Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Comentários da página do leitor dessa terça-feira (17/02)

17 de fevereiro de 2015 0

CARNAVAL
Se nos mobilizássemos pelo país e pela política da mesma forma que o fazemos pelo Carnaval, o Brasil não viveria essa pandemia de corrupção. É claro que não podemos ignorar a cultura e o momento de dar uma pausa antes do ano começar, mas onde estão os engajados politicamente? Estão nas redes sociais ou assistindo a Cinquenta Tons de Cinza? E os políticos? Devem estar pulando Carnaval atrás de novos votos.​
Clei Moraes
Analista político – Porto Alegre

JULGAMENTO
O PT ainda hoje diz que o mensalão não existiu, mas encontrou um juiz, com “J” maiúsculo, que disse o contrário e colocou os responsáveis na cadeia. Agora, novamente vem com a história de que no caso da Petrobras tudo é boato, tudo é golpismo. Torço para que o julgamento desse caso encontre outro juiz que saiba se afastar de ideologias e partidarismo.
Harri Marmitt
Aposentado – Arroio do Sal

ESTRUTURA DA CAPITAL
Nossa querida Porto Alegre está em decadência rapidamente progressiva. As ruas estão cada vez mais esburacadas, ocasionando danos aos nossos carros e trazendo riscos de acidentes. As calçadas estão em péssimo estado, o que nos obriga a observar com atenção onde pisamos para não cairmos e nos lesionarmos. Em 2014, Zero Hora noticiou o óbito de um senhor atropelado por um ônibus, após queda devido a uma tampa de bueiro mal colocada. Agora, árvores estão sendo podadas e os galhos ficam, durante semanas, depositados sobre as calçadas, obstruindo-as. Além disso, os carros são estacionados sobre as calçadas, ocupando toda a largura das mesmas e obrigando o pedestre a desviar pelo meio da rua.
Regis Ary Mossmann
Médico – Porto Alegre

ORIENTAÇÃO?
Mais uma: o ministro da Justiça dá instruções aos advogados dos réus da Lava-Jato. Aonde vamos chegar? Que país é este?
Lúcia Tostes Mottin
Dentista – Porto Alegre

 

ZH NAS REDES
Zero Hora compartilhou, em sua página no Facebook, a matéria “Sem a debandada de passageiros dos últimos 21 anos, tarifa do ônibus seria de R$ 1,90”, sobre a queda do índice de passageiros por quilômetro rodado em Porto Alegre. Confira alguns comentários:

Não é debandada, é física pura. Não cabem mais passageiros nos ônibus.
Plínio Velozo Chaves
Porto Alegre

Reflexo das facilidades de financiamento para aquisição de carros e do serviço público precário e com preço elevado!
Filipe Goularte
Porto Alegre

É só oferecer um serviço decente que o povo volta e ainda paga “com gosto”.
Karina Schafran Volquind
Porto Alegre

 

SOBRE ZH
Moisés Mendes, no artigo “O juiz Moro” (ZH, página 42, 13/2), deseja que o juiz federal Sérgio Moro, que investiga a Operação Lava-Jato, cate “laranjas graúdas”. O perigo é ele ir ao laranjal e encontrar alguma “dilma”; digo, lima perdida pelo chão. Mas “graça” mesmo ele vai sentir se encontrar uma “lula” comendo laranjas por lá.
Paulo Antônio Tietê da Silva
Aposentado – Porto Alegre

Zero Hora vem exercendo rígido controle sobre o Executivo estadual, visando apontar as distorções estruturais que o levam a parte dos problemas financeiros que apresenta. No entanto, não podemos nos esquecer da mesma categoria de problemas estruturais encontrados nos outros poderes. Chamo atenção para o Judiciário, que não fica atrás quando o assunto for privilégios para a categoria (que esta chama de direitos). Aposentadoria sem suporte atuarial, aposentadoria precoce e férias adicionais são alguns exemplos.
Mario Guilherme Sebben
Empresário – Caxias do Sul

Missão Instagram: #CarnavalZH

16 de fevereiro de 2015 0

Desfilando com a escola de samba, curtindo com a família ou na folia do Rio de Janeiro: nossos leitores compartilharam registros de como estão aproveitando o feriado de Carnaval.

