Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts na categoria "Inter"

Inter deverá vender Rafael Moura ao final do Campeonato Brasileiro

20 de outubro de 2014 3

Mateus Bruxel

Rafael Moura deverá ser vendido ao final do Brasileirão. Uma oferta do futebol mexicano levará o camisa 11 do Beira-Rio. A proposta, feita ao clube semanas atrás, se tornará realidade assim que o campeonato chegar ao fim. É bem provável que a negociação ocorra por um valor inferior aos quase 3 milhões de euros (R$ 9,3 milhões) pagos pelo Inter ao Fluminense, em 2012, mas ao que tudo indica, o futuro de Moura será mesmo na América do Norte.

Moura tem 79 jogos pelo Inter e 22 gols marcados – os mais importantes, os dois da virada sobre o Grêmio, no jogo de ida das finais do Gauchão, na Arena. Com a chegada de Nilmar, perdeu espaço no elenco. Wellington Paulista deverá permanecer.

Além disto, ficou marcado pela falta de gols, pelo gol perdido no Independência contra o Atlético-MG e, mais recentemente, por ter assumido o risco de ir para o gol na partida contra a Chapecoense, assim que Dida foi expulso – e em tempo de sofrer o quinto gol, de pênalti. Contra o Corinthians, no Beira-Rio, não foi opção para tentar reverter o jogo.

Alex e Nilmar: Heróis de dois mundos

17 de outubro de 2014 10

Mauro Vieira

Ricardo Duarte

Peças-chave no novo Inter desse returno do Brasileirão, Alex e Nilmar são heróis de dois mundos: De colorados e corintianos. Vendido pelo Inter ao Lyon, Nilmar acabou repatriado pelo Corinthians. Foi campeão do polêmico Brasileirão de 2005 – inclusive dando a Tévez o passe do gol no 1 a 1 do Pacaembu, quando Tinga foi expulso pelo não menos polêmico Márcio Resende de Freitas. Depois, em litígio com o clube paulista, voltou ao Inter, em 2007. Já Alex, campeão da Libertadores e do Mundial com o Inter, conquistou a Libertadores de 2012 pelo Corinthians. No Inter, atuando juntos, ganharam o Gauchão e a Copa Sul-Americana de 2008.
Nesse domingo, Alex e Nilmar (e D’Alessandro) terão a missão de levar o Inter à vitória sobre o Corinthians.

Ex-vice de futebol do Inter, Roberto Siegmann assegura que segue no páreo da eleição: "Não desisti"

17 de outubro de 2014 4

Diego Vara

Roberto Siegmann segue postulante à presidência do Inter. É o que ele garante. Este blog publicou dias atrás que o ex-vice de futebol estaria fora da eleição. Não está, diz ele. Siegmann, porém, afirmou por telefone estar contando “dia a dia” os seus possíveis votos para poder concorrer ao primeiro turno do peito colorado. São necessários no mínimo 30 votos de conselheiros para participar dessa etapa. Siegmann poderá se lançar como candidato independente. Os demais presidenciáveis deverão ser Marcelo Medeiros e Vitorio Piffero.
Abaixo, reproduzo o e-mail enviado por Roberto Siegmann:

Oi amigo.
Só agora vi teu recado. Talvez pelo meu silêncio saiu a notícia da desistência. Não desisti não. Apenas tenho que fazer permanente contabilidade acerca da minha efetiva possibilidade de “ir para o pátio”.
Não é fácil, pois o filtro intermediário do Conselho, diante das negociações para as 150 vagas, me impedem de ter “moeda de troca”. Como me conheces, talvez mesmo com elas não soubesse utilizá-las como fazem outros com maestria.
Na discussão da Reforma Estatutária apresentei emenda, para que o conselheiro candidato à presidência fosse para o pátio, desde que a sua candidatura fosse apresentada por 1.000 sócios. O democrata Dr. Ibsen foi hábil em mutilar a Reforma, em um vergonhoso “faz de conta”.
Desafio qualquer pesquisa que coloque meu nome junto com os demais cogitados para os sócios.
Um abraço,
Roberto Siegmann

