Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 4 agosto 2011

Prova de texto e entrevista na Redação

04 de agosto de 2011 1

Desde terça feira, três dos cinco finalistas ao PRIMEIRA PAUTA — concurso cultural que leva um estudante de Jornalismo a acompanhar uma grande reportagem de Zero Hora — já passaram pela Redação para submeter-se à última etapa da seleção. Eles fazem um novo texto (já haviam produzido dois antes disso).

O primeiro deles foi RAQUEL SALIBA, na terça-feira, estudante de 22 anos, do 5º semestre da PUC.

Na quarta, foi a vez de Leonardo Lopes, 22 anos, estudante da UCS escolhido pelo voto popular por meio do Blog do Editor.

Michelle Tjäder, 20 anos, do 8º semestre da Unijuí, passou pela Redação da quinta-feira.

Na segunda e terça ainda serão submetidos a nova avaliação Fabiane Paza e Tiago Lobo. O resultado será divulgado no dia 14 de agosto.


Você concorda que as autoridades reprimem mais as vítimas do que os criminosos?

04 de agosto de 2011 12

Zerohora.com adianta o editorial que os jornais da RBS publicarão no próximo domingo para que os leitores possam manifestar concordância ou discordância em relação aos argumentos apresentados. Comentários enviados até as 18h de sexta-feira serão selecionados para publicação na edição impressa.

Participe!

O CIDADÃO ACUADO

A Câmara de Vereadores de São Paulo aprovou esta semana projeto de lei que proíbe o uso de telefones celulares em agências bancárias. A justificativa para o veto é ao mesmo tempo lógica e perturbadora: proteger os clientes do crime conhecido como “saidinha de banco”, que ocorre quando bandidos dentro da agência informam pelo celular a comparsas sobre as pessoas que fazem saques de alto valor. A mesma proibição já vigora, por lei estadual ou municipal, em outras cidades brasileiras, inclusive em municípios gaúchos. Ou seja: em nome da absoluta incompetência do poder público para prover segurança à população, o cidadão está sendo sacrificado no seu conforto e na sua liberdade.
A privação imposta aos brasileiros já acontece informalmente em outras situações do cotidiano, muitas vezes por recomendação expressa das autoridades: não pare no semáforo à noite, coloque grades e cadeados nas portas e janelas de sua casa, pague um serviço privado de proteção, não estacione na rua, não fique dentro do carro quando estacionar, não abra a porta para estranhos, não ostente pulseiras, relógios, colares e outras joias, evite ruas e praças mal iluminadas, não vá às compras sozinho, não deixe a bolsa na cadeira do restaurante, nunca mostre dinheiro em lugares públicos _ a lista de precauções é cada vez maior, como se a vítima é que precisasse ser regrada.
Só não se ouve nenhum governante ou legislador dizer: não pague impostos para custear a segurança pública porque não adianta.
Claro que há um exagero nesse desabafo, mas acreditamos que ele reflete o sentimento generalizado da sociedade diante da inoperância de quem deveria protegê-la. É mais fácil tentar suprimir o direito constitucional do cidadão de se comunicar ou de se locomover livremente do que garantir-lhe a proteção devida. Há uma evidente deformação nesta relação de cidadania entre o indivíduo e o Estado.
O veto a celulares no interior das agências bancárias, ainda que bem-intencionado e respaldado por casos policiais conhecidos, inclusive que resultaram em tragédia, representa mais um episódio de rendição do poder público e da sociedade diante da criminalidade. Embora a questão da violência no país seja bem mais complexa do que o simples policiamento de locais potencialmente vulneráveis aos criminosos, pois envolve aspectos sociais, especialmente a oferta de educação e trabalho, além da erradicação da corrupção no serviço público e melhora do sistema prisional, o certo é que o cidadão não pode se submeter eternamente à supressão de suas liberdades fundamentais para compensar a ineficiência do Estado.


Guia para curtir o Festival de Gramado

04 de agosto de 2011 0

O Palácio dos Festivais está renovado e pronto para a 39º edição do Festival de Cinema de Gramado, que começa nesta sexta-feira. Há novo sistema de som, isolamento acústico e aquecimento no Cine Embaixador.

A estrutura que vai receber o público e os detalhes da programação estão no Guia do Festival de Gramado encartado em Zero Hora desta sexta-feira.

São oito páginas que incluem os treze longas-metragens concorrem aos troféus Kikito, os perfis e a filmografia dos homenageados Fernanda Montenegro e Domingos Oliveira, os títulos que compõem a Mostra Panorâmica e os filmes de abertura (O Palhaço, de Selton Mello) e de encerramento (o já elogiado Sudoeste, filme de estreia de Eduardo Nunes).