Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts na categoria "Inter"

Inter pode mudar patrocínio na camisa

24 de junho de 2015 20

Ricardo Duarte

Depois de muitos anos com o mesmo patrocínio nas camisetas, é possível que Inter e Grêmio passem a contar com investidores diferentes em suas camisetas. O contrato da dupla Gre-Nal com o Banrisul está chegando ao final. Expira em agosto. Hoje, o banco paga R$ 15 milhões por temporada a cada um dos clubes.

O Inter entende que merece receber mais do que o Grêmio. Colocará na mesa de negociações os títulos recentes e a exposição mundial que teve desde 2006 (o primeiro contrato com o banco foi firmado em 1998). Além disso, precisa aumentar as suas receitas — uma vez que encerrou a temporada passada com um déficit de R$ 49 milhões.

No Beira-Rio se exige um aumento de pelo menos 35%, o que faria com que o próximo interessado em morar no peito colorado desembolse R$ 20,2 milhões ao ano. O Banrisul tem a prioridade na renovação do contrato, desde que banque o que outros interessados prometem pagar.

No Inter, se diz que já há novos investidores na fila. E não há preocupação em se fazer uma negociação casada com o Grêmio.

À espera do Inter na Libertadores, Tigres contrata mais um jogador no futebol europeu

23 de junho de 2015 5

Reprodução Instagram

Rival do Inter na semifinal da Libertadores, com jogos nos dias 15 e 22 de julho, o Tigres não para de contratar. O novo reforço é o meia mexicano Javier Aquino, contratado por empréstimo ao Villarreal.

Aquino, de 25 anos, jogador com passagem pela seleção nacional, e que estava atuando emprestado ao Rayo Valencano, deverá se apresentar para a pré-temporada do Tigres, na praia de Riviera Maya, nesta terça-feira.

O Tigres treina desde a manhã desta segunda-feira no Caribe mexicano.

Além de Aquino, o Tigres contratou o atacante nigeriano Ikechukwu Uche, o atacante francês André-Pierre Gignac, o meia mexicano Jürgen Damm, o também mexicano Jairo González, que atua como volante e como lateral-esquerdo, além de ter renovado o empréstimo de Enrique Esqueda, um de seus goleadores na Libertadores, em um investimento superior a R$ 75 milhões.

Nilmar tenta, mas nem ele consegue salvar o Inter da derrota para o Corinthians

13 de junho de 2015 1

André Chaco/Lancepress!

Alisson
Duas boas defesas. Sem culpa nos gols. Nota 6

William
Oscilou durante o jogo. Bons avanços, mas com erros de marcação. 5

Alan Costa
Chutões, chutões e mais chutões. E ainda levou uma janelinha constrangedora. 3

Juan
Não conseguiu se antecipar a Love e fez a falta que resultou no gol de Jadson. 5

Ernando
Não é que ele está pegando jeito de lateral? Bem no apoio e na marcação. 6

Rodrigo Dourado
Talvez tenha sido afetado pela badalação da semana, com o assédio do Manchester United. 5

Nico Freitas
O Brasileirão, com jogadores mais habilidosos, deixa Nico em dificuldades e ele precisa apelar para as faltas. 4

Jorge Henrique
Parecia desatento em alguns lances. Perdeu um gol por displicência. 4

Alex
Conduziu o meio-campo com o auxílio de Nilmar. Faltou Jorge Henrique se apresentar mais para ajudá-lo. 6

Nilmar
Comandou o ataque do Inter com lances pessoais e marcou um golaço. 8

Rafael Moura
Você não está acostumado a ver Moura fazendo o que fez: uma assistência genial. 7

Vitinho
Dessa vez lhe faltou a energia de outros jogos. 5

Nilton
Foi a campo quando o Inter já perdia e precisava atacar. Pouco contribuiu. 4

Taiberson
Entrou no final. Sem nota

Inter não resiste à suave pressão do Corinthians e leva a virada no Itaquerão

13 de junho de 2015 0

Anderson Rodrigues/Estadão Conteúdo

Corinthians e Inter fizeram jus ao clássico que representam. Na Arena Itaquera, o time de Diego Aguirre saiu na frente, com um golaço de Nilmar, mas, no segundo tempo, a defesa falhou e não conseguiu suportar a leve pressão corintiana, que virou o jogo para 2 a 1. Com a nova derrota, o Inter volta a figurar na segunda página da tabela de classificação do Brasileirão. Na quinta-feira, mais uma partida fora de casa: contra o Figueirense, em Florianópolis.

