Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts com a tag "eleição"

Com chances de Libertadores, candidato à presidência do Inter Marcelo Medeiros assegura permanência de Aránguiz e novos reforços para 2015

24 de novembro de 2014 19

Tadeu Vilani

Com o Brasileirão ingressando em sua reta final, se aproxima também a eleição presidencial do Inter – que ocorrerá em 13 de dezembro. E as ideias dos candidatos para 2015 passam a ser repassadas aos associados do Inter (64 mil estão aptos a votar).
Marcelo Medeiros, atual vice de futebol e candidato de situação, promete que os principais jogadores do atual elenco serão mantidos para a temporada seguinte. E, com a proximidade de uma vaga à Libertadores, Charles Aránguiz não será vendido (mesmo com o assédio do futebol inglês).
- O time de 2015 já foi reforçado com Nilmar. O Sasha estará de volta. Luque também. Além disto, Aránguiz permanecerá. Vamos manter todos os nossos principais jogadores, trazer reforços e buscaremos os títulos que a torcida quer – afirmou Medeiros.

Com chances de Libertadores, candidato à presidência do Inter Vitorio Piffero projeta folha de até R$ 15 mi e contratações de mais estrangeiros

24 de novembro de 2014 10

Foto: Rafael Cabeleira/Divulgação
Foto: Rafael Cabeleira/Divulgação

Com o Brasileirão ingressando em sua reta final, se aproxima também a eleição presidencial do Inter – que ocorrerá em 13 de dezembro. E as ideias dos candidatos para 2015 passam a ser repassadas aos associados do Inter (64 mil estão aptos a votar).
Vitorio Piffero, candidato de oposição, entende que o Inter tem uma capacidade de investir até R$ 15 milhões mensais na folha do clube (segundo a atual direção, a folha de 2014 custa a metade). Justifica que a vida do Inter é o futebol e que o faturamento no ano que vem baterá na casa dos R$ 300 milhões.
- Temos que investir pelo menos 60% deste faturamento no futebol. Precisamos de 25 titulares, assim como o Cruzeiro, para ter elenco para disputar todos os títulos – disse Piffero.
Além disto, o candidato aposta que o Inter se classificará para a Libertadores (ou para a pré-Libertadores). E promete buscar reforços no Mercosul.
- A distância econômica do Brasil para Argentina, Uruguai e Paraguai, por exemplo, é a mesma dos principais países da Europa para nós. Assim, temos que investir pesado nestes mercados. Podemos ter cinco estrangeiros no time. E ainda mais no elenco. Vamos buscar jogadores nestes países – afirmou Vitorio Piffero.
Hoje, o Inter conta com os “gringos” D’Alessandro, Aránguiz e Luque.

Piffero e Medeiros avançam ao segundo turno da eleição do Inter e buscarão os votos de 64 mil sócios

10 de novembro de 2014 3

Alexandre Ernst

Após o Gre-Nal, a eleição. Ontem à noite, 295 conselheiros do Inter votaram no primeiro turno da eleição presidencial do clube. O situacionista Marcelo Medeiros e o oposicionista Vitorio Piffero avançaram ao segundo turno. No dia 13 de dezembro, eles concorrerão ao voto de 64 mil associados. O eleito administrará o Inter pelo biênio 2015/2016. Piffero, que tem o apoio de Fernando Carvalho, fez 167 votos (56,5%) no Conselho, Medeiros ganhou 91 votos (30,8%), e Roberto Siegmann, alijado do segundo turno, recebeu 29 votos (9,8%) nas urnas eletrônicas instaladas no salão nobre do Conselho. Houve ainda 5 votos em branco e 3 nulos.

