Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Domingo em Zero Hora

13 de junho de 2012 40

Comentários (40)

  • jairo muniz diz: 14 de junho de 2012

    inecreditavel. i. reportagem sensacionalista.nao acreditei que a zh fosse capaz disso. errei, foi. por que não pegaram o menino e ampararam ou encamisse para alguma insstitjuição pública? não, fizeram um reportagem e agora vão ganhar dinheiro. é repugnante…..

  • DANIEL SANTOS diz: 14 de junho de 2012

    depois dessa reportagem da ZH , não será surpresa se não fizerem a seguinte reportagem.. ZH ACOMPANHA DURANTE TRES ANOS O ASSÉDIO E ABUSO DE UM MENOR. COM FILMAGENS, FOTOS E FLAGRANTE. TUDO FILMADO, FOTOGRADO E DOCUMENTADO………

  • ana maria dos santos silva diz: 14 de junho de 2012

    repugnante, esta forma de jornalismo, simplesmente repugnante……

  • paulo marques diz: 14 de junho de 2012

    lamentável reportagem, nao falta mais nada.

  • adriana muniz diz: 14 de junho de 2012

    daqui alguns dias , outra reportagem. ZH FILMA E DOCUMENTA DURANTE ALGUM TEMPO ASSEDIO E ESTUPRO DE MENOR, TUDO PARA VENDER JORNAL……

  • Luciana diz: 14 de junho de 2012

    Lamentável essa reportagem, lamentável este vídeo. Falta total de humanidade. Isso não é forma da imprensa se posicionar”, tampouco uma forma decente de cobertura jornalística.

  • marcelo rigol diz: 14 de junho de 2012

    Mas que barbaridade isso, a ZH perdeu a noção .

  • Lucio diz: 14 de junho de 2012

    Uma pena que 99% dos comentários não tenham o mínimo de racionalidade. Muitos exemplos falaciosos por parte dos leitores.
    Quer dizer que se a ZH for cobrir uma guerra em que um lado esteja sendo massacrado face a inferioridade númerica de seus combatentes, então é dever moral dos repórteres pegarem nas armas e lutarem em prol daquela causa?! Não é somente uma reportagem jornalística, mas também, ao fundo, um estudo sociológico. A imprensa não é assistência social, polícia ou governo para agir contra as situações incabívels, seu papel é denunciar, mostrar os fatos, mesmo que crueis, para que a sociedade reflita por sua condição e refaça seus rumos.

  • JAIRO MUNIZ diz: 14 de junho de 2012

    a imprensa pode nao ser assitente social. mas poderia ter denunciado aos orgao responsáveis e assitencias sociais,. mas , preferiu explorá-lo. rportagem desss vende mais jiornal. assim é agir com racionalidade….por exemplo se sou reporter e encontro uma criança morrendo de fome, irei deixá-lo morrer. isso é agir com racionalidade…..

  • JAIRO MUNIZ diz: 14 de junho de 2012

    o sr Lúcio, no mínimo é sócio da zh. e é por isso que leio a folha de são paulo, um jornal com etica e mais inteligente

  • laura diz: 14 de junho de 2012

    tinha que aparecer as foto das escolas que foram no Grupo RBS e na Zero Hora no site!tudo é muito bonito!

  • Lucio diz: 14 de junho de 2012

    É melhor a ZH não cobrir quase mais nada, imagine se por exemplo vai cobrir sobre a superlotação no SUS, não vai faltar quem venha aqui postar que é uma exploração da mídia e tal, que deveria ter levado a pessoa para outra unidade…E tem mais. De onde se depreende que as autoridade competentes não foram avisadas ou não estavam cientes da situação, no caso da reportagem acima??? Falta pensamento analítico para muita gente….

  • Neil Ferreira diz: 14 de junho de 2012

    Como podem criticar negativamente essa reportagem? Afinal, de que maneira essa realidade deveria ser mostrada? com desenho animado? Parabéns a ZH e sua equipe. Meus pêsames a quem critou porque não te a minima visão.

  • Tatiana Trajano diz: 14 de junho de 2012

    E como esse menor se sente agora? Valorizado ou mais uma vez explorado e abandonado. O grande meio de comunicação lhe deu atenção durante 3 anos, explora sua condição para “expor a realidade” e vender jornais e agora o que resta a esse pequeno cidadão. Sinto vergonha quando passo correndo por um morador de rua e não faço nada para ajudar, fico pensando como me sentiria se, além de não ajudar em nada, ainda lucrasse com sua condição. Triste tempo o nosso.

