Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de janeiro 2016

Foto do leitor

30 de janeiro de 2016 0
Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

Luiz Bavaresco fotografou o Candelabro Paracas durante sua viagem ao Peru

Comentários

30 de janeiro de 2016 1

UBER
Mais uma vez, os políticos só pensam em prejudicar a população. Vejam o Uber, um serviço mais barato, mais confiável, alto nível de atendimento, acessível a quem quiser trabalhar, e Fortunati e Cappellari falam em criar um novo sistema de carros pretos com uma tarifa maior e placas dirigidas a meia dúzia de pessoas detentoras de grandes poderes e influências, assim como acontece no sistema de táxis, coletivos e lotações.
É lamentável, poderiam pensar em criar um novo sistema melhor e mais barato, aí sim seriam honestos e em prol do povo.
Marcos Morales
Aposentado – Porto Alegre

CARNAVAL
Gostaria de saber quanto, desde a inauguração do Sambódromo Porto Seco, foi gasto pela prefeitura (contribuintes) no local. Por que não foram construídas arquibancadas fixas? Anualmente, é necessário contratar metálicas. Por que a prefeitura não entrega o local à Liga Independente de Escolas de Samba, da Capital, saindo em definitivo da organização do Carnaval? Ou seja, chega de verbas públicas a alguns milhares de foliões.
Luiz Pedroso
Funcionário público – Porto Alegre

LULA
O ex-presidente falou que não acredita ter alguém mais honesto do que ele. Acreditei no que ele falou, pareceu sincero e verdadeiro em suas palavras. Acho que agora temos um futuro candidato a papa, não mais iremos ter inveja dos irmãos argentinos.
Francisco Ercolani
Médico – Palmeira das Missões

SARTORI
Nada do que Sartori faz julgam certo. Não é preciso que ele consulte o povo para tudo que faz. Ele tem o poder de decidir. O gringo trabalhador é honesto, mais interessado em melhorar o Estado do que em agradar.
Roselia Liege da Silveira
Funcionária pública – Porto Alegre

Sobre ZH

30 de janeiro de 2016 0

Mania que têm os petistas de justificarem erros deles invocando os dos outros. O argumento de Moisés Mendes, em “O neto e o avião”, de que o PT não inventou a corrupção, não o torna inocente, como não é inocente Pablo Escobar por não ter inventado a cocaína! Indevido o uso do avião presidencial para interesses pessoais. Melhor seria dizer que Dilma não pode transitar com tranquilidade em público. Mandatários de outros países, como Merkel e Macri, utilizam voos comerciais. Impressionante e abissal a diferença entre as opiniões de Moisés e as de David Coimbra em ZH de 11/01! Parabéns ao David, que representa a maioria dos brasileiros que amam o país!
Vitor Hugo Spier
Aposentado – Porto Alegre

O editorial “Insegurança nos táxis” (ZH, 20/01) expressa o que nós, cidadãos de Porto Alegre, sentimos a respeito deste serviço. Foi preciso chegar ao ponto em que chegou, a criminalidade infiltrada na categoria, para que a EPTC tomasse medidas para coibir que bandidos e máfias atuem nos táxis da cidade. Espera-se que estas ações sejam permanentes e corajosas e não apenas uma momentânea satisfação à sociedade.
Julio Alfredo Rossi Boehl
Médico – Porto Alegre

Visto carta de Zélia Guichard (ZH, 29/01), informo que a referida senhora possui um único registro de ocorrência nesta Especializada, no qual foi solicitada medida protetiva, encaminhada ao Poder Judiciário no prazo legal, com realização de audiência no Poder Judiciário no dia 20/01/16. O procedimento policial está finalizado e será remetido ao Fórum, face acordo feito em audiência, com arquivamento do feito naquela esfera.
Claudia Cristina Santos da Rocha Crusius
Delegada de Polícia – Porto Alegre

Em atenção à manifestação da sra. Zélia Guichard, informamos que o Judiciário dá grande importância ao assunto da violência doméstica, mantendo estrutura especializada e procedendo conforme estabelece a lei. No mais, a reclamante não narrou um fato sequer que justifique sua queixa.
Desembargador Túlio Martins
Presidente do Conselho de Comunicação Social do TJRS

Atribuir ao queijo coalho nordestino a culpa pelos transtornos intestinais dos turistas que frequentam as praias catarinenses é um argumento lamentável, grotesco e preconceituoso utilizado pelo presidente do Sindicato dos Hotéis de Florianópolis (ZH, 22/01). As infecções se devem ao descaso das cidades litorâneas com o tratamento do esgoto, despejado diretamente nas praias. Também às características peculiares do recortado litoral catarinense, distinto do traçado retilíneo do litoral gaúcho. Os comerciantes das praias gaúchas agradecem ao raciocínio do presidente do Sindicato. Turistas argentinos que iriam para lá resolveram ficar por aqui. As praias gaúchas são hoje mais limpas graças a ações dos órgãos governamentais estaduais tomadas na década passada.
João Möller
Geólogo – Porto Alegre

