Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

De malas sempre prontas

23 de novembro de 2009 0

Na noite de sábado, o repórter Humberto Trezzi e o fotógrafo Diego Vara (de amarelo, na foto) mostraram a capacidade de Zero Hora de fazer diferença em coberturas como a da calamidade que os últimos temporais geraram no Estado.

Acionados às 23h, após a notícia de que dezenas de famílias gaúchas estavam isoladas, sem água e comida, na ilha de Santo Antônio, em Camaquã, levaram menos de uma hora para iniciar a produção da reportagem que hoje estampa a capa de Zero Hora.

— Só preciso passar no jornal para pegar as minhas coisas — disse Trezzi, pelo telefone.

Como assim, no jornal? As coisas do repórter Trezzi não estariam em casa? É que, no caso de Trezzi, um kit de repórter está sempre guardado no armário que fica atrás da sua mesa, na editoria de Geral. Foi dali que ele retirou duas sacolas que estão sempre prontas: botas de chuva, capa (já devidamente embarradas), roupas e tudo o que precisava para a empreitada. Com isso, pôde chegar antes ao local e produziu a reportagem que emocionou os leitores.
Abaixo, leia o relato de Humberto Trezzi e, caso não tenha visto a reportagem, clique na reprodução da capa de ZH e neste link.

“Ninguém gosta de sair de casa para a chuva, num sábado à noite, especialmente se está para colocar uma carne no fogão. Mas, se quisesse fim de semana garantido de folga, seria outra coisa. Eu e outros escolhemos jornalismo. Importante foi sair à noite, mesmo. Com isso, pegamos uma reunião da Defesa Civil e da BM no dia seguinte, cedo. E os acompanhamos até uma fazenda, que não saberíamos achar sozinhos. Dali, como as autoridades demoravam a se organizar – o helicóptero da BM ainda estava em Porto Alegre -, resolvemos ir por conta própria. Alugamos um barco, que levou duas horas para nos levar até a comunidade alagada. Lição importante é sair do jeito que se está. Ganha-se tempo. A minha falha nesta reportagem foi não levar protetor solar. Fiquei vermelho como pimentão, mas ganhei meu dia. E a comunidade atingida pelos flagelos também, espero.”

Envie seu Comentário