- É uma missão diferente, estar no futebol e ser candidato a presidente. Não podemos retroceder, temos que pensar o Inter daqui para a frente – afirmou Marcelo Medeiros.
- Temos que pensar a hegemonia nacional. Tenho uma trajetória vitoriosa aqui e, agora, queremos voltar às grandes conquistas nacionais e internacionais – discursou Vitorio Piffero.
Ex-vice de futebol, Roberto Siegmann agora concorrerá para renovar a sua cadeira no Conselho Deliberativo.
- Era difícil para mim, o Conselho tinha dois grupos acertados já. O meu papel eu fiz: concorri – disse Siegmann.
Além de votar para presidente, no dia 13 de dezembro, os sócios do Inter renovarão metade do Conselho Deliberativo. Para se habilitar à eleição, o associado precisa ser maior de 16 anos, estar em dia com as mensalidades e ter se associado ao clube até o dia 31 de dezembro de 2012.

As chapas que concorrerão ao segundo turno da sucessão de Giovanni Luigi:
Chapa 01
Presidente: Marcelo Medeiros
1º vice-presidente: Luiz Carlos Bortolini
2º vice-presidente: Gelson Pires
Apoiada pelos grupos Movimento Inter Grande (MIG), Alma Colorada, Inter Sempre, Inter Maior, Interação/DNA e 3 votos do Colorado Eu Sou

Chapa 02
Presidente: Vitorio Piffero
1° vice-presidente: Pedro Affatato
2° vice-presidente: Luiz Henrique Nuñez de Oliveira
Apoiada por Convergência Colorada, Mais Inter, Colorado Eu Sou, Ação Independente Colorada, União Colorada, e dissidentes do MIG

64 mil colorados aptos a votar para presidente do Inter, mas quantos comparecerão?

07 de novembro de 2014 2

Omar Freitas

Com um quadro social formado por 103,8 mil torcedores, o Inter fechou hoje o seu colégio eleitoral para efeitos de segundo turno. Após algumas exigências básicas, como tempo de quadro social e adimplência, 64 mil colorados estão aptos a votar para presidente. A eleição em primeiro turno ocorrerá no dia 10, logo depois do Gre-Nal, quando dois dos três candidatos, Marcelo Medeiros, Vitorio Piffero e Roberto Siegmann, passarão ao pátio e disputarão a preferência do associado nas urnas em 13 de dezembro.
A pergunta que fica é: quantos votarão?
Na eleição de 2012, é bem verdade que o sócio só pôde votar para a renovação do Conselho Deliberativo porque Giovanni Luigi foi reeleito em primeiro turno, apenas 11,5 mil votaram. E 60 mil sócios estavam aptos a votar.
Agota, porém, a eleição é para presidente. E o número de eleitores em 13 de dezembro certamente será bem superior.

Eleição do Inter: Marcelo Medeiros responde a Siegmann e apresentará negativas de débitos

05 de novembro de 2014 0

Mateus Bruxel

A rumorosa cobrança feita pelo candidato a presidente do Inter Roberto Siegmann aos demais postulantes ao cargo, Marcelo Medeiros e Vitorio Piffero, para que assim como ele apresentassem as suas negativas de débitos, obteve resposta de Medeiros. O candidato situacionista junta documentos e apresentará as certidões à comissão eleitoral.
Na sexta-feira, Siegmann inscreveu a sua chapa (Chapa 03) e encaminhou ao presidente da comissão eleitoral do Inter, Luiz Fernando Costa, um pedido de impugnação das chapas cujos candidatos não apresentassem tais negativas de débitos. Siegmann alegou que a falta destes documentos feria o estatuto do clube e deveria servir para impugnar as candidaturas que não os apresentassem. A comissão eleitoral indeferiu o recurso de Siegmann. Mas houve constrangimentos.

Eleição do Inter: Um mapa com todas as cadeiras dos grupos políticos no Conselho Deliberativo

04 de novembro de 2014 0

Omar Freitas

Passado o Gre-Nal, os 343 conselheiros do Inter escolherão os dois candidatos à presidência que avançarão para o segundo turno, onde até 70 mil associados estarão aptos a eleger o sucessor de Giovanni Luigi no dia 13 de dezembro. De acordo com as alianças formadas, a tendência é que Vitorio Piffero e Marcelo Medeiros avancem ao segundo turno. Para que um candidato seja eleito no Conselho Deliberativo precisará ter 85% dos votos do colégio eleitoral no dia 10 de novembro – algo improvável e que só ocorrerá em caso de alta traição entre os movimentos.

