Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de julho 2013

A cotação de Corinthians 2x0 Grêmio

31 de julho de 2013 18

Por Ticiano Osório


Dida

Seguro nas defesas e intervenções. Não teve culpa nos gols.

6

Pará

Quando tem que ser ofensivo, criativo, geralmente se atrapalha.

5

Werley

No primeiro tempo, eficiente em manter a bola longe do gol de Dida. No segundo, foi envolvido em alguns lances.

5

Bressan

Idem.

5

Alex Telles

O Corinthians atacou bastante por seu lado. Foi fintado no lance que originou o gol de Emerson. Mas apoiou e deu um chutaço de fora da área.

6

Adriano

Cão de guarda à frente da área gremista. E só.

5

Riveros

Volante dinâmico: uma hora aparece no ataque, tentando o gol. No lance seguinte, volta para proteger a defesa.

6

Elano

Ajudou pouco na marcação e não criou. Nem a bola parada o redimiu.

4

Zé Roberto

Jogou só 20 minutos e saiu com lesão na coxa direita.

5

Kleber

A luta de sempre. Desta vez, não foi suficiente.

5

Barcos

Não tem conseguido vitória pessoal nos lances. E a bola não chega para conclusões.

4

Guilherme Biteco

Deu velocidade ao time, tentou ir à frente. Não deveria ter saído.

6

Vargas

Entrou tarde. Mas não fez muito, não.

5

Lucas Coelho

Sem nota

Restam somente seis mil ingressos aos gremistas para o clássico Gre-Nal 397

31 de julho de 2013 1

Por Adriano de Carvalho
adriano.carvalho@zerohora.com.br

Após a definição de que o Gre-Nal terá duas torcidas, gremistas e colorados precisam se agilizar para garantir lugar no clássico 397 deste domingo na Arena. Para os tricolores, restam seis mil dos 20,5 mil ingressos colocados à venda.

Os setores disponíveis são cadeira gramado leste/oeste, cadeira gold sul/centro e também os camarotes. Estão esgotados: geral, gramado sul e quarto nível. O restante dos locais será ocupado pelos sócios gremistas.

O Inter terá direito a 1,5 mil ingressos para o quarto nível da Arena (lado sul), que serão vendidos nas bilheterias do Gigantinho. As vendas iniciarão nesta quinta, a partir das 14h, e a prioridade de compra será dos sócios. O valor do ingresso dos visitantes é R$ 80. O clube distribuirá uma cartilha de conduta aos torcedores que forem ao estádio do Grêmio assistir ao clássico deste domingo.

O deslocamento da torcida do Inter será através de 150 ônibus que serão disponibilizados. Haverá dois pontos de encontro para os colorados: um no estádio Beira-Rio e outro na Igreja Nossa Senhora dos Navegantes.

O trajeto ainda será acertado em parceria com a EPTC, mas a entrada na Arena já está definida. Será via portão 6, próximo à Rua Voluntários da Pátria.

Emprestado ao Vasco, Cris seguirá com parte do salário pago pelo Grêmio

31 de julho de 2013 6

Por Adriano de Carvalho
adriano.carvalho@zerohora.com.br

O zagueiro Cris deixou o Grêmio e rumou ao Vasco. O clube carioca acertou nesta quarta o empréstimo do experiente defensor de 36 anos até o final do ano. A operação, basicamente, é um repasse de vínculo e o jogador seguirá com parte do salário pago pelo Tricolor gaúcho.

Os dirigentes do Vasco ainda definem os detalhes finais do contrato com o Grêmio e o zagueiro deve ser apresentado em São Januário até o final da semana. No Grêmio, Cris tinha ampla rejeição da torcida após duas expulsões na Libertadores. Também perdeu espaço com a chegada de Rhodolfo, que estava no São Paulo, e não foi relacionado para o confronto com o Corinthians nesta quarta.

No Vasco, Cris brigará por uma vaga na equipe com Rafael Vaz, Jomar, Renato Silva, Luan e André Ribeiro. Será um dos mais experientes do grupo, ao lado do velho conhecido e amigo de várias temporadas no Lyon, o meia Juninho Pernambucano, de 38 anos.

Inter fará test drive contra o Flamengo para a estreia no Estádio do Vale

31 de julho de 2013 10


Inter x Flamengo marcará a estreia do colorado no Estádio do Vale em Novo Hamburgo. A partida, válida pela Copa do Brasil sub-17, será realizada no dia 7 de agosto, e se transformará em uma espécie de test drive para a nova casa do clube. O Inter, de Dunga, disputará a sua primeira partida no Vale contra o Atlético-PR, no dia 11 de agosto, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. Reformado, o Estádio do Vale tem capacidade para 15.178 torcedores.

Grêmio fecha semestre com déficit acumulado de R$ 47 milhões

30 de julho de 2013 22

É de R$ 47 milhões o déficit acumulado do primeiro semestre do Grêmio.

