Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

O encanzinado

28 de março de 2015 6

marta-gleich

 

No currículo de um bom repórter, obstinação conta muitos pontos. A persistência para seguir um assunto até o seu desfecho ou até que todas as perguntas estejam respondidas sempre fez parte do sucesso de um jornalista. José Luís Costa poderia colocar no seu currículo obstinação, persistência, organização, resiliência, metodologia de investigação. Ou, como resume sua editora, Dione Kuhn: “O Zé é um encanzinado”. Repórter especial de ZH, José Luís acompanha, desde 2011, o misterioso golpe na Arquidiocese da Igreja Católica em Porto Alegre, que ganharia R$ 12 milhões do governo português para reformar paróquias, mas caiu em uma armadilha com prejuízo de R$ 2,5 milhões. A figura central desta fraude é Adelino Pinto, ex-vice-cônsul de Portugal na capital gaúcha, um personagem controvertido e com passado nebuloso na terra natal, para onde fugiu logo após a revelação do escândalo. Demitido do emprego, processado pela Justiça, com ordem de prisão preventiva e nome na lista vermelha da Interpol, Adelino não pode ser alcançado pela polícia – normas diplomáticas portuguesas impedem extradição de seus cidadãos, assim como ocorre com brasileiros no Brasil. Mas ele não está livre de ser cobrado e de ter de dar explicações, ainda que vivendo a vida a 8,8 mil quilômetros do Rio Grande do Sul. Decidido a seguir contando esta intrigante história, José Luís monitora há quatro anos o caso junto aos órgãos responsáveis, criou uma rede de contatos em Portugal e propôs aos editores viajar a Lisboa. O resultado da obstinação do repórter você pode conferir aqui.

EDUCAÇÃO – Na última quinta-feira, lançamos o novo caderno de educação da Zero Hora, o Educa, em substituição ao Vestibular. A iniciativa faz parte da crença do Grupo RBS na relevância do tema para todos os públicos e do compromisso de ZH de acompanhar, discutir e instigar a transformação na educação. Agora, além de falar sobre os processos seletivos para conseguir uma vaga na faculdade, com Enem ou concurso vestibular, o caderno investe em matérias sobre outros assuntos que também importam muito para o crescimento profissional e acadêmico dos estudantes – sejam eles de Ensino Médio, faculdade ou pós-graduação. Língua estrangeira, intercâmbio, carreira e até as relações entre pais e filhos estarão no novo projeto de educação de ZH, que prevê ainda um braço digital mais robusto. Na seção zerohora.com/educa você já encontra as reportagens do caderno e também as últimas notícias sobre Enem, vestibular, tendências em ensino, programas e cursos de graduação, pós-graduação, intercâmbio, idiomas e atualidades que podem fazer diferença na sua formação.

A OPINIÃO DE ZH SOBRE O FINANCIAMENTO DE CAMPANHA – No segundo editorial sobre temas polêmicos (o primeiro tratou da legalização da maconha, em 8 de março), ZH aborda hoje o financiamento eleitoral. A série previa, como segundo e terceiro assuntos, a maioridade penal e a privatização de presídios, mas os fatos, com as investigações da Operação Lava-Jato, se impuseram. Como o tema está na ordem do dia, resolvemos antecipar a posição de ZH sobre as formas possíveis de pagamento das campanhas. Principal fator da corrupção na administração pública no país, o financiamento eleitoral é debatido também em uma ampla reportagem, para que o leitor entenda as opções possíveis, suas vantagens e desvantagens, e tire suas próprias conclusões.

 

Comentários (6)

  • Jose Manoel de Alencastro Fidelis diz: 28 de março de 2015

    Bom mesmo ser uma empresa gaúcha…Por aqui, todos os gatos são pardos, não? A Rbs desconhece e nega irregularidades com a Receita Federal! Deve ser a empresa mais proba do muuuuuundo! Então, rezemos ao senhor que nenhum reporter encanzinado e QUE NÃO TRABALHE NA RBS, A IMPOLUTA, resolva revirar os podres desta empresa – outrora a queridinha da ditadura militar e hoje posando de palmatória nacional! Caso contrário, a coisa federá! E a Martinha ficará com cara de quem comeu e não gostou. O que, aliás, ela já tem de nascença!

  • Jacó 3 Pernas diz: 29 de março de 2015

    Interessante. MAS E SOBRE A OPERAÇÃO ZELOTES, QUAL A TUA OPINIÃO?

  • José Silva diz: 29 de março de 2015

    Polícia Federal pega RBS com a mão na massa!

    Este é o título correto para a matéria, sobre a Operação Zelotes, da Polícia Federal, que – entre outras empresas e bancos – também fragrou a RBS, envolvida até o pescoço no desvio de dinheiro da Receita Federal.

    O site do Estadão informa:

    “O grupo de comunicação RBS é suspeito de pagar R$15 milhões para obter redução de débito fiscal de cerca de R$150 milhões. No total, as investigações se concentram em débitos da RBS que somam R$ 672 milhões, segundo investigações”.

    A casa caiu! A notícia é uma bomba! Gente, a notícia é uma bomba! Informa até detalhes dos valores da corrupção.

    E agora, RBS? Esta é a pergunta que fica no ar. A seguir, confiram no próprio site do jornal.

    http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,bancos-e-empresas-sao-alvo-da-operacao-zelotes,1659679

  • Jose Manoel de Alencastro Fidelis diz: 29 de março de 2015

    A sra é um títere em minhas mãos… Foi rapidinho apagar deste post sua mancada em citar as suspeitas lançadas pela Operação Zelotes, que colocam a RBS entre as empresas fraudulentas e execráveis deste país! Como se isto não fosse a verdade nua e crua! Sua estupidez é notória!

  • O REALISTA diz: 30 de março de 2015

    OK…BLA´,BLÁ,BLÁ…MAS E O CASO DA POLICIA FEDERAL EM QUE SUA EMPRESA É CITADA COMO FALCATRUA NA OPERAÇÃO ZELOST? NADA? AH TÁ…

  • Fernando Greyson diz: 30 de março de 2015

    O sr. José Manoel pode ser muito severo, muito crítico, mas está coberto de razão! A editora Marta retirou do post que havia escrito o preâmbulo no qual falava das acusações feitas à RBS, oriundas da operação zelotes. Agiu como quem tem medo, como quem enfia a cara na terra, como uma avestruz tresloucada. Aos nossos olhos mostrou o quanto a posição da RBS no caso em questão parece de quem tem culpa no cartório. A RBS ficou parecendo uma empresa que corrompe funcionários da Receita Federal em troca de vantagens. Mostrou não ser nada diferente das demais empresas fraudulentas e desonestas do Brasil! Que vergonha, não? Pega no mesmo saco das macãs podres. Mas, pelo menos, diferente dos outros blogueiros deste site, que só publicam os elogios recebidos por leitores debilóides, a editora publica os comentários de quem a critica, mesmo de quem a coloca na sua devida medida! Isto é louvável! E ela é a maioral da redação! Deveria obrigar que seus subalternos agissem da mesma forma democrática e respeitosa que ela age! Afinal, todos por aqui apenas mantêm os blogs que são da RBS e são pagos para isto! Portanto, deveriam ser respeitadores das opiniões de seus eventuais leitores e livres de fricotes de quem não se garante.

Envie seu Comentário