Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Dame dos. D'Alessandro e Lisandro x Dátolo e Pratto, o duelo argentino/brasileiro do Beira-Rio

12 de maio de 2015 3

Felix Zucco

Alexandre Lops/Divulgação Inter

Bruno Cantini / Atlético-MG,Divulgação

Fernando Gomes

No confronto brasileiro das oitavas de final da Libertadores entre Inter e Atlético-MG, os jogadores decisivos poderão ser… argentinos. Do lado colorado, a dupla D’Alessandro (ex-River Plate) e Lisandro López (ex-Racing). Do atleticano, Lucas Pratto (ex-Boca Juniors e Vélez) e Jesus Dátolo (ex-Boca Juniors).

Do quarteto, o mais jovem e o menos experimentado em decisões é o centroavante do Atlético-MG. Pratto, de 26 anos, também tem um cartel de taças menos glamoroso que os demais. Foi campeão argentino com o Vélez e Mineiro, com o Atlético. Dátolo (30 anos) tem 14 taças. Foi campeão da América em 2007, com a última formação do Super Boca Juniors, de Riquleme, Palácios e Palermo, além de ter títulos com o Espanyol, com o Inter e com o Atlético-MG, entre eles, a Copa do Brasil.

Do lado vermelho, Lisandro (32 anos) foi goleador no Racing e possui nove conquistas. Foi multicampeão com o Porto e campeão da Copa da França com o Lyon. No Beira-Rio, já conquistou o Gauchão. D’Alessandro é o mais velho dos quatro, com 34 anos, e quem mais venceu. Tem 15 títulos: da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas à Libertadores com o Inter.

O final da noite dessa quarta-feira mostrará qual das duplas seguirá com chances de aumentar a sua galeria de conquistas seguindo adiante na Libertadores.

Comentários (3)

  • Paulão Tricolor diz: 12 de maio de 2015

    E o gremio, fala do gremio, fala dos nossos argentinos, aqueles torcedores fortões que ficam na geral e vem correndo suados pra avalanche. Amooooooooo.

  • Dorian R. Bueno diz: 13 de maio de 2015

    DIREITO DE IMAGEM !!!
    A última vez que estive no BEIRA-RIO, foi no dia 22/11/2014, e fui PÉ QUENTE naquele jogo pegado contra os reservas do Atlético (MG).
    Ainda bem que eram os reservas.
    Como sabem, ganhamos bem apertadinho por 2×1, bem no finalzinho já no último desconto com um GOL milagroso do rejeitado Fabrício, GRAÇAS A DEUS, para alegria de todos.
    Neste dia pude apreciar como é lindo o Beira-Rio, como desejei que os nossos jogadores olhassem para todo estádio cheio, jogassem muito bem e vibrassem em campo como nós torcedores.
    Somente não gostei do lance das câmeras ficarem mostrando os torcedores no telão sem pagar um DIN DIN para nós.
    Nestes estádios modernos monitorados por câmeras em todos os cantos, o torcedor precisa ter um comportamento exemplar tipo MANDRAKE, e os atletas às vezes tratando mal a BOLA, nos deixando extremamente preocupados se vão conseguir acertar o próximo chute no GOL do adversário.
    Já que o procurador-empresário dos jogadores sempre inclui nos contratos a cláusula de direito de imagem, vou repensar se voltarei a um estádio para assistir uma partida e ficar sendo espionado, e o meu carão mostrado no telão do estádio.
    Creio ainda que como sou um grande colorado do bem, não precisaria estar preocupando-me tanto com isto.
    Caso eu estiver ao lado de uma pessoa que gosta de fazer barulho com a boca, posso ser filmado e ficar famoso no mundo inteiro por estar no lugar certo e na hora errada.
    Penso em procurar o meu advogado, e quem sabe conseguir direito de imagem para mim.
    Até hoje não ouve acerto sobre o meu direito de imagem, mesmo que eu seja um cara bonito.
    Independente disto vou ficar em casa hoje na frente da telinha, desejando que o INTERNACIONAL, com humildade, respeito, mas jogando um futebol de alto nível e convincente, possa fazer o dever de casa por ser um CLUBE MULTI CAMPEÃO, e avance rumo à próxima etapa da LBA 2015.
    Abs. Dorian R. Bueno – P.Alegre/RS, 12.05.2015

  • Caldeira diz: 13 de maio de 2015

    Apesar de muitos brasileiros desdenharem dos argentinos a “argentinização” do futebol brasileiro, em geral, é uma realidade. Exportamos brasileiros e importamos argentinos, uruguaios, chilenos e outros que tais e, mesmo assim, afirmamos prestensamente que temos o melhor futebol do mundo….Durma-se com um barulho desses. Impressionante a demonstração de provincianismo gaúcho que reflete do tratamento “real” que nossa crônica esportiva confere aos “hermanos”.

Envie seu Comentário