O número foi apresentado na noite desta terça-feira, em reunião do Conselho Deliberativo, que teve 130 participantes.

- A situação é preocupante, mas será revertida a partir de agora, com valores que deixarão de ser gastos com a migração para a Arena – explica Eduardo Magrisso, membro do Conselho Fiscal.

O primeiro trimestre havia apresentado déficit de R$ 28 milhões. No segundo, o déficit foi de R$ 19 milhões, o que eleva o valor total para R$ 47 milhões.

– Com a assinatura do novo aditivo do contrato com a OAS, a situação irá amenizar. Todos os presentes já sabiam que ela era delicada. A direção busca a geração de novas receitas – observa o conselheiro Homero Bellini Jr.


Pela mistura de torcidas! (um texto da década passada)

30 de julho de 2013 6

Por Sérgio Xavier Filho, gaúcho e diretor do Núcleo Motor, Esporte e Turismo da Editora Abril

Esse texto é de 2003 e foi publicado na Revista Superinteressante. Mas parece ter sido escrito hoje à tarde:

Corintiano odeia palmeirense, flamenguista quer matar vascaínos, cruzeirenses não suportam atleticanos. Inverta as sentenças, troque os clubes e chegaremos ao mesmo lugar: todos se odeiam e o futebol é um caldeirão sem fundo de violência e ressentimentos. Vira e mexe, lemos que mais um torcedor atirou no rival, que a gangue de determinado time encarou a adversária em batalha campal. Passado o horror, a vida segue. E o diagnóstico para o problema se mantém: a solução para a violência no futebol passa sempre por reforço no policiamento e pelo fim das torcidas organizadas. Mas será que a raiz do problema está realmente aí?

Minha impressão é que estamos muito longe da verdadeira questão. É evidente que polícia eficiente e fim da sensação de impunidade são armas poderosíssimas quando o assunto é uma contravenção qualquer. Mas a verdade é que, no futebol, o remédio para a violência só faz alimentar o ódio entre torcedores. Basta lembrar como o problema vem se avolumando nos últimos anos. No passado, a pancadaria ocorria dentro dos estádios, nas arquibancadas ou nas bilheterias. Em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e em toda a parte, era comum vermos torcedores usando os mastros de suas bandeiras como armas. O que foi feito? Como na piada do marido traído que queima o sofá que acolheu a mulher e o amante, baniram-se os mastros das bandeiras e montaram-se operações militares de isolamento das torcidas.

De fato, os estádios ficaram menos violentos. Mas isso nem de longe traduziu-se em paz e tranquilidade para quem quer só ver o jogo. Apenas transferimos a arena. Onde acontecem brigas e mortes, hoje? Nos acessos de estádio, em algum ponto de ônibus da periferia, nas imediações do metrô. O torcedor é um cão raivoso preparado para atacar. Quando está no estádio, é acuado pelas grades e cassetetes dos policiais. Mas longe dele e sem coleira ataca sem piedade.

É a intolerância o combustível da violência no futebol. Não admitimos a diferença, não respeitamos a opinião contrária. E o que temos feito para acabar ou pelo menos reduzir essa intolerância? Nada. Pelo contrário. Ao estimular o confinamento de torcidas, estamos treinando as bestas. Estamos criando pitbulls e dobermanns do futebol, com dentes cada vez mais pontiagudos e com mais ferocidade. Só se aprende a respeitar o diferente quando se convive com ele, quando vemos que há algo de humano no sujeito que veste a cor adversária.

Utopia? Talvez, mas confesso que já vi a utopia de perto na minha frente. Quando criança, em Porto Alegre, fui a incontáveis partidas entre Grêmio e Inter. E lembro-me de caminhar lado a lado com torcedores rivais. É claro que havia deboche dos vencedores sobre os vencidos. Era chato perder o jogo, mas as provocações eram muito criativas. Nem todos encaravam a situação com o mesmo bom humor, mas ninguém batia em ninguém. Todos sabiam que era proibido agredir, não porque essa regra estivesse prevista no Código Penal, mas porque ela estava inscrita na mente das pessoas. Era uma regra social, e isso vale mais que a lei. Por que o mesmo sujeito que não joga papel no chão do metrô emporcalha as ruas do centro? Ora, porque o ambiente pode determinar comportamentos.

Na Copa da França, em 1998, presenciei ingleses e argentinos lado a lado. E esses, sim, têm bons motivos para se odiarem. Já se pegaram até em uma guerra de verdade, a das Malvinas. Pois na Copa as duas seleções se enfrentaram nas oitavas-de-final e as confusões foram mínimas. Detalhe: em mundiais, os ingressos são vendidos sem grandes divisões de torcidas e no estádio inteiro havia inglês sentado ao lado de argentino. Por que eles não se matavam? Na minha opinião, porque ao ver o “inimigo” ao lado comendo pipoca com o filho pequeno fica difícil odiar. Não faz sentido cantar um grito de guerra quando a vítima está tão próxima. Poderia ser diferente se ingleses ficassem de um lado e argentinos no outro. Quem sabe, depois de 90 minutos de incitações coletivas e mútuas, as duas torcidas não se encontrassem na saída e se pegassem?