Dos azares do Inter: Abel Braga perde três titulares, que só voltarão a jogar em 2015

16 de outubro de 2014 3

Agência RBS

O departamento médico do Inter acaba de confirmar a necessidade de cirurgia no joelho do volante Wellington (foto). O volante, que está emprestado pelo São Paulo até 20 de maio, deverá voltar a jogar somente em fins de março. É o terceiro titular que o Inter perde no returno do Brasileirão. Antes dele, Sasha e Juan já haviam caído. Todos operados e todos que estarão em condições de voltar a jogar somente em 2015. O azar foi compensado pela chegada de Nilmar, que deverá começar a partida de domingo, contra o Corinthians, no Beira-Rio.

Convergência nega apoio a Medeiros. Coalizão com Piffero não foi sacramentada e nova reunião está marcada

15 de outubro de 2014 2

Ricardo Duarte

Em busca de apoio para confrontar a chapa de Vitorio Piffero na eleição presidencial do Inter, a situação ainda fez, em um almoço nesta quarta-feira, uma última tentativa de coalizão com o movimento Convergência Colorada. E o situacionista Marcelo Medeiros ouviu um “não”.

O Convergência ainda não se aliou a Piffero. Apesar de alguns de seus integrantes terem participado do churrasco oferecido pelo ex-presidente, em sua casa, na noite de terça-feira, o grupo não gostou de receber um organograma prévio, com a futura possível aliança, bem como o plano apresentado de cada um dos grupos políticos da base de Piffero encaminhar candidatura própria à eleição para a renovação de cadeiras no Conselho Deliberativo – inclusive o Convergência Colorada.

Um novo encontro ficou agendado para a terça-feira, quando as arestas poderão ser aparadas – ou não.

Ministério Público autoriza pagamento e Inter está por quitar as estruturas temporárias da Copa

14 de outubro de 2014 1

Diego Vara

Aos poucos, o Inter começa a definir todos os pagamentos das empresas responsáveis pela montagem das estruturas temporárias para a Copa do Mundo no Beira-Rio. Nesta terça-feira, o promotor do Patrimônio Público, Nilson Rodrigues Filho, autorizou a liberação da quitação de mais R$ 5,6 milhões ao consórcio responsável pela obra. O Ministério Público aguardava as justificativas sobre os gastos que as empresas tiveram com a construção. O pagamento ocorrerá ainda nessa semana.

Com isto, o Inter já repassou R$ 19,6 milhões às empresas Fast Engenharia e Montagens S.A., Rohr S.A. Estruturas tubulares e Pazini Som, Luz e Festas LTDA. Restam ainda R$ 4,3 milhões a serem pagos, totalizando quase R$ 24 milhões pelas estruturas temporárias utilizadas durante a Copa. O prazo final para a quitação é 25 de novembro.

O Inter assegura que o valor total já foi captado junto ao junto ao Estado, em incentivos fiscais, a fim de pagar aos fornecedores. Sendo assim, não há risco de o clube precisar desembolsar dinheiro do caixa para bancar este débito.

- Já temos o valor total captado e iremos pagando conforme o Ministério Público foi recomendando estas liberações. As empresas justificam os gastos e o MP nos autoriza a pagá-las – disse o vice de administração do Inter, José Amarante.

Além da Promotoria do Patrimônio Público, a Contadoria da Fazenda do Rio Grande do Sul fiscaliza as liberações destes pagamentos do Inter ao consórcio de empresas responsável pelas estruturas temporárias do Beira-Rio na Copa do Mundo.

Vitorio Piffero começa a montar a sua chapa para concorrer à presidência do Inter

14 de outubro de 2014 2

Ricardo Duarte

Uma reunião no escritório de Vitorio Piffero, na tarde desta terça-feira, começou a encaminhar a aproximação do programa do Convergência Colorada (CC) ao projeto de Piffero para voltar à presidência do Inter, a partir de 2015.

