Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

O novo 8 do Beira-Rio: Anderson em sua essência, na coletiva de apresentação pelo Inter

03 de fevereiro de 2015 2

Alexandre Lops

Um Anderson prometendo muitos títulos pelos próximos quatro anos surgiu na sala de conferências do Beira-Rio. Vestindo vermelho e sorridente, o novo camisa 8 do Inter foi apresentado pelo diretor de futebol Carlos Pellegrini. Com exceção do sotaque do Rubem Berta, misturado com a pronúncia do Porto e com um acento de Manchester, Anderson foi Anderson em sua essência: respostas diretas e com a confiança de sempre. Em uma coletiva veloz, que durou oito minutos, o meia não fez rodeios. Entende que as críticas que recebeu na Europa são normais, lembrou que atuou com nomes como Cristinao Ronaldo, Rooney, Falcao García, Giggs, Evra, entre outros. Não titubeou sequer para responder sobre a escolha pelo Beira-Rio em vez de voltar para o Grêmio.
- Estava aberto a todos. Mas voltei para Porto Alegre porque o Inter me procurou. Porque o presidente sempre me deu atenção.
O meia de 26 anos se mostrou otimista com o seu retorno ao futebol brasileiro, disse que estará pronto para jogar na próxima semana (o Inter enfrentará o Cruzeiro, em Gravataí), garantiu estar em forma, brincou que agora usa apenas um celular (quando foi promovido aos profissionais do Grêmio utilizava dois aparelhos) e falou sobre o seu sentimento a respeito do Gre-Nal de 1° de março, no Beira-Rio:
- Meu espírito é ganhar, 100%. Vou dar o máximo. Este é o meu objetivo.

A seguir, os principais trechos da entrevista do novo reforço colorado:

A opção pelo Inter e a imagem de jogador gremista
“A volta para Porto Alegre foi porque o Inter me procurou, o presidente sempre me deu atenção, é um grande clube. Estava bem no Manchester, mas não jogava. E eu precisava jogar, precisava voltar para perto da minha família, das minhas filhas. Entrei pela porta da frente no Grêmio e saí pela porta da frente. Acho que fiz um grande trabalho lá (no Grêmio). Pronto. Agora, o meu clube é o Inter. A oportunidade estava aberta a todos, não só para o Grêmio. O Inter que se interessou mais. Sou um cara muito honesto, sincero. Respeito a torcida do Grêmio, mas é futebol. Acontece.”

O Manchester United
“É um clube pelo qual tenho um carinho grande. Passei oito anos da minha vida lá. Só tenho a agradecer aos jogadores e à torcida. Meus primeiros quatro anos foram fantásticos, ganhei tudo lá, até a Champions League e o Mundial. Depois, tive uma lesão grave, do ligamento cruzado (do joelho esquerdo). Voltei muito rápido, jogava, mas tinha uma diferença no joelho, quando voltava, arrebentava”.

Em que posição quer jogar
“Prefiro jogar, não interessa onde. No Grêmio, comecei mais à frente. No Porto, era o 10. No Manchester, tive que me adaptar à posição (de volante).”

Sonha ganhar o quê?
“Quero ganhar Libertadores, Brasileirão, que só tenho o da Série B, e agora quero ganhar um pela Série A, e um Gauchão, que ainda não tenho.

Seleção Brasileira
“Por mim, jogava amanhã. Me vejo como uma aposta, uma promessa, tenho só 26 anos e muito a dar ao futebol.”

Comentários (2)

  • Carlos Alberto diz: 4 de fevereiro de 2015

    Bom dia a todos.
    Quer dizer, um cara jogou no Grêmio, não ganhou nem gauchão, só foi campeão da série B jogando um jogo pra lá de suspeito (ganhar com um a menos é difícil, mas não impossível, ganhar com TRÊS a menos, só arranjando). Fica mais suspeito ainda quando o adversário erra DOIS pênaltis. Mas, voltemos a raciocínio anterior: o que o Anderson ganhou? Fez um gol na decisão da série B (jogo suspeito), e já ganhou status de craque. Foi embora, rodou por vários times, não se firmou em nenhum e agora vai MAMAR nas tetas coloradas. JOGA NADA. Inter trouxa.

  • Cesar diz: 4 de fevereiro de 2015

    Camisa 8 sai Willians, entra Anderson. Nem precisa ser muito bom pra haver melhora

Envie seu Comentário