Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts do dia 8 setembro 2012

A nossa história

08 de setembro de 2012 0

Todo ano, na Redação de Zero Hora, um grupo de jornalistas marca uma reunião lá por março, sempre com a mesma e previsível pauta: o que vamos oferecer aos leitores no dia 20 de setembro?

A pauta poderia ser óbvia e repetitiva. Nunca é. Especialmente neste ano, não é mesmo – e você logo verá por quê.

Como jornal do Rio Grande do Sul, escrito para os gaúchos onde quer que estejam, este é um assunto muito caro. E por isso quebramos cabeça: como tratá-lo pela enésima vez? Como contar de forma inovadora uma história de 177 anos e, ainda que cultuada, mais do que manjada por todos nós?

Fabíola Bach, produtora do jornal, desafiou Nilson Mariano, repórter especial de Zero Hora e veterano no assunto Revolução Farroupilha, a ter uma ideia diferente de tudo o que ZH já fez. E Mariano entregou-se à missão com a mesma paixão que os gaúchos têm por seus assuntos.

E ele tem razões para este sentimento:

– É a história de uma guerra que repercute no imaginário das pessoas até hoje. Mobiliza os gaúchos, tantos anos depois, em acampamentos, em cavalgadas. Um dos momentos que comprova isso está nos estádios de futebol, quando os torcedores cantam o Hino Rio-Grandense. O hino, nem todos sabem, nasceu do resultado de uma das batalhas ganhas pelos farroupilhas – explica Mariano (no centro da foto, abaixo).

A ideia que o repórter apresentou foi a de vasculhar 10 locais emblemáticos dos embates. Lugares que nunca ou poucas vezes tenham sido visitados por jornalistas, como Cuaró, no Uruguai, onde ocorreu o último combate. Lugares esquecidos e à margem da história contada pelos livros.

Com o fotógrafo Lauro Alves (E) e o motorista Sérgio Barbosa, ele rodou 3.161 quilômetros durante 12 dias entre Santa Catarina, Rio Grande do Sul e o país vizinho. Encontraram personagens ricos como o menino Thalys Buck, morador de Seival, que tem apenas 12 anos mas conhece os eventos farroupilhas e participa de cavalgadas com o seu parceiro de pelagem clara, o Tic-Tac. Ouviram histórias de assombrações, como em Porongos, palco do massacre dos lanceiros negros, onde se relatam aparições de um “colosso negro de olhos faiscantes” e crianças sem cabeça. Conversaram com agricultores que aram a terra como arqueólogos e deparam com pontas de lanças, espadins, cabos de sabre, estribos, trabucos e ossos.

Ao trio juntou-se uma equipe multidisciplinar para empacotar todo o material – que tem o patrocínio de Bradesco e O Boticário – e oferecer a você, leitor, uma Revolução Farroupilha em todas as plataformas.

Para cuidar das 23 páginas desta série que durará 10 dias no jornal impresso, a editora Janaína Kalsing e o diagramador Diego Borges. Na coordenação das narrativas digitais, a editora multimídia de imagens Marlise Brenol, que, junto com o programador Sharbel Silva, os designers Guilherme Gonçalves e Thiago Machado, o ilustrador Gilmar Fraga, as editoras Marcela Duarte e Bruna Riboldi e o assistente Luan Ott, trabalhou no webdocumentário interativo e na história em quadrinhos animada que você confere em zerohora.com. Nos cinco episódios contados em ilustrações, página a página, para tablets, o editor Filipe Speck. No aplicativo para facebook com termos gauchescos, a editora de Redes Sociais Juliana Sakae.

É a nossa história, a história dos gaúchos, tão antiga, tão atual.