Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Comentários de leitores publicados nesta quarta-feira - 22/10/2014

22 de outubro de 2014 0

Comentários de leitores publicados na edição impressa desta quarta-feira – 22/10/2014

SOBRE ZH

Comentário sobre a reportagem “Paisagem abandonada”, publicada domingo.

Quero cumprimentar as repórteres Jaqueline Sordi e Lara Ely e o fotógrafo Tadeu Vilani
pelo belo trabalho.
Que o assunto é importante e que o Arroio Dilúvio é quase um símbolo histórico de Porto Alegre, não se pode negar. A chamada que vocês fazem, isto sim, atrai toda a atenção para um tema tão central para nossa cidade e para a qualidade de vida de todos.
O texto e as fotos dão esperança de vida ao Arroio Dilúvio. Parabéns!
Romualdo Romanowski
Médico – Porto Alegre

Comentário sobre a coluna “Tem a bênção, meu filho!”, de Fabrício Carpinejar, publicada ontem.
A crônica de Fabrício Carpinejar foi de uma felicidade ímpar. É de conhecimento de todos
os profissionais que trabalham com orientação profissional e de carreira o quanto a falta de apoio dos pais na escolha profissional dos filhos interfere negativamente em todo o percurso, desde a escolha profissional e o preparo para
o vestibular, até a entrada e manutenção no mercado de trabalho, passando pelo altíssimo índice de evasão universitária.
Como presidente da Associação Brasileira de Orientação Profissional (Abop), compartilhei o texto com outros colegas para que escolas de
todo o Brasil possam alcançá-lo aos pais.
Rosane Schotgues Levenfus
Psicóloga – Porto Alegre

Comentários sobre a coluna “A volta da censura”, de Moisés Mendes, publicada ontem.
Moisés Mendes reclama de que ao TSE não cabe decidir sobre a propaganda partidária, referindo que o órgão proibiu que se faça exposição de detalhes considerados comprometedores da trajetória dos oponentes.
Concordo com o TSE: chega de baixaria, vamos nos ater a questões propositivas, que até agora não foram apresentadas.
Dilson Osvaldo Flores Nunes
Militar – Porto Alegre

A coluna do Moisés Mendes foi de uma lucidez que demonstra a sua personalidade, com um tema dentro da nossa atualidade.
As mazelas eram todas remetidas para a época da ditadura, e hoje causa espanto e temor as medidas adotadas pelo Superior Tribunal Eleitoral restringindo a liberdade de expressão. Não sei a que candidato é dado o benefício do silêncio sobre o seu mandato e suas atitudes dentro ou fora da política.
Luiz Alberto Nöer
Militar – Tramandaí

 

SEGURANÇA

Que tranquilidade, que segurança pode sentir o cidadão comum, pai de família, quando um ladrão de carro é preso pela 14ª vez depois de atropelar, com um carro roubado, três servidores da Polícia Rodoviária Federal? Ou quando um estuprador preso em flagrante é libertado dias depois porque não tem antecedentes criminais?
Que Justiça é essa que não faz justiça?
Carlos Alberto Boa Nova Andrade
Funcionário público – Porto Alegre

Comentários e fotos do leitor da edição desta segunda-feira

20 de outubro de 2014 0

Veja o que foi publicado na página do Leitor de ZH nesta segunda-feira:

 

Foto do leitor:

Propusemos um desafio no Instagram: fotografar reflexos de objetos ou paisagens. Seja de uma poça d’água ou dos vidros dos prédios da Capital, nossos leitores fizeram belos cliques. Veja alguns e participe compartilhando a sua foto com a tag:

 

reflexo@apbigatti

@apbigatti

 

reflexo@ordobas

 

@ordobas

 

reflexo_ageu_kehrwald

 

@ageu_kehrwald

 

Comentário:

Novas formas de violar a convivência pacífica tornam o cotidiano do brasileiro uma gincana.
Uma das violações mais banais tem sido o bloqueio de estradas. Ninguém tem o direito de impedir o direito de ir e vir, de fechar uma estrada.
O direito de ir e vir é supremo, pétreo e fundamental entre os direitos constitucionais fundamentais. Há regras na própria Constituição para as manifestações. Que sejam elas cumpridas, inclusive em favor dos direitos sociais. Basta!
Telmo Silveira 
Advogado – Porto Alegre

 

Sobre ZH:

