Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts com a tag "eleição"

Apoio a Siegmann? Aliança com Piffero? As reviravoltas na eleição do Inter caso Medeiros não concorra à presidência

24 de outubro de 2014 6

Tadeu Vilani

Vice-presidente eleito do Inter e vice de futebol do clube, Marcelo Medeiros, tem sido aconselhado por amigos a desistir da candidatura à presidência do Inter. Medeiros vem realizando uma série de exames nos últimos dias, a fim de investigar um recente problema de saúde. Caso Marcelo Medeiros não oficialize a sua candidatura até o dia 31, a eleição colorada sofrerá uma mudança dramática.
Neste quadro, os movimentos de Situação ficaram divididos entre apoiar Vitorio Piffero e combatê-lo. Como um chapão, uma coalizão da antiga gestão do clube é quase impossível, muitos votos de conselheiros situacionistas migrariam para Roberto Siegmann – que deverá se apresentar como candidato à sucessão de Giovanni Luigi até a terça-feira e com chances reais de seguir para o segundo turno, atrás do voto dos associados.
E o Convergência Colorada? O movimento, dono de 78 cadeiras no Conselho Deliberativo, segue inclinado a apoiar Piffero. Porém, caso o quadro se altere desta maneira, é possível que o grupo opte por lançar candidatura própria à presidência.
Em tempo: até o momento, Marcelo Medeiros segue candidato à presidência do Inter.

Convergência nega apoio a Medeiros. Coalizão com Piffero não foi sacramentada e nova reunião está marcada

15 de outubro de 2014 2

Ricardo Duarte

Em busca de apoio para confrontar a chapa de Vitorio Piffero na eleição presidencial do Inter, a situação ainda fez, em um almoço nesta quarta-feira, uma última tentativa de coalizão com o movimento Convergência Colorada. E o situacionista Marcelo Medeiros ouviu um “não”.

O Convergência ainda não se aliou a Piffero. Apesar de alguns de seus integrantes terem participado do churrasco oferecido pelo ex-presidente, em sua casa, na noite de terça-feira, o grupo não gostou de receber um organograma prévio, com a futura possível aliança, bem como o plano apresentado de cada um dos grupos políticos da base de Piffero encaminhar candidatura própria à eleição para a renovação de cadeiras no Conselho Deliberativo – inclusive o Convergência Colorada.

Um novo encontro ficou agendado para a terça-feira, quando as arestas poderão ser aparadas – ou não.

Vitorio Piffero começa a montar a sua chapa para concorrer à presidência do Inter

14 de outubro de 2014 2

Ricardo Duarte

Uma reunião no escritório de Vitorio Piffero, na tarde desta terça-feira, começou a encaminhar a aproximação do programa do Convergência Colorada (CC) ao projeto de Piffero para voltar à presidência do Inter, a partir de 2015.

Para confirmar o apoio, o CC quer saber quais são os planos de Piffero para a administração do clube e, principalmente, para o futebol. O CC não quer que haja uma “terceirização” do departamento de futebol, com o técnico tendo o controle do vestiário, em vez de este comando pertencer à direção. No campo administrativo, o grupo quer conhecer os planos de Piffero para o complexo Beira-Rio, uma área ainda a ser explorada e de grande valor econômico para o futuro do clube. O CC ainda entende que, para uma coalizão ser sacramentada, será preciso de certa forma descentralizar as decisões do novo presidente. A criação de um Conselho de Gestão, que possa debater temas importantes para o clube com a direção eleita, foi sugerida a Vitorio Piffero.

À noite, o ex-presidente oferecerá um churrasco em sua casa para integrantes da sua base eleitoral no Conselho Deliberativo: os movimentos políticos Mais Inter, Ação Independente Colorada e União Colorada. Lideranças do Convergência também estarão presentes. Caso este bloco se junte para a eleição, Piffero já terá 188 votos para a eleição em primeiro turno (na primeira quinzena de novembro), no Conselho – passando com facilidade para a eleição no pátio, com os sócios, em 13 de dezembro. Aos poucos e ainda sem oficializar a candidatura, Vitorio Piffero começa a apresentar à sociedade a sua chapa para concorrer contra Marcelo Medeiros à sucessão de Giovanni Luigi.

O CC ainda não disse “sim” a Vitorio Piffero. O ex-presidente ainda não lançou a sua candidatura, mas, ao que tudo indica, as conversas se encaminham para uma grande convergência.