  • Marcelo Nunes diz: 14 de junho de 2012

    Todo mundo que comentou aqui neste espaço deu seu VOTO para que os governantes que foram eleitos tirassem esse guri das ruas. Então se a ZH tivesse a obrigação de cuidar do menino teria que dar comida a todo mundo que tem fome, pagar médico a quem não tem plano de saúde e dar emprego a desempregado? A lógica é a mesma. TEM DE MOSTRAR A REALIDADE PRA QUE O GOVERNO TOME VERGONHA NA CARA. Ou então em breve a ZH vai falar da vida dele no presídio. Ha claro… tem leitores que vão querer que o jornal cuide de todos os presos também…

  • Cristina Jung diz: 15 de junho de 2012

    Mais um Pixote ….

  • Fran diz: 15 de junho de 2012

    Não sou sensacionalista, e acho que o jornal tem sim a obrigação de mostrar estes fatos à sociedade e principalmente às autoridades…
    Mas pôxa vida hein ZH? 3 anos não é tempo demais? No meu ponto de vista, creio que houve descaso por parte do jornal também, que acompanhou a situação durante 3 anos e simplesmente manteve o menino na rua durante este período todo, apenas para ter mais “detalhes” de uma realidade que sabemos ser horrível… Lamentável a situação e decepcionante a atitude de um jornal tão conceituado…

  • mstrey diz: 15 de junho de 2012

    Lucio,
    Imprensa não é assistência social. O problema aqui é esperar 3 anos pra denunciar um abuso só pra vender mais jornal. Se os tais jornalistas tivessem ética teriam feito a denúncia e acompanhado como o estado tentou resolver o problema. isso sim seria fazer algo de útil, não simplesmente se aproveitar da desgraça alheia só pra fazer manchete.

  • Maria Fernanda diz: 15 de junho de 2012

    As reações negativas a essa reportagem parecem mais a reação típica daqueles que atacam os que apontam problemas que ninguém quer ver. É reconfortante dar uma esmola numa sinaleira e se refugiar em casa com a sensação gratificante de ter praticado um ato generoso com os que não tiveram a mesma sorte que nós. A gente vira a esquina e já esquece tudo e pode seguir a vida. É angustiante viver o drama dessas pessoas. Como poderemos dormir tomando conhecimento de toda a realidade? Como ela inicia? Por que não se consegue melhorar a vida dessas pessoas? Por que nós falhamos nesse socorro? São tantas indagações e tão poucas respostas. Impossível fechar o jornal e esquecer. Como poderemos dobrar a esquina e seguir a vida?

  • Guilherme diz: 15 de junho de 2012

    O Lucio esta certo, essa revolta de quase todos aqui não deveria ser com a ZH, e sim com quem vcs votoram nas ultimas eleições, quando sair a reportagem no jornal peguem e procurem o vereador, o prefeito ou deputado estadual que vcs votaram. E não adianta fazer passeata e quebrar tudo por ai, tem que ir atras do seu candidato, tem que ser pessoal! Vc que o colocou la, ele é nosso empregado, trabalha pra todos nós. Se disser que não tem recursos é mentira estão querendo te enrolar, não falta dinheiro o que falta é competência e ética, e isso só vai mudar quando os políticos sentirem q a m. ta respingando neles. A função da imprensa é exatamente essa informar pra que todos saibam, e não resolver os problemas da sociedade. E só pra constar, não sou jornalista e nem tenho vínculo com a ZH, sou economista nascido no interior e estudei minha vida toda em escola pública.

  • Alex Padilha diz: 15 de junho de 2012

    O que NÓS fazemos diariamente para mudar as situações que nos desagradam?
    É impossível alcançar resultados diferentes com as mesmas atitudes. A ZH é um veículo, um jornal, formador de opinião…
    Acho exagerado estas acusações de “lucrar com a situação” (como se não lucrasse com várias situações).
    Cada vez mais estes comentários refletem o mundo moranguinho, “facebook”: todos são bonzinhos, amam animais, menores de rua, defendem o meio ambiente, os velhinhos… Santa hipocrisia!!!
    Quem faz algo em prol de causas que acredita não precisa gritar para o mundo que faz.
    Mais efetividade! Menos moralismo inerte!

  • Flávia diz: 15 de junho de 2012

    O pior ainda foi o vídeo “como nasce um menino de rua” (…) “desses que você vê pelas esquinas”. Por favor, ninguém nasce menino de rua. O menos pior seria dizer como uma criança vai parar na rua. A ZH não teve o mínimo de respeito ao ser humano com essa abordagem.

