Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts na categoria "Inter"

Inter bate Avenida por magro 1 a 0 e ainda parece distante de apresentar um jogo sólido em 2015

25 de março de 2015 6

Fernando Gomes

O Inter venceu o Avenida no Beira-Rio. Por 1 a 0 e com boa dose de dificuldade. Ganhou a sétima no Gauchão, mas, assim como nos outros 15 jogos da temporada, segue sem apresentar um futebol sólido ou um jogo convincente. O técnico Diego Aguirre admite que a equipe ainda não deu liga. Assegura, porém, desconhecer os motivos pelos quais o seu time não encorpou em 2015.

- Estou esperando que o Inter jogue mais, não tenho uma razão, mentiria para vocês. Não gostei do espetáculo – disse Aguirre, questionado sobre a falta de um bom desempenho do Inter. – No futebol, o que pode acontecer é um time demorar um pouco para aparecer. Mas a minha confiança é total que o Inter vai aparecer na hora certa. O tempo dirá – emendou o técnico uruguaio.

Diego Aguirre repetiu que o esquema 3-5-2 não é definitivo. Mas acredita ter sido o que melhor se adapta às características dos jogadores colorados. Lembrou que em duas semanas terão início os jogos decisivos no Estadual, além da retomada da Libertadores.

- Temos que tentar encontrar uma regularidade. Todos queremos que o Inter jogue mais, que dê certo. Em 15 dias, começaremos a ter jogos decisivos. Prefiro arrumar o time ganhando. Tirei muitas conclusões desde o início do trabalho – argumentou o treinador.

De volta ao 3-5-2, o Inter dominou o primeiro tempo. Apesar de ter a iniciativa do jogo, não tinha a contundência necessária para marcar. Alex, com boa movimentação, acertou a trave, aos quatro minutos, em cobrança de falta. Na noite em que completou 33 anos, Alex ainda deixou Taiberson cara a cara com Villar, mas o goleiro fez uma arrojada defesa.

Se o Avenida mal conseguia passar da intermediária, a lentidão do Inter não permitia surpreender a defesa de Santa Cruz do Sul em contra-ataques. Paulinho, com um chute cruzado de fácil defesa de Alisson, aos 29 minutos, marcou o primeiro arremate do Avenida a gol. Na sequência, um pouco de emoção no jogo: Nilton concluiu, e Villa defendeu. Logo em seguida, na cobrança de escanteio, Nilton cabeceou e Michel tirou quase de dentro do gol.

Aos 34 minutos, Taiberson, lesionado, deu lugar a D’Alessandro, que não atuava desde 4 de março, quando se contundiu na vitória sobre o Emelec, no Beira-Rio, pela Libertadores. Com dois armadores, Alex e D’Alessandro, o Inter ficou mais insinuante. E, aos 41 minutos, fez 1 a 0, após cobrança de escanteio, desvio de cabeça de Nico Freitas e novo cabeceio, agora de Juan, empurrando para o gol. O primeiro tempo chegou ao fim com o Inter cumprindo a sua obrigação de vencer.
No segundo tempo, o que se viu foi um Avenida atrevido, chegando com alguma facilidade à área. Alisson fez pelo menos duas defesas difíceis para garantir a vitória.
O Inter terminou o jogo acuado em casa.

Diego Aguirre aposta que o tempo mostrará um Inter pronto para as finais do Gauchão e das fases decisivas da Libertadores. Mas, até agora, o que se vê é uma equipe distante deste otimismo demonstrado pelo treinador uruguaio.

Está no Chile o jogo-chave do Inter para se classificar em 1° no Grupo 4 da Libertadores

18 de março de 2015 16

Alexandre Ernst

Apesar de ocupar a segunda colocação do Grupo 4 da Libertadores, com os mesmos sete pontos do líder Emelec, o Inter está em boas condições para se tornar o primeiro colocado. Na próxima rodada, daqui a quatro semanas, os colorados enfrentarão a Universidad de Chile, em Santiago, enquanto o Emelec terá pela frente a altitude de La Paz, contra o The Strongest - a classificação atual apresenta Emelec (7), Inter (7), The Strongest (6) e Universidad de Chile (3).
Ocorre que o jogo na Bolívia será dois dias antes da partida no Chile. A tendência é que o The Strongest vença (já bateu Inter e La U, no Hernando Siles). Assim, os bolivianos ingressariam de vez na briga por uma das vagas às oitavas e os chilenos iriam a campo contra o Inter, dois dias depois, já eliminados. Com uma vitória em Santiago, o Inter passaria a liderar a chave e decidiria a última rodada em casa, contra o palatável The Strongest – que longe de casa já perdeu para Emelec e para La U.
A questão é: a decisão em Santiago será com Diego Aguirre na casamata do Inter?

