e se registrou em Bagé. Começou o curso de Direito na UFRGS, mas concluiu os estudos na UnB, em 1975. Chegou ao TST em 2001. Antes, havia sido procuradora da República, procuradora do Trabalho e professora universitária.

Nancy An drighi

Juíza de carreira, começou a trajetória profissional na Justiça gaúcha em 1976. Quatro anos depois, transferiu-se para uma vara do Distrito Federal. Em 1999, tornou-se a segunda mulher a compor o pleno do Superior Tribunal de Justiça. Em maio, assumiu a corregedoria-geral eleitoral do TSE. É a primeira vez que uma mulher atua na função desde a criação da Justiça Eleitoral, em 1932.

Rosa Maria Weber da Rosa

Segunda mulher a presidir o TRT da 4ª Região, foi empossada no Tribunal Superior do Trabalho em 2006. Aprovada em primeiro lugar no vestibular de Direito da UFRGS, formou-se com láurea em 1971. Cinco anos mais tarde, ingressou por meio de concurso público na vaga de juíza do trabalho. Em 1991, foi promovida por merecimento ao cargo de juíza togada.

>>> Leia a reportagem completa na Zero Hora desta terça-feira


Envie seu Comentário