Confira as alianças dos candidatos e o número de cadeiras de cada grupo político no Conselho colorado:

Chapa 01
Marcelo Medeiros – Movimento Inter Grande, Alma Colorada, Inter Sempre, Inter Maior, Interação/DNA e 3 votos do Colorado Eu Sou

Chapa 02
Vitorio Piffero – Convergência Colorada, Mais Inter, Colorado Eu Sou, Ação Independente Colorada, União Colorada, e dissidentes do MIG

Chapa 03
Roberto Siegmann – Coração Colorado, dissidentes do MIG e conselheiros independentes

O mapa das cadeiras:
Movimento Inter Grande (MIG) – 105
Convergência Colorada – 78
União Colorada – 45
Ação Independente Colorada – 22
Coração Colorado – 17
Interação/DNA – 15
Mais Inter – 11
Alma Colorada – 10
Colorado eu sou – 9
Inter Maior – 9
Inter Sempre – 3
Conselheiros Independentes – 19

Guerra Civil Colorada: Caso a eleição pare na Justiça, Ibsen Pinheiro assumirá a presidência do Inter

01 de novembro de 2014 6

Ricardo Duarte

Pessoas próximas à comissão eleitoral do Inter entendem que o pedido feito pelo candidato à presidência Roberto Siegmann, de impugnar as chapas cujos integrantes não apresentarem (como ele fez) negativas de débitos, não tem base legal. Siegmann evocou o Estatuto do clube para fazer tal exigência. A comissão eleitoral se reunirá na segunda-feira para deliberar sobre o pedido de Siegmann – e exigir ou não que os demais postulantes ao cargo, Marcelo Medeiros e Vitorio Piffero, apresentem as suas negativas.

Caso a comissão eleitoral entenda que as negativas não sejam necessárias para se candidatar à presidência do Inter, há uma ameaça velada que a eleição colorada vá parar na Justiça. Nesta situação, o presidente do Conselho Deliberativo do Inter, Ibsen Pinheiro (um dos principais apoiadores de Piffero), assumiria a presidência do clube. O mandato de Ibsen (cotado também para assumir a Casa Civil do governo de José Ivo Sartori) na presidência do Conselho Deliberativo do Inter vai até março.

Siegmann exige que demais candidatos à presidência apresentem negativas de débitos e eleição do Inter pode parar na Justiça

31 de outubro de 2014 4

Reprodução

Começou a eleição no Inter e, com ela, eclodiu também a guerra civil entre os diversos movimentos políticos do clube – e que antes estava adormecida. O candidato da Chapa 03, Roberto Siegmann encaminhou na noite desta sexta-feira um requerimento à comissão eleitoral do Inter exigindo que os demais candidatos à presidência, Marcelo Medeiros e Vitorio Piffero apresentem as suas negativas de débito, sob pena de impugnação de candidatura.
Conforme o requerimento de Siegmann, que apresentou as suas negativas de débitos, aquele candidato que não apresentar tais documentos estará ferindo o artigo 2º do Estatuto do clube e não poderá concorrer.
— Esse artigo a qual me refiro está no reformado estatuto, que copia o artigo da Constituição sobre os princípios próprios do serviço público. Ele adota as exigências do serviço público. Alguém que tem cargo público tem de comprovar sua condição financeira e econômica, tem de ser idôneo, não pode ser alguém que tenha processo de execução em andamento, ser devedor e não pagador. A minha condição está ok, já me antecipei e mostrei isso à comissão eleitoral. Minha vida eu sei que não tem qualquer problema, mas os outros que digam de si mesmos, das suas empresas, das empresas que foram sócios. Eu sei da minha condição — apontou Siegmann.
Luiz Fernando Costa, presidente da comissão eleitoral do Inter, analisará o requerimento de Siegmann na segunda-feira. Caso entenda necessária a apresentação destes documentos, abrirá prazo para que Medeiros e Piffero o façam.
Porém, se Costa e os demais integrantes da comissão eleitoral entenderem que as negativas não eram necessárias para inscrever as chapas, a eleição seguirá o seu curso normal, com o primeiro turno em 10 de novembro. Mas, neste cenário, é possível que Siegmann recorra à Justiça, alegando que o Estatuto do clube foi desrespeitado e fazendo valer a necessidade de que cada candidato à presidência apresente as suas negativas.
— Se a comissão eleitoral não pedir os documentos, está aberta a possibilidade de qualquer sócio ou conselheiro ou até mesmo candidato impugnar as candidaturas. E tem outra: se a comissão achar por bem não pedir a documentação, posso eu mesmo pesquisar sobre os demais candidatos e apresentar a documentação caso haja problemas. Não quero ganhar no tapetão, quero que se cumpra o que se pede no estatuto do Inter em termos de moralidade — disse Siegmann.
A guerra em vermelho teve início.