Sobre a matéria da Operação Lava-Jato, “Linha-
dura e reservado” (página 20 de 19/10). Penso que qualificar o juiz Sérgio Moro como “linha-dura” talvez seja equivocado. Juiz não deve ser complacente nem duro. Juiz deve ser justo.
Benedito Felipe Rauen Filho
Aposentado – Porto Alegre

Leitor-repórter: árvore em bom estado é removida em bairro tradicional de Porto Alegre

17 de outubro de 2014 0

árvore grande e alta

Com mais de 30 anos de existência, uma falsa seringueira de aproximadamente 15 metros localizada na Rua Cabral, em frente ao Edifício Condomínio Michelangelo começou a ser removida desde 09 de outubro. Segundo o publicitário Jorge Rolla, morador do bairro Rio Branco há 40 anos, a árvore não oferecia qualquer risco aos moradores e passava por podas periódicas. “A planta está 100% viva, leva sombra aos moradores e purifica o ar poluído da região. Por que retirá-la”, questiona Sérgio.
Esta espécie exótica é comumente encontrada em praças, parques e calçadas da Capital, todavia suas raízes e seu grande porte causam inúmeros conflitos com redes, tubulações, pavimentação e estruturas de edificações.
A direita, árvores altas. A esquerda, árvore cortada com prédio ao fundo
O que diz a Secretaria Municipal do Meio Ambiente:
Segundo a assessoria da SMAM, a remoção da falsa seringueira (Ficus elástica) foi solicitada pelo Condomínio Michelangelo através do Fala Porto Alegre. Em vistoria, constatou-se que o vegetal ocupa em torno de 70% do passeio, adentrando a via e dificultando o trânsito de pedestres. O sistema radicular avançou para as redes de esgotos pluvial e sanitário do condomínio, causando entupimentos recorrentes. A SMAM informa que o condomínio terá que fazer uma compensação ambiental a ser definida em breve, pois a autorização para a remoção do vegetal está vinculada ao comprometimento do condomínio de abrir espaço no próprio passeio para o plantio de novas mudas nativas, que se adequem ao local.

Leitores registram alagamentos no RS

17 de outubro de 2014 0

Lucas Cabeda na Rua Francisco Trein, na Vila Ipiranga.

image

Douglas Clementel registrou a Avenida Carlos Barbosa embaixo d’água.

image

Denise Fontela registrou o alagamento no bairro Nova Gleba, em Porto Alegre.

Leitor Diedison Carlos de Souza enviou imagem dos alagamentos em Porto Alegre rua São Salvador acesso da Avenida Sertório. #temporalRS

Diedison Carlos de Souza enviou imagem dos alagamentos em Porto Alegre rua São Salvador acesso da Avenida Sertório.

DIEDISON

Daniela Alves registrou o alagamento na Rua Gramado, esquina com a Avenida Otto Niemeyer.

foto 2

Claiton Pacheco Machado registrou o Granizo em Rosário do Sul

10698636_718585171544372_8219619696890273312_n

 

Envie sua participação pelo Whatsapp da Redação: (51) 9667-4125 ou pelo link: http://zhora.co/1h7wAvl

Comentários da página do leitor desta sexta-feira (17/10/2014)

16 de outubro de 2014 0

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Comenta-se nas redes sociais a decisão de magistrado por soltar um dos homens que estuprou uma jovem em Porto Alegre.
Não quero questionar o embasamento jurídico tomado pelo magistrado, pois se o fez, foi estribado na lei, na jurisprudência e na sua consciência.
Via de regra, a violência de gênero é subnotificada, pois as vítimas muitas vezes não procuram denunciar as agressões sofridas, por medo de que sua palavra seja desacreditada.
Essa vítima não teve seu espaço de fala possibilitado, porque, desacordada, foi levada ao hospital para ser atendida, visto as lesões que apresentava após ter sido agredida para que se submetesse à prática sexual.
Porém, contou com a ajuda de um anjo bom que procurou a polícia, ao ver a situação que ela sofria. Um morador de rua, drogadicto e cuidador de animais, que também poderia ter tido sua fala desacreditada, mas que não teve receio de fazer o que era justo e certo.
Tal sensibilidade ao sofrer da vítima foi desacreditada pelo sistema, que, diante do fato, não levou em conta o que ela havia passado, ainda mais se tratando o estupro de um crime hediondo, conforme a Lei n.º 8072/90.
Pena que a experiência vivida pela vítima não será um fato isolado na vida dela. Isso irá acompanhá-la como um fantasma, pelo resto da existência.
Sonho com o dia em que a violência contra a mulher seja uma exceção, e não a regra.
Claudia Cristina Santos da Rocha Crusius
Delegada de Polícia – Passo Fundo