Sincero Aguirre: "Para o título, falta muito"

18 de março de 2015 0

Rodrigo Buendias/AFP

Foi com a costumeira sinceridade que Diego Aguirre analisou o empate do Inter com o Emelec:
- Foi bom o ponto, pelo o que aconteceu, não pelo que apresentamos em campo. Temos que jogar mais.
O treinador uruguaio admitiu que o empate era o resultado dos sonhos do Inter no Equador. O empate manteve o Inter em segundo no Grupo 4, mas com a mesma pontuação do líder, Emelec. Mas lamentou o fraco futebol apresentado.
- Estou satisfeito pelo resultado. Era um dos nosso objetivos para a classificação. Jogamos bem o segundo tempo, mas, no final, tivemos problemas e poderíamos ter perdido. Para o título, falta muito. Estamos perto da classificação, mas, se quisermos ter vida longa na Copa, temos que compactar mais o time e mostrar mais futebol – disparou. – Contra o Emelec, somamos quatro pontos – recordou Alex, ao citar o empate mais a vitória por 3 a 2, no Beira-Rio.
Aguirre chegou a comemorar a pausa de um mês do Inter na Libertadores. Espera que até o retorno ao torneio, em 16 de abril, contra a Universidad de Chile, em Santiago, a equipe esteja apresentando um melhor futebol.
- É muito bom para o Inter dar esta parada de quatro semanas na Libertadores. Espero voltar com outra imagem, que o Inter possa definitivamente mostrar no campo as intenções que tem – finalizou o técnico do Inter.

Libertadores: Sasha e Vitinho, os destaques do Inter no 1 a 1 com o Emelec

18 de março de 2015 3

Rodrigo Buendia/AFP

Alisson
Seguro quando exigido. Sem culpa no gol. Nota 6

Ernando
Sem reação no gol do Emelec. Driblado com certa facilidade. Nota 4

Juan
Teve grandes dificuldades quando no mano a mano. Nota 5

Réver
Fez boas coberturas a Fabrício. Protagonista na expulsão de Lastra. Nota 6

Léo
Atrapalhado, falhou na marcação e foi desarmado com facilidade. Nota 4

Nicolás Freitas
Firme nos desarmes. Catimba na hora certa, como manda a Libertadores. Nota 6

Nilton
Tentou o ataque o tempo todo. Foi o que Aránguiz deveria ter sido. Nota 7

Aránguiz
Lento, não conseguiu ser o elo entre a defesa e o ataque. Saiu no intervalo. Nota 5

Alex
Articulador isolado do Inter, conduziu o time ao ataque até quando teve pernas. Nota 7

Fabrício
Foi o alvo preferido dos atacantes do Emelec. A noite toda. Nota 3

Eduardo Sasha
Mesmo sofrendo de “isolatite”, conseguiu se destacar no ataque. Nota 8

Vitinho
Deu nova vida ao ataque do Inter. Marcou um gol de centroavantão de área. Nota 8

Alan Costa
Entrou em uma defesa confusa. Sobreviveu a chutões. Nota 5

Anderson
Pouco contribuiu. Atuação opaca. Nota 5

Oficial: déficit do Inter em 2014 foi de R$ 49 milhões. Clube enxugará R$ 20 milhões em custos

13 de março de 2015 15

Ricardo Duarte

O balancete de 2014 do Inter já tem um número oficial. O do déficit: R$ 49 milhões. O número, recorde para o clube, obrigará a atual gestão a seguir reduzindo custos, a demitir funcionários e afetará também os investimentos no futebol para o segundo semestre. Segundo o planejamento para a temporada, a meta é diminuir o “Custo Inter” em R$ 20 milhões até dezembro.

- Ainda não recebi o balancete, mas estamos fazendo uma reengenharia para poder trabalhar com um déficit de R$ 50 milhões. Temos que adequar o nosso fluxo de caixa a esta nova realidade – admitiu o vice de finanças, Pedro Affatato.

