Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Diego Real, árbitro que anotou dois pênaltis para o Inter: "Acertei e marcaria tudo de novo"

09 de abril de 2015 19

Ricardo Rimoli/Agência Lancepress!

Diego Real, o árbitro que marcou dois pênaltis para o Inter na partida contra o Cruzeiro (2 a 2 no tempo normal, 3 a 1 para o Inter na decisão por pênaltis) — um deles desperdiçado por D’Alessandro, outro convertido por Lisandro López —, pelas quartas de final do Gauchão, faria tudo outra vez.

Aos 33 anos, o microempresário, natural de Pelotas, que desde 2013 apita jogos de Gauchão e das Séries A e B do Brasileirão, entende ter acertado ao anotar as duas penalidades no Beira-Rio. Curiosamente pelo mesmo motivo: mão do zagueiro André Ribeiro na bola.

— Fiquei até surpreso com algumas declarações. Cumpri o que a determinação da Fifa ordena, desde o ano passado. Onde houver situação de bloqueio com a mão, é falta. O jogador do Cruzeiro se atira contra a bola, em ambos os lances. Eu marcaria os dois pênaltis outra vez — comentou Real.

O árbitro conta que, após anotar o primeiro pênalti (quando D’Alessandro tentou cruzar para o centro da área e foi interceptado) e dar o cartão amarelo para André Ribeiro, o zagueiro reclamou apenas da advertência:

— O jogador veio a mim e disse que não era para cartão. Não tinha como não marcar. Houve um cruzamento, que rasgaria a área, e foi bloqueado.

O árbitro admite ter errado no começo da partida, quando em vez de dar cartões amarelos para Juan e para Laerte, por jogadas ríspidas, optou pela conversa.

— Usei a arma verbal, que vem antes do cartão. Não tive a visão correta que era para amarelo — disse ele.

Real assegura ainda que daria as penalidades para o Cruzeiro, em pleno Beira-Rio.

— É claro que marcaria os mesmos lances se fossem para o Cruzeiro. Em Caxias e Inter, dei pênalti para o Caxias, justamente porque a bola caiu na mão do Réver — recordou. — Também ouvi muitas reclamações da torcida do Grêmio. Por favor. Já dei duas penalidades para o Grêmio neste Gauchão: uma contra o Avenida, outra contra o Lajeadense. Este, por sinal, errei. Foi um lance rápido demais, dificílimo, em que a falta ocorreu centímetros fora da área. Mas marquei o pênalti — acrescentou Real.

No Gauchão 2015, Diego Real trabalhou em 11 partidas. E anotou oito pênaltis. Foram dois para o Grêmio (contra Avenida e Lajeadense) e outros dois para o Inter (ambos contra o Cruzeiro), além de um para Caxias (contra o Inter), Lajeadense (contra Veranópolis), Ypiranga (contra São José) e União Frederiquense (contra Aimoré).

— Sei que fiz o meu melhor. Estou com a consciência tranquila — finalizou Real.

A salvação que veio do DM: 22 dias após a artroscopia no joelho, Lisandro López salva o Inter no Gauchão

09 de abril de 2015 6

Fernando Gomes

Alisson
Inseguro em alguns lances. Nota 4

William
É a melhor notícia do Inter no Gauchão. Nota 7

Juan
Em seu 100º jogo pelo Inter, teve dificuldades para conter Wesley. Nota 4

Ernando
Ficou exposto e conteve os atacantes como pôde. Nota 5

Geferson
Tímido, após herdar a vaga de Fabrício. Nota 5

Rodrigo Dourado
Já teve jornadas mais luminosas. Acabou expulso. Nota 4

Jorge Henrique
Se movimentou bem no começo, depois, caiu de produção. Nota 5

D’Alessandro
Tentou comandar a virada do Inter. Errou o pênalti. Nota 5

Valdívia
Foi o mais ativo dos homens de frente do Inter. Nota 6

Sasha
Limitado a jogadas na área. Pode fazer mais. Nota 5

Nilmar
Boa movimentação, mas… nenhum chute a gol. Nota 4

Anderson
Ajudou na reação colorada. Nota 6

Rafael Moura
Fez mais do que Nilmar. Nota 6

Lisandro López
Entrou, fez um de pênalti e outro de um camisa 9 de verdade. Nota 9