* Com Alexandre Ernst

Piffero: "O Inter tem uma folha adequada para um clube que vai faturar R$ 300 mi em 2015. Não faremos enxugamentos"

31 de outubro de 2014 2

Foto: Júlio CordeiroFoto: Júlio Cordeiro

Vitorio Piffero, candidato da Chapa 2 à presidência do Inter respondeu sobre diversos temas em sua coletiva, há pouco, em hotel do bairro Moinhos de Ventos. O Inter deverá contar com 70 mil sócios aptos a votar na eleição presidencial. Algumas respostas do candidato:

Fernando (Carvalho) vai apoiar a nossa candidatura e, para a eleição do Conselho, apoiará o Movimento Inter Grande.

Giovanni Luigi poderia ter buscado um diálogo ao ser eleito. Cobrei dele. Estamos fazendo isto agora, antes da eleição, buscando o entendimento. Temos mais de 200 conselheiros, já estamos além do que o Inter em visto em termos de união nos últimos tempos. Vamos chamar quem quiser trabalhar pelo Inter.

Como presidente, tínhamos o segundo maior orçamento dos clubes brasileiros. Tamanho do investimento é do tamanho do clube. Tem que ter investimento compatível. Clube não é para gerar lucros, é para gerar títulos. O investimento em futebol do Inter hoje é compatível com o tamanho do clube. O que está faltando? Talvez um pouco mais de apetite de buscar os grandes títulos. Em 2005, nos tomaram na mão grande o Brasileirão. Depois, fomos mais duas vezes vice brasileiros. Não podemos abrir mão de Copa do brasil e de outras competições. Inter tem que buscar todos os títulos.

Se o torcedor se tornar sócio, paga metade. É sócio, participa do clube, vai votar, tira o cara se tá ruim, bota outro… A setorização, o Inter está aprendendo com o seu novo estádio. Torcida quer título. Para isto, a torcida tem que ajudar, pois é preciso comprar jogadores, pagar jogadores… Ingresso a R$ 1 é bonito? É. Mas não se faz futebol assim.

Não podemos tratar de assunto de futebol agora, mas nesse momento não é legal para o Inter falar deste ou daquele. Todo o mundo sabe que adoro Abel. Nos deu a Libertadores e o maior título do Inter. Estamos no G-4 ainda. Podia ser melhor? Sempre pode ser melhor. Mas isto é futebol. Não vou falar porque sou responsável e sou conselheiro do clube, vou defender o grupo que está aí até o fim. Quero chegar na Libertadores e, se der, ainda ganhar o Brasileirão.

(Por que Inter praticamente abandonou a Copa do Brasil e a Sul-Americana?) Pergunta tem que ser feita para Giovanni (Luigi) e Marcelo (Medeiros). De fora, como torcedor, me pareceu que foi privilegiado o Brasileiro, que é mais longo. Na minha época, a gente fazia o contrário: privilegiava os mata-matas.