Para confirmar o apoio, o CC quer saber quais são os planos de Piffero para a administração do clube e, principalmente, para o futebol. O CC não quer que haja uma “terceirização” do departamento de futebol, com o técnico tendo o controle do vestiário, em vez de este comando pertencer à direção. No campo administrativo, o grupo quer conhecer os planos de Piffero para o complexo Beira-Rio, uma área ainda a ser explorada e de grande valor econômico para o futuro do clube. O CC ainda entende que, para uma coalizão ser sacramentada, será preciso de certa forma descentralizar as decisões do novo presidente. A criação de um Conselho de Gestão, que possa debater temas importantes para o clube com a direção eleita, foi sugerida a Vitorio Piffero.

À noite, o ex-presidente oferecerá um churrasco em sua casa para integrantes da sua base eleitoral no Conselho Deliberativo: os movimentos políticos Mais Inter, Ação Independente Colorada e União Colorada. Lideranças do Convergência também estarão presentes. Caso este bloco se junte para a eleição, Piffero já terá 188 votos para a eleição em primeiro turno (na primeira quinzena de novembro), no Conselho – passando com facilidade para a eleição no pátio, com os sócios, em 13 de dezembro. Aos poucos e ainda sem oficializar a candidatura, Vitorio Piffero começa a apresentar à sociedade a sua chapa para concorrer contra Marcelo Medeiros à sucessão de Giovanni Luigi.

O CC ainda não disse “sim” a Vitorio Piffero. O ex-presidente ainda não lançou a sua candidatura, mas, ao que tudo indica, as conversas se encaminham para uma grande convergência.

O novo Inter de Nilmar

13 de outubro de 2014 2

Diego Vara

Nilmar foi a campo no segundo tempo contra o Fluminense e reenergizou o ataque do Inter. Mesmo sem condições físicas ideias, uma vez que estava parado desde maio, mostrou que poderá elevar o Inter a um outro nível de competição. Não só por ele. Mas a presença de Nilmar fez com que D’Alessandro e Alex tivessem parceria para novas triangulações no setor ofensivo. Em alguns momentos, o trio lembrou o Inter de Tite, campeão da Copa Sul-Americana de 2008 (na foto), quando D’Alessandro comandava o meio-campo e deixava Alex e Nilmar constantemente na cara do gol. Tanto é assim que aquela temporada consagrou Alex como o atacante de movimentação do Inter.

Nilmar terá a semana inteira para treinar – o Inter está fora há horas da Sul-Americana e da Copa do Brasil, e não terá compromissos até o domingo, quando receberá o Corinthians. Dependerá da estratégia estabelecida a escalação de Nilmar desde o começo da partida. Mas Nilmar deveria começar o jogo contra o Corinthians (um de seus ex-times, por sinal). Talvez não haja tempo para que o Inter busque o Cruzeiro e conquiste o Brasileirão, mas é certo que o time encorpou com a chegada de Nilmar – mesmo que ainda sem as condições ideais de jogo.

Cotação: Alex comanda a vitória do Inter sobre o Fluminense

12 de outubro de 2014 9

Ricardo Duarte

Alisson
Seguro nas intervenções e com duas defesas espetaculares. 8

Diogo
É melhor que Gilberto, mas é santo de casa. Logo… 6

Ernando
Jogando pela direita, perdeu na disputa com Fred. 4

Paulão
Parecia indignado com a derrota de Chapecó. Conteve Fred. 7

Fabrício
Irregular. Errou passes e acertou poucos cruzamentos, quando subiu. 5

Willians
Entradas temerárias. Poderia ter recebido o segundo cartão amarelo ainda no 1º tempo. 5

Bertotto
Atuação consistente. Engrossou para cima de Fred e Conca, saiu jogando quando preciso. 7

Alex
Parecia o Alex de 2008, chegando diversas vezes na área e marcando um golaço. 9

D’Alessandro
Concentrado, comandou o meio-campo, acertando passes e lançamentos. 8

Alan Patrick
Parece se desligar da partida em alguns momentos. Oscilou em campo. 6

Wellington Paulista
Muita vontade, muita entrega, mas pouca qualidade nas finalizações. 6

Nilmar
De volta ao Beira-Rio, ainda busca ritmo. Mas já fez o ataque jogar como poucas vezes no ano. 7