Inter sofre muito, mas, ao final, elimina o Cruzeiro nas penalidades e avança à semi do Gauchão

09 de abril de 2015 2

Fernando Gomes

O Inter está na semifinal do Gauchão. Com uma reação no segundo tempo, o Inter tirou uma desvantagem de 2 a 0 para o Cruzeiro, empatou a partida em 2 a 2, com dois gols do argentino Lisandro López e, na decisão por pênaltis, venceu por 3 a 1. No sábado, a equipe de Diego Aguirre iniciará o mata-mata das semifinais contra o Brasil-Pel, com o jogo de ida em Rio Grande.

Inter e Cruzeiro fizeram uma partida eletrizante no Beira-Rio. Nos primeiros minutos, com ataques de lado a lado, o visitante não se mostrou tímido ou incomodado com os afamados jogadores do time de Diego Aguirre. Apesar do volume dos dois ataques, as conclusões deixavam a desejar. O palco para o show de Roberto Carlos, nesse sábado, montado atrás da goleira do antigo placar, foi alvo de alguns chutes colorados no primeiro tempo.
A partir dos 20 minutos, o Inter começou a se impor em campo. As jogadas de William pela ponta, combinando ora com Jorge Henrique, ora com Valdívia, eram sempre as mais agudas e perigosas. Aos 25 minutos, William bateu cruzado e Bruno Grassi defendeu. No minuto seguinte, Valdívia tirou de Grassi e Sasha se esticou todo para empurrar a bola para o gol, mas ela escapou à direita.
Por vezes, o Cruzeiro conseguia deixar o campo defensivo e atacar. Aos 30, porém, foi surpreendido em um contra-ataque. D’Alessandro lançou Nilmar, que bateu na pequena área, Laerte salvou para trás, onde estava Ernando, que só não fez o gol porque Grassi uma vez mais salvou a equipe azul.
Apesar da superioridade do Inter, o Cruzeiro foi ao ataque e marcou. Aos 38 minutos, Paraná bateu de fora da área, Alisson não conseguiu segurar e a bola saiu a escanteio. Na sequência, a defesa não conseguiu afastar a bola, que sobrou para Matheus bater de fora da área e deixar Alisson sem reação.
O 1 a 0 do Cruzeiro causou espanto no Beira-Rio. Nos minutos finais do primeiro tempo, o Inter se atirou ao ataque e ainda conseguiu duas finalizações, com uma delas parando uma vez mais nas mãos de Bruno Grassi.
O Inter voltou do intervalo para o segundo tempo se atirando para o ataque. De qualquer maneira. Resultado? Mais um gol do Cruzeiro. Em uma rápida escapada pela esquerda, o visitante encontrou a defesa colorada desarrumada, Matheus cruzou para a área, onde Wesley subiu às costas de Geferson para fazer o 2 a 0.
O Beira-Rio entrava em choque pela segunda vez na noite, afinal, o elenco de R$ 165 mil mensais poderia eliminar o de quase R$ 11 milhões ao mês. Aos 13 minutos, para aumentar o drama colorado, D’Alessandro teve um pênalti para fazer o Inter reagir. Mas ele cobrou para fora. O Inter não tinha alternativa a não ser atacar. Lisandro López foi a campo e deu nova vida ao time. Foi ele quem chutou a bola para André Ribeiro cometer o seu segundo pênalti – e acabar expulso. Lisandro bateu a penalidade, marcou o seu primeiro gol com a camisa do Inter, e descontou.
O 2 a 1 fez com que o time de Aguirre se jogasse de vez para dentro da área do Cruzeiro. E, quatro minutos depois, Lisandro López fez mais um, aparando um desvio de Dourado, após cobrança de escanteio de D’Alessandro. Vinte e dois dias depois de passar por uma artroscopia no joelho, o atacante argentino voltou para comandar a reação colorada.
Nos minutos finais, o Cruzeiro ainda tentou retomar o ataque. Dourado foi expulso, ao evitar um contra-ataque. William e Lisandro por pouco não viraram a partida, mas ambos pararam em Grassi. A decisão foi para os pênaltis.
Nas cobranças, D’Alessandro, Lisandro López e Juan marcaram para o Inter – e Rafael Moura errou. Enquanto que Laerte, Rodrigo Heffner e Benhur desperdiçaram as suas cobranças – Jefferson converteu. O Inter sofreu muito na noite de outono no Beira-Rio, mas se classificou.