Os comandados de Tite tomaram a iniciativa desde o começo da partida. O Corinthians era o dono do meio-campo e chagava com facilidade à área de Alisson. Só não marcava por falta de destreza de seus atacantes. O Inter de Rodrigo Dourado, Nico, Jorge Henrique e Alex encontrava problemas para concatenar um lance de ataque mais encorpado.
Ainda assim, o virtuosismo de Nilmar transformava a falta de articulação colorada em jogadas com alguma contundência. Foi Nilmar quem fez um cruzamento em curva, às costas da zaga, e nos pés de Jorge Henrique. O meia-atacante, porém, não conseguiu dominar a bola quando ficaria cara a cara com Cássio. Enquanto o Corinthians se aproximava de Alisson cobrando faltas (algumas perigosas e sem tanta necessidade assim, como cometeram Alan Costa e Nico Freitas, porque não tiveram a técnica necessária para os desarmes), Nilmar se passou de um cruzamento de Ernando, mas acertou uma bicicleta e recolocou a bola na cara do gol. Rafael Moura não dominou e a bola escapou para Alex, que bateu no cantinho, porém, sem força, facilitando a defesa do ex-goleiro do Grêmio.
Aos 30 minutos, o jogo já estava equilibrado uma vez mais, com ações de lado a lado. Mas, do lado vermelho, Nilmar era quem seguia brilhando. E, aos 40 minutos, o seu esforço foi recompensado. Alex passou para Nilmar, que encontrou Rafael Moura, que devolveu de primeira, com um passe perfeito para Nilmar, que sem deixar a bola quicar bateu no ângulo, sem chances para Cássio. Um golaço. O Corinthians não teve forças para reagir e o primeiro tempo chegou ao final com a vantagem colorada sacramentada.
No segundo tempo, com Vagner Love no lugar de Petros, o Corinthians foi para cima e também deixou generosos espaços para os contra-ataques. Curiosamente, a primeira chance de gol foi do Inter. Alex cobrou escanteio, Gil errou e Alan Costa cabeceou sozinho _ para fora.
O problema para o Inter é que os donos da casa nem precisaram pressionar para empatar. Uma vez mais, o Inter cometeu uma falta na entrada da área. Juan se agarrou em Love. E quando o adversário tem um bom cobrador de faltas como Jadson, fazer uma falta dessas é quase como chamar o gol do adversário. E foi o que aconteceu: Jadson acertou um chute indefensável, no ângulo direito.
Apesar do empate, o Inter seguiu atacando e não se intimidou com o renovado entusiasmo do Corinthians. Alex e Nilmar por pouco não fizeram. Mas, além de Love, o Corinthians já tinha Danilo em campo. Juntos, eles passaram a desconstruir o sistema defensivo do Inter. Aos 21 minutos, Renato Augusto invadiu a área e deu uma janelinha de vinheta em Alan Costa e bateu a gol. A bola acertou a trave e, no rebote, Love virou o jogo.
O Inter voltou à carga, acertou uma bola na trave, com Rafael Moura, e seguiu buscando o empate _ oferecendo o campo de defesa ao Corinthians, que chegou a fazer o terceiro gol, as que foi anulado, por impedimento de Dracena.
Apesar do esforço, o Inter não teve forças para empatar. Não resistiu à suave pressão do Corinthians, levou a virada, e segue sem vencer fora de casa no Brasileirão.