Conheci melhor os textos de Paulo Germano nas férias do David Coimbra. Parabéns pelo excelente trabalho e parabéns a ZH por ter mais um colaborador de gabarito em seu plantel. O que ele escreve diverte e faz pensar, o que torna a leitura agradável e produtiva.
Luís Sérgio Mirapalheta Lucas
Microempresário – Porto Alegre

 

Foto do leitor

29 de janeiro de 2016 0

imageedit__7805326007

Susete Driemeyer Schaffer enviou uma foto do Rio Taquari, em Roca Sales

Comentários

29 de janeiro de 2016 0

ATENDIMENTO
De última categoria o atendimento do
1º Juizado de Violência Doméstica e Familiar no Foro Central de Porto Alegre. Ao acusado são dados voz e ouvido sem interrupção e com interesse, enquanto que à vítima não é dispensada a devida consideração na oitiva. E a Delegacia da Mulher não possui celeridade e arquiva processos sem justificativa à vítima. O atendimento especializado à mulher é uma farsa!
Zélia Guichard
Empresária – Porto Alegre

LULA
“Cansei de viajar o mundo falando mal do Brasil. A gente nem sabia, mas a gente ia citando números. Se o cara perguntasse a fonte, a gente não tinha, mas a gente ia citando números.” “Nós ganhamos as eleições com um discurso, e depois das eleições nós tivemos que mudar o nosso discurso e fazer aquilo que nós dissemos que não íamos fazer.” São frases de autoria do ex-
presidente Lula, que agora diz: “Não tem, neste país, uma viva alma mais honesta do que eu”. Com o cerco se fechando, talvez ele tenha querido dizer que sempre foi um cara bem-intencionado e que, quando era presidente do Brasil, apesar de ter deixado, ele não sabia que o país estava sendo assaltado, mas não foi ele.
Luís Fernando Spolaor
Cirurgião-dentista – Porto Alegre

ANTIDESPERDÍCIO
Moro em Porto Alegre há décadas e observo que há uma considerável quantidade de postes de iluminação pública com a luz ligada mesmo durante o dia, consumo exagerado de eletricidade nestes tempos bicudos. Proponho que seja criado, visando ao interesse da população, um conselho municipal de gestão antidesperdício, para, com os principais representantes das associação de bairros, priorizar políticas de controle social mais coerentes e evitar o desperdício de insumos. Temos condições de fazer uma agenda mais positiva para buscar um padrão de vida mais condizente.
Hélder P. Mayer
Produtor cultural – Porto Alegre

Sobre ZH

29 de janeiro de 2016 0

Zero Hora aborda o relatório do TCE sobre a área da Educação no Estado (Editorial ZH, 16/01). É para enaltecer iniciativas que busquem melhorar pontos que contribuem negativamente para a qualidade do ensino. Mas uma avaliação não pode ser feita sem um estudo da realidade. Estatísticas nem sempre espelham a realidade. Dizer que temos
8,1 mil professores em desvio de função sem que sejam apontadas as causas é usar números para confundir a opinião pública. Quem vive a realidade de uma escola pública sabe os porquês de os professores estarem numa portaria, numa biblioteca, numa secretaria, num apoio financeiro etc. Um jornalista que se propõe a expor esse tema deve buscar subsídios nas escolas. Se tivessem feito isso, veriam que o Estado não tem reposto funcionários de escolas.
Francisco Santomé
Professor – São Leopoldo

No meu entender, há comentários em ZH que são fracos, inconsistentes e sem valor. Mas existem uns valiosos, lógicos e pedagógicos, como o comentário de Eugênio Cechin (ZH, 16/01) sobre “populismo”, tema do agrado de David Coimbra, que o critica com assiduidade, sem, porém, defini-lo com precisão. Nunca vi David Coimbra combater a gigantesca desigualdade social imperante no Brasil. Será que, para esse jornalista, a bolsa família é populismo e o auxílio-moradia dos marajás é privilégio necessário para quem ganha de R$ 20 mil a R$ 30 mil por mês?
Carol Majewski
Advogado – Porto Alegre

Em “Erros e acertos da Lava-Jato” (ZH, 19/01), Miguel Tedesco Wedy desenvolve um sofisma (ou falso dilema), ao propor que o juiz Moro tenha uma conduta inconstitucional, ao passo que o procurador-geral Janot encontre-se agindo em conformidade com a Constituição Federal. Penso que essa comparação não é juridicamente adequada, já que são funções e atividades diferentes e não há possibilidade de que Moro atue em contrariedade à Constituição, pois não atua de ofício e suas decisões estão constantemente submetidas ao controle do STF.
Carlos Alberto de Oliveira
Advogado – Porto Alegre

A pseudomatéria sobre Jair Bolsonaro (ZH, 27/01) é um exemplo de mau jornalismo. Em vez de pesquisar as posições do deputado, o repórter Paulo Germano preferiu desfiar um rosário de preconceitos. Os jornalistas abandonaram a objetividade. E assim seguimos rumo ao abismo. Com matérias rasteiras e defesa do indefensável com Moisés Mendes e odes ao PT, Verissimo e relativismo esquerdista, Potter e a visão maniqueísta e agora o sr. Germano e a sina do mau jornalismo, ZH me desaponta. Ao optar pelo sensacionalismo em detrimento da objetividade, seus jornalistas desvirtuam o sentido de seus canudos de jornalismo e deveriam, para o bem da profissão, devolvê-los, por não honrarem um chamado tão importante. Corrupção mata, mas mau jornalismo deforma o caráter.
Claudinei Maciel
Autônomo – Novo Hamburgo

