Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Comentários

23 de junho de 2016 0

FORÇA DO POVO
No dia em que o povo souber a força que tem, nunca mais elege um político corrupto. Acho isso difícil de acontecer, porque a maioria fica de braços cruzados esperando que algum milagre aconteça e assim apareça um político verdadeiramente honesto. Pobres almas, se elas soubessem que o milagre está entre elas esperando por ser chamado e assim entrar na história como o líder que veio do povo para servir o povo e não ser refém do poder. Mal sabem elas que essa pessoa é cada cidadão bem-intencionado que quer mudança na política brasileira, e isso está em nós (povo), a mesma plateia que assiste abismada ao que acontece na política brasileira. Logo nós, tão rebeldes por um país melhor, digno e justo com todos.
João Rafael Mari Mafalda
Auxiliar administrativo – Palmeira das Missões

PARTIDOS POLÍTICOS
Partidos políticos ameaçam de expulsão seus membros na Câmara e no Senado caso não votem de acordo com as lideranças. Acho isso um absurdo, visto que nós, os brasileiros, votamos nos nomes com que mais simpatizamos e que suas propostas venham ao encontro de nossas convicções. Isso feito, não posso concordar que, depois de tudo, eles fiquem atrelados ao que suas lideranças determinarem. Onde fica a população? Por que votar então? Nosso voto não tem representatividade junto ao eleito? Pelo meu entender, o eleito tem direito de votar como quiser. Onde anda o Tribunal Eleitoral? Dormindo? Não tem força, não tem lei? Como fica essa situação? Quero respostas.
Orlando Taubner Guimarães
Aposentado – Torres

SAÚDE
Ou o governo do Estado presta auxílio imediato (dinheiro), ou as pessoas que dependem do SUS correm sério risco de morrer. Isso não é sensacionalismo. É realidade. Todos os dias, hospitais estão restringindo ou suspendendo atendimentos. O pior é que o governo não repassa valores devidos e ainda exige cumprimento de contratos por parte dos hospitais. A saúde está agonizando.
João Pedro Cunha Calçada
Médico – Cruz Alta

Sobre ZH

23 de junho de 2016 0

Bacana a carta de Samara Bruck (ZH, 14/6). Os direitos às avessas, com muito estardalhaço, estão preponderando em ocupações diversas ou manifestações tranca-ruas, fazendo parecer que é o desejo da maioria, que nem sequer tem tempo ou oportunidade de se manifestar. Cadê os deveres dessas criaturas? Já que não se flagram, cabe à Justiça fazê-los tomar tento.
Roselia Liege da Silveira
Funcionária pública – Porto Alegre

Enquanto o país passa por um furacão de assuntos que afetam todos os brasileiros, o brilhante colunista David Coimbra, em um faniquito de saudosismo, usa sua página em dois dias (ZH, 21/6 e ZH, 22/6) para tecer elogios ao Dr. Alceu Collares, figurinha carimbada do Rio Grande do Sul, ajudou a falir o Estado. Não fico perplexo se o colunista escrever uma minissérie em horário nobre sobre a vida do menino pobre de Bagé.
Jorge Besckow
Representante comercial – Porto Alegre

Martha Medeiros escreveu uma bela crônica (ZH, 22/6). Precisamos de simplicidade e nada de desperdícios. Para isso, precisamos de menos Estado e mais iniciativa privada. O governo só deve ficar com saúde, segurança e educação. Pode-se ver que, onde há política, não interessa o partido,
há corrupção! Espero que o Brasil saia dessa crise e aprenda a lição e, por favor, deixe a livre iniciativa produzir e daremos a volta por cima, basta ver o setor da agropecuária.
Jorge Luiz Bledow
Engenheiro civil – Porto Alegre

Intrigante a foto que mostra estudantes com o braço esquerdo erguido e punhos cerrados (ZH, 22/6). Seriam eles os novos representantes de Dirceu e Genoino? Espero estar errado, mas será que estão lá para estudar e escolher uma profissão que produza algo de útil? Lamentável para o Brasil.
Roberto Santos
Administrador de empresas – Caxias do Sul

Foto do leitor

22 de junho de 2016 0
Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

O pôr do sol no bairro São Pelegrino, em Caxias do Sul, é o tema da foto da leitora Priscila Pedrotti

Comentários

22 de junho de 2016 0

PROPINAS
A roubalheira continua. É o pobre que paga. Pobre do pobre! Os canalhas não têm pena nem do pobre! A delação chegou aos graúdos. Há pressão sobre a Lava-Jato: querem o retorno da prisão para após o último recurso, possibilitando a posterior prescrição, o que é a mesma coisa que impunidade. É esta certeza que os leva a roubar adoidadamente. Mais delatores estão na fila, e delatores que sabem muito, por isso o medo e as articulações para contornar a situação. Gostaríamos que este país fosse mais transparente e tivesse menos roubalheira.
Harri Marmitt
Aposentado – Passo Fundo