Valdívia
Foi um competente auxiliar a D’Alessandro e a Alex. E marcou o gol da vitória. 8

Ygor
Entrou no final. Sem nota

Redenção colorada no Beira-Rio

12 de outubro de 2014 2

Ricardo Duarte

E quem diria que o Inter, depois de ser pulverizado em Chapecó, renasceria no Brasileirão? A vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense, no Beira-Rio, mostrou no segundo tempo um ataque poderoso, com D’Alessandro, Alex e Nilmar comandando as ações – e com Valdívia salvando o domingo colorado. Pelo volume de jogo, o Inter merecia ter feito mais gols. Mas os três pontos obtidos na redenção do Dia das Crianças, somados às derrotas de Cruzeiro e de São Paulo para Flamengo e Atlético-MG, devolveram os colorados à vice-liderança e, uma vez mais, a seis pontos do ainda líder Cruzeiro.

Para se recuperar do trauma de Chapecó, um animado Inter foi a campo para enfrentar o Fluminense. Sem Rafael Moura, preservado das vaias e no banco de reservas, Wellington Paulista iniciou no ataque. Gilberto também perdeu a vaga para o jovem Diogo. Um Inter brigador, bem diferente do time apático da rodada passada era visto no Beira-Rio. Wellington Paulista chegou a receber cartão amarelo com sete minutos de jogo por tentar um gol de qualquer jeito. Neste caso, com a mão.
A partir dos 20, o Inter passou a pressionar o Fluminense – que já se defendia com oito jogadores dentro da área, por vezes. Em conclusão de Alan Patrick, Fred foi quem salvou. Mais adiante, D’Alessandro lançou Alex, que viu Cavalieri se atirando a seus pés para defender. Porém, qualquer resposta carioca parecia um perigo iminente de gol, com o pesado ataque de Conca, Wagner, Cícero e Fred.
Nilmar se levantou da casamata e foi para o vestiário aquecer para entrar no intervalo. Não viu Alex deixar Cavalieri deitado e encobrir o goleiro do Fluminense. Tampouco viu o zagueiro Marlon saltar contra a bola, tirar de cabeça de dentro do gol e evitar o golaço de Alex.
No segundo tempo, os mais de 15 mil torcedores vibraram quando Nilmar surgiu do vestiário fardado e sem o jaleco amarelo, no lugar de Wellington Paulista. Logo na saída de bola, em jogada ensaiada, Paulão aparou cruzamento para Nilmar, mas Elivelton cortou antes.
O ataque colorado foi reenergizado, ganhou velocidade e novas triangulações com o ingresso do novo camisa 7. Nilmar, mesmo sem ritmo de competição, após cinco meses parado, causava constante preocupação ao Fluminense. Aos sete minutos, D’Alessandro enxergou Alex correndo entre dois zagueiros, lançou o camisa 12, que correu sozinho para cima de Cavalieri, fitou o goleiro e, com um toque, deixou Cavalieri olhando para cima, enquanto a bola o encobria e morria dentro do gol.
Desta vez, o 1 a 0 não satisfez o Inter, que seguiu na pressão contra o adversário. Desta vez, a defesa se manteve firme. Aos 13, Fred estava fazendo um belo gol de cabeça, mas Alisson foi buscar a bola no alto, quando ela quase cruzava a linha. Uma grande defesa, que assegurou a vantagem colorada.
Com uma atuação sólida, o Inter se mantinha com o domínio do meio-campo e com estocadas à área do Fluminense. Mas o visitante sempre conseguia uma escapada. Wagner pegou bem na bola, dentro da área, e Alisson fez outra grande defesa.
Depois de perder tantas chances de gol, o Inter cedeu o empate. Conca cruzou na área, Fred se antecipou a Ernando e fez de cabeça. O Fluminense, porém, não teve muito tempo para comemorar. Em um lance veloz, D’Alessandro passou para Valdívia, que invadiu a área e, ao contrário de outros jogos, teve tranquilidade para vencer Cavalieri e garantir a vitória que reabilitou o Inter no Brasileirão.