Inter: o renegado agora veste azul

08 de abril de 2015 3

Divulgação Cruzeiro

Fabrício está oficialmente fora do Inter. Na tarde desta quarta-feira, o Cruzeiro confirmou a contratação por empréstimo do lateral-esquerdo até julho de 2016. O jogador reforçará o time mineiro no Estadual, na Copa do Brasil e no Campeonato Brasileiro — ele não pode jogar a Libertadores por já ter defendido o Inter na competição.

O lateral chega a Minas Gerais com valor fixado para a compra dos seus direitos econômicos ao fim do empréstimo — o preço estabelecido beira os R$ 4 milhões. Seu contrato com o Inter vai até julho de 2017. Ele é esperado em Belo Horizonte ainda nesta quarta.

A proposta oficial do Cruzeiro por Fabrício chegou ao Beira-Rio na manhã desta quarta. O desejo do Inter em negociar o jogador depois do episódio na partida contra o Ypiranga facilitou o negócio. Nas horas seguintes, o clube mineiro acertou os salários com o jogador de 28 anos, que estava no Inter desde 2011.

Ao final da tarde, Fabrício ingressou no BID como atleta do Cruzeiro.

Caso Fabrício: Inter será denunciado por imagens, Gauchão não corre risco de paralisação e clube pode ser multado

06 de abril de 2015 24

Fernando Gomes

A Procuradoria-Geral do Tribunal de Justiça Desportiva da Federação Gaúcha de Futebol, segundo informações de bastidores, encaminhará somente na tarde desta terça-feira a denúncia contra o Inter, sobre suposta injúria racial de alguns torcedores colorados contra o lateral-esquerdo Fabrício. A denúncia será feita apenas em cima de provas de vídeo e não há o risco de o Campeonato Gaúcho ser paralisado – o depoimento do comunicador da RBS Luciano Potter não será utilizado pela entidade e o radialista sequer será arrolado como testemunha.

A Procuradoria pedirá uma punição ao Inter, que deverá ser uma multa de R$ 100 a R$ 100 mil, caso haja a condenação do clube. A tendência é que o caso seja julgado na próxima semana. O Gauchão não vai parar e os jogos de quartas de final e as semifinais estão garantidas.

Dourado e Nilmar, os melhores do Inter contra o Ypiranga. Fabrício, nota 0

01 de abril de 2015 8

Fernando Gomes

Alisson
Uma defesa difícil e algumas intervenções. Nota 7

Ernando
Pode quebrar o galho, mas ainda precisa se aprimorar na função. Nota 5

Alan Costa
Reveza com Réver a vaga de titular. Não deixa a desejar. Nota 6

Juan
Desta vez, quase fez de bicicleta. Nota 6

Fabrício
Pela primeira vez na história, um jogador se demitiu em campo. Nota 0

Rodrigo Dourado
Bem posicionado, tem um toque de bola superior a Nilton e a Nico. Nota 8

