Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de dezembro 2011

Inter vai de Miranda?

30 de dezembro de 2011 32


O Inter deverá definir na próxima semana as contratações do novo zagueiro e do lateral-esquerdo Douglas, do Goiás. Ainda que a direção negue, Miranda pode ser repatriado. O ex-zagueiro do São Paulo está na reserva do Atlético de Madrid. O que pode facilitar a transação é a dificuldade financeira do clube espanhol. O Atlético tem contratado diversos jogadores, mas não vem cumprindo com os pagamentos aos vendedores.


Inter enviará time de olheiros à Copa São Paulo

30 de dezembro de 2011 6


O Inter terá um time de 10 olheiros analisando a gurizada dos mais diversos clubes na Copa São Paulo de Juniores, que terá início nessa terça-feira. Nomes serão anotados e, dependendo da viabilidade de possíveis negócios, reforços serão contratados para a base. No Grupo G, na cidade de Leme, o Inter enfrentará Lemense, Confiança e Santo André. A estreia, na terça-feira, será diante dos sergipanos do Confiança.


Glaydson e Matias na listinha de empréstimos

29 de dezembro de 2011 11


O início da temporada 2012 também marcará os empréstimos de alguns jogadores a outros clubes brasileiros. Wilson Mathias e Glaydson encabeçam a listinha de cessões. O meia-atacante Marquinhos deverá ser emprestado por um ano ao Sport. O atacante Lucas Roggia ainda será reavaliado. Pode ser mantido no grupo a pedido de Dorival Júnior.



Inter começa a enxugar a folha

29 de dezembro de 2011 5


A saída de Andrezinho, para o Botafogo, e a possível transferência de Bolívar, para o Flamengo, fazem parte da nova política de redução salarial do Inter. A folha, superior a R$ 6 milhões mensais, poderá ser enxugada em pelo menos R$ 800 mil com as vendas e empréstimos. De 2010 para 2011, o clube teve o seu faturamento diminuído de R$ 206 milhões para R$ 191 milhões – aos R$ 175 milhões foram acrescentados mais R$ 16 milhões, após o pedido de suplementação orçamentária feito pela direção e aprovada pelo Conselho.


Fernandão alerta: "O Once Caldas é o grande risco do semestre"

29 de dezembro de 2011 8


Fernando Lúcio da Costa, diretor técnico do Inter, mal pôde curtir as curtas férias em família, na Flórida. Levaria os filhos à Disney. O trabalho acabou transformando a viagem aos EUA em um pequeno passeio. Em Miami ocorreu a liberação de Dagoberto em janeiro, após um encontro casual de Fernandão com Milton Cruz, espécie de gerente de futebol informal do São Paulo. A contratação de um zagueiro e as reuniões para a projeção de 2012 têm tomado o tempo do capitão do Mundial de 2006. Dirigentes não tiram férias. Sobretudo quando há uma perigosa pré-Libertadores logo ali à frente. O seu iPhone recebe mais de 50 telefonemas diários. Mais da metade são de empresários oferecendo jogadores. A maioria dos nomes são anotados e guardados para futuras investidas. Na terça-feira, esteve reunido com Dorival Júnior, em Florianópolis, onde o treinador tem residência. A temporada toma corpo. Fernandão só pensa no Once Caldas, o mata-mata que definirá boa parte do ano. “O Once Caldas é o grande risco do semestre”, diz o diretor. Confira os principais trechos da entrevista de Fernandão a ZH.
Zero Hora _ Você tornou-se dirigente há menos de seis meses. Já está acostumado à função?
Fernandão _ Estou muito feliz com o trabalho e, principalmente, em um clube que amo. Tem sido um aprendizado diário. Sempre tive boa relação com o mercado, sei lidar com as pessoas, e quase sempre cuidei pessoalmente das minhas negociações. O principal nestes primeiros meses foi ganhar o respeito do vestiário. Não queria chegar fazendo mudanças e ser visto como “o inventor”. Agora, me sinto mais confortável.
ZH _ Você é o executivo do futebol. Como toma as suas decisões?
Fernandão _ Sempre em colegiado. Quando era o capitão do time, chamava o Ceará, que era o líder dos evangélicos, o Edinho, que tinha muita moral com a molecada, Iarley e Clemer. Nos reuníamos e tomávamos as decisões. Aqui, tenho feito assim também. Converso com Élio Carravetta (coordenador de preparação física), André Döring (auxiliar técnico), Flávio Soares (preparador físico) e com o Adriano Loss (responsável pela logística). Na base, quero formar o colegiado com Jorge Macedo (diretor das categorias de base) e com o Ortiz (responsável pela formação de jogadores). Tenho minhas convicções, mas não tomo decisões sozinho.
ZH _ O que falta para fechar o grupo de 2012?
Fernandão _ Dois ou três jogadores (um zagueiro, que poderá ser Henrique, do Palmeiras, ou Manoel, do Atlético-PR, e o lateral-direito Douglas, do Goiás, que será reserva de Nei). Temos um grupo excelente para a temporada. Confio demais em nossos jogadores. Gente que sei que renderá, como Jô e Ilsinho, por exemplo. Tenho convicção que o nosso time precisa jogar tudo o ano todo. Foi assim em 2006, quando vencemos Libertadores e Mundial, mas o time principal também atuou no Gauchão e no Brasileirão. Jogador tem que jogar.
ZH _ Com Dagoberto, o Inter mudará a sua maneira de jogar? Será um time mais ofensivo?
Fernandão _ O Dorival é um cara ofensivista. Teremos um time mais ofensivo, mas com compactação defensiva e que tenha condições de marcar o adversário lá em cima, desde a saída de bola. Porque Libertadores não se ganha marcando 10 gols em uma partida.
ZH _ Mas é possível “compactar a defesa” quando se projeta um meio-campo leve, com Guiñazu, Tinga, Oscar e D’Alessandro?
Fernandão _ Mas também teremos volantes como Bolatti, Elton e Josimar (que estava emprestado à Ponte Preta) para compensar, para pegar mais pesado no setor. O segredo da compactação está nos volantes. O Sandro (ex-volante do Inter, vendido ao Tottenham) surgiu da necessidade. Vejo o Elton assim. Oscar pode ser um terceiro jogador de meio-campo, pode recompor, como o Alex fazia no Inter.
ZH _ O que você já sabe do Once Caldas?
Fernandão _ Ainda não tive tempo para analisar o relatório do Maurício Dulac (o espião do Inter, que assistiu à final do Campeonato Colombiano. Sei que eles têm atacantes perigosos e que voltarão aos treinos no dia 9 de janeiro.
ZH _ O Inter voltará antes, dia 4, isto é uma vantagem?
Fernandão _ Não. Voltaremos aos treinos após 30 dias de férias. Eles, depois de 18 dias. E isto faz diferença. Em 10 dias, eles estarão em um patamar físico bem superior ao nosso. Nós sairemos do zero para uma condição física razoável apenas. O Once Caldas é o grande risco do nosso primeiro semestre. Se não passarmos por eles, restará apenas o Gauchão.
ZH _ Como ocorreu com o Corinthians eliminado na pré-Libertadores de 2011 pelo Tolima (também colombiano).
Fernandão _ E o Corinthians é o nosso melhor exemplo. É como dizem: “o burro não aprende, o inteligente aprende com os próprios erros, e o sábio aprende com os erros dos outros”. Precisaremos encaminhar a vaga no jogo de ida, no dia 25 de janeiro, no Beira-Rio. Por isso ainda estamos pensando como utilizar os titulares no começo do Gauchão (a tendência é estrear com o time principal, no dia 18, e depois, preservar a equipe para o mata-mata com o Once Caldas).
ZH _ Tens jogado bola?
Fernandão _ Não jogo há sete meses, o púbis ainda dói. Tenho jogado tênis. Só para brincar.



