Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de outubro 2015

Comentários da página do leitor dessa sexta-feira (30/10)

30 de outubro de 2015 0

INVESTIGAÇÕES
Ao que parece, Polícia Federal e Receita Federal não se entendem. O enriquecimento não explicado de várias personalidades, especialmente as integradas a funções políticas, nunca é investigado. Nunca caem na “malha fina”, não devem explicações a qualquer organismo.
A Receita Federal tem e deve exercer seu precípuo poder para investigar quem tem conduta limpa e quem, de forma ilícita, se apodera de valores que não são seus. Terá que ser investigada, a partir de agora, por outros organismos, por sua própria inépcia ou condescendência?
Mario Roberto Dal Zot Flôres
Engenheiro mecânico – Santa Rosa

CASSAÇÃO
O deputado estadual Diógenes Baseggio, sentindo-se acuado pelas acusações de achacar parte dos salários dos funcionários de seu gabinete parlamentar – aliás, prática usada em todos os níveis do Legislativo –, na iminência de uma possível perda de seu mandato, ameaçou botar a boca no trombone e nominar os demais colegas que usam esse tipo de expediente.
Foi o que bastou, escapou da cassação.
Gentil Pazzini
Representante comercial – Porto Alegre

O Legislativo gaúcho parece ter chegado ao mais baixo patamar de comprometimento com quem o elegeu ao decidir que desviar salários de assessores e adulterar hodômetros não é motivo suficiente para a cassacão do mandato de um deputado. O que seria então? Assalto à mão armada?
É uma vergonha ter representantes desse quilate, cidadãos que retêm parte de salários alheios e que são coniventes com essas práticas.
Silvia Regina Bier
Engenheira civil – Porto Alegre

Sobre ZH
FHC
Cada vez mais, Rosane de Oliveira se revela uma jornalista madura, coerente e equilibrada em seus escritos e comentários. Sua análise (ZH, 29/10, página 8) sobre a entrevista do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso no programa Roda Viva e trechos de seu livro recentemente lançado é preciosa para nos mostrar as contradições de FHC e compreender acontecimentos atuais e do passado recente de nosso país com o devido distanciamento e isenção.
Julio Alfredo Rossi Boehl
Médico – Porto Alegre

Congratulo-me com Rosane de Oliveira pela coragem de externar uma opinião “dura e não politicamente correta” em relação ao ex-presidente FHC. Aliás, faço à colunista uma pergunta bem pessoal: de onde surgiu a máxima de que ele seria uma pessoa elegante? Ora, elegante não é aquele que se veste bem, é cordato e educado, mas age como um “traíra”. Por que, nesses anos todos, o ex-presidente pecou pela omissão, pelo silêncio?
Marcelo Aiquel
Advogado – Porto Alegre

MARTHA MEDEIROS
Intencionalmente ou não, a colunista fez
sua defesa contra o aborto em “Dentro do seu corpo” (ZH, 28/10, página 4). Ao tratar de forma objetiva e expositiva a matéria, demonstra que o corpo pertence ao indivíduo, cuja vontade deve prevalecer.
A ciência provou que a vida se inicia com a fecundação e que o novo indivíduo é único, indivisível e incomparável. Assim sendo, com base nos argumentos da autora, merece o mesmo respeito e principalmente o direito à vida.
Carlos Flávio B. da Silva
Médico veterinário – Santa Maria

Leitor-repórter: descaso em Viamão

30 de outubro de 2015 0

Jone Mueller

 

Nem sacos de areia, nem tijolos ou barricadas são capazes de conter o alagamento que isola há três semanas os moradores dos condomínios Vila Fraga e Vida Nova, em Viamão. A dona de casa Jone Mueller conta que não adiantam reclamações aos órgãos municipais, pois justificam que é necessário aguardar a água baixar para avaliar o local.

– Apesar de pagarmos o IPTU, qualquer reforma ou manutenção deve ser custeada pelos moradores. Somente em reformas na entrada do condomínio e na contenção das enchentes gastamos pelo menos R$ 5 mil – afirma.

Após uma reunião entre os dois condomínios, ficou definido que, a partir das 10h de amanhã, a RS-040 será bloqueada na altura da entrada dos condomínios, que fica na parada 100, até que as máquinas da prefeitura trabalhem em melhorias no acesso aos prédios.

CONTRAPONTO | O que diz a PREFEITURA

A assessoria de comunicação da prefeitura de Viamão informa que, na tarde de ontem, uma equipe de engenheiros esteve no local com o prefeito para uma vistoria técnica. Após a avaliação dos danos, será definido um planejamento para a obra de contenção na região.

No entanto, não foram informados os motivos na demora do atendimento aos moradores.