Conforme o dirigente, desde janeiro, a atual gestão vem realizando cortes mensais nos gastos do clube.
- Desde que assumimos, já reduzimos em quase R$ 1 milhão ao mês. E precisamos terminar o ano com uma redução de custos na casa dos R$ 20 milhões. Haverá demissões e redução de quadro – afirma Affatato.

E há exemplos. Somente para abrir o Beira-Rio em dias de jogos, houve uma redução de R$ 150 mil por partida (até o ano passado, custava R$ 350 mil para recebe jogos no estádio), com funcionários dobrando funções, a fim de compensar um quadro funcional que vem sendo enxugado. Profissionais da base também já deixaram o clube ou estão sendo substituídos.

- Estamos fazendo tudo isto para que o futebol seja minimamente afetado. Mas haverá alguma interferência, sim. Vamos reduzir custos, sem sucatear o futebol – comentou o vice de finanças do Inter.

Giovanni Luigi explica as contas
Presidente colorado por quatro anos, e que deixou o cargo em dezembro, Giovanni Luigi, entende que a situação econômica do Inter não é grave como este número aparenta. Ele alega que quase 80% do déficit se deve a “lançamentos contábeis e econômicos”, que não representariam custos para o clube. Entre eles, R$ 25 milhões a título de “depreciação de passes de jogadores” (o valor do atleta via diminuindo, conforme o seu contrato vai se aproximando do final com o clube), mais R$ 12 milhões de “diferenças cambiais”, entre outros lançamentos contábeis.

- A situação financeira do Inter é boa comparada a outros clubes brasileiros – declarou Luigi. – Mas, é claro que foi um ano difícil, pois apenas o Otávio foi vendido (ao Porto). Pelo bem da campanha no Brasileirão, deixamos de vencer Aránguiz e Valdívia – acrescentou.

O ex-presidente, que no ano passado viu aprovada com ressalvas pelo Conselho Deliberativo uma suplementação orçamentária de R$ 59,3 milhões, rebateu a informação de que toda a verba da TV de 2015 (R$ 45 milhões) foi adiantada no ano passado:

- Antecipei R$ 15 milhões e cheguei a pagar de volta duas parcelas. Ou seja: antecipei R$ 13 milhões.
Giovanni Luigi alega ainda que renegociou e passou a pagar com regularidade toda a dívida fiscal do Inter, que hoje está na casa dos R$ 129 milhões.

- Mas, se o Proforte for aprovado pela Câmara dos Deputados (o projeto de lei está tramitando em Brasília, com possibilidade de acordo junto ao governo federal), esta dívida cairá para R$ 90 milhões – afirmou.

Pessoas ligadas à gestão Luigi alegam ainda que as contas de Vitorio Piffero, em 2010, teriam atingido um alto déficit também, caso a venda do Estádio dos Eucaliptos (por R$ 28 milhões) não tivesse sido considerada no balancete.

As contas de 2014 serão apreciadas e votadas pelo Conselho Deliberativo no mês de abril.

Grêmio pagará R$ 85 mil por depredações no Beira-Rio. No Gre-Nal da Paz, colorados destruíram tantas cadeiras quanto os gremistas

12 de março de 2015 9

Leandro Behs

Nos próximos dias, o Grêmio desembolsará R$ 85 mil para o Inter, devido aos prejuízos causados por seus torcedores no Gre-Nal de 1º de março, no Beira-Rio. Foram 47 cadeiras depredadas mais dois banheiros quebrados, entre outros pequenos prejuízos. O curioso, porém, é que se o Gre-Nal em campo terminou em 0 a 0, o clássico do quebra-quebra deu Grêmio… por apenas uma cadeira. Em sua casa, os colorados destruíram 46 cadeiras - cada peça custa R$ 300.
Assim, é possível condenar o visitante? O clube alega que não foi por depredação, mas, sim, por empolgação exacerbada.

Em tempo: não foi registrada qualquer depredação ou incidente na área da torcida mista, onde mil gremistas levados por mil colorados conviveram durante todo o clássico.

