Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de agosto 2010

Arte para CowParade

31 de agosto de 2010 1

Ilustrador das páginas de Zero Hora, Eduardo Uchôa, 42 anos, tem 20 de ZH. Mas não para de desenvolver novos caminhos.

Paralelamente às atividades jornalísticas, ele se dedica à pintura, ilustrações para produtos, comerciais, revistas e livros infantis. Na foto acima, o publicitário formado pela UFRGS se delicia com sua arte aos pés de uma das vacas que integrará a Exposição CowParade, em Porto Alegre.

— O nome dela é Os viajantes, inspirada em viagens pela América-Latina, na arte popular mexicana e nos gravuristas do nordeste brasileiro — conta Uchôa.

Em breve, a vaca projetada e produzida pelo ilustrador ganhará as ruas da Capital. E o leitor de ZH não terá dificuldade em reconhecer o talento de Uchôa. Ele é consagrado nas páginas de Zero Hora.

A rich man

Summer schedule


Quer conhecer mais o trabalho do ilustrador? Clique aqui

Sobre Uchôa:

Carioca radicado em Porto Alegre, Eduardo Uchôa transcendeu às linhas exatas da arquitetura e os cenários delirantes das histórias em quadrinhos para criar sua arte psicodélica de cores e formas. A liberdade de traços e as possibilidades de interpretação de seus desenhos são muitas, assim como as inúmeras ideias que se proliferam na mente do criador antes de serem concebidas de forma concreta.

Atualmente está trabalhando em um projeto de livro infantil, e em uma série de pinturas inspiradas nas suas viagens pela América Latina, expostas no Centro Cultural Codelco, em outubro de 2009, em Santiago do Chile.

Gauchinho online

31 de agosto de 2010 0

Perdeu a edição impressa de Zero Hora de hoje?

Por sugestão do leitor Jose Agustoni, que está no Rio de Janeiro, o Blog do Editor deu um jeito para ampliar a circulação do Paper Toy, o brinquedo de papel que circula hoje para festejar a Expointer.

Clique aqui, abra o PDF, imprima e monte o seu Gauchinho.

Conheça o tumblog

31 de agosto de 2010 0

O caderno ZHDigital desta quarta-feira revela como funciona a nova ferramenta para postar na internet: o Tumblr (pronuncia-se tãmbler).

Descrito como um blog simplificado, o tumblog foi criado por um site similar ao WordPress, Blogger ou Twitter, e já atrai milhões de usuários por suas características específicas: nem sofisticado, nem simples demais.

Saiba como ir além dos 140 caracteres do Twitter e ganhar agilidade na internet com o novo jeito de publicar textos, fotos, vídeos e áudio em sua página pessoal.

Um Guia para escolher a escola

31 de agosto de 2010 0

Encontrar a escola ideal para matricular os filhos vai ficar mais fácil nesta quarta-feira.

Encartado em Zero Hora, o leitor encontrará o Guia da Escola, um material completo que, além de apresentar dados como onde encontrar as instituições, os sistemas de avaliação, e informações como atividades extracurriculares e períodos de matrícula, responde a dúvidas dos pais enviadas para a Redação.

Para facilitar a pesquisa, as escolas da Capital estarão organizadas nos segmentos Infantil, Fundamental, Médio, Técnico e Especial. Estabelecimentos de outras 39 cidades também constam do Guia da Escola 2010.

O levantamento traz ainda informações sobre o período de matrículas da rede estadual e a relação de colégios públicos de Porto Alegre que dispõem de processo de seleção.

Visita de sucesso

30 de agosto de 2010 0

O burburinho foi nos arredores da Editoria de Geral. E atraiu colegas de diferentes equipes como Online e Política. No centro da roda, formada exclusivamente por mulheres, seria um bebê?

Sim, um bebê com 90 dias, da raça Labrador e ainda sem dono.

No colo da editora Anna Silveira, o cãozinho, trazido à Redação por um Canil para participar de uma reportagem, aproveitou o carinho de repórteres e editoras que o cercaram. Por onde passou, arrancou suspiros e afagos.


ZH na onda dos brinquedos de papel

30 de agosto de 2010 1

Com inspiração Farroupilha, Zero Hora estimula pequenos (e grandes) leitores a brincar nesta terça-feira. Em toda a edição, será encartado um Paper Toy, um brinquedo de papel para montar.

O sistema de encaixe do personagem ao lado exige para a montagem apenas uma tesoura sem ponta e cola. Assim, O Gauchinho, que terá seu par, a Prendinha, publicada no dia 14 de setembro, poderá estar pronto em minutos.

Os dois bonecos comemoram a Expointer e as celebrações da Semana Farroupilha. O casal tem patrocínio do Banco do Brasil e Pirelli, repectivamente.

Os Papers Toy viraram febre na internet quando os internautas começaram a montar ilustrações de personagens clássicos dos desenhos e do cinema. O Paper Cut Expo e o Paper Toy Papirus são eventos que reúnem feras da modelagem de papel, no mundo e no Brasil.

A crônica da Expointer

29 de agosto de 2010 0

A veterinária Francine Eickhoff é a personagem central da crônica de estreia da série Um dia de… que começa nesta segunda-feira em Zero Hora.

Até domingo, leitores de ZH vão conhecer o cotidiano do Parque Assis Brasil, em Esteio, por meio de seus principais atores como o ginete, o pisteiro e o tratador. Sete jornalistas, entre eles David Coimbra, Nilson Mariano e Maria Isabel Hammes, estão escalados para a tarefa.

Nesta segunda, o repórter Marcelo Gonzatto esmiuçará o trabalho de Francine, profissional que integra o rol dos que chegam antes da abertura da feira, acompanham os animais e que se despedem de Esteio apenas quando a festa do agronegócio gaúcho se encerra.