 

zeolavojr

@zeolavojr

ricardopxt

@ricardopxt

fethiesen

@fethiesen

 

Comentários da página do leitor nessa segunda-feira (16/2)

16 de fevereiro de 2015 0

Confira os comentários publicados na edição impressa dessa segunda-feira:

CRISE ECONÔMICA
A crise, seja estrutural ou conjuntural, é sempre fonte geradora de alternativas. Explicação natural: a inteligência do ser humano conduz a idealização e implantação de solução. Há uma restrição, porém, que deve ser considerada e vale para a área privada e pública. Se quem a gerou fora o administrador, dois caminhos se apresentam: renúncia, ato de grandeza e não de covardia, ou solucionar sem criar dificuldades aos sócios, em sendo empresa privada, ou à população, se ente público.
Quem erra, por atitudes ou por omissão, sai ou corrige sem impor sacrifício àqueles que lhe colocaram como gestor. Precisamos refletir!
Jorge Lisbôa Goelzer
Advogado – Erechim

CORRUPÇÃO
Que a energia elétrica iria sofrer um caos era previsível, graças à incompetência do governo atual, mas aumentar o preço da gasolina para cobrir o rombo de corrupção e propinas é, no mínimo, ultrajante. Considero o aumento como sendo um crime lesa-pátria. A Petrobras é nossa, é minha, e eu não sou conivente com estas transgressões. Portanto, cadeia imediata para todos os envolvidos e o dinheiro de volta aos cofres públicos.
Manfred Reitz
Aposentado – Caxias do Sul

SOBRE ZH
No tempo das redes sociais, em que tudo pode na escrita, vale a pena ter uma coluna como a de Claudio Moreno (“Janta”, ZH, página 28, 14/2) mais vezes na Zero Hora. É importante para lembrarmos palavras esquecidas e suas conjugações, e também aprendermos palavras abolidas das escritas e substituídas por abreviaturas da internet. Parabéns por mais essa iniciativa.
Rejane Wagner
Psicóloga – Porto Alegre

Sobre o texto “Perguntas que precisam ser feitas”, de Rosane de Oliveira, publicado na página Política+ da edição de sábado. Leia em http://zhora.co/rosaneperguntas
Concordo plenamente com a colunista e diria que isso é o mínimo que um governo sério e competente teria que fazer. Volto a lhe agradecer pelo esforço que faz para que tenhamos um futuro melhor.
Delcio Tonin
Empresário – Erechim

Parabéns por abordar um assunto que poucos têm coragem. Se estamos em uma democracia, que ela seja exercida em sua integralidade. Se vale para alguns, tem que valer para todos. Se não adotarem uma medida séria, o Estado vai falir.
Rogério da Silva
Dentista – Roca Sales

Fotos do leitor (14/2)

15 de fevereiro de 2015 0

GUIDO EDMUNDO CALLEGARI_2

Guido Edmundo Callegari registrou os  socós na beira da praia de Garopaba (SC).

00aace0c

Isabel Caroline Zanatta Pedon fotografou as conchas no amanhecer da praia de Tramandaí.

caio thedy

Caio Thedy fez sua versão do clássico cenário do pôr do sol no Gasômetro, na Capital.

Comentários da página do leitor desse sábado (14/02)

15 de fevereiro de 2015 0

Veja os comentários publicados na edição impressa de sábado:

ESTRADAS
Muitas pessoas que não gostam de Carnaval certamente irão viajar nestes dias de folia, mas uma coisa me preocupa quando pego a estrada com minha família: as péssimas condições das rodovias gaúchas. Antes de projetar um passeio, precisamos analisar as reais condições das rodovias por onde iremos trafegar.