Na estreia do 3-5-2, Lisandro López e Sasha foram os destaques de Inter 3x0 Aimoré

11 de março de 2015 1

Fernando Gomes

Contra o Aimoré, o técnico Diego Aguirre utilizou pela primeira vez o esquema 3-5-2. O sistema de jogo deverá ser colocado em prática também na próxima quarta-feira, contra o Emelec, no Equador, pela Libertadores. Na primeira amostragem, sucesso. O sistema defensivo quase não foi pressionado e os colorados conseguiram se impor no ataque. Na vitória por 3 a 0, Diego Rocha (contra), Sasha e Fabrício marcaram os gols. O atacante argentino Lisandro López teve boa participação e só saiu por cansaço. Confira as notas para os jogadores do Inter:

Por Alexandre Ernst

Alisson
Assistiu à partida
5

Ernando
Por vezes, atuou como um falso lateral. Perigoso pelo alto
7

Juan
Como homem de sobra, a experiência faz a diferença
6

Réver
Assanhado no ataque e efetivo na defesa. Melhor partida com a camisa do Inter
7

Léo
Premiado com um gol contra em um dos poucos cruzamentos que fez pela direita
6

Nico Freitas
Forte na marcação, ainda que o Aimoré pouco tenha assustado
6

Nilton
Falta qualidade para ser o homem da saída de bola, mas é firme na marcação
6

Alex
Único armador, um primeiro tempo tímido. Destacou-se na etapa final
7

Fabrício
Apareceu algumas vezes dentro da área, como elemento-surpresa
6

Eduardo Sasha
Com um companheiro no ataque, cresceu. Marcou um belo gol
8

Lisandro López
Brigador, participativo e veloz. Nem parece que veio do futebol do Catar
8

Vitinho
Entrou com vontade em um jogo que já estava definido
5

Jorge Henrique
Surge como boa opção pela direita
5

Alisson Farias
Um potente chute de fora da área e boa movimentação
6

Balancete apontará Inter com sérios problemas financeiros. Déficit de 2014 foi recorde: mais de R$ 40 milhões

10 de março de 2015 19

Ricardo Duarte

O balancete do Inter deverá ser conhecido nas próximas semanas. Mas, desde já, números extraoficiais apontam para uma preocupante situação financeira do clube. O déficit de 2014 foi superior aos R$ 40 milhões - o maior da história do Inter.

Para piorar as finanças do clube, há um passivo de R$ 60 milhões (entre os credores, alguns bancos), além de dívidas fiscais na casa dos R$ 129 milhões, segundo levantamento da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.

De janeiro para cá, o custo do clube já foi reduzido de R$ 17 milhões mensais (de folha do futebol, passando pelo custo de manutenção do estádio e quadro funcional) para R$ 14 milhões. A projeção do clube é reduzir este custo em mais R$ 2 milhões até maio.

E não há de onde tirar recursos extraordinários. Vendas, se ocorrerem, não deverão ser por valores significativos, pois não há um craque a ser negociado e o mercado está em recessão. Mesmo assim, a atual direção vem conseguindo manter os salários dos jogadores em dia.

Para completar, a gestão passada antecipou R$ 40 milhões da temporada 2015, entre verbas dos patrocinadores Banrisul e Tramontina, mais boa parte das receitas de TV.

- A situação financeira do Inter é realmente preocupante – comentou um dirigente colorado.

Pela Libertadores, Inter tenta se reinventar na temporada

10 de março de 2015 1

Lauro Alves

O primeiro reflexo da derrota do Inter para o Juventude foi visto ontem à tarde, no CT Parque Gigante: o sistema tático mudou. Diego Aguirre deixou de lado o 4-2-3-1 e adotou o 3-5-2. A preparação não visa somente ao jogo de amanhã, contra o Aimoré, no Beira-Rio. Aguirre está de olho no Emelec. No dia 18, ele não poderá ser derrotado na cidade de Manta, caso contrário, pode se complicar no Grupo 4 – além de ter a sua sequência no clube interrompida.
Em seu primeiro 3-5-2, o técnico deverá escalar o time com Alisson; Alan Costa, Réver e Ernando; Léo, Nico Freitas, Nilton, Alex e Fabrício; Sasha e Vitinho. No treino, Aguirre posicionou apenas os alas, meias e atacantes. Os Alan Costa e Réver ficaram no time adversário – enquanto Ernando, que atuou os 90 minutos no Alfredo Jaconi, realizou apenas corridas.