Leitor-repórter: escadaria renovada

29 de outubro de 2015 0

Evani de Matos da Silva

 

A professora Evani Matos participa de um grupo de “arteiras” que reúne cerca de 50 pessoas no Espaço Cultural Ten Caten, em Torres. Foi nesses encontros que surgiu um projeto para encher os olhos de quem mora em Torres ou visita a cidade.

Após uma oficina de arte em mosaico, o grupo decidiu reformar a escadaria da Praia Grande somente com trabalhadores voluntários e utilizando materiais recicláveis, vindos da construção civil.

– Foram seis meses de muito trabalho, limpeza, aguardo de liberações da prefeitura, mas enfim o resultado foi muito bom – avalia Evani.

Confira como era o espaço antes:

Evani de Matos da Silva2
Fotos: Arquivo pessoal

Comentários da página do leitor dessa quinta-feira (29/10)

29 de outubro de 2015 0

REDAÇÃO DO ENEM
Lamentavelmente, muitas pessoas questionaram o tema da redação do Enem, argumentando ser de esquerda e/ou feminista. Eu, confesso, não tenho estômago para ler os comentários e fico me questionando sobre o que leva as pessoas a
pensarem assim.
A Maria da Penha não foi uma exceção, ela apenas deu nome a milhões de mulheres anônimas que são vítimas de violência diariamente. Isso nada tem a ver com política. É um problema social que não tem fim. As vítimas têm vergonha, acham que não vai passar de um empurrão e de um soco, mas acaba por ser a maior causa de homicídio de mulheres.
Paloma Schultz
Professora de defesa pessoal – Porto Alegre

FGTS
Ao contrário do que apressadamente se possa concluir, ao liberar o saque do FGTS para flagelados pelas inundações, o governo não está dando nenhuma ajuda a eles. Primeiro, porque o saldo já é do trabalhador e sua retirada agora significará a falta no futuro.
Depois, porque é notório que a maioria dos atingidos é constituída por trabalhadores informais que não dispõem do FGTS e, portanto, nada receberão para reconstruir suas vidas.
Felipe Rauen
Aposentado – Porto Alegre

RUMO DO PAÍS
Sou brasileira e ando desanimada com o que está acontecendo com nosso Brasil. Uma presidente desacreditada, sem rumo. A tragédia política em Brasília. A imagem do desgoverno e do caos.
Quando, entre outras, devolvem-se os carros confiscados ao senador Fernando Collor de Mello, alegando não ter onde guardá-los, nos passa a ideia da raposa na guarda do galinheiro. Se o Brasil não é um país sério, a Justiça por sua vez é uma grande piada. Lamentável tudo isso.
Lilian M. Mansur
Professora – Porto Alegre

Sobre ZH
TRAJETÓRIA
A jornalista Dione Kuhn conseguiu resumir, de maneira elogiável, em seu artigo “O ocaso de um partido” (ZH, 27/10, página 24), a trajetória do Partido dos Trabalhadores. A falta de visão de alguns de seus importantes líderes é o que levou essa agremiação política à bancarrota, somada com tropelias e má gestão.
Hoje, o PT não é nem sombra daquele PT das décadas de 1980/90. Lamentável.
José Carlos Mello D’Ávila
Relações-públicas – Porto Alegre

DAVID COIMBRA
Lamentável a coluna de David Coimbra (ZH, 27/10, página 47), intitulada “A perturbadora questão 14”. Causa espanto e enseja um efeito culturalmente negativo constatar que um jornalista de prestígio desconhece a obra e a figura de Milton Santos. Além disso, assacar contra uma prova do Enem, como fez, revela enorme desconhecimento de atributos e propósitos que envolvem a educação.
Igor Moreira
Professor – Porto Alegre

Foto do leitor: corujas

28 de outubro de 2015 0

Adriane Barlem Círia

 

A legítima mãe coruja, junto do filhote, foi clicada por Adriane Barlem Círia, no Cassino, em Rio Grande.

Comentários da página do leitor dessa quarta-feira (28/10)

28 de outubro de 2015 0

ORGULHO LOUCO
A Parada do Orgulho Louco, em Alegrete, é um movimento riquíssimo de afetos, sensibilidade e busca por visibilidade a respeito da reforma psiquiátrica e da luta antimanicomial, que é uma luta presente não só em nosso país, mas em vários
países do mundo. Graças a isso, pessoas que passam por qualquer sofrimento psíquico durante qualquer período da vida não precisam mais se afastar do seu lar e da sua rede de afetos, a não ser pelo tempo necessário e pontual para o controle de seus sintomas. E tudo isso é feito com o máximo esforço de profissionais de saúde sensíveis e qualificados, que prezam pelo cuidado em liberdade.
Porém, essa luta não é de nenhum partido, é das pessoas envolvidas. E deveria ser de todos! Quando o Simers e aliados querem criminalizar os trabalhadores por vexamizar os usuários do sistema público de saúde mental, eles não estão defendendo o direito de ninguém.
Acredito que sentir orgulho de ser louco está ferindo o orgulho de ser médico, enquanto seria muito mais simples e verdadeiro somar esses dois orgulhos. Creio que ainda há tempo.
Mariana de Oliveira Castro
Psicóloga – Esteio