  • Thais diz: 15 de junho de 2012

    O menino servio somente para a realização de uma reportagem!!! O que se vende é a derrota dos outros, é nisso que a mídia se baseia hoje. Pergunto: Onde esta este menor hoje? O que mudou na vida deste menor após esta “atenção” da ZH? Esta empregado? Saiu das ruas? … Mas para ZH muda $$$$$… Se a ZH esta tão preocupada com estes problemas sociais porque não cria uma ong para ajudar moradores de rua? …. Na minha percepção não é necessário usar a imagem de um menor morador de rua porque este assunto é um problema social. ZH O JORNAL DOS GAÚCHOS!!!

  • Fabrizio diz: 15 de junho de 2012

    Big Brother Mendigo:
    o jornalismo na sarjeta

  • Sergio diz: 15 de junho de 2012

    Senhores a reportagem bem representa a fundação siroski sobrinho.
    Chama-se proprio bolso.
    E é para ser uma empresa séria.

  • Luiz diz: 15 de junho de 2012

    A realidade é crua,a ZH faz o seu papel,que é mostrar para que quem é de direito,tomar as providências;no caso os governantes,estes que quando não estavam no poder diziam que a solução era possivel e fácil,só faltava vontade política.Falta oque agora?Ou ainda vão ficar culpando os antecessores?

  • marta moraes diz: 15 de junho de 2012

    Meu Deus isto só pode ser uma brincadeira,estou horrizada com esta materia e concordo com todos estes comentarios

  • Maicon diz: 15 de junho de 2012

    Esse pessoal que ta defendendo a ZH não leu todos os comentários né? Concordo que devem mostrar a realidade, mas porque não denunciaram ao poder público essa situação? poderiam ter feito a matéria mostrando a morosidade do estado em resolver o problema mas preferiram se aproveitar da infelicidade alheia!

  • Carina diz: 15 de junho de 2012

    Acredito que o papel do jornalismo é mostrar a realidade existente e assim atingir os órgãos responsáveis por tais “atitudes”. O que não concordo, é usar a imagem de uma criança durante 3 anos, são 3 anos. Se o objetivo era “comover” a população ou “atentar” o governo, acredito não ser preciso 3 anos para causar tal impacto. Mediante ao acompanhamento deste menor durante este tempo, achava conveniente sim a ZH encaminha-lo a uma instituição ou alguma assistencia social! Como será que ele se sente agora?

  • Guilherme diz: 15 de junho de 2012

    Que coisa hein, parece que tem gente que não sabia que existem meninos de rua há alguns anos já em POA. Por favor neh, o que o jornal deveria denunciar? O que as autoridades sabem mas não fazem nada? Até parece que ninguém sabe que existem meninos de rua, queria que fizessem oq? Tirassem da rua e fizessem uma mega campanha tipo reality show pra tirar o menino da rua e todo mundo achar bonito, e os outros esquecidos? Enfatizo o que disse acima, tem que ir pra cima dos políticos que nós elegemos, não basta só não votar nele na próxima, tem que exigir satisfação, eles não estão inalcançáveis como um Deus na terra!!

  • Lucio diz: 15 de junho de 2012

    A reportagem foi produzida com autorização do Juizado da Infância, que já tinha conhecimento do caso, assim como toda a rede de proteção e assistência. Durante todo o período de apuração deste trabalho jornalístico, os serviços assistenciais continuaram trabalhando para tentar resgatá-lo da rua.

    Talvez isso acabe com essa insanidade pseudocomunista e hipócrita de alguns.. que parecem não ser capazes de ler um texto-denúncia sem misturar as funções de jornalismo e de amparo/proteção social.

    Tenho uma ideia boa, por que a zehohora não dá a localização desse menino e alguns aqui do fórum não o adotam e levam para a sua casa? Problema resolvido e seria um excelente exemplo…

  • Guilherme diz: 15 de junho de 2012

    Sou obrigado a concordar novamente com o Lucio, pode-se ter ideia por aqui da falta de bom senso da grande maioria dos brasileiros, isso que os leitores de internet em princípio são mais esclarecidos.

    O engraçado no Brasil, é que pra um lixo de um time de futebol as pessoas se juntam em torcidas organizadas e vão la tirar satisfação se as coisas não vão bem, chegam as últimas consequências se for preciso. Ja na política que é algo que afeta a todos diretamente não é feito nada.