Por exemplo: o trajeto entre São Sepé e Santa Maria está praticamente intransitável, principalmente à noite. Com o fechamento de inúmeros postos de pesagem, os caminhões transitam com cargas acima do permitido, deteriorando o já precário asfalto que ainda restava. Combinado com a desativação dos pedágios, as rodovias, no geral, estão praticamente abandonadas. Fica um alerta para quem pegar a estrada neste feriadão: se possível, viaje de dia e evite as estradas à noite.
Decio José Gossler
Funcionário público – São Sepé

CUSTO DA ENERGIA
Parece ironia a notícia do aumento estratosférico da energia elétrica. Em um país de eleitores que continuam a reeleger governos demagogos e perversos, até que se entende esse tipo de conduta. Mas, para pessoas minimamente esclarecidas, é intolerável. Quando a presidente anunciou, cheia de ufanismo, em rede nacional de rádio e televisão, que iríamos ter uma redução de 18%, foi em alto e bom som. Ainda disse que somos um dos poucos países do mundo com redução de juros, com energia abundante e barata e com condições de ampliar ainda mais a produção a curto prazo. Fez isso mesmo consciente de que era uma bravata, pois, como ex-ministra de Minas e Energia, tinha todas as informações sobre a irrealidade de suas afirmações. Agora, vai encarecer para recuperar o sucateamento do sistema.
Paulo Clóvis Stein Garcia
Aposentado – Porto Alegre

SOBRE ZH

Sobre o artigo da prezada petista Miriam Marroni (“O PT está vivo”, ZH, página 43, 13/2), entendo que, se o PT está vivo, o Brasil estará morto. Em um dos parágrafos, creio ser mais correto afirmar que: “…o legado do PT é reconhecido, tendo o presidente mais desinteressado e/ou despreocupado com corrupção da história do Brasil”.
Pedro Bocchese
Contador – Tramandaí

Sensacional, inteligente e lúcida a coluna de David Coimbra sobre a adoção de crianças (ZH, página 47, 12/2). O que importa é a atenção, o carinho e a educação que a criança receberá. Onde está escrito que o amor só pode ser dado a uma criança por um homem e uma mulher?
Virgínia M. Cassell
Socióloga – Porto Alegre

Comentários da página do leitor nessa sexta-feira (13/02)

13 de fevereiro de 2015 0

HELICÓPTERO
É um absurdo esse jogo de empurra ocasionado pelo governo que usa um helicóptero para ir a uma feijoada. Enquanto isso, uma criança ficou à mercê do descaso com a saúde da população. A atitude séria e responsável de uma médica, que cumpriu à risca o juramento feito, fez a diferença.
Carlos Augusto Gómez Nunes
Comissário de polícia – Tramandaí

Os “antigovernistas” do Estado reclamam da retirada do serviço aeromédico como se a população em massa não estivesse ficando com sequelas pela demora no atendimento do SUS, federal. Como está tudo ruim, o certo é eleger prioridades que beneficiem o maior número de pessoas.
Roselia Liege da Silveira
Funcionária pública – Porto Alegre

ROUBO DE VEÍCULOS
A notícia de que 19 carros por dia são roubados ou furtados em Porto Alegre decepciona quem paga tributos para o governo propiciar segurança. Pior, porque é fácil obter drástica redução nesse número, bastando à polícia e aos fiscais da Fazenda atuar junto às lojas que vendem peças usadas.
Adelino Soares
Advogado – Porto Alegre

ACIDENTE COM CICLISTA
Apesar de ser lamentável a tragédia com o ciclista Joel, não podemos nos esquecer das dezenas de acidentes similares que ocorrem ao longo do ano em todo o país com gente que vai para o trabalho de bicicleta, calçando havaianas e sem capacete, e cuja repercussão é apenas a de uma nota nas páginas policiais. Mereceriam também um passeio ciclístico de protesto com a mesma repercussão, mas a nossa “sociedade organizada e culta” não trata da mesma forma seus “iguais”.
Maurício Luís Fontana
Funcionário público – Pelotas

SOBRE ZH
Cada vez mais, eu gosto de ler as crônicas do David Coimbra. São realmente primorosas pelas suas posições firmes e corajosas (legalização das drogas, adoção de filhos pelos casais homossexuais) e pelo seu estilo leve e gostoso de ler. Zero Hora não poderia ter feito nada melhor do que colocar esse jornalista na página pela qual eu sempre começo a ler o jornal. Parabéns!
Lúbia Scliar Zilberknop
Aposentada – Xangri-lá

Sobre o artigo “O Brasil não é lixo”, de Paulo Germano, publicado na edição de ontem.
Leia em http://zhora.co/obrasilnaoelixo
Estávamos precisando bastante de um artigo como esse. Poucos são os países do mundo que tiveram o nosso crescimento e, ainda, abertura para a convivência com povos das mais diversas origens. Meus cumprimentos.
Waldir Alves Ramos
Engenheiro civil – Porto Alegre