Sport quer promessa do Inter

28 de dezembro de 2011 4


Pelo menos três atletas do time sub-23 (ex-Inter B) integrarão o grupo de Dorival Júnior para 2012: Alisson, goleiro e irmão de Muriel, Sasha, meia-atacante, e Dellatorre, atacante, que já esteve na equipe principal em 2011. O atacante Fred também poderá ser aproveitado ao longo do primeiro semestre.
Já o meia Marquinhos, uma das promessas da base e que até agora não conseguiu se firmar no elenco profissional, poderá ser emprestado ao Sport. Os pernambucanos já contrataram por empréstimo ao Inter o volante Milton Júnior.


Tinga na reserva

28 de dezembro de 2011 22

Em nome de um maior peso defensivo para a disputa da Libertadores (ou da pré-Libertadores porque primeiro o Inter precisa passar pelo perigoso Onde Caldas), o meio-campo do  Inter deverá ter dois volantes mais marcadores, como Guiñazu e Elton, por exemplo. A ideia é contar com uma equipe de forte poderio de marcação. Não que Tinga não marque, mas Elton tem maior vitalidade para o trabalho. Além disso, um meio-campo com Guiñazu, Tinga, Oscar e D’Alessandro é considerado leve demais para encarar os parrudos colombianos.  Josimar, que estava emprestado à Ponte Preta, e Bolatti completarão a turma de volantes colorados no grupo.

Gre-Nal no Futsal

27 de dezembro de 2011 38

Gre-Nal à vista também no futsal. Após a decisão do Inter em reativar a equipe, agora bancada por empresas, o Grêmio pode seguir o mesmo caminho. Devido às peculiaridades do mercado gaúcho, é mais fácil para os colorados conseguirem os patrocinadores para a equipe se negociarem junto com os gremistas. A ideia foi levada ao Olímpico e foi bem recebida. As duas equipes disputariam a Série Ouro e a Liga Futsal. Segundo análise do Inter, para montar um time de futsal em condições de título é necessária uma folha salarial de pelo menos R$ 150 mil mensais.