Causa indignação a maneira como foi realizada a parada chamada de “Orgulho Louco” em Alegrete. Somos todos loucos, sim, mas loucos de amor pelas pessoas portadoras de necessidades especiais. As paradas desse tipo deveriam ser realizadas para que possamos abrir os olhos daqueles que ainda viram o rosto para quem tem alguma doença psíquica. E para abrir os olhos do governo que, pensando somente em se manter no poder, corta verbas das entidades. Uma completa falta de respeito com quem precisa de carinho e amor.
Marioni Alves Dias
Contabilista – Itaqui

Sobre ZH
ROSANE DE OLIVEIRA
Gostaria de parabenizar Rosane de Oliveira por não se omitir na luta pelo resgate da cidadania das pessoas com sofrimento psíquico (ZH, 24/10, página 12). Infelizmente, as entidades médicas causam um desserviço à luta antimanicomial.
Ricardo Haesbaert
Enfermeiro – Porto Alegre

ARTIGO
Parabéns a ZH e ao seu articulista Percival
Puggina. Seu texto do último domingo (ZH, página 22) retrata a face dos discursos totalitários que destruíram vidas e a democracia no Ocidente.
Francisco Silveira Júnior
Assistente de manutenção em subestação – Pelotas

MOISÉS MENDES
Parabenizo Zero Hora por Moisés Mendes, que, com seus depoimentos, esclarece o outro lado dos acontecimentos que levaram o país à crise atual. Mostra, com comprovação dos fatos, que hoje vivemos o resultado da corrupção de governos anti-PT, que pode ter sido conivente, mas não é o único responsável por tanta corrupção. Ocorre também que em nenhum governo anterior a Justiça teve tanta liberdade para atuar. À medida que avançarem as investigações, muita gente será desmascarada.
Parabéns, jornalismo verdadeiro é democrático.
Vera Maria Leo Miotto
Aposentada – Porto Alegre

O colunista Moisés Mendes, para alguns, é um exemplo de imparcialidade. No entanto, suas colunas nunca citam a corrupção que grassa no país patrocinada pelo governo, pelo qual ele não disfarça simpatia, e sempre tentam atrair alguém do PSDB para a vala comum.
Gelmir Gutier Reche
Advogado – Novo Hamburgo

Missão Instagram: #doleitorZH

27 de outubro de 2015 0

 

 

 

 

Veja todas as imagens postadas no Instagram com a tag abaixo em zhora.co/fotosdoleitorzh

#doleitorZH

leosserpa

 

@leosserpa

higorstrapasson

 

@higorstrapasson

anakirsch

 

@anakirsch

gustavogeyer

 

@gustavogeyer

Comentários da página do leitor dessa terça-feira (27/10)

27 de outubro de 2015 0

CONSTITUIÇÃO
Hoje, a nossa Constituição é um verdadeiro “penduricalho” de brechas, em que protegem o vigarista e prejudicam o cidadão honesto. Enquanto a Lei Maior não for reformada, o Brasil continuará sendo uma terra de criminosos.
Vinicius André Roese
Advogado – Porto Alegre

LIVRO
Depois de passar por este pago, o político que ajudou a construir a penúria do Estado, Alceu Collares, está sentado em uma cadeira de conselheiro da Itaipu e aparece na mídia, em misto de político e poeta, lançando o livro O Voto e o Pão, com dinheiro da Lei Rouanet.
Por curiosidade, gostaria de saber quanto foi
investido no poeta. E segue o baile.
Alvino Jorge Besckow
Representante comercial – Porto Alegre

CREDIBILIDADE
Vivemos quadro de crises econômica, política e moral. As duas últimas aprofundam a primeira e geram, sobretudo, incertezas crescentes. Enquanto não recuperada a credibilidade pelo governo, nenhum ajuste fiscal, direcionado, como é o caso, a onerar os contribuintes sem diminuir o custo da máquina pública, conseguirá produzir expectativas positivas. Se o gestor público cria déficit nas contas, gastando muito mais do que podia (e mal!), que responda pelo procedimento.
Jorge Lisbôa Goelzer
Advogado – Erechim
Sobre ZH
OLHAR GLOBAL
Parabenizo Luiz Antônio Araujo pela coluna da edição de sábado (ZH, página 15). Que Hitler foi um dos maiores assassinos de todos os tempos, isto é uma verdade histórica. Gostaria de saber, finalmente, se é verdade que o líder religioso dos palestinos o aconselhou ou aplaudiu a chamada “solução final dos judeus”.
Penso que o que Hitler estava fazendo não tem justificativa, mas quem o aplaudiu é tão
criminoso quanto ele.
Paulo Antônio Tietê da Silva
Aposentado – Porto Alegre