SOBRE ZH

Faz muito bem Zero Hora ao divulgar o nome dos magistrados que estão abrindo mão do auxílio-moradia (coluna Política+, de Rosane de Oliveira, de 14/10). Atitudes como essa só podem vir de pessoas que realmente têm consciência da enorme disparidade salarial existente em nosso país, e, mais ainda, ao renunciar ao benefício dão um belo exemplo de caráter e integridade, que deveria ser seguido por todos. Parabéns a Zero Hora e aos magistrados como o Carlos Roberto Caníbal.

Aida Lena Fiorin
Professora aposentada – Jaguari

Ao colunista Mário Corso (página 6 de 16/10), quero informá-lo de que já estamos acostumados com “tema atrasado” tanto de nossos alunos como de nossos governantes.
Iaramar Fernandes
Professora – Bagé

Missão Instagram: #ReflexosZH

15 de outubro de 2014 0

Nesta missão, propomos um pequeno desafio para os instagrammers: registrar objetos e paisagens através dos reflexos. Pode ser de uma poça d’água, dos óculos de sol ou em um vidro. O importante é usar a imaginação e brincar com os reflexos.
Abaixo, a leitora do perfil @suzanahartz conseguiu um belo registro na Redenção.

Use a tag #reflexoszh e compartilhe no Instagram:

suzanahartz


 

Comentários da página do leitor desta quinta-feira

15 de outubro de 2014 0

DEBATE

Um debate em cada canal de TV só é bom para a emissora que vende os comerciais. Fora isso, são enfadonhos e cansativos. Chega uma hora em que não tem mais o que ser debatido ou questionado.
Assis Vieira
Jornalista – Montenegro

Às vésperas do segundo turno das eleições, o calor dos debates entre os candidatos aos cargos majoritários do país esquenta à semelhança da temperatura neste quase verão.
Esperemos que o eleitorado brasileiro
tenha a inteligência de acerto na escolha entre os melhores, para que possamos enfrentar os grandes desafios que nos esperam nos dias futuros.
JOSÉ DE ANCHIETA NOBRE DE ALMEIDA
Advogado – Rio de Janeiro (RJ)

Agora ficou mais fácil para o eleitor escolher seus candidatos. Após a enxurrada de números e nomes no primeiro turno, a disputa restringiu-se a dois nomes para a Presidência do país e outros dois para o governo do Estado.
As opções em menor número permitem uma análise mais detalhada do perfil de cada candidato e comparações entre as trajetórias na vida pública e as propostas para governarem nos próximos quatro anos.
Os debates serão mais fáceis de acompanhar e os candidatos devem apresentar uma discussão entre projetos e propostas, com intensa comparação entre os modos de governar de cada partido que se apresenta para a disputa.
Paulo Franquilin
Tenente da Brigada Militar – Porto Alegre
HORÁRIO POLÍTICO
Na minha opinião, os candidatos aos cargos políticos deveriam ter no máximo três minutos cada um para fazerem suas campanhas. Isso seria apenas para falarem seus nomes e números, pois estão usando mais de 90% do tempo para falarem mal um do outro.
Sergio Luiz Andreis
Metalúrgico – Caxias do sul

SOBRE ZH

Sobre a reportagem de Humberto Trezzi: “A rotina de luta contra a morte na emergência do Hospital Cristo Redentor”
publicada em 17/05.

Vou me formar em Enfermagem em janeiro e agradeço por reportagens como esta, pois mostram a luta do serviços de saúde pela vida e a doação que os profissionais precisam fazer para manter a cabeça no lugar e realizar todos os procedimentos.
Meu último estágio está sendo realizado na unidade de cuidados paliativos do Hospital de Clínicas e ali estou aprendendo a ver a morte confortável como uma vitória para os profissionais. Somos treinados a tratar e curar, somos acostumados a ver a morte como uma derrota. Mas essa não é a verdade. Por mais que estudemos e estejamos preparados, a morte bate à porta.
Melissa Schüler Güenter
Estudante – Porto Alegre