Zaga será Moledo e mais um

27 de dezembro de 2011 5


A ordem no Beira-Rio é fechar o time para a Libertadores antes da virada do ano. Por isto, nessa semana a direção acelera a contratação de zagueiros.
Dois. Porque as saídas de Bolívar e de Juan já são dadas como certas. O clube busca um parceiro para Rodrigo Moledo. O multicampeão Índio será reserva.
No perfil desejado, as seguintes exigências: experiência, liderança, ter pelo menos 1m88cm de altura e imposição física. Henrique, jogador do Barcelona e que está emprestado ao Palmeiras, Manoel, do Atlético-PR, e Réver, ex-Grêmio e que está no Atlético-MG, foram descartados pelos dirigentes. Estrangeiros também estão fora dos planos no momento.
- Precisamos de mais um zagueiro para jogar a Libertadores. Buscamos mais um jogador que imponha respeito ao adversário – disse o vice de futebol Luís Anápio Gomes.
Apesar de tratar da contratação de dois atletas, o Inter poderá fechar com apenas um. O segundo, para a reserva, poderá ser Ronaldo Alves, que estava emprestado ao Náutico e já negociava a renovação com os pernambucanos para mais uma temporada, mas será reavaliado por Dorival Júnior.
Além de Rodrigo Moledo e Índio, o Inter conta apenas com Dalton e Romário para o setor. Daí, a necessidade de reforços. Bolívar deverá ser negociado ao Flamengo. É um pedido do técnico Wanderley Luxemburgo. E Juan, que teve os direitos econômicos vendidos ao empresário Giuliano Bertolucci, deverá ser colocado no mercado europeu na virada do ano. Na prática, o Inter já não conta mais com eles.


Pompilio Páez, técnico do OC: "Gostamos de atacar o tempo todo"

24 de dezembro de 2011 2

Pompilio Páez (foto), 52 anos, tem um sonho para 2012: jogar a Libertadores. Para isto, o técnico do Once Caldas precisará eliminar o Inter, no mata-mata dos dias 25 de janeiro e 1° de fevereiro. Mesmo perdendo o Torneo Finalización do Campeonato Colombiano para o Junior Barranquilla, o treinador renovou contrato com a equipe de Manizales. Já no primeiro dia de férias, perdeu três titulares e ganhou um reforço. Saíram os volantes Mejía e Calle mais o zagueiro e capitão do time, Henríquez. Todos foram para o Nacional, de Medellín. Rivas, meia-atacante, que estava no Boyacá Chicó, foi contratado. Páez espera mais três contratações: dois volantes e zagueiro. Era o auxiliar do técnico Carlos Osório, na Libertadores de 2011, quando a equipe eliminou o Cruzeiro e caiu para o Santos. Ontem, Páez conversou com ZH por telefone. Confira a entrevista:

Zero Hora _ Que repercussão teve a perda do campeonato, em casa, para o Junior?
Pompilio Páez _ Houve grande tristeza. Perdemos o campeonato porque erramos demais em Barranquilla, sofremos a virada, e perdemos por 3 a 2. Mas passou, já começamos a trabalhar para 2012. Os jogadores saíram em férias e voltarão no dia 9 de janeiro. Estamos pensando no Inter.
ZH _ E o que o senhor conhece do Inter?
Páez _ Pouco, mas sei que D’Alessandro é o maestro do time e que trata-se de uma equipe com rápida transição para o ataque. Jogamos contra Cruzeiro e Santos em 2011, conhecemos bem como atuam os brasileiros, que têm dominado o futebol no continente. Nossa chance de compensar a derrota no campeonato nacional será eliminando o Inter.
ZH _ O Inter enviou um espião para acompanhar o Once Caldas na final.
Páez _ Verdade? Não sabia. Bom, creio que isto representa respeito ao adversário. Certamente o Inter viu quão ofensivos nós somos. Gostamos de atacar o tempo todo e, mesmo que o Inter já nos conheça, não mudaremos nosso jogo.
ZH _ E a defesa da sua equipe, costuma ficar desprotegida com tanta ofensividade?
Páez _ É um fato. Atuamos no esquema 4-2-1-3 ou no 3-4-3, o time é muito ofensivo, mas muitas vezes a nossa defesa fica vulnerável.
ZH _ Como será a preparação do Once Caldas para enfrentar o Inter?
Páez _ Voltaremos a treinar no dia 10 de janeiro. Não faremos amistosos até jogar contra o Inter, no dia 25, apenas treinos físicos e táticos. Os jogadores terminaram a temporada cansados, precisam deste repouso.
ZH _ Decidir a pré-Libertadores em Manizales é uma vantagem?
Páez _ Sem dúvida. Ainda que não tenha sido assim contra o Junior (risos). Vamos a Porto Alegre para não perder o jogo. Precisamos de alguma vantagem no Brasil para a decisão em casa.
ZH _ O Once Caldas já encaminhou reforços para 2012?
Páez _ Apenas Rivas, um jogador da seleção colombiana e que já passou pelo clube, em 2006. Pedi mais três atletas com experiência, preciso de dois volantes e um zagueiro, porque o Inter é favorito contra a nossa equipe. A Libertadores é muito importante para a Colômbia e, sobretudo, para o Once Caldas. O título de 2004 sobre o Boca Juniors foi um marco. Tomara possamos repeti-lo.