Cotação do Brasileirão: as notas para Palmeiras 1x1 Inter

04 de junho de 2015 3

Marcos Bezerra/Futura Press

Alisson
Duas boas defesas e ainda contou com Artur como anjo da guarda. 6

Ernando
Como lateral, apenas marca. A dificuldade de sempre para apoiar. 5

Paulão
Simplificou e afastou como pôde. Mas falhou no gol do Palmeiras. 4

Juan
Com sua experiência, acalmou a defesa nos momentos de pressão. 7

Artur
Ficou exposto e teve dificuldades contra Lucas e contra Dudu. 5

Nico
Ficou preso à marcação. Quando avançou, errou alguns passes. 4

Nilton
Outro que poderia ter avançado mais, mas que acabou jogando atrás. 5

Alex
Sem parceria, não conseguiu prender a bola ou armar jogadas mais contundentes. 4

Alan Ruschel
Tentou armar pela esquerda, auxiliar Alex, mas também encontrou dificuldades. 5

Valdívia
Prejudicado pela falta de apoio dos demais meio-campistas. 5

Nilmar
Era um pontinho vermelho, sozinho, entre diversos pontos verdes. Pouco conseguiu fazer. 5

Anderson
Com um toque de bola qualificado, conseguiu melhorar a saída da defesa para o ataque. 6

Rafael Moura
Entrou e fez o gol que evitou a derrota em São Paulo. 7

Vitinho
Em seu primeiro lance, fez o que os demais não haviam feito na partida inteira. 7

Libertadores: Tigres perde seu goleador para a semifinal contra o Inter

28 de maio de 2015 7

AFP

Adversário do Inter na semifinal da Libertadores, o Tigres perderá uma de suas peças mais importantes para o mata-mata com os colorados: o atacante Enrique Esqueda.

Goleador do time na Libertadores, com quatro gols, ao lado de Rafael Sobis e do equatoriano Joffre Guerrón. Ocorre que Esqueda, que disputará a Copa América com a seleção mexicana, pertence ao Pachuca. O empréstimo ao Tigres chegou ao fim e o clube de Monterrey não tem opção de compra. Além de Esqueda, o Tigres também terá que devolver ao Pachuca o meia Dieter Villalpando.

A direção mexicana, porém, já se mobiliza para buscar reforços para a semifinal. Tentará a contratação do atacante nigeriano Iker Uche, do Villarreal (ESP).

— Estamos buscando dois ou três para chegar nos torneios que estamos participando. Queremos chegar nas finais — disse o presidente do Tigres, Alejandro Rodríguez, ao jornal mexicano Récord.

Juan e D'Alessandro, os destaques do Inter na vitória libertadora sobre o Santa Fe

27 de maio de 2015 3

Felix Zucco

Alisson
Uma partida segura, mesmo quando recebeu todos os passes da zaga. 8

William
Uma vez mais, peça importante na mecânica do ataque colorado. 7

Ernando
Dessa vez, bem por cima e um bom complemento a Juan. 7

Juan
A sua melhor partida no ano. Firme na defesa e no ataque. 9

Geferson
Mesmo voltando de lesão, encarou os colombianos na força. 7

Rodrigo Dourado
Foi o cão de guarda da zaga. E ainda teve forças para avançar. 7

Aránguiz
Junto com Dourado, tratou de controlar a bola no sistema defensivo e melhorar o passe. 7

D’Alessandro
Entrega total, durante os 90 minutos. Um segundo tempo de Copa. 9

Sasha
Saiu lesionado aos 14 minutos. Sem nota

Lisandro López
Jogou como atacante e como volante. 7

Nilmar
Tentou puxar os contra-ataques. Saiu lesionado. 6

Valdívia
Incansável. Buscou o jogo o tempo todo e foi o alvo preferido das faltas. 8

Alex
Importantíssimo para a pressão final do segundo gol. 7

Rafael Moura
Entrou no final para participar do gol da classificação. 8

Beira-Rio ruge, Inter bate o Santa Fe por 2 a 0 e avança à semifinal da Libertadores