O pior cego é aquele que não quer ver. Um país que não respeita o direito à mobilidade, onde a corrupção campeia solta, onde o Judiciário não funciona e a violência é monstruosa, onde promessas de campanha são esquecidas e o jeitinho brasileiro impera, ora, somos safados, sim. Atribuir à falta de educação e ética, porque somos jovens na democracia, parece-me um raciocínio muito simplório. Ao ler o artigo, lembrei-me da personagem “a velhinha de Taubaté”, de L. F. Verissimo.
Marcelo Cabral de Azambuja
Advogado – Porto Alegre

Excelente o artigo. Precisamos resgatar nossa autoestima. Nas redes sociais e na mídia, há uma generalização absurda dos escândalos da Petrobras e uma tentativa de provar que o PT inventou a corrupção. Belo texto, Paulo.
João Carlos Stona Heberle
Médico – Porto Alegre

ZH e você: Entrega dedicada

12 de fevereiro de 2015 0

ZARA E ZH_2

 

Os assinantes João Felipe Blos e Fabiana Jachetti, de Novo Hamburgo, recebem as edições de sábado e domingo de maneira especial.

Zara, uma pastora belga malinois, sempre busca o jornal e o entrega para seus donos.
– O jornal é jogado por cima do muro e ela vai buscar para nos entregar. Minha esposa foi quem conseguiu fotografar o momento – conta João.

Comentários da página do leitor dessa quinta-feira (12/02)

12 de fevereiro de 2015 0

Veja os comentários publicados nessa quinta-feira:

CONTRATO DE PROFESSORES
A Secretaria Estadual da Educação, através de sua assessoria de comunicação, encaminhou esclarecimento sobre o comentário da professora Eloísa Menezes Pereira, publicado na página do leitor de terça-feira. Segue:
A leitora afirmou neste espaço que “nosso atual governador faturou muitos descontentamentos” ao liberar professores que obtiveram contratos em 2011. Esclarecemos que nenhum contrato emergencial foi rescindido desde o início do governo Sartori. As cerca de 700 dispensas que a professora Eloísa menciona foram feitas na última quinzena de dezembro, ainda na gestão de Tarso Genro. Atualmente, a Secretaria da Educação está verificando com as coordenadorias regionais qual a atual demanda de professores. A prioridade será a nomeação dos aprovados em concurso, porém, nas disciplinas em que não há banco de aprovados suficiente, serão realizados contratos emergenciais.

FIM DO CONFORTO
O governo criou, tempos atrás, incentivos, como isenção de IPI e ICMS, mancomunado com as indústrias, para que os consumidores adquirissem produtos eletrodomésticos da linha branca, a fim de incrementar as vendas desses produtos, gerando, logicamente, apesar das isenções, caixa para o erário federal. Agora, na contramão desse projeto, que, em tese, beneficiaria uma grande camada da população, o governo autoriza um órgão oficial (Aneel) a aumentar em no mínimo dois dígitos percentuais o valor da energia elétrica, frustrando milhões de pessoas que se veem obrigadas a desligar seus bens de consumo e tendo de abrir mão do merecido conforto. No entanto, certamente os políticos não se furtam de compartilhar desse conforto com seus familiares.
RUI FISCHER
Aposentado – Taquara

ECONOMIA
Mexer no resgate de vidas e fazer economia com toalhas não vai resolver os problemas do nosso Estado. Cortar, por tempo indeterminado, carros para deputados, secretários e pessoas de alto escalão que têm hoje essa mordomia poderia colaborar, já que são pessoas com altos salários e mais abastadas financeiramente. Dessa forma, sim, teríamos uma grande economia. Com o tempo, surgirão novas e novas ideias, basta termos a coragem de implementar.
LUIZ EDMUNDO MAGGI
Aposentado – Porto Alegre

CARNAVAL DE RUA
A droga corre solta no Carnaval de rua. Passa de mão em mão. É triste ver nossos jovens envolvidos com drogas. O Carnaval de rua perde a graça quando se torna local para consumo de drogas e bebida alcoólica. Parece que estão lá para isso e não para sambar ao som da música.
VERA LÚCIA DA SILVA MORAES
Aposentada – Porto Alegre