Interessante a coluna de Luiz Antônio Araujo, além de sua dica de viagem. Que poema, que versos contundentes! Parabéns!
A meu sentir, o Holocausto representa tudo que se possa imaginar de mais aviltante em desfavor da errante “raça humanoide”! Mobiliza-me tudo o que diz respeito a esse triste período da humanidade, que considero o mais negro de todos.
Natalia Setúbal
Advogada – Porto Alegre

GASTANÇA INÚTIL
O editorial de ontem merece aplausos (ZH, página 26). Todo o busílis da questão está aí: enquanto não parar a gastança inútil, o Brasil não solucionará seus problemas e o povo seguirá desconfiando do sistema. Impor mais impostos pode ser solução para os próximos dias, mas a corda poderá estourar mais adiante, o que será pior.
O moto-perpétuo “mais gastança, mais impostos” forçosamente irá arrebentar um dia.
Harri Marmitt
Aposentado – Passo Fundo

EDUCAÇÃO
Lamentável a reportagem da edição dominical (ZH, página 27) que afirma que o sistema educacional brasileiro é um apartheid educacional e que “favorece as classes mais abastadas” e seria um “ponto fraco da meritocracia”. O texto é um panfleto marxista de última categoria.
Demian Diniz da Costa
Advogado – Novo Hamburgo

JORNALISMO
Ótimo o artigo de Vanessa da Rocha (ZH, 24/10, página 26). Diz que o leitor espera que um jornalista seja visto como a voz da sociedade, o
watchdog, e não como medíocre colunista, que só sabe falar de seus assuntos particulares, como está acontecendo em ZH.
Isacc Sprinz
Médico – Porto Alegre

Foto do leitor: quero-quero

26 de outubro de 2015 0

queroquero

 

O quero-quero concentrado em suas atividades ganhou o registro do leitor Anderson Alves de Oliveira 

Comentários da página do leitor dessa segunda-feira (26/10)

26 de outubro de 2015 0

BLOQUEIO
Mais uma vez, a saída de Porto Alegre pelas pontes foi bloqueada por moradores das ilhas, que exigiam o restabelecimento da energia pela CEEE. Todos lamentamos pelos prejuízos que essas pessoas estão sofrendo, mas será que somente elas merecem respeito? Será que é justo interromper e prejudicar a vida de todos os trabalhadores que precisam transitar ali em carros, ônibus, caminhões, ambulâncias? Será que as autoridades não podem pelo menos limitar o tempo em que os manifestantes interrompem o trânsito?
Quem chegou ao local às 17h saiu de lá entre 19h30min e 20h. E o pior: manifestação sem sentido, pois a CEEE certamente não pode restabelecer a energia em uma área completamente alagada.
Silvia Freund
Aposentada – Guaíba

Sobre ZH
RAÍZES VENENOSAS
Marcos Rolim, em seu artigo na edição de ontem (ZH, página 22), nos alerta para os perigos do comportamento hostil e raivoso nas redes sociais, onde o distanciamento virtual tem contribuído para criar inimizades e afastamentos sociais – em especial nas discussões políticas. Isto tem sido fortemente estimulado pelo comportamento egoísta e odioso de boa parte de nossos políticos naquilo em que ele magistralmente definiu como “só o que não importa é o Brasil”.
Julio Alfredo Rossi Boehl
Médico – Porto Alegre

ARGUMENTO
Não se justifica um crime pelo fato de outros terem cometido ato idêntico sem terem sido punidos. Portanto, o argumento de Rosane de Oliveira (ZH, 22/10, página 12) de que mentir na campanha não é motivo para destituir Dilma, pois se fosse teríamos que destituir outros mentirosos, não tem fundamento jurídico e muito menos moral.
Raul Corrêa Rechden
Engenheiro – Porto Alegre

CONTRAPONTO
A julgar pelo que é publicado, parece ser incessante e predominante o fluxo de cartas criticando os textos de Moisés Mendes pela sua “parcialidade”. Para quem estuda minimamente a história deste país, é chocante constatar a miopia política de tais cartas. Parece que as pessoas não se dão conta (ou não querem se dar conta) de que os problemas nacionais, especialmente os que dizem respeito à corrupção, não são “deste” governo ou “deste” partido. Tais problemas são históricos (vêm de longa data) e são gerais (abrangem toda a sociedade).
Assim, são bem-vindas constatações e análises como as de Moisés Mendes, capazes de fazer o contraponto adequado e colocar as coisas em uma perspectiva mais ampla e verdadeira.
Que venham mais textos “parciais”!
Eugenio Miguel Cánepa
Economista – Porto Alegre