A credibilidade como valor

28 de agosto de 2010 2

por Deca Soares – Coordenadora de Produção/ZH

Um sorriso de satisfação se instalou no rosto dos profissionais de 146 jornais do país que estiveram há duas semanas no Rio de Janeiro. E não era pelos dias ensolarados ou pela sempre convidativa orla carioca.
O otimismo dos palestrantes da 8ª edição do Congresso Brasileiro de Jornais deixou a sala de conferências do hotel Windsor, na Barra da Tijuca, com céu de brigadeiro. Em 2010, já não se aposta mais no fim do jornal impresso. Pelo contrário. Se festeja e se reforça a importância das mídias ditas tradicionais ou maduras, como Zero Hora, em função de sua credibilidade.

O sociólogo da Universidade de São Paulo (USP) Demétrio Magnoli citou o exemplo recente do site WikiLeaks, que publicou documentos secretos do governo dos Estados Unidos sobre a guerra no Afeganistão. O editor, o repórter investigativo Julian Assange, abriu mão do furo exclusivo e ofereceu a reportagem a três grandes jornais – New York Times (EUA), Der Spiegel (Alemanha) e Guardian (Grã-Bretanha). Se nenhum jornal impresso quisesse publicar a história, interpretou o sociólogo, seria como se a descoberta não tivesse importância.
A credibilidade, disse ainda Magnoli, está associada a marcas consagradas no papel. Um exemplo dessa premissa é zerohora.com. Nasceu com os mesmos princípios, é reconhecido pelo leitor pela marca Zero Hora e regido pelo mesmo Guia de Ética da versão impressa, só que está abrigado na web. Essa origem faz toda a diferença. Pois o jornal tem valor. Como conceito, não sai publicando tudo o que vê pela frente. Escolhe, entre todas as milhares de informações à disposição, as realmente relevantes. Como diz o slogan do New York Times – “All News that Fit to Print” (todas as notícias que merecem ser impressas). Em suma, jornais sólidos como ZH, tanto faz se de papel ou virtuais, organizam a vida do leitor.
Também foram apontadas como razões pelas quais os leitores não abrem mão dos impressos (ou de suas versões online) a sua tarefa de mediador do debate e sua capacidade de análise. Enquanto alguns sites, principalmente os que não nascem com o espírito das mídias tradicionais, dão uma falsa impressão de unanimidade, o jornal confronta pontos de vista discordantes. E analisa. E aprofunda.
Com a queda da Lei de Imprensa, no ano passado, o papel das mídias tradicionais foi ainda ampliado, segundo Sidnei Basile, vice-presidente de relações institucionais do Grupo Abril, outro palestrante do congresso. Os veículos maduros, diz ele, têm a cultura de zelar por seus valores – algo fundamental para a liberdade de expressão.
– Em um momento desorientado como este, o leitor pode ter a segurança de buscar o confiável na mídia tradicional – resumiu Basile.
Entre os profissionais de 146 jornais do país que não escondiam o sorriso no Rio, a delegação de ZH era uma das mais faceiras. Em plena era digital, Zero Hora acaba de bater o recorde no número de assinaturas – nunca, em 46 anos de história, ZH amanheceu em tantos lares gaúchos.
Quem jogou suas fichas no fim do jornal impresso deve estar a esta altura à procura de novas apostas para recuperar o prejuízo. A moda agora é prever o fim da web em função da chegada dos tablets – a revista americana Wired de setembro lançou a polêmica. Zero Hora não teme esta ameaça. Pois ZH é ZH, não importa a tecnologia ou plataforma. A credibilidade é a mesma.

Dezoito anos depois...

27 de agosto de 2010 0

Uma reportagem de Zero Hora de 1992, sobre abrigo de crianças abandonadas, ganhará uma nova versão neste domingo. É a história de uma menina sorridente fotografada no pátio da então Febem, publicada na coluna Cartas do Editor de 15 de agosto.

Ao lembrar o dia da visita como repórter, o hoje diretor de

Redação, Ricardo Stefanelli, contou como foi o encontro marcante com a garota da foto. E torceu poder contar de novo esta história.

No dia seguinte à publicação, Stefanelli já não estava sozinho. Os leitores formaram uma rede informal e se mobilizaram para encontrar a menina, que ganhou uma família e construiu uma nova trajetória. Um dos que se envolveu pelo reencontro foi Marcel Esquivel Hoppe, hoje desembargador da 1ª Câmara Criminal de Porto Alegre, que, em 1992, como juiz da Infância e da Juventude, incentivou ZH a estimular as adoções.

Dezoito anos depois, repórter (Ricardo Stefanelli), fotógrafo (Mauro Vieira) e a agora jovem Tatiane se reviram. Na edição deste domingo, saiba como foi o abraço emocionado entre o três e conheça a nova história.

Leia o começo desta história na Carta do Editor de 15 de agosto

Alerta a tratamentos precoces da pele

27 de agosto de 2010 2

Acredite. Há quem comece a cuidar da pele aos 15 anos para não envelhecer. Rugas, manchas e pés-de-galinha são os motivos de boa parte da preocupação que faz o início da busca por um creme milagroso se tornar cada vez mais cedo.
Conforme dermatologistas, o cuidado com a aparência do rosto não é visto só como uma futilidade, mas uma necessidade da sociedade que valoriza pessoas mais bonitas no contexto profissional.
O medo de envelhecer faz com que pacientes procurem não só os consultórios de dermatologia, mas os psiquiátricos. No caderno Vida deste sábado, leia reportagem completa, entenda como funciona o envelhecimento da pele e saiba quais são os cuidados para ficar de bem com a idade.