Eleição do Inter: Convergência não fará aliança com a situação e aguarda definição de Piffero. Siegmann fora do páreo

09 de outubro de 2014 0

Ricardo Duarte

Enquanto os movimentos de oposição esperam a oficialização da candidatura Vitorio Piffero (foto) à presidência do Inter para mover as suas peças, o Convergência Colorada (CC) já decidiu que não se coligará à situação. Dono de 78 cadeiras no Conselho Deliberativo, o CC foi procurado pelo candidato situacionista Marcelo Medeiros, a fim de tentar uma aliança já para o primeiro turno da eleição, em 11 de novembro. Porém, como a situação precisa renovar 80 cadeiras no Conselho (eleição que será realizada junto com a escolha do novo presidente), o Convergência perderia espaço – e conselheiros – com esta possível fusão. Rejeitou.

Agora, o Convergência aguarda a definição do nome indicado pelo Diretas Sempre (movimento formado pelos grupos União Colorada, Ação Independente, Mais Inter e alguns conselheiros independentes) para decidir se optará pela coligação ou se lançará candidato próprio. Neste caso, o Convergência poderia até mesmo encorpar a sua chapa com o apoio de outros grupos. Se o Diretas Sempre não conseguir convencer Piffero a entrar na disputa, o ex-presidente do Conselho Deliberativo Luis Antônio Lopes deverá ser o presidenciável. A tendência, porém, é que Vitorio Piffero seja oficializado candidato à sucessão de Giovanni Luigi.

A eleição à presidência do Inter terá um candidato a menos. Roberto Siegmann, ex-vice de futebol da primeira gestão Luigi, desistiu de concorrer. Assim, a eleição ficará entre Medeiros e Piffero ou Lopes e, talvez, um possível candidato do Convergência, caso o grupo desiste de formar uma coalizão com outros movimentos.

Inter oferece contrato de mais 2 anos a D'Alessandro. Argentino deve renovar até 2017

06 de outubro de 2014 5

Ricardo Duarte

Com vaga à Libertadores ou não, o Inter está encaminhando a renovação de D’Alessandro por mais duas temporadas. Direção e jogador estão em tratativas finais para ampliar o contrato até 31 de maio de 2017. O atual vínculo se encerra em 31 de maio de 2015. O Inter tentará até o final do Brasileirão, em 7 de dezembro. A eleição presidencial no clube está marcada para 13 de dezembro, no pátio, com o voto do sócio.
D’Alessandro está com 33 anos e esta será a sua última renovação com o Inter antes de voltar ao River Plate para encerrar a carreira – se é que não a encerrará no Beira-Rio. D’Alessandro tem quase 300 jogos pelo Inter (tem 290) e 70 gols com a camisa do clube.
D’Alessandro chegou ao Inter em agosto de 2008 e conquistou a Copa Sul-Americana, a Libertadores, a Recopa e cinco Gauchões. Mas, talvez, o principal legado do argentino no clube seja o seu sucesso em Gre-Nais.

* Com Alexandre Ernst

Vitorio Piffero diz que "ainda é cedo" para lançar candidatura e critica a gestão por não tentar reunificar o Inter

03 de outubro de 2014 5

Agência RBS

Vitorio Piffero se tornou o grande mistério da eleição à presidência do Inter. Presidente do clube de 2007 a 2010, ele é o trunfo da oposição ao pleito colorado. E promete decidir a sua candidatura somente “aos 45 minutos do segundo tempo”. Ou seja, na véspera da inscrição das chapas, em 31 de outubro.

- É muito cedo ainda – disse Piffero, questionado sobre concorrer à presidência.

Líder do Diretas Sempre, Piffero ainda defende uma coalização da antiga gestão (separada após o fratricídio eleitoral de 2010, quando Giovanni Luigi venceu a eleição de Pedro Affatato), mesmo que entenda ser algo praticamente inviável no momento. E entende que a gestão perdeu tempo e deixou de tentar uma grande aliança no clube.

- Temos que tratar de fazer uma imensa coalizão e não vejo isto ocorrendo. O Inter não pode seguir o rumo de brigas internas, como ocorreu no Grêmio. A coalizão levou o Inter às grandes vitórias. A união nos levou às maiores conquistas internacionais. E a gestão atual pecou ao não tentar fazer a coalizão. No futebol tudo é possível, mas não vejo muitas chances de isto ocorrer – afirmou Vitorio Piffero.

Convergência Colorada lança Plano de Gestão e encaminha reunião com Marcelo Medeiros

01 de outubro de 2014 2

Foto: Omar Freitas

O Convergência Colorada (CC) passará nos próximos dias por um grande debate interno. Lançar candidato próprio à presidência do Inter? Formar uma coalizão com a situação? Se aliar ao movimento Diretas Sempre de Vitorio Piffero?

