Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts do dia 3 novembro 2011

O editorial defende a punição de motoristas que ingerem álcool, mesmo quando não causam acidentes. Você concorda?

03 de novembro de 2011 79

Zerohora.com adianta o editorial que os jornais da RBS publicarão no próximo domingo para que os leitores possam manifestar concordância ou discordância em relação aos argumentos apresentados. Comentários enviados até as 18h de sexta-feira serão selecionados para publicação na edição impressa.

Clique aqui e participe!

QUANDO O CARRO VIRA ARMA

A 2ª Câmara do Supremo Tribunal Federal decidiu esta semana que motoristas alcoolizados estão cometendo crime, mesmo quando não causam acidentes. Ou seja: o cidadão que for flagrado dirigindo sob o efeito de bebida alcoólica poderá ser denunciado e condenado a uma pena entre seis meses e três anos de detenção. Esta decisão da corte superior, aliada à iniciativa do governo federal de processar condutores embriagados para que eles restituam ao INSS os gastos com suas vítimas, aperta um pouco mais o cerco sobre motoristas irresponsáveis que assumem o risco de causar acidentes.

No julgamento de recurso impetrado por um motorista de Araxá (MG), acusado de dirigir embriagado, o ministro relator Ricardo Lewandowski afirmou ser irrelevante indagar se o condutor alcoolizado causou algum dano: “É como o porte de armas. Não é preciso que alguém pratique um ilícito com emprego da arma. O simples porte constitui crime de perigo abstrato, porque outros bens estão em jogo”. A comparação é adequada: automóveis e caminhões, nas mãos de condutores embriagados, drogados ou infratores, transformam-se em armas letais, invariavelmente contra vítimas desavisadas.

São muitos os questionamentos em relação à Lei Seca, sancionada em 2008. O principal deles refere-se ao uso pelas autoridades policiais de equipamentos medidores de alcoolemia, mais especificamente do chamado etilômetro, popularmente conhecido como bafômetro. Respaldados pela garantia constitucional de que ninguém pode ser obrigado a produzir prova contra si mesmo, muitos motoristas têm se recusado a se submeter à aferição. Ficam, porém, sujeitos a penalidades administrativas, que incluem multa, suspensão do direito de dirigir e retenção da carteira de habilitação e do próprio veículo. Caso apresente sinais visíveis de embriaguez, poderá ainda ser conduzido a uma delegacia pela autoridade policial.

Embora tramitem no Congresso quase duas centenas de propostas destinadas a alterar a Lei Seca, a maioria no sentido de agravar as punições, o principal obstáculo para o disciplinamento adequado do trânsito brasileiro continua sendo a fiscalização insuficiente. Estados que mantêm blitze permanentes vêm registrando redução de ocorrências motivadas pela embriaguez ao volante. Claro que o morticínio nas estradas do país, caracterizado por mais de 40 mil óbitos no ano passado, não é causado apenas por motoristas alcoolizados. O excesso de velocidade, o desrespeito à sinalização e a imprudência também causam vítimas todos os dias. Mas a ingestão de álcool, invariavelmente, está na origem de muitas dessas infrações, pois o indivíduo embriagado se sente poderoso para correr mais riscos.

Por isso, o condutor flagrado com quantidade excessiva de álcool no sangue e no cérebro tem que ser retirado de circulação preventivamente — e não apenas depois de causar um dano irreparável à sociedade.

De carona com a reportagem

03 de novembro de 2011 1

A equipe que realiza a reportagem De Olho nas Estradas viajou em direção ao sul do Estado nesta quinta-feira. O repórter Carlos Etchichury (C), o fotógrafo Lauro Alves e o motorista Sergio Pereira Barbosa estão percorrendo as estradas federais e estaduais gaúchas refazendo a pesquisa CNT realizada em 2011.

Quando cruzavam por Pelotas, o fotógrafo Nauro Júnior pegou uma carona no carro da equipe.

— Bati um papo com os amigos de longa data. E fiz algumas fotos do grupo para eles guardarem de lembrança de mais esta grande reportagem — contou Nauro.

Nauro, de camisa vermelha na foto abaixo, também aproveitou o tempo para entrevistar a equipe que cruza rodovias que cortam o Rio Grande do Sul.


Indicação ao Açorianos de Literatura

03 de novembro de 2011 0

Bailarina Sem Breu, primeiro livro de crônicas da jornalista Mariana Bertolucci é finalista do Prêmio Açorianos de Literatura. Mariana, que escreve no blog Bricotagem, concorre na categoria crônica com Jorge Bledow, por Figos Maduros, e Airton Ortiz, por Havana.

Os vencedores serão conhecidos na Noite do Livro, no dia 12 de dezembro, às 20h, no Teatro Renascença.

Nesse dia, serão premiados os vencedores das categorias, os destaques do ano e o Livro do Ano, que receberá um prêmio no valor de R$ 10 mil.


Tricolores na Redação

03 de novembro de 2011 3

Na tarde de hoje, a Redação foi visitada pelo Instituto Geração Tricolor, mantido pelo Grêmio.

O Instituto recebe crianças de 6 a 14 anos em situação de vulnerabilidade. Os meninos e meninas realizam diversas atividades no turno inverso ao da escola. Estudar e ter a presença em dia é pré-requisito para participar do programa.

Hoje foi dia de aprender um pouco sobre jornalismo. A gurizada veio até o prédio da Ipiranga onde conheceu as redações de Zero Hora e Diário Gaúcho para entender como é o processo de produção de um jornal impresso.