Pego o exemplo da Copa e trago para o Brasil. Uma arquibancada que alternasse palmeirenses e corintianos ensinaria algo. Se aceitamos o rival lado a lado no estádio, por que bater nele na estação de metrô? Haveria discussão? Claro, é da alma do futebol provocar, tripudiar e debochar. Mas, com treino (até humanidade precisa ser praticada), quem sabe não aprenderíamos a conviver com a diferença e até rir? E talvez, em lugar de uma bordoada, daríamos uma sonora gargalhada.

“Ao confinar as torcidas, estamos treinando as feras”

Zé Roberto será julgado quinta e pode ser baixa para o Gre-Nal

30 de julho de 2013 6

Zé Roberto será julgado quinta-feira pelo STJD e pode ser baixa para o Gre-Nal Diego Vara/Agencia RBS

Por Adriano de Carvalho
adriano.carvalho@zerohora.com.br

O Grêmio pode perder o meia Zé Roberto para o clássico Gre-Nal deste domingo, na Arena. Conforme ofício publicado pela CBF, o camisa 10 será julgado nesta quinta-feira, a partir das 13h30min, pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e pode ser punido com um a seis jogos de suspensão.

A denúncia contra Zé Roberto é por jogada violenta, artigo 254 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), pela falta no lateral Lucas, do Botafogo, na partida disputada em 14 de julho, na Arena. O jogador da equipe carioca fraturou o tornozelo esquerdo, teve que passar por cirurgia no local e deve ficar cerca de três meses sem atuar.

Gre-Nal 397: Por direito de ir ao clássico, grupo de colorados ingressará na Justiça contra o Grêmio

30 de julho de 2013 20

Caso a orientação da Brigada Militar de Gre-Nal com torcida única, nesse domingo, na Arena, seja mantida, um grupo de pelo menos cem colorados ingressará na Justiça contra o Grêmio.
Na ação cautelar coletiva, os torcedores do Inter alegarão que a direção gremista estará descumprindo o Estatuto do Torcedor e o regulamento do Brasileirão se não colocar os bilhetes à venda para os colorados a partir dessa quarta-feira, três dias úteis antes do clássico.
- Nossa ação será contra o Grêmio porque eles não estão impedidos de vender ingressos para a torcida do Inter. Como não há segurança para o clássico? Então o Grêmio jamais poderá receber um jogo grande na Arena, contra um time de massa? A Geral briga e nós, colorados, seremos os punidos? Por quê? – questiona o colorado André Flores, um dos autores da ação.
Segundo Flores, há muitos gremistas apoiando tal medida, pois temem que um precedente seja aberto com o Gre-Nal de apenas uma torcida.
- Se essa determinação de apenas uma torcida for mantida, o Gre-Nal estará mudado para sempre. Isso é grave. Estamos lutando contra um futuro nebuloso – disse Flores.
Além da ação judicial, que pretende obrigar o Grêmio a vender ingressos ao menos para os colorados autores da ação, Flores avisa que o grupo pretende encaminhar a denúncia contra a venda de entradas ao STJD.
- Não temos medo de ir à Arena, mesmo que a Brigada Militar não garanta a segurança. Queremos, sim, assistir ao Gre-Nal. É direito nosso poder ver o Inter no clássico – finalizou André Flores.

Grêmio analisa possível envolvimento de conselheiro em briga na Geral

30 de julho de 2013 22

O possível envolvimento de um conselheiro no conflito com a Brigada é analisado internamente pelo Grêmio.

A BM teria feito a identificação e diz esperar providências por parte do clube. Em caso de confirmação, a sanção seria a exclusão do Quadro Socia e do Conselho Deliberativo.

Através de imagens e documentos, a Brigada pretende mostrar que os tumultos frequentemente verificados na Geral caracterizam hooliganismo, a exemplo do que ocorria entre torcedores do Reino Unido.

O material será encaminhado à Promotoria de Defesa do Consumidor do Ministério Público e poderá resultar em ação judicial contra os envolvidos.

- Nada temos contra a Geral, mas, sim, contra os baderneiros que se escondem dentro dela. Não dá mais. Eles precisam ser banidos dos estádios – protesta uma fonte da BM.


Dança dos números no Beira-Rio

30 de julho de 2013 0


Tem dança dos números no Beira-Rio. Com a chegada do meia Alex e do atacante Nacho Scocco, houve uma pequena mudança na numeração fixa do grupo profissional. Jackson, que usava a camisa 32 (agora a camisa de Scocco), passou a vestir a número 20 – que no ano passado pertencia a Dagoberto. Já Agenor, antigo dono da camisa 12, agora de Alex, ganhou a 13, que era de Rodrigo Moledo.