Nico e Nilton ficaram responsáveis pela saída de bola desde o meio-campo. Ora com Alex – este mais próximo aos atacantes, Sasha e Vitinho -, ora com os novos alas, Léo e Fabrício. Três titulares, porém, estão fora, todos por lesão: D’Alessandro, Aránguiz e Nilmar. E ainda há Anderson, também em recuperação. Aguirre terá duas partidas para fazer com que a alteração de esquema de jogo dê certo, antes de embarcar para o Equador. Depois de receber o Aimoré, em casa, o Inter terá um difícil compromisso em Pelotas, contra o líder do Gauchão, o Brasil, na Boca do Lobo – uma vez que o Estádio Bento Freitas segue interditado.
na noite de domingo, após a derrota em Caxias do Sul, Diego Aguirre foi ao programa Bate Bola, da TV Com, fez um mea culpa pela falta de bom futebol do clube e confirmou a mudança na configuração da equipe.

- É possível que, fora de casa, adotemos um modelo de jogo com maiores precauções. Com os zagueiros que o Inter tem, o 3-5-2 é uma possibilidade real. Não estou de braços cruzados. Preciso fazer algo diferente do que tem sido feito – disse o treinador. – Ainda não temos um time. Mas o Inter voltará a ser o Inter – prometeu Aguirre.

Com os três zagueiros do 3-5-2, apenas um volante costuma ser utilizado no meio-campo. Assim, quando Aránguiz retornar ao time, possivelmente entrará na vaga do uruguaio Nico Freitas, e atuará como meia – deixando Nilton com a função de marcação. D’Alessandro deve ficar com a posição de Alex, enquanto Nilmar tem tudo para colocar Vitinho na reserva.

- Às vezes, é preciso mudar. Porque todas as equipes mudam, todas as equipes são diferentes – comentou Nico Freitas. – Aguirre é inteligente para saber como o Inter tem que jogar. E, nós, teremos que desempenhar o que ele pedir – acrescentou o volante, ao comentar a mudança de sistema.
Vice-campeão da Libertadores com o Peñarol de 2011, treinado por Diego Aguirre, o volante entende que a partida no Equador não definirá o destino colorado na Libertadores.

- O jogo contra o Emelec não decidirá nada, ainda restarão mais dois jogos (contra Universidad, em Santiago, e contra The Strongest, no Beira-Rio). Mas, ainda assim, precisamos vencê-los fora de casa – afirmou o volante.
O Inter tenta se reinventar na temporada. E encontrar um padrão de jogo em 2015. A mudança poderá começar a partir de amanhã.

O provável Inter, no 3-5-2, para enfrentar o Aimoré, amanhã, às 19h30min, no Beira-Rio: Alisson; Alan Costa, Réver e Ernando; Léo, Nico Freitas, Nilton, Alex e Fabrício; Sasha e Vitinho.

Cotação: as notas da derrota do Inter para o Juventude

08 de março de 2015 3

Lauro Alves

Em uma partida irregular, os reservas do Inter perderam por 1 a 0 para o Juventude, no Estádio Alfredo Jaconi. Com o resultado, o Inter perdeu a sua invencibilidade no Estadual.

Muriel
Fez um pênalti bisonho ao tentar sair jogando com os pés. Nota 4

Ernando
Foi escalado na lateral. Mas, definitivamente, é zagueiro. Nota 5

Juan
Sofreu para marcar Wallacer e Zulu. Saiu no intervalo. Nota 4

Paulão
Mal posicionado, perdeu diversos duelos contra os atacantes. Nota 4

Geferson
Se limitou à defesa, pouco avançou. Nota 5

Rodrigo Dourado
Fixo à frente da zaga, acabou sendo um marcador isolado no setor. Nota 6

Alan Ruschel
Volante ofensivo, foi presença constante no ataque. Nota 6

Jorge Henrique
Demorou a entrar no jogo. E, quando entrou, pouco fez. Nota 5

Alisson Farias
Começou bem, driblando e conduzindo os ataques. Mas foi substituído no intervalo. Nota 5

Valdívia
Boa movimentação, mas cometeu erros que atrapalharam a sua atuação. Nota 6

Lisandro López
Teve bons momentos, quando abastecido. Saiu por cansaço. Nota 6

Alan Costa
Emprestou maior segurança à zaga colorada. Nota 6

Rafael Moura
Entusiasmado e participativo. Uma conclusão na trave. Nota 6

Luque
Algumas arrancadas, que seguem sem ter consequência alguma. Nota 5