27 de maio de 2015 0

Felix Zucco

Com o maior público da história do novo Beira-Rio, o Inter bateu o Independiente Santa Fe por 2 a 0, com gols de Juan e de Mina (contra), e se classificou às semifinais da Libertadores. Em um jogo dramático, a vaga chegou com um gol aos 42 minutos do segundo tempo, depois que os colombianos tiveram dois expulsos.
Com Valdívia no banco e Lisandro López formando o ataque ao lado de Nilmar, o Inter fez o que dele se esperava: se atirou ao ataque. E até os zagueiros haviam se tornado homens de frente. Tamanha fome de gols levou o Inter a abrir o placar logo aos dois minutos – se utilizando da mesma arma do Santa Fe em Bogotá: a bola aérea.
D’Alessandro cobrou escanteio, Sasha cabeceou para o chão. A bola quicou, subiu, não iria para o gol. Isso até ela encontrar Juan que, quase ao lado da trave, saltou e cabeceou ao gol, encobrindo o volante Roa. O Beira-Rio rugiu pela primeira vez, comemorando o gol do defensor que havia falhado no gol de Mosquera, em Bogotá.
Com metade da missão cumprida, uma vez que o 1 a 0 levaria a decisão para os pênaltis, era chegada a hora de respirar fundo e repensar o jogo. Os minutos seguintes, porém, foram de chegadas do Santa Fe _ ainda que sem conclusão ao gol de Alisson.
Diego Aguirre sofreu uma baixa ainda cedo. Sasha recebeu um pisão no pé direito e não teve condições de prosseguir. A reserva de Valdívia durou apenas 14 minutos. A troca, porém, não ajudou a melhorar o Inter. Ao contrário: foi o Santa Fe quem passou a tomar conta do jogo, a ter maior posse de bola e a criar situações de gol. Já os donos da casa seguiam ansiosos e errando muitos passes. Para deixar a torcida ainda mais nervosa, a defesa colorada trocava muitas bolas em frente à área.
Aos 34 minutos, Alisson tentou o passe para Juan e, por pouco, Omar Pérez não fez por cobertura. No lance seguinte, Alisson saiu mal de novo e precisou dividir com Morelo para evitar o empate. O primeiro tempo chegou ao final com algumas jogadas mais viris, de lado a lado.
- Temos de buscar o segundo gol agora, não tem outro jeito – disse Valdíva, no intervalo.
No segundo tempo, Santa Fe e Inter passaram a ser mais ofensivos. Os colombianos buscavam o gol que poderia encaminhar a sua classificação, enquanto os de Aguirre trabalhavam melhor a bola e buscavam o 2 a 0 definitivo. O Inter por pouco não fez em uma sequência com Dourado, Geferson e depois com D’Alessandro. O campo, úmido, devido à chuva em Porto Alegre desde a madrugada, parecia deixar as jogadas ainda mais velozes.
Aos 13, Lisandro foi derrubado na área. O árbitro não marcou o pênalti. A pressão e o rugido do Beira-Rio cresciam. Valdívia foi o alvo preferido das faltas colombianas. Em mais uma delas, no meio-campo, parando um contra-ataque colorado, Aguirre entrou no campo exigindo o segundo cartão amarelo de Mosquera. Acabou expulso. Aos 22, o Santa Fe também teve um expulso, mas em campo. Mosquera, autor do gol em Bogotá, derrubou Nilmar e recebeu o segundo amarelo _ e o atacante, tonto com a pancada, foi substituído por Alex. Aos 32, D’Alessandro tabelou com Valdívia e mandou um chutaço para grande defesa de Castellanos. Aos 36, mais um expulso: o lateral Anchico, por falta em Valdívia.
O Inter ficou com dois jogadores a mais, trocou Geferson por Rafael Moura, e se jogou ao ataque. Não demorou para que um escanteio jogasse todo o time para a área colombiana. D’Alessandro cobrou e Rafael Moura entrou como um raio para desviar de cabeça e marcar o gol salvador da classificação – o gol, porém, foi dado para o zagueiro Mina, contra. O Santa Fe reclamou que o escanteio foi irregular, pois a bola bateu em Lisandro antes de sair.
Nos minutos finais, Lisandro ainda perdeu um gol cara a cara com Castellanos. Aguirre assistiu ao final da partida agachado, escondido da arbitragem atrás dos seguranças do Inter. Assim que o árbitro encerrou o jogo, o árbitro foi cercado pelos colombianos, e o zagueiro Mina acabou expulso. O Beira-Rio explodiu em festa, seguida pelo apagar dos refletores e pelo clarão dos celulares e smartphones.

Muriel e Nilmar são os destaques dos suplentes do Inter no empate com o Vasco

23 de maio de 2015 2

Paulo Sérgio/Lancepress!