SOBRE ZH

Sobre o artigo da jornalista Letícia Duarte (“Somos todos corruptos”, página 20, 10/2), lembro que a repercussão de um ato praticado por um cidadão “comum” é bem diferente da de um ato praticado por um representante da sociedade. Quem se dispõe a ocupar um cargo público assume esse ônus. Óbvio que ninguém é santo e sempre vale lembrar Thomas Hobbes, que disse que “o homem é o lobo do homem”, mas vale lembrar, também, que o ser humano é sugestionável por natureza e tende a seguir os exemplos mais próximos.
Assumir que somos todos corruptos, por praticarmos alguma vez na vida algum ato imoral ou até ilegal, comparando-nos a esses usurpadores do dinheiro público, que desviam recursos que poderiam ser usados, por exemplo, na saúde ou na educação, poderia banalizar ainda mais a corrupção, como ela mesma citou, tão disseminada na nossa sociedade.
Moises Maciel
Empresário – Gravataí

Excelente a coluna de Moisés Mendes da edição dominical (“Tempos sem escrúpulos”, ZH, página 46, 8/2). Muita lucidez e sinceridade em suas palavras. Recomendo a leitura. Parabéns.
Claudionor de Lima Dian
Leiloeiro – Vacaria

 

Comentários da página do leitor dessa quarta-feira (11/02)

11 de fevereiro de 2015 0

Veja os comentários publicados na página do leitor de ZH impressa:
CRISE DA PETROBRAS
Quer dizer, então, que a presidente vai se interpor no caminho daqueles que querem “destruir” a Petrobras e que, segundo ela e o ex-presidente Lula, estão criando os fatos com a intenção de obter ganhos políticos? Não sabiam e não sabem de nada, e os que revelam as falcatruas, que eles tinham a obrigação de conhecer, são antipatriotas que querem destruir, repito, a nossa maior empresa? Essas afirmações é que estão levando o povo a abrir os olhos e ver melhor a nossa triste realidade, coisa que se reflete na baixa significativa dos índices de aprovação do governo.
Décio Antônio Damin
Médico – Porto Alegre

IPTU
Meu neto de cinco anos perguntou: para que serve o IPTU? Vi a dificuldade de responder uma pergunta que a nós parece tão simples.
IPTU: imposto que pagamos para as prefeituras das cidades em troca de serviços e benfeitorias. Parece simples, mas não é. Que benfeitorias e que serviços? A praia de Capão Novo foi planejada e construída pelo Grupo Capão Novo. Não existe esgoto, já que as casas possuem sumidores; para o recolhimento do lixo é paga uma taxa, e a água que consumimos é paga. A lâmpada a mercúrio, colocada em nossa rua, compramos e pagamos para que a CEEE instalasse. A capina da rua é feita pelos moradores e as ruas estão esburacadas.
Conforme fomos informados, o aumento no imposto, que no meu caso é de 50%, se deve à reavaliação dos imóveis. Mas onde está o retorno do nosso tributo? Volta a pergunta: para que serve o IPTU? O Lucas vai ficar sem resposta.
Miriam Moura
Aposentada – Novo Hamburgo

CICLOVIAS
Induzir pessoas a utilizarem bicicletas como meio de transporte urbano é assumir uma responsabilidade séria em relação à vida dessas pessoas. Construir ciclovias achando que essas vias são seguras para ciclistas e não alertá-los para o fato de que há evidências científicas mostrando justamente o contrário, é mais sério ainda.
João Luiz couto anzanello
Médico – Porto Alegre

SOBRE ZH

Sensacional o artigo “Somos todos corruptos”, de Letícia Duarte (ZH, página 20, 10/2). Enquanto muitos (inclusive alguns colunistas de ZH) tentam explicar o inexplicável, dizendo que a corrupção é muito mais antiga do que a praticada atualmente, por que não olhamos no espelho e nos perguntamos o que faríamos se tivéssemos a oportunidade ou a facilidade de nos darmos bem em um negócio lucrativo mediante liberação de propina? Será que nunca nos aproveitamos em alguma situação, como as citadas no artigo, para conseguir algum tipo de benesse que não conseguiria por vias normais? Garanto que a maioria se sentiria envergonhada se fosse honesta.
Nolí Dalberto Schudikin
Representante comercial – Santo Ângelo