Instigante, como sempre, o texto de David Coimbra de 21/01! O título “Queremos repressão!” impele à surpreendente conclusão de que precisamos de mais repressão. Só a repressão (aos infratores) garante o cumprimento do pacto social, que parece funcionar nos EUA e é pouco eficaz no Brasil.
Antonio Garavello Júnior
Administrador – Porto Alegre

Fiquei contente ao ler a matéria sobre esperanto no Almanaque Gaúcho (ZH, 26/01)! É um apoio na divulgação da língua. O texto apresenta bem vários aspectos, a história e o momento do movimento em POA. Gostei das noções básicas e exemplos de palavras. Muita gente tem curiosidade em saber como a língua realmente é, e a simplicidade foi uma das características que me atraíram para o esperanto.
Marco Aurélio Roncatti
Presidente da Associação Gaúcha de Esperanto – Porto Alegre

Foto do leitor

28 de janeiro de 2016 0

 

Arquivo pessoal

Cíntia Fabiana de Oliveira Jesuíno enviou uma foto das dunas em Cidreira

Comentários

28 de janeiro de 2016 0

Leia as manifestações de leitores publicadas em Zero Hora nesta quinta-feira.

CÓDIGOS DE CONDUTA
Talvez a Lava-Jato pareça a solução para os problemas do país, mas sua ação revela só a ponta de um iceberg de todos os códigos de conduta. Quero alertar que, se não houver uma profunda reforma nos códigos que orientam nossas condutas, a Lava-Jato vai ficar apenas como exemplo de arroubo de alguns justiceiros indignados com a corrupção endêmica instaurada, não pelo PT, mas por todos os partidos.
Tenho certeza de que nenhum congressista na atualidade vai querer terminar com a “Imunidade Parlamentar”. Ou seria “Impunidade Parlamentar” para crimes comuns? Quando vamos ter leis que punam exemplarmente agentes do Executivo, Legislativo e Judiciário? Fica difícil mudar a conduta de um povo quando a própria lei que a governa é imoral.
Mario Roberto Dal Zot Flôres
Eng. mecânico e segurança do trabalho – Santa Rosa

Sobre ZH

28 de janeiro de 2016 0

Parabéns a Zero Hora pela cobertura da vinda do deputado federal Jair Bolsonaro a Porto Alegre, pois está bem de acordo com o alinhamento editorial deste bravo veículo. Ignoraram, solenemente, sua aclamação ao chegar na segunda-feira e alinharam-se à provocação dos LGBTs, que se intrometeram no evento na Assembleia Legislativa, o que resultou em vias de fato. Era o que queriam e agradou a ZH, que destacou, com enorme foto, na capa da edição deste 27/01. Não sou advogado de Bolsonaro, mas, se ser contra o ensino de homossexualismo a crianças, por material didático pago com dinheiro dos impostos, é ser homofóbico, então também sou. Gostaria de vê-lo eleito presidente da República, para testemunhar ZH e RBS alinhados às ideias dele, pois é tradição deste veículo ser a favor do governo.
Bertrand Dia Kolecza
Jornalista – Porto Alegre

Parabéns ao Moisés Mendes. Seu propósito é combater a hipocrisia dos honestos de ocasião, das vestais da moralidade de conveniência. Continue!
Odilon Vianna
Médico – Santa Maria

Excelente abordagem sobre a tragédia de Santa Maria (ZH, 24/01). Principalmente o artigo de Flávio Tavares, que disse tudo o que deveria ser dito e revelou até o incêndio na CMPC (antiga Borregaard), que continua a ameaçar nossos pulmões. Mas não entendi por que colocar na capa o estádio de Erechim. Não havia foto mais interessante e menos boba?
Carlos Frederico Schmitz
Engenheiro civil – São Sebastião do Caí

Fiquei feliz em ler em ZH de 25/01 que foi construído um monumento na Capital em homenagem ao Batalhão Suez. Muitos foram os pracinhas gaúchos que integraram as Forças de Paz da ONU enfrentando a distância, a saudade, a solidão do deserto e o perigo da fronteira beligerante entre Israel e Egito. Nossos bravos boinas azuis foram laureados com o Prêmio Nobel da Paz em 1988. Muitos estão felizes com a homenagem que o povo da Capital presta aos heroicos pracinhas que um dia cumpriram a nobre missão da busca pela paz dedicando um monumento aos nossos peacekeepers.
Claudio Roberto Morgental
Administrador – Santa Maria

Foto do leitor

27 de janeiro de 2016 0

 

Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

 

Iara Tonidandel cuidou de um ninho de beija-flor no jardim de sua casa em Garopaba (SC) por três semanas e registrou um dos primeiros voos de um dos filhotes