Para cada linha a ser seguida, há um questionamento. Se lançar candidato (Humberto Busnello, João Patrício Hermann e Sandro Farias são os nomes), sem se aliar a outro(s) grupo(s), há o risco de não passar para o segundo turno. O CC entende que serão necessários 115 votos para seguir à eleição junto ao associado. E o Convergência tem 78 conselheiros. Portanto, insuficiente para seguira adiante sem uma parceira.

Nessa quinta-feira, o Convergência terá uma reunião com o candidato situacionista Marcelo Medeiros. O movimento já conversou com todos os demais postulantes/candidatos à sucessão de Giovanni Luigi, de Roberto Siegmann a Vitorio Piffero. O encontro com o atual vice de futebol será o último antes de uma possível decisão sobre o futuro imediato do CC.

A questão é: Para se coligar, o Convergência Colorada não abre mão de ver aprovado o seu Plano de Gestão para o clube – a ser apresentado na noite dessa quarta-feira. Entre os principais pontos estão a gestão compartilhada. Uma espécie de conselho executivo com poderes de decisão no clube, e não apenas figurativo. E, ao que tudo indica, o movimento não será flexível quanto a este ponto – mesmo que isto possa significar adiar o sonho de assumir o clube. A data final para as inscrições de chapas é 31 de outubro.

Eleição do Inter: Situação confirmará candidatura Marcelo Medeiros, com o apoio de seis movimentos

30 de setembro de 2014 8

Mateus Bruxel

O Movimento Inter Grande (MIG) terá uma reunião, na noite dessa terça-feira, a fim de confirmar o nome de Marcelo Medeiros como o candidato da situação à sucessão presidencial no clube. Como não houve acerto com a antiga situação, hoje oposição e liderada por Vitorio Piffero, a situação definirá o seu nome para o pleito.
O atual vice de futebol terá o apoio dos demais grupos políticos que formam a atual gestão: DNA Colorado, Colorado Eu Sou, Inter Maior, Inter Sempre e Alma Colorada.
Ainda nessa semana, Medeiros se reunirá com as lideranças do Convergência Colorada para tentar uma aproximação e possível aliança com o grupo.

Situação deve lançar Marcelo Medeiros à presidência do Inter. Candidatura Piffero é incerta

23 de setembro de 2014 13

Ricardo Duarte

Ainda que a eleição presidencial do Inter leve mais de um mês para esquentar, a sucessão de Giovanni Luigi agita os bastidores. Marcelo Medeiros (na foto, apresentando Nilmar), atual vice de futebol e 1° vice-presidente eleito, deverá ser lançado pelo Movimento Inter Grande (MIG) como o candidato da situação. A oficialização, porém, ocorrerá somente na véspera da inscrição das chapas – ainda sem data, mas que deverá ser agendada para a primeira semana de novembro. Um acordo, a fim de unir outra vez a antiga situação em uma grande e única chapa, está praticamente descartado.

É provável que Medeiros concorra à presidência contra Roberto Siegmann (com apoio de parte do movimento Coração Colorado), possivelmente contra Humberto Busnello (sócio da construtora Tonilo, Busnello; as outras opções são Sandro Farias e João Patrício Hermann), pelo Convergência Colorada, e contra um candidato ainda indefinido de parte da antiga situação, agora liderada por Vitorio Piffero, mas que ainda não definiu a sua candidatura.

Caso Piffero não concorra (e, nos bastidores, se diz que a chance de ele não ir cresce), Luis Antônio Lopes (ex-presidente do Conselho Deliberativo) poderia ser candidato uma vez mais – ele foi lançado e perdeu para Luigi, na reeleição de 2012.

Ex-vice de futebol do Inter tenta voltar ao Conselho Deliberativo

12 de agosto de 2014 4

Agência RBS

Vice de futebol do Inter em 2012, Luciano Davi tenta retornar ao clube. Homem forte do Movimento Inter Grande (MIG), quando foi um dos grandes articuladores da campanha que elegeu Giovanni Luigi, foi ele também quem transformou Fernandão em técnico. Como vice de futebol, foi responsável ainda pelas contratações de Diego Forlán, de Rafael Moura e de Juan.
Deixou o clube em maio de 2013, renunciado à cadeira no Conselho Deliberativo, porque a sua empresa passou a trabalhar com clubes de futebol – em um projeto cartão de benefícios. Agora, Davi tentará retomar a sua cadeira no Conselho na eleição do final do ano.
Aos poucos, a eleição que renovará parte do Conselho e que elegerá um novo presidente para o Inter, começa a tomar corpo.