Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts do dia 27 janeiro 2013

Uma das edições mais tristes da história

27 de janeiro de 2013 1

O assistente multimídia Felipe Martini captou imagens da produção do jornal que chega às bancas nesta segunda-feira. Zero Hora retrata a maior tragédia registrada no Rio Grande do Sul: o incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, que vitimou mais de 200 pessoas.

“O fechamento de uma das edições de ZH mais tristes de sua história”, postou Martini, na rede social Instagram.


Daquilo que dói e deixa saudade

27 de janeiro de 2013 18

A jornalista Bruna Scirea narra os bastidores da cobertura do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, que vitimou mais de duas centenas de pessoas na madruga deste domingo.

É dos furos que nenhum jornalista quer dar. É das notícias que nenhum repórter se orgulha em narrar. São números que têm rosto. E que vão deixar saudade.

Na madrugada deste domingo, foram pelo menos 233 vidas abreviadas por um incêndio na boate que reunia centenas de jovens em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. E nessa mesma madrugada, esta foca, como se chama uma jovem repórter no jargão jornalístico, cobria, sozinha, o plantão do jornal Zero Hora.

A primeira ligação veio por volta das 4h. Havia fogo na boate Kiss, no centro da cidade universitária. Em seguida, chegava a dolorosa contagem: seriam pelo menos 30 mortos. A estimativa, muito aquém do que iria se confirmar mais tarde, já se firmava como uma das maiores tragédias vividas pelo povo gaúcho.

Editores informados, repórteres e fotógrafos acionados, equipamentos separados: iniciávamos a cobertura mais chocante dos últimos tempos. Daquelas pelas quais desejamos nunca mais passar. E em poucos minutos o desespero se multiplicava: 50, 70, 90, centenas de breves vidas tristemente ceifadas.

Na Redação, os telefones tocavam sem parar, vários ao mesmo tempo. As informações chegavam e, ainda que atropeladas, queriam dimensionar a tragédia. As vítimas haviam se empilhado dentro do banheiro, acreditando que aquela era a porta de saída. Do lado de fora, os que se salvaram usavam marretas tentando abrir buracos de fuga nas paredes do estabelecimento.

O que se viu e teve de ser engolido com lágrimas foi uma sequência de erros graves, entre os quais estavam dois inadmissíveis. O primeiro deles foi a causa: o show pirotécnico da banda, cujas faíscas associadas à espuma de isolamento acústico, no teto, causaram o fogo. A segunda é ainda mais lamentável: a casa noturna tinha o plano de prevenção de acidentes vencido e contava com apenas uma saída de emergência para um público estimado em mais de mil pessoas.

A notícia acordou o mundo. Virou manchete e capa de jornal dos veículos mais distantes que se possa imaginar. Mas de todas as páginas de impressos, sites, telas de TV e timelines de redes sociais que estampou, a mancha maior é aquela que se reflete na ausência dos que se foram. Na dor afogada no sentimento vazio dos que ficaram.

Todos já sabiam, mas ninguém queria e nem podia acreditar. Por isso, celulares vibravam insistentemente juntos aos corpos ainda estirados no chão. Eram pais, familiares e amigos imersos em uma remota esperança. Um sentimento que não obteve resposta. Eram ligações que jamais seriam atendidas. Os tantos pais, que não dormiam enquanto o filho não voltasse para casa, foram obrigados a acordar com o choque de reconhecer o corpo de quem tinha ainda tanto a viver.

Em Porto Alegre, as horas seguintes foram de solidariedade com as famílias. Feridos chegavam a todo momento, transportados em ambulâncias e helicópteros. E a todo instante, medicamentos e profissionais daqui partiam até o centro do Estado.

Depois de mais de oito horas de cobertura, de adrenalina saindo pelos poros, um tweet vindo de um colega do Grupo RBS arrancou o que restava de mim. E o desabafo foi inevitável.

“Um bombeiro apanhou um daqueles celulares que tremiam no chão. O aparelho registrava 104 chamadas. Na tela: MÃE”.