“Tri legal” a crônica de David Coimbra publicada ontem (ZH, página 39). As crônicas dele eu leio sorrindo. Que inteligência fantástica. Toda felicidade do mundo para esse vivente mui amado.
Maria Lurdes Derenji
Aposentada – Canoas

Comentários sobre o conteúdo da página Política+, de Rosane de Oliveira, de ontem:
A coluna de ontem foi competente, lúcida e inteligente, como sempre. Ela, Martha Medeiros e David Coimbra, na minha avaliação, são os melhores colunistas de Zero Hora. Esta frase do texto diz tudo: “Se os petistas querem ajudar a presidente Dilma Rousseff a sair da crise que corroeu sua popularidade, a primeira coisa a fazer é parar de justificar seus erros com os argumentos de que os outros também fizeram. Ou que os outros fizeram pior e não foram investigados”. Acrescento, ainda, parar de culpar a mídia ou dizer, como Lula disse, que tudo não passa de boato. Pode?
Edson Aracy Meneses Ferreira
Contador – Porto Alegre

Sobre os escândalos na Petrobras: perfeito. É hora de parar de choramingar, arregaçar as mangas e trabalhar. Foi para isso que Dilma foi eleita. E sobre “De helicóptero é mais rápido”: são todos farinha do mesmo saco. Mas o pior é que foi a maioria do povo gaúcho que o elegeu.
Gilberto Barbosa Brigoni Júnior
Comerciante – Porto Alegre

Comentários da página do leitor dessa terça-feira (10/02)

10 de fevereiro de 2015 0

Veja os comentários dos leitores publicados na edição impressa de ZH:

EXPLICAÇÕES
O povo gostaria e tem o direito de saber o que dizem (e, principalmente, o que fazem) os ministros responsáveis pelo fornecimento de energia elétrica e água sobre o caos que estamos vivendo. Além de pagar uma exorbitância, temos que sofrer pela incompetência de políticos ocupando cargos que exigem a qualificação técnica que eles não têm. Teremos que esperar até que essa área vire outra Petrobras?
NINA ENGEL
Aposentada – Porto Alegre

PROFESSORES ESTADUAIS
Ao liberar professores que obtiveram contratos em 2011, nosso atual governador faturou muitos descontentamentos, desilusões e arrependimentos. Que desequilíbrio, pois abriram inscrições para novos contratos. Então, por que as liberações se, com certeza, teriam que preencher essas lacunas? Os professores continuam escravos da vocação e na esperança de transformar a escola que temos na que almejamos.
ELOÍSA MENEZES PEREIRA
Professora – Porto Alegre

MEDO NO PODER
Concordo com o comentário de Fernanda Zylberztein Rapoport (ZH, página 4, 07/2) e vou além: nosso Poder Legislativo nada faz porque todos temem ser investigados por suas falcatruas. Quem precisa de uma Justiça ou de um Legislativo que age apenas em causa própria?
NERI FREITAS FERREIRA
Comissário de polícia – Entre-Ijuís

COMPARAÇÃO
Impressionante como não se gosta de comparar Fernando Collor com a presidente Dilma Rousseff. Claro que ele foi um ladrão, homem sem escrúpulos, mas o prejuízo causado não chega nem perto da roubalheira de agora. Ou seja, por muito menos, Collor foi destituído da Presidência da República. E agora? Será que Dilma
realmente não sabe nada da roubalheira? Imagino que quem a defende veementemente tem uma fonte sigilosa, quem sabe, no próprio Planalto.
KELLI PEDROSO
Escritora – Porto Alegre

SOBRE ZH
Pertinente a colocação de David Coimbra na coluna da edição de ontem (“O Inter na Segunda Divisão”, ZH, página 39) sobre a importância de as regras serem respeitadas. Ao usar esse argumento, David sustenta que um presidente eleito legitimamente só pode ser destituído pela força da lei. Um governo que mostrou um país de ficção durante a campanha eleitoral e vinculado a um partido que está sendo investigado por receber R$ 200 milhões ilicitamente pode ser considerado como eleito legitimamente? Houve paridade na disputa eleitoral? O produto “entregue” corresponde ao promovido?
RICARDO SIMM COSTA
Administrador – Porto Alegre