Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Libertadores: Inter não resiste a Bogotá e perde para o Santa Fe nos acréscimos

21 de maio de 2015 2

Ricardo Duarte

O Inter foi punido aos 46 minutos do segundo tempo em Bogotá. Com um gol de Mosquera, o Santa Fe bateu o Inter por 1 a 0, na partida de ida das quartas de final da Libertadores. Agora, o time de Diego Aguirre precisará da força dos 100% de aproveitamento do Beira-Rio para avançar às semifinais. Em Porto Alegre, o Inter é obrigado a vencer por 2 a 0. Os colombianos jogarão pelo empate e derrota por um gol de diferença a partir do 2 a 1. Caso o Inter derrote o Santa Fe por 1 a 0, a decisão irá para os pênaltis. No sábado, o time reserva do Inter volta ao Brasileirão, desta vez para enfrentar o Vasco, em São Januário.

Com uma postura agressiva, o Santa Fe partiu para cima do Inter na tentativa de abrir vantagem ainda no primeiro tempo. Após a derrota no final de semana para o Millonarios, por 3 a 1, no clássico de Bogotá e que custou a eliminação da equipe no Campeonato Colombiano, o time de Gustavo Costas precisava dar uma resposta à torcida.

Com o El Campín apresentando diversos espaços vazios em suas arquibancadas, os colombianos dominaram as ações ofensivas diante de um Inter demasiadamente recuado e que tentava sair em contra-ataques. A precaução de Diego Aguirre permitia que o Santa Fe chegasse à intermediária colorada, rondasse a área, mas não conseguisse se aproximar do gol de Alisson. Daí, as chances quase insignificantes dos donos da casa no primeiro tempo. Omar Pérez, o camisa 10 do Santa Fe, era vigiado por Sasha e Aránguiz _ o chileno deu um susto, ao prender o tornozelo esquerdo no gramado e precisar de atendimento. No ataque, duas chances: D’Alessandro, batendo cruzado, por cima, e Valdívia, de longe, encobrindo o goleiro Castellanos, mas com a bola igualmente saindo. D’Alessandro, que recebeu um cartão amarelo por reclamação, após uma falta de Anchico em Valdívia, seguiu protestando contra a arbitragem, no intervalo.

No segundo tempo, sob chuva, o Santa Fe tentou acelerar mais o jogo, enquanto o Inter passou a trabalhar mais as jogadas e a ter maior posse de bola. William passou a ser a principal jogada de ataque da equipe de Aguirre, com as suas subidas pela ponta direita.

O Santa Fe tentava abrir alguma mínima vantagem em casa. O Inter, porém, se defendia com 11 jogadores em seu campo. Em alguns momentos, até o contra-ataque era algo impossível porque não havia ninguém na frente. O 0 a 0 interessava aos colorados.

Aos 19 minutos, os colombianos chegaram com força. Omar Pérez cobrou falta na área, Alisson fez defesa parcial após desvio de cabela de Mosquera e, no rebote, o próprio Mosquera concluiu no travessão. Foi o pirmeiro susto do Inter no El Campín. O lance serviu também para despertar a torcida. Aos 21, Omar Pérez cobrou escanteio e Mosquera desviou de cabeça, outra vez no travessão.

Pressionado, o Inter passava a jogar por um contra-ataque. Aos 25, a chance de ouro: Mina caiu na frente de Lisandro e perdeu a bola. O argentino avançou e, ao chegar na área, tentou o drible em vez de chutar a gol. Foi desarmado por Anchico e perdeu a melhor chance de gol colorada no segundo tempo.
Como fez em casa em toda a Libertadores, o Santa Fe partiu para cima nos minutos finais – se aproveitando também da altitude de 2,6 mil metros. Borja, aos 29, perdeu o gol cara a cara com Alisson. O Inter já demonstrava algum cansaço em Bogotá.

Com Nilmar em campo, o Inter buscava o contra-ataque redentor. E ele surgiu aos 34. descansado, o atacante bateu Seijas na corrida e, na saída de Castellanos, bateu por cobertura. O goleiro ainda deu um tapa na bola, que foi caindo dentro do gol, mas Mina surgiu e salvou para escanteio.

A fim de conter a pressão colombiana e assegurar o 0 a 0, Aguirre mandou Réver a campo, aos 41 minutos. Deu certo até aos 46 minutos. Em uma cobrança de escanteio, Alan Costa e Réver pularam no mesmo jogador, deixando Mosquera livre para cabecear ao gol, sem chances para Alisson. Agora, o sonho do tricampeonato da Libertadores dependerá da força do Beira-Rio.

Comentários (2)

  • Ronaldo Colorado diz: 21 de maio de 2015

    Time que se acovarda dessa forma merece perder. Terminar o jogo com 4 zagueiros e 3 volantes não existe. Time covarde que joga para empatar, merece a derrota.

  • Márcio diz: 21 de maio de 2015

    Boa noite! Sinceramente, essa derrota tem que por na conta do Aguirre. Entrou com Ernando na Lateral Esquerda, mas ele não deu conta, pois não tem o cacoete para lateral. O LD do Independiente tinha uma avenida e o Valdivia, para cobrir o buraco, voltava até a defesa. Isso matou o guri no ataque, pois não faltava pernas. E o final? Não arrumou a falha e ainda colocou 4 zagueiros e 3 volantes. Será que não lembra do que ocorreu contra o Emelec no Equador? Lamentável. Temos tudo para reverter, mas acho que deixamos escapar uma ótima oportunidade. É isso! Abraços.

Envie seu Comentário