Jorge Henrique
Está guardando posição para Aránguiz. Poderia ter avançado mais. Nota 6

Anderson
Estava bem na partida, até ser expulso como juvenil. Nota 3

D’Alessandro
Mesmo com falta de ritmo, distribuiu bem o jogo. Com ele, o Inter fez de pênalti. Nota 7

Eduardo Sasha
Com Nilmar, foi visto a todo o momento na área do Ypiranga. Nota 7

Nilmar
Entusiasmado, deu dribles desconcertantes e foi um perigo constante ao gol. Nota 8

Alan Ruschel
Foi um leão na defesa, quando o time estava em apuros. Nota 6

Vitinho
Foi responsável por puxar os contra-ataques. Nota 6

Valdívia
Entrou com o time já na defesa. Sem nota

Inter vence e lidera o Gauchão, apesar de Fabrício

01 de abril de 2015 5

Fernando Gomes

Na noite que ficará marcada pelo surto do lateral-esquerdo Fabrício, que brigou com a torcida, foi expulso, jogou a camisa no chão e prometeu ir embora do Inter, o time de Diego Aguirre bateu o Ypiranga por 1 a 0, com gol de D’Alessandro, e assumiu a liderança do Gauchão. A partida foi válida pela sexta rodada, uma vez que havia sido adiada, porque o Inter estava jogando a Libertadores na data original. No domingo, o Inter recebe o Passo Fundo, a fim de confirmar a primeira colocação geral no Estadual.

Um Inter reforçado com D’Alessandro, Anderson e Nilmar, mais o sangue novo de Rodrigo Dourado e o lateral-direito Ernando, foi a campo para buscar a liderança do Gauchão. Em jogo atrasado da sexta rodada, os donos da casa se impuseram diante de um Ypiranga sem Paulo Baier _ fora, por lesão. Uma primeira jogada mais trabalhada se deu aos 14 minutos. Dourado pegou a bola na defesa, abriu para Fabrício, que levou até Sasha, que se livrou de dois marcadores e que encontrou Nilmar invadindo a área. Na conclusão, o goleiro Carlão fez elástica defesa.
A equipe de Aguirre, que começa a ser montada para a decisiva partida da Libertadores, em 16 de abril, contra a Universidad de Chile, em Santiago, seguiu superior em campo. Nilmar e Sasha se revezavam em invasões à área e conclusões a gol. A melhor chance do Ypiranga surgiu com Saldanha, em um contra-ataque, chutando em curva, rente ao gol de Alisson.
Com um toque de bola eficiente no meio-campo _ D’Alessandro pela direita, Anderson centralizado e Sasha pela esquerda _, o Inter pressionava o time de Erechim. Aos 23, Juan, de bicicleta, quase marcou.
Aos 40 minutos, porém, a configuração da partida mudou um pouco. Anderson deu um encontrão proposital em Otacílio Neto, que revidou com um cotovelaço no rosto do meia colorado. Os dois foram expulsos. Com 10 jogadores de um lado e de outro. O Inter teve mais espaço para atacar, nos minutos que restavam de primeiro tempo, mas o gol não saiu.
As expulsões fizeram bem ao Ypiranga. Ao menos foi isto que os primeiros minutos do segundo tempo demonstraram. Um visitante mais disposto a atacar, diante de um Inter que tentava se reorganizar em campo.
A primeira chance do Inter na segunda etapa surgiu em um cabeceio de Ernando, para fora. O time de Aguirre passou a abusar de cruzamentos e de lançamentos longos, sem qualquer efetividade. Aos 18 minutos, Fabrício cometeu um ato poucas vezes visto no esporte. Em meio a um lance na lateral, foi apupado pelos torcedores, insatisfeitos com o seu rendimento. Ato contínuo, ele largou a bola, abandonou a disputa com o adversário e partiu em direção à inferior, com os dois dedos médios em riste, xingando os torcedores. Foi à beira do campo, caminhando e gritando com a torcida, que se levantou e passou a xingá-lo também. O árbitro Luís Teixeira o expulsou. Fabrício então surtou. Tirou a camisa, a atirou ao chão, foi cercado pelos seus companheiros, que tentavam controlá-lo, sem sucesso. Ao deixar o campo, seguiu fazendo gestos para a torcida e xingando.
- Eu vou embora, eu vou embora. Vão tudo tomar no c…
O diretor de futebol Carlos Pellegrini desceu correndo, das cabines para o vestiário, e no meio do caminho, irritado, falava sozinho:
- Para que ele foi fazer isto? Para que ele foi fazer isto?
E, apesar de Fabrício, que deixou o time com nove jogadores em campo, o Inter fez 1 a 0. Nilmar invadiu a área e foi derrubado por Negrete. D’Alessandro cobrou o pênalti e marcou para o Inter.
Nos minutos finais, o Inter passou a sobreviver a contra-ataques, enquanto o Ypiranga pressionava. Aos 40, o Ypiranga chegou a empatar, mas o gol foi anulado, por falta em Alan Ruschel. Apesar de ter um jogador a menos, e nove em campo, o Inter conseguiu manter a vitória e, pela primeira vez no Gauchão, assumir a liderança. A uma rodada do final da fase de classificação.