SELEÇÃO BRASILEIRA
Tite, os brasileiros estão ansiosos por mudanças. Por que não aproveitar e fazer uma Seleção somente com jogadores que atuam no Brasil? Só no RS, tem meia dúzia com alta qualificação.
Valdir Artur von Mühlen
Advogado – Porto Alegre
DÍVIDA DO RS
A negociação da dívida do RS com o governo federal é uma ajuda que possibilitará vir à superfície e respirar por curto prazo. O Estado continuará ingovernável nos próximos governos. É o legado de Britto, do PMDB, e do seu secretário da Fazenda, que assinaram a renegociação da dívida com cláusulas leoninas.
João Guilherme da Cunha Filho
Aposentado – Porto Alegre

CANSAÇO
Senadores Gleisi, Vanessa, Fátima e Lindberg, apoiados por Cardozo, numa tentativa vã de provar que crime não existiu nas pedaladas e decretos de créditos, repetem os argumentos inconsistentes não aceitos desde o início. Qual é o objetivo? Querem o impensável retorno de Dilma? Ou estão jogando para a torcida? Perdem credibilidade, pois todos estão vendo a fragilidade e o objetivo de procrastinar.
Décio Antônio Damin
Médico – Porto Alegre

Comentários

21 de junho de 2016 0

SEGURANÇA
Em decorrência da situação caótica da segurança pública no Estado, especialmente em Porto Alegre, peço ao senhor governador, que sabemos todos tratar-se de um bom homem, que convoque imediatamente um gabinete de crise da segurança. Mexa-se, senhor governador. Até quando vamos chorar nossos conterrâneos? É chegada a hora de dar um basta nessa barbárie. Quem consolará essas famílias ante tamanha selvageria? Precisamos, a sociedade de bem, de uma resposta imediata do governador. Estamos todos amedrontados, mas prontos para a reação. O senhor tem essa obrigação com todos os gaúchos e porto-alegrenses. Essa atitude terá o respaldo de todos.
Clovis Bellardo
Aposentado – Porto Alegre

DELAÇÕES
Mesmo provocando a demissão de três ministros, Temer classificou a delação de Machado como criminosa e mentirosa. Em outra ocasião, enquanto Ana Amélia Lemos defendia a inclusão da delação de Delcídio no processo contra Dilma, Aécio, citado na mesma, afirmava que era mentira. Nesse baile de máscaras, a música mais tocada é A fantasia de palhaço.
Lauro Aloisio Junges
Músico – Taquara

APOSENTADORIA
O governo insiste em mudar as regras da aposentadoria. A reforma deveria partir do próprio governo, que permite aposentadorias milionárias a setores do serviço público. Sabemos que os gargalos por onde sangram as finanças públicas passam por favorecimentos e penduricalhos que são concedidos a poucos. Querem aumentar o tempo de serviço e de contribuição do assalariado que mal recebe para suprir as necessidades, porém, os intocáveis continuam a usufruir de vantagens e regalias. O mesmo político que prega reformas é o que tem alta aposentadoria integral garantida. Chega de hipocrisia. É preciso uma reforma previdenciária urgente, mas que atinja a todos!
Vera Lia Bozzetto Pieta
Professora – Porto Alegre

POLÍTICOS
A maioria dos políticos enganadores é servil para poder sobreviver. Isso é degradante.
É impressionante como o servilismo é doença no meio político, uma prática nefasta. A adulação também é traço da personalidade dessas sombras da política. Precisamos de um ideal político e não eleger mediocratas que reinam em politiquice, populismo e assistencialismo.
Dorvalino Furtado Filho
Médico veterinário – Florianópolis (SC)

Sobre ZH

21 de junho de 2016 0

Talvez seja mais fácil a Paulo Germano encontrar critérios de razoabilidade para o episódio descrito no texto “A razão e o Dr. Fritz” (ZH, 11 e 12/6) se tirar Deus da história. Buscando explicações, o colunista confessa que uma de suas maiores inquietações é sobre a existência ou não de Deus, assim como de qualquer fenômeno sobrenatural. A presumível cura, operada por um espírito através de um médium, cabe em critérios de razão humana. Basta aceitarmos o princípio de que sobrevivemos à morte física. Se sobrevivemos, é natural que guardemos valores humanos como amor e ódio, egoísmo e solidariedade, disposição ou não para nos ajudarmos mutuamente. A dicotomia entre o sagrado e o profano, o sobrenatural e o natural, criação arbitrária das religiões, é responsável por esse fosso, aparentemente intransponível, entre razão divina e razão humana.
Milton R. Medran Moreira
Advogado e diretor do Centro Cultural Espírita de Porto Alegre