  • josé valter heinrich diz: 15 de junho de 2012

    lamentável, mas quem fez a reportagem, e quem concordou em publica-la, bem como todos que ganharam com a desgraça alheia ira pagar aqui mesmo, com uma doença terrivel, ou um acidente terrivel

  • Letícia Duarte diz: 15 de junho de 2012

    Prezados leitores

    Para contribuir com a discussão, gostaríamos de esclarecer que toda a reportagem foi produzida com autorização do Juizado da Infância e da Juventude da Capital, que já vinha atuando no caso, assim como toda a rede de proteção. Boa parte da apuração mostra justamente a luta de diferentes serviços para tentar tirar este menino das ruas – como o Conselho Tutelar, o programa Ação Rua, a Fundação de Assistência Social e Cidadania. Nesses três anos, ao mesmo tempo em que acompanhávamos o caso, trocávamos informações com os profissionais da área que seguiam com tentativas de reaproximação.

    Testemunhamos as internações para desintoxicação de crack, as matrículas na escola, as buscas da mãe para encontrar o filho. Estivemos nos abrigos que o acolheram, e dos quais ele fugia. Reconstituímos com documentos todos os encaminhamentos do caso – inclusive a inserção da família em programas como Bolsa Família, Bolsa Escola, Programa de Erradicação do Trabalho Infantil. Todo o trabalho respeitou estritamente as determinações do Estatuto da Criança e do Adolescente. Por isso, a identidade do menino e de sua família foi preservada.

    Assim, temos a convicção de que a reportagem se soma aos esforços para ampliar o cuidado com a infância e a adolescência. Ao expormos este caso símbolo – que é apenas um entre tantos – pretendemos suscitar a reflexão da sociedade a respeito e a mobilização do poder público para enfrentar este dilema que é de todos nós.

    Abraços cordiais
    Letícia Duarte

  • Adalberto de Souza Telles diz: 15 de junho de 2012

    É impossível agradar todo o mundo. Mas vou ficar aguaardando a notícia, agradável notícia, de que o guri está sob a guarda de alguns dos leitores que recriminaram a matéria. Não creio que eles sejam simples moralistas e benfeitores de internete.

  • Lucio diz: 15 de junho de 2012

    Concordo com o Alberto, também aguardarei a postagem de alguém que aqui recriminou a matéria, me dando a grata notícia que o adotou o menino e tomará medidas efetivas para sua cura da dependência e sua ressocialização.

  • José Alberto diz: 15 de junho de 2012

    ATÉ PARECE QUE AS PESSOAS QUE ESTÃO RECRIMINANDO ESSA REPORTAGEM VIVEM NOUTRO PAÍS OU FAZEM VISTAS GROSSAS PARA AQUILO QUE ACONTECE TODOS OS DIAS NAS SINALEIRAS E EMBAIXO DOS VIADUTOS DA NOSSA CIDADE. O TEOR DA REPORTAGEM É UM ALERTA PARA OS GOVERNANTES, E MOSTRA A SITUAÇÃO REAL EM QUE SE ENCONTRAM MUITOS JOVENS QUE VIVEM NAS RUAS, A MERCÊ DAS DROGAS E DO ABANDONO. ACHO QUE SÃO REPORTAGENS SÉRIAS E DEVEM SER MOSTRADAS, ASSIM COMO FOI MOSTRADA A SITUAÇÃO DO PRESÍDIO CENTRAL, DOS HOSPITAIS, DOS POSTOS DE SAÚDE, DAS NOSSAS ESTRADAS E ETC…TODOS PAGAMOS IMPOSTOS E É NOSSO DEVER E OBRIGAÇÃO COBRAR PELO RETORNO DELES….

  • Fádua Andrade diz: 16 de junho de 2012

    Ao ler os comentários condenando a ZH por tal reportagem, só posso pensar no quanto essas pessoas fazem pelo próximo. Pois todos fazemos mesmo: só olhamos. Alguém denunciou? Acionaram os responsáveis? É triste, mas nosso povo sempre acha que é de outrem a responsabilidade da ação. Concordo com o Lúcio, com José Alberto, com o Alex Padilha e com os demais que acreditam que as soluções não caem do céu. Pessoas “horrorizadas” com a realidade que pode ser conferida dia-a-dia. Não, não precisa a ZH fazer alguma reportagem. Basta, infelizmente, sair de casa e testemunharemos a tristeza desses meninos.

  • Ana Paula diz: 16 de junho de 2012

    É impressionante como a realidade incomoda algumas pessoas, acredito que a reportagem cumpriu seu papel, mostrando um dos milhares de meninos que ficam nas ruas, e na maioria das vezes por muito mais de 3 anos, o papel da imprensa de fazer a denúncia para que as providências sejam cobradas de quem é devido foi feito! Parabéns a Equipe ZH, Parabéns Letícia!

  • Tiago Lobo diz: 18 de junho de 2012

    Digna de um Esso Nacional. Isso e jornalismo. Legworking puro.

Envie seu Comentário