Comentários da página do leitor desta terça-feira (14/10/2014)

13 de outubro de 2014 0

Reportagem de ZH do dia 13/10 sobre o início da demolição do Presídio Central de Porto Alegre. Veja em:

Zero Hora publica “Uma vergonha mais perto do fim”. Não estou me posicionando contra a destruição do Central, vejo como um momento “eleitoreiro”. Mas gostaria que essa indignação se transferisse para as nossas escolas estaduais que estão se deteriorando. É nelas que surgem as nossas esperanças com alunos mais dedicados e professores estimulados por receberem salas de aulas mais dignas. Estamos investindo naqueles que justificaram estar onde merecem.
Luiz Alberto Nöer
Militar – Tramandaí

Sobre artigo da psicanalista Ana Laura Giongo: “O que que a porquinha tem?”, sobre o personagem infantil Peppa Pig, publicada em 11/10.
Que texto maravilhoso! É por aí mesmo. Retrata bem o que Piaget fala da infância. A história de um modelo de família e
seu cotidiano é o que prende a atenção, meus filhos adoram as historinhas e até eu paro para ver…
É interessante que a autora cita a paciência da mãe Pig, pois já me cobrei muitas vezes essa paciência que ela expõe. Valeu!
Beta Lemos
HORÁRIO DE VERÃO
Uma semana antes das eleições, começa mais uma temporada do chamado horário de verão, tortura injustificada que é imposta pelo governo sob pretenso argumento de economizar a eletricidade gasta na iluminação doméstica. Há diversas maneiras realmente eficientes para a racionalização do gasto de energia elétrica que, entretanto, não são levadas em consideração.
Roldão Simas Filho
Químico aposentado – Brasília (DF)

Foto do Leitor: Por aí...

10 de outubro de 2014 0

10897244-Solange Campello.jpg-10_10_2014-16.16.01

Solange Campello fotografou a gata intrigada ao ver a mariposa, que voou logo depois do clique.

10897237-Eduardo Alex Soares.jpg-10_10_2014-16.15.40

O Arroio Dilúvio em preto e branco pelas lentes do leitor Eduardo Alex Soares.

10897243-Seleção.jpeg-10_10_2014-16.16.00

Júlia Ruaro Tomazi registrou um momento de céu alaranjado em Caxias do Sul.

Comentários da página do leitor de ZH deste sábado (11/10/2014)

10 de outubro de 2014 0

EBOLA
Primeiro caso suspeito de ebola no Brasil: o paciente vem da Guiné, entra no Brasil
sem qualquer dificuldade (mesmo sendo a Guiné um país foco da epidemia), circula livremente e interage, após a manifestação dos sintomas, com mais de 60 pessoas.
Eu me pergunto: não seria melhor um controle
mais efetivo nas fronteiras (sobretudo portos
e aeroportos)?
Creio que é preciso uma revisão urgente dos procedimentos de prevenção. Se uma pessoa estiver infectada e puder infectar mais 60 pessoas, a epidemia estará totalmente fora de controle… Ainda mais no Brasil, um país sem infraestrutura para atender a esse tipo de demanda.
Juli C. Borsa

O mundo em que vivemos convive, mais uma vez, com o pânico de uma epidemia que mata sem dó nem piedade gente inocente. O ebola, nascido na África, já chegou à Europa e aos EUA e vai com certeza desembarcar em solo brasileiro.
Espera-se sempre que o governo pense, planeje e execute medidas preventivas para evitar que a doença entre por nossos portos, aeroportos e estradas completamente mal vigiadas e desprotegidas. Acontece que o governo nunca faz isso, muito menos em época eleitoral, quando as preocupações são deles e não nossas.
No Paraná, o primeiro caso suspeito, num hospital de Cascavel, acende a luz amarela.
Rafael Moia Filho
Escritor – Bauru (SP)
APOSENTADORIA
Esperamos, todos, que o STF saiba como dar às pessoas os seus direitos, eis que continuaram trabalhando e contribuindo para o INSS, que não sejam bondosos e rápidos apenas com seus próprios ganhos e acabem com a enrolação. Afinal, o instituto foi criado para seus contribuintes, sendo desvirtuado para atender a vários programas sociais que beneficiaram os não contribuintes. Logicamente, esse dinheiro todo foi retirado de alguém, não é?
Teresinha Winter
Funcionária pública – São Sebastião do Caí