(Entorno do Beira-Rio) Foi feito um projeto lá atrás, iniciamos a obra, Giovanni a concluiu. O que fazia parte do acordo lá atrás, parte é da Brio. É deles e ponto. O resto do patrimônio é do Inter: o Parque Gigante, ao sul, parte dos antigos campos suplementares, ao norte, a área cedida pela prefeitura. Temos que pensar o entorno. Armar uma comissão de notáveis e ver o que dá para fazer ali. Temos um novo CT, em Guaíba. Uma área importante, de frente para o Beira-Rio, em torno de 100 hectares. Dá para fazer um excepcional projeto. O futuro do Inter está em Guaíba, muito mais do que nas áreas adjacentes. Temos que ter a base junto ao profissional. Um tem que estar olhando para o outro. O CT de Guaíba estará a oito minutos do beira-Rio, de balsa. Bem mais perto que o CT de Alvorada (hoje alugado pelo Inter).

Continuo achando que faríamos a reforma do nosso estádio à nossa maneira. Talvez faltasse recursos para colocar granito no banheiro. Mudamos. Mas era o nosso estádio. Foi o conceito que nos norteou desde o início. Jamais saberemos. Mas que não venham dizer que da nossa maneira (reformar com recursos próprios, sem parceria com a Andrade Gutierrez) quebraria

Ter mais de 200 conselheiros apoiando é inusitado nos últimos anos. Queremos gestão para todos os colorados. Quem quiser participar, está convidado.

Uma folha de R$ 10 milhões (é o que custa a folha do Inter hoje), perto de um faturamento em torno previsto em R$ 300 milhões para o ano que vem, é adequada. O ideal seria 50% de gasto com futebol, mas ninguém consegue isto. Não fabricamos lata, vamos atrás de títulos, de jogador. Ou desenvolve jogadores para isto no CT, ou contrata. Temos que buscar título. Não precisaremos enxugar a folha, um clube do tamanho do Inter não pode ter uma folha de R$ 5 mihões. A não ser que encolhamos o clube, e não faremos isto.

Vitorio Piffero lança candidatura à presidência: "Adoro ganhar Gauchão e Gre-Nal, mas o Inter precisa mais"

31 de outubro de 2014 0

Foto: Júlio CordeiroFoto: Júlio Cordeiro

Vitorio Piffero se apresentou como candidato à presidência do Inter, ao lado dos vices Pedro Affatato e Luiz Henrique Nuñez de Oliveira. Inscrito como a Chapa 2, Piffero conta com os apoios dos movimentos Ação Independente Colorada, União Colorada, Mais Inter, Colorado Eu Sou e Convergência Colorada.
- Conseguimos construir um grande apoio. Temos mais de 200 conselheiros junto com a nossa candidatura – disse o candidato e presidente do Inter de 2007 a 2010.
Com 61 anos, Piffero passou a discorrer sobre temas importantes para o futuro do clube, ao apresentar a sua candidatura:

“Todos falam em profissionalização. Vamos avançar neste tema. O clube tem que ser cada vez mais profissional e transparente. Vamos ampliar esta transparência no clube, o que ajudará até mesmo à imprensa. Temos junto o Convergência, que carece um pouco de experiência (na gestão), mas que nos ajudarão muito. Clube tem que ter pessoas competentes nas mais diversas áreas. O Inter precisa estar unido. Não houve negociações de cargo, de quem vai estar em qual vice-presidências, quais grupos ocuparão determinados postos. Vamos escolher juntos as pessoas mais qualificadas para cada função. Temos condições de fazer uma gestão que ganhe mais títulos. Adoro ganhar gauchão e Gre-Nal, mas precisamos ganhar ainda mais coisas. Vamos trabalhar o clube como se fosse uma empresa. Passei quatro anos fora da gestão do clube, acompanhando o clube como um torcedor. Ganhando a eleição, ninguém vai fechar as portas para ninguém. Vencido não é inimigo. As portas estarão sempre abertas para todos que quiserem ajudar o Inter. Tomara que a gente quebre um tabu nesse fim de semana contra o Santos. vamos torcer muito por isto. E semana que vem, Gre-Nal. Vamos ter muito cuidado com qualquer manifestação política nesse momento. Não queremos dar margem para prejudicar o vestiário. Apoiamos o vice de futebol Marcelo Medeiros e Abel Braga nessa hora. Até porque queremos ir à Libertadores”.