Sobre ZH

20 de junho de 2016 0

A jornalista Mônica Leal publicou talvez o seu artigo mais importante (ZH, 17/6). A crise na segurança pública é alarmante. Nem dentro de nossas casas estamos seguros e ninguém faz nada, só criam novos impostos e leis que beneficiam o poder. Precisamos de leis mais rigorosas e acabar com a impunidade neste país. ZH, faça uma pesquisa de opinião pública sobre esses assuntos, não se cale, pressione os governantes, e com certeza toda a população honesta apoiará. Parabéns, Mônica Leal, pelo brilhante artigo.
José Airton Almeida Muñoz
Aposentado – Alegrete

Comentários

20 de junho de 2016 0

Democracia
A liberdade pode tornar-se a maior inimiga da democracia. Especialmente quando pessoas ou grupos se consideram no direito de desrespeitar as leis, pensando que podem fazer o que bem entendem, como invasões e bloqueios da via pública. E, pior, com o consentimento de equivocados direitos humanos, de um acovardamento das autoridades e de uma Justiça preocupada mais com o bem-estar dos criminosos, sob a égide da impunidade. A história mostra as consequências depois da baderna instalada: nazismo, fascismo ou comunismo.
Isacc Sprinz
Médico – Porto Alegre

Desarmamento
Até quando nossos governantes e legisladores vão manter em vigência essa equivocada lei do desarmamento? Quantas vidas de inocentes mais precisarão ser ceifadas pelos bandidos para essa lei ser revogada? Duvido que os marginais continuem audaciosos e matando se todos os cidadãos pudessem portar armas de fogo. Já fui, também, um ingênuo e ardoroso defensor do desarmamento.
Wanderley da Silva Plucani
Aposentado – Porto Alegre

Corrupção
Parece que o cleptocrata Cunha vai entregar a cleptocracia que se instalou em Brasília. Se as coisas continuarem como estão, em breve até poderão mudar o nome do nosso país para Cleptorrepública Federativa do Brasil – CFB.
Ivo Beuter
Médico aposentado – Panambi

Futuro do Brasil
Seguindo as denúncias de envolvimento com a corrupção, não sobrará um só líder em condições de dirigir o Brasil. Havendo indiciamento e prisão de todos, a única saída será voltarmos à monarquia, aproveitando para introduzir o sistema parlamentarista de governo.
Getúlio Dorneles Fernandes da Silva
Administrador – Porto Alegre

ZH e você

18 de junho de 2016 0
Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

Zero Hora para aquecer

Em um posto de combustíveis de Eldorado do Sul, a cadela Lilica encontrou um lugar para se proteger do frio. Enquanto o jornaleiro organizava os exemplares de ZH, a vira-lata buscou abrigo no meio dos jornais.
“A Lilica foi abandonada e cuidamos dela no posto, damos ração e água. Ela fica livre e aparece aqui mais durante a noite. Alguns clientes já a conhecem”, conta o frentista Alexandre Antunes.

Sobre ZH

18 de junho de 2016 0

Ao contrário do Sr. Jorge Barcellos (ZH, 15/6), entendo que Paulo Vellinho (ZH, 13/6) não defende só o capitalismo. Defende a universidade como propulsora de desenvolvimento e bem-estar para todos os cidadãos, principalmente para os que querem empreender, atualizar-
se, e não exclusivamente para aqueles que veem no Estado um meio de atingir o próprio bem-estar sem que a sociedade possa lhe cobrar contrapartidas.
Jaime Hartmann
Engenheiro – Imbé

Gosto de ler as crônicas do articulista/escritor e formador de opinião Flávio Tavares em Zero Hora pelo seguinte e singelo motivo: apesar de ter sido preso e torturado durante o regime militar, juntamente com alguns precursores e amigos do PT, ele escreve colunas com absoluta isenção, sem demonstrar nenhum ranço político ensandecido e/ou enraivecido, típico de petistas. Portanto, e por esse motivo, quero enaltecer o nobre articulista dominical de ZH, pessoa centrada e uma boa cabeça. Cabeça esta que normalmente, e pelos motivos expostos, poderia – e com razão – estar “desrecalcando” a cada coluna escrita por ele.
Rui Fischer
Aposentado – Taquara