Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de outubro 2011

Feiras, livros e vaidades

31 de outubro de 2011 1

Marcel Citro*

Entre a feira do livro de Porto Alegre e a feira de Frankfurt, na Alemanha, existe uma distância muito maior do que os 10 mil quilômetros que os aviões comerciais percorrem em uma dúzia de horas. A feira europeia, terminada no último dia 16, é um encontro editorial de proporções gigantescas, o maior do mundo. Nela, foram comercializados os títulos que seremos instados a adquirir em 2012. Sim, porque as escolhas literárias, nesse mundo midiático, também pertencem apenas em parte ao leitor.

Já a feira do livro de Porto Alegre é um espaço tradicional para onde convergem as atenções dos leitores e livreiros locais. Foi um evento mais valorizado na era pré-shopping, antes das promoções diárias e do ar-condicionado perfeito; e principalmente na civilização pré-internet, antes que pudéssemos comprar e postar a informação da compra em dois clics. Apesar disso, é um espaço ainda presente no coração e na mente do escritor iniciante.

O autor esperançoso, com os originais debaixo do braço, enxerga a miríade de pontos-de-venda e escuta o alarido no pavilhão de autógrafos perguntando-se quando chegará a sua vez. Traz na cabeça o caminho a ser percorrido: ser recebido por um editor de ponta, publicado, lido, admirado; para em seguida receber elogios da crítica e vender mais e mais livros. Nos seus sonhos mais recônditos, chega a pensar no impensável: ganhar algum dinheiro com a literatura.

Tenho uma coisa a dizer a você, escritor iniciante de todas as idades (algo que as vezes tenho que repetir em voz alta!): guarde o seu melhor amor para os filhos, o cônjuge, ou mesmo o gato. Não se apaixone por sua obra, por melhor que lhe pareça, nem gaste o seu verbo bradando contra a profusão de títulos estrangeiros que abarrotam as bancas e subtraem o seu espaço. Em economia, não existe almoço grátis, e literatura, em última análise, também é business. Publicam-se autores estrangeiros em detrimento dos locais porque já foram testados e aprovados nos seus países de origem (basicamente Estados Unidos e Europa Ocidental), e o editor brasileiro prefere investir numa tradução que pode lhe render um novo Dan Brown a garimpar talentos em oficinas literárias ou em sua própria pilha de originais não lidos. Calculam-se riscos, projetam-se ganhos. É o capitalismo.

Para nós, iniciantes contumazes, sempre existirão as obras coletivas, as edições sob demanda e os concursos literários. A esperança de que um dia alguma porta se abra. E a certeza de que a literatura, como diriam os estancieiros do lado de cá do rio Uruguai, é tal qual uma amante argentina: exigente, vaidosa, imprevisível. Podemos entregar-lhe o corpo, quiçá a mente, mas a alma só deve ser ofertada após inequívocos sinais de reciprocidade.

* Escritor, vencedor do Prêmio Açorianos de Criação Literária 2010

————————————————————————-
Você gostaria de mandar um artigo para Zero Hora? Clique aqui para participar.

Bem-vindo ao blog Do Leitor de ZH!

31 de outubro de 2011 0

A Redação de Zero Hora sempre contou com a colaboração de seus leitores para produzir e melhorar o jornal que entregamos diariamente aos nossos mais de 230 mil assinantes e que atualizamos minuto a minuto nas versões online. A internet, com o e-mail, só facilitou essa interação, antes feita por meio de cartas, mensagens enviadas por fax e telefonemas. Com Twitter e Facebook, comentários, alertas e sugestões são instantâneos.

Inauguramos hoje mais um espaço para essa constante conversa com nossos leitores. Aqui, no blog Do leitor, você encontrará uma forma simples de mandar sua colaboração para ZH: pode ser sugestão de pauta, artigo, fotos ou vídeos. Sabemos que não são poucos os leitores com vontade de participar da construção do jornal: desde o lançamento do site atual, em setembro de 2007, publicamos mais de 20 mil contribuições nos canais Leitor-Repórter, Palavra do Leitor, Seu Olhar, De Olho no Tempo e Meu Álbum. Isso sem contar os comentários publicados em matérias: nesses quatro anos, foram quase 340 mil no site.

No dia 5 de novembro, os antigos canais de participação serão desativados.

Não é mais necessário ter um cadastro para participar, basta preencher o formulário e enviar. Para facilitar o processo, este formulário reúne todos os canais de participação. É só escolher a seção na hora de preenchê-lo e seu conteúdo será encaminhado para a área certa. Confira as opções:

Leitor-Repórter: colabore enviando textos, fotos, áudios e vídeos sobre os fatos que estão acontecendo em seu bairro, cidade ou região. É uma oportunidade de registrar as notícias ao seu redor.

Artigos: expresse sua opinião sobre os fatos que estão em evidência. Atenção: para um eventual aproveitamento na edição impressa de ZH, o texto tem de ter no máximo 2.400 caracteres ou 40 linhas de 60 espaços.

De olho no tempo: como está o tempo na sua cidade? O amanhecer cobriu as ruas de gelo, a tarde ensolarada levou todos os vizinhos ao parque, o pôr do sol foi emocionante? Registre as condições do clima onde você mora e envie fotos. Não esqueça de dizer onde você está.

Seu Olhar: mostre seu ponto de vista sobre lugares famosos – ou revele detalhes especiais de lugares nem tão conhecidos assim. A cada semana, o caderno Viagem sugere um destino. Sua foto pode fazer parte da galeria.

Álbum de família: mande fotos dos seus pitocos para o blog do caderno Meu Filho.

Meu carro inesquecível: pode ser uma peça de colecionador, pode ser especial por ter marcado a sua história. Participe do caderno Sobre Rodas enviando a foto do carro que fez diferença na sua vida.

Comentário sobre ZH: Qual foto ou reportagem mais lhe chamou a atenção na edição de hoje? Envie sua opinião.

E aí? O que achou da novidade? Use o espaço dos comentários para deixar dúvidas, sugestões e críticas.

Vamos começar mais esta conversa.