Inter bate Avenida por magro 1 a 0 e ainda parece distante de apresentar um jogo sólido em 2015

25 de março de 2015 7

Fernando Gomes

O Inter venceu o Avenida no Beira-Rio. Por 1 a 0 e com boa dose de dificuldade. Ganhou a sétima no Gauchão, mas, assim como nos outros 15 jogos da temporada, segue sem apresentar um futebol sólido ou um jogo convincente. O técnico Diego Aguirre admite que a equipe ainda não deu liga. Assegura, porém, desconhecer os motivos pelos quais o seu time não encorpou em 2015.

- Estou esperando que o Inter jogue mais, não tenho uma razão, mentiria para vocês. Não gostei do espetáculo – disse Aguirre, questionado sobre a falta de um bom desempenho do Inter. – No futebol, o que pode acontecer é um time demorar um pouco para aparecer. Mas a minha confiança é total que o Inter vai aparecer na hora certa. O tempo dirá – emendou o técnico uruguaio.

Diego Aguirre repetiu que o esquema 3-5-2 não é definitivo. Mas acredita ter sido o que melhor se adapta às características dos jogadores colorados. Lembrou que em duas semanas terão início os jogos decisivos no Estadual, além da retomada da Libertadores.

- Temos que tentar encontrar uma regularidade. Todos queremos que o Inter jogue mais, que dê certo. Em 15 dias, começaremos a ter jogos decisivos. Prefiro arrumar o time ganhando. Tirei muitas conclusões desde o início do trabalho – argumentou o treinador.

De volta ao 3-5-2, o Inter dominou o primeiro tempo. Apesar de ter a iniciativa do jogo, não tinha a contundência necessária para marcar. Alex, com boa movimentação, acertou a trave, aos quatro minutos, em cobrança de falta. Na noite em que completou 33 anos, Alex ainda deixou Taiberson cara a cara com Villar, mas o goleiro fez uma arrojada defesa.

Se o Avenida mal conseguia passar da intermediária, a lentidão do Inter não permitia surpreender a defesa de Santa Cruz do Sul em contra-ataques. Paulinho, com um chute cruzado de fácil defesa de Alisson, aos 29 minutos, marcou o primeiro arremate do Avenida a gol. Na sequência, um pouco de emoção no jogo: Nilton concluiu, e Villa defendeu. Logo em seguida, na cobrança de escanteio, Nilton cabeceou e Michel tirou quase de dentro do gol.