Muriel
Três defesas que evitaram uma nova derrota do Inter no Brasileirão. 8

Lucas Marques
Um início tímido. Cresceu ao longo do jogo, subindo ao ataque e acertando passes. 5

Paulão
Sem invencionices. Rebateu e afastou tudo o que pôde na zaga. 5

Réver
Esforçado, mas ainda longe daquele zagueiro campeão da América em 2013 com o Atlético-MG. 6

Geferson
Jogou 19 minutos e saiu lesionado. Sem nota

Nico Freitas
É limitado e sabe disso. Faz o básico. Marca e passa. 6

Nilton
Alguma dificuldade na marcação, mas com dois passes perfeitos para Nilmar. No segundo deles, gol. 7

Anderson
Dono de bom passe, deu uma saída de bola qualificada ao meio-campo. 7

Alex
Se desdobrou entre a armação e, depois, a lateral-esquerda, com um jogador a menos. 6

Alan Ruschel
Não é à toa que o reserva de Geferson é Ernando, um zagueiro improvisado. Ainda foi expulso. 3

Nilmar
Fez um teste para pegar o Santa Fe. Correu, desarmou adversários, fez, passou no exame e ganhou nota 8

Taiberson
Com ele, o Inter teve uma jogada de desafogo e conseguiu avançar mais ao ataque. 6

Vitinho
Com a sua força e velocidade, poderia ter feito bem mais no ataque. 4

Eduardo
Entrou com a defesa toda mexida e com o Inter atuando com 10 jogadores. 5

Diego Aguirre lamenta revés nos acréscimos: "Dói levar um gol no último minuto"

21 de maio de 2015 4

Ricardo Duarte

Assim como ocorreu no mata-mata com o Atlético-MG, o Inter terminou a partida de ida lamentando ter sofrido mais um gol no final. No Independência, o gol do empate em 2 a 2 surgiu aos 49 minutos do segundo tempo. Em Bogotá, a derrota aconteceu aos 46 minutos do segundo tempo. Apesar de abatido com o revés colombiano, o técnico Diego Aguirre aposta na sinergia torcida-time do Beira-Rio para seguir na Libertadores.

- Dói levar um gol no último minuto. São coisas que acontecem. Mas temos outra parte do jogo a disputar. Esse é o momento de pensar em coisas positivas, pensar que teremos o Beira-Rio lotado em uma semana. Vai ser muito difícil, mas é possível que o Inter possa se classificar – disse Aguirre.

Escudado pelos 100% de aproveitamento em casa na Libertadores, o técnico colorado poderá mexer na equipe, contando com o retorno de Geferson na lateral-esquerda (recuperado de uma artroscopia no joelho direita) e com Nilmar desde o início no ataque.

- Confio muito na minha equipe. Temos boa qualidade para conseguir a classificação. Sempre se joga melhor em casa. Tenho certeza: vamos buscar o resultado. É bom para nós definir em casa. Acredito mais do que nunca em nossa força _ comentou o técnico.

Vitorio Piffero fez coro a Aguirre. O presidente do Inter entendeu que a equipe recuou demais e não conseguiu perturbar o adversário. Aposta na reversão em casa.

- Nos culpamos. Não exercemos toda a pressão que exercemos nos adversários no Beira-Rio. Eles têm um time com vigor físico, são grandes, se impõem, é um bom time. Mas, no Beira-Rio, é diferente, Vamos apertar o adversário. Nos encolhemos para tentar nos defender – afirmou Piffero. – Já temos 15 mil sócios que realizaram o check in – emendou o dirigente, contando com um estádio lotado no dia 27.

Sasha lamentou a atuação da equipe no segundo tempo. E admitiu ter cansado:
- A altitude dificultou um pouco, fazer esse vai-e-volta é desgastante mesmo. Fomos meio que empurrados para trás, mas temos que manter o que estamos acostumados a fazer em casa.

Em casa, na Libertadores, o Inter bateu a Universidad de Chile por 3 a 1, o Emelec por 3 a 2, o The Strongest por 1 a 0 e o Atlético-MG por 3 a 1. Agora, precisará repetir as vitórias sobre chilenos e mineiros para avançar às semifinais – ou se preocupar apenas com o Brasileirão e com a Copa do Brasil.