Aos 34 minutos, Taiberson, lesionado, deu lugar a D’Alessandro, que não atuava desde 4 de março, quando se contundiu na vitória sobre o Emelec, no Beira-Rio, pela Libertadores. Com dois armadores, Alex e D’Alessandro, o Inter ficou mais insinuante. E, aos 41 minutos, fez 1 a 0, após cobrança de escanteio, desvio de cabeça de Nico Freitas e novo cabeceio, agora de Juan, empurrando para o gol. O primeiro tempo chegou ao fim com o Inter cumprindo a sua obrigação de vencer.
No segundo tempo, o que se viu foi um Avenida atrevido, chegando com alguma facilidade à área. Alisson fez pelo menos duas defesas difíceis para garantir a vitória.
O Inter terminou o jogo acuado em casa.

Diego Aguirre aposta que o tempo mostrará um Inter pronto para as finais do Gauchão e das fases decisivas da Libertadores. Mas, até agora, o que se vê é uma equipe distante deste otimismo demonstrado pelo treinador uruguaio.

Nos bastidores, Grêmio projeta para abril a compra da gestão da Arena

24 de março de 2015 13
Mateus Bruxel

Mateus Bruxel

Sempre que consultados sobre o andamento das tratativas para a compra da gestão da Arena, os dirigentes do Grêmio recorrem a evasivas. Por uma questão estratégica, evitam detalhes.
O fato, porém, é que a negociação está em andamento. E é possível garantir que, nos bastidores do clube, é forte o otimismo quanto a um rápido desfecho. Há quem projete a compra ainda em abril.
Tudo passa pelo pedido de recuperação judicial que a OAS deverá apresentar na Justiça Civil da Bahia. Não é certo que a Arena entre na relação de bens apresentada pela construtora para quitar os R$ 8 bilhões de dívidas com fornecedores, bancos, empregados e governo federal.
Nesse caso, ficaria mais fácil para o Grêmio ver aceita sua oferta de R$ 396 milhões, pagos em 20 anos, pela aquisição do estádio.
Além de receber o valor, a OAS deixaria de arcar com um prejuízo que chegou a R$ 40 milhões em 2014 e tende a ser ainda maior neste ano, já que a Arena não sedia jogos de Libertadores.
Para substituir as garantias bancárias obtidas no financiamento da obra, a construtora usaria os direitos de televisão e faturamento do quadro social oferecidos pelo Grêmio na negociação. Diante da situação de inadimplência vivida pela OAS, trata-se de uma solução que certamente seria aceita pelos bancos, sob pena de não verem recuperado o investimento.
– O otimismo é grande. Há coisas acontecendo. A inadimplência da empresa, provocada por seu envolvimento na Operação Lava-Jato, poderá provocar uma situação altamente favorável ao Grêmio – comenta um conselheiro.

Está no Chile o jogo-chave do Inter para se classificar em 1° no Grupo 4 da Libertadores

18 de março de 2015 16

Alexandre Ernst

Apesar de ocupar a segunda colocação do Grupo 4 da Libertadores, com os mesmos sete pontos do líder Emelec, o Inter está em boas condições para se tornar o primeiro colocado. Na próxima rodada, daqui a quatro semanas, os colorados enfrentarão a Universidad de Chile, em Santiago, enquanto o Emelec terá pela frente a altitude de La Paz, contra o The Strongest - a classificação atual apresenta Emelec (7), Inter (7), The Strongest (6) e Universidad de Chile (3).
Ocorre que o jogo na Bolívia será dois dias antes da partida no Chile. A tendência é que o The Strongest vença (já bateu Inter e La U, no Hernando Siles). Assim, os bolivianos ingressariam de vez na briga por uma das vagas às oitavas e os chilenos iriam a campo contra o Inter, dois dias depois, já eliminados. Com uma vitória em Santiago, o Inter passaria a liderar a chave e decidiria a última rodada em casa, contra o palatável The Strongest – que longe de casa já perdeu para Emelec e para La U.
A questão é: a decisão em Santiago será